Skip to main content

AUTO2015: Competitividade e Inovação nas Cadeias de Fornecimento da Mobilidade

O projeto surgiu da necessidade de promover a capacitação técnica, tecnológica e organizacional das empresas portuguesas, de modo a dar resposta aos desafios da mobilidade e corresponder aos standards internacionalmente reconhecidos pelos principais players das indústrias da mobilidade.

in COMPETE, por Cátia Silva Pinto, 25-08-2015

Síntese

Promovido pelo CEIIA enquanto gestor do PCT da Mobilidade, o projeto “Auto2015: Competitividade e Inovação nas Cadeias de fornecimento da mobilidade” é um instrumento de sensibilização para os factores críticos de competitividade e de demonstração das melhores práticas na indústria, orientado segundo os standards dos actores de referência e desenvolvido em torno de oportunidades de incorporação nacional em projetos em curso e em fase de lançamento nas unidades de montagem instaladas, enquanto mobilizadores em torno dos quais importa trabalhar no sentido de qualificar e especializar a indústria de componentes para produções de nicho.

O apoio do COMPETE no desenvolvimento deste projeto foi crítico na medida em que promoveu as condições para o CEiiA desenvolver todo um trabalho preparatório, anterior ao trabalho de intervenção junto das empresas. Este projeto âncora da estratégia do PCT da Mobilidade, iniciativa igualmente apoiada pelo COMPETE, possibilitou dar um grande salto no processo de qualificação das empresas nacionais para a sua integração nas cadeias de fornecimento de grandes construtores automóveis.

Âmbito

O projeto Auto2015, que decorreu entre abril de 2009 e julho de 2011, teve como objetivo sensibilizar para os fatores críticos de competitividade e demonstrar as melhores práticas na indústria. Assim, o Auto2015 pretendia criar uma base qualificada e especializada de competências ao longo de toda a cadeia de fornecimento nacional, contribuindo quer para o aumento do número de fornecedores nacionais capazes de responder às exigências dos construtores instalados, quer para analisar novas oportunidades associadas a novas lógicas de motorização, promovendo a internacionalização de produtos com incorporação de tecnologia e know-how nacional.

Objetivos

Contribuir para o aumento da incorporação nacional em veículos produzidos em Portugal; – Analisar oportunidades associadas a novas lógicas de motorização; – Promover a internacionalização de produtos com incorporação de tecnologia e know-how nacional.

Atividades

Gestão e coordenação – Análise de formas de incorporação – Diagnóstico e planos de melhoria – Monitorização e avaliação das atividades – Divulgação e disseminação

Metodologia

As atividades desenvolvidas em cada uma das nove empresas do grupo piloto incluíram um diagnóstico, a definição de um plano de melhoria (a partir dos resultados do diagnóstico) e duas ações de acompanhamento e três ações de monitorização do plano de melhoria. Simultaneamente, foram definidos uma base de procurement, constituindo-se um repositório da informação das empresas nacionais capacitadas para fornecer a indústria de veículos elétricos, e um manual de boas práticas de fornecimento automóvel. O projeto incluiu ainda várias ações de sensibilização à indústria, incluindo conferências e workshops, e duas ações de promoção do cluster automóvel nacional no exterior.

As atividades de divulgação e disseminação pretenderam garantir que os resultados obtidos fossem divulgados pelas restantes empresas do setor. Alguns dos resultados do projeto, designadamente a criação de uma base de procurement de veículos elétricos e a elaboração do manual de boas práticas, destinaram-se por conseguinte a? totalidade de empresas do setor.

Resultados

Os resultados do projeto foram muito positivos. Com base na informação disponibilizada pelas empresas participantes, entre 2009 e 2010 registou-se um aumento de 25% no volume de negócios e nas exportações, cerca de 17,7 milhões de euros, um valor muito superior à meta de 10% estabelecida em sede de candidatura. Apesar de haver uma multiplicidade de fatores na base deste aumento, como o facto de o ano de partida para a análise destes dados (2009) ter sido um ano com um volume de produção inferior ao normal para este setor e para a capacidade instalada existente, esta não deixa de ser uma notícia excelente para o projeto, que viu assim atingido o seu mais importante objetivo.

Apoio do COMPETE

Sistema de Incentivos às Acções Coletivas (SIAC)

Apoiado pelo COMPETE, o projecto “Auto2015: Competitividade e Inovação nas Cadeias de Fornecimento da Mobilidade” teve enquadramento no Sistema de Incentivos às Acções Colectivas (SIAC) com um investimento elegível de 463 mil euros, correspondendo a um incentivo FEDER de 309 mil euros.

Links

CEiiA | www.ceiia.com

PCT Mobilidade | www.pctdamobilidade.com

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.