Las exportaciones españolas de componentes de automoción se contraen por el impacto de la COVID-19

Entre enero y abril de 2020 se exportaron equipos y componentes de automoción españoles por un valor de 5.424 millones de euros, lo que refleja el fuerte impacto del Coronavirus en el sector, ya que supone una caída en las exportaciones de un 26,2%.

in SERNAUTO, 08-07-2020


La pandemia ha originado una crisis económica, motivada tanto por el descenso en actividad productiva como por las restricciones a los intercambios comerciales y la disrupción en las cadenas de producción a nivel global. En las estimaciones de comercio exterior, por actividades, de las más negativas son para el sector automoción, ampliamente globalizado. De hecho, conforme las previsiones en varios escenarios de la OMC, el comercio internacional global en su conjunto en 2020 experimentará una caída entre un 13% % y un 32% motivado por la incertidumbre asociada a las repercusiones económicas concretas de la pandemia.

Las exportaciones de equipos y componentes para automoción cuyo destino principal es la Unión Europea representaron el 71,2% sobre el total, y han registrado un descenso del 27,6% respecto al mismo periodo del año anterior, situándose en 3.861 millones de euros (incluido Reino Unido para este periodo, ya que su salida se produjo el 31 de enero).

Según el análisis de las cifras registradas en los principales mercados europeos de automoción, el comportamiento registrado ha sido común, un descenso de dos dígitos en todos ellos. Destacan las tasas de decrecimiento en los cinco grandes socios comerciales para el sector, Alemania (-28,4%), Francia (-32%), Portugal (-29,4%), Reino Unido (-25,5%) e Italia (-25,2%).

Fuera de la Unión Europea, Estados Unidos continúa como primer destino de las exportaciones españolas, con unas ventas totales de 353 millones de euros, y un crecimiento del 11,6% interanual.  Es de destacar el buen comportamiento de este mercado que continúa su tendencia de crecimiento, siendo el único mercado, considerada la UE como un bloque, que presenta crecimiento para el periodo analizado.

Marruecos mantiene su segunda posición, aunque presenta una caída importante de casi un 26% respecto al mismo periodo año anterior, alcanzando los 249 millones de euros.

China, tercer destino, alcanza los 140 millones de euros, presentando una mínima desaceleración del 0,9 %. A pesar del impacto inicial en los intercambios con este mercado a principios de año, momento en el que la pandemia estaba focalizada en este país, la posterior recuperación industrial de esta economía ha permitido paliar el impacto de la crisis en las relaciones comerciales bilaterales.

México, Turquía y Sudáfrica, por orden de relevancia como destino de las exportaciones, presentan caídas de porcentajes similares, en torno al 23,4% interanual. En el caso del mercado latinoamericano, el nivel de facturación (con 101 millones de euros) se ha situado en los niveles de 2012. Japón, Rusia y Brasil cierran el top 10 de socios comerciales, con tasas igualmente decrecientes.

En este sentido, Sonia López, Presidenta de la Comisión de Comercio Exterior de SERNAUTO, incide en la importancia de que se apoye la internacionalización de las empresas del sector, especialmente, de las pymes: “Las exportaciones son un elemento determinante en la recuperación económica tanto del sector como de la economía nacional.  En un sector como el nuestro, con el peso que tiene en el PIB y ampliamente globalizado, en estos momentos resulta imprescindible el apoyo público con acciones eficaces que permitan a las PYMES internacionalizadas lograr, recuperar y mantener las cuotas de mercado en mercados exteriores cuando se vaya avanzando en la normalización de los intercambios comerciales. No hay que olvidar que las exportaciones representaron el 58% de la facturación del sector en 2019”.

A continuación, se recogen los gráficos con los porcentajes de las exportaciones realizadas a los principales destinos, tanto dentro de la UE como en el resto del mundo.

Gráfico: Top 10 países de UE destino de las exportaciones del sector

*Para esta comparativa, se ha considerado excepcionalmente a Reino Unido como miembro de la UE ya que su salida no tuvo lugar hasta el 31 de enero.

 

Gráfico: Top 10 países destino de las exportaciones del sector (tomando a la UE como un bloque)

 

 

Automotive sector responds to the Commission’s Communication on the EU Skills Agenda

The associations representing the automotive equipment and tyre suppliers, vehicle manufacturers and dealers and workshops (ACEA, CECRA, CLEPA, ETRMA) have come together in May 2020 to list 25 Actions that would help the industry towards a smooth and strong recovery, in the aftermath of the COVID-19 Crisis.

in CLEPA, 08-07-2020


Of these actions, two were specifically focused on the skills needs of the industry and particularly to support up- and re-skilling of the labour force, calling for the establishment of a sectoral Skills Pact for the automotive sector.

The four associations have written a letter to Commissioner Nicolas Schmit, in response to the European Commission’s communication on a “European Skills Agenda for sustainable competitiveness, social fairness and resilience”, published last Thursday. CLEPA, ACEA, CECRA and ETRMA are also part of the DRIVES project, which is seen as the basis for the implementation of a framework for the automotive sector.

Click here to read the full letter

 

 

Ineos may switch vehicle production to France, puts Welsh ops on hold

Britain’s Ineos, which is planning to build an off-roader in Wales to rival the likes of the Land Rover Defender, may make it in France instead at a factory Daimler has put up for sale.

in Reuters, by Costas Pitas, 07-07-2020


“As a result of the COVID-19 pandemic some new options such as this one… have opened up that were simply not available to us previously,” Ineos Automotive boss Dirk Heilmann said.

German carmaker Daimler said on Friday it wanted to sell its factory in Hambach in northeast France as it looks to cut costs.

Petrochemicals firm Ineos is run by pro-Brexit billionaire Jim Ratcliffe, who is ranked number five on The Sunday Times Rich List.

The company has said it would build the Grenadier off-roader in Wales, creating up to 500 jobs, and that a new plant in Portugal would produce the body and chassis.

But the COVID-19 pandemic has seen demand for vehicles slump and worsened problems affecting overcapacity, just as the sector pumps billions into electric models to meet emissions rules.

Jaguar Land Rover’s decision to stop making its classic Defender 4×4 in 2016 after 68 years, ahead of a replacement which was launched in 2019, prompted Ineos to announce plans for its own vehicle.

The French government has urged Daimler to keep all options open, including retaining the Hambach site which makes variants of its Smart cars.

Daimler plans to move production to China as part of a joint venture with carmaker Geely.

Ineos’ planned Welsh site in Bridgend, next to where Ford is due to shut its engine site, was a bright spot last year for an industry hit by major plant closure announcements from the U.S. carmaker and Honda.

Ineos said it would consider its options over the next few weeks.

“We have therefore suspended the post-lockdown resumption of work at our sites in Wales and Portugal pending the outcome of this review,” it said in a statement.

 

FILE PHOTO: Jim Ratcliffe, CEO of British petrochemicals company INEOS, poses for a portrait with the Canary Wharf financial district seen behind, ahead of a news conference announcing the launch of a British America’s Cup sailing team in London, Britain, April 26, 2018. REUTERS/Toby Melville/File Photo

 

 

Pandemia leva INEOS a suspender investimento

A empresa INEOS Automotive transmitiu à Câmara Municipal de Estarreja “a difícil decisão de suspender o investimento em Estarreja tendo em conta uma reavaliação das opções que agora se colocam face à crise provocada pela pandemia COVID-19.”

in CM Estarreja, 04-07-2020


Estarreja não escapou às ondas de choque da pandemia COVID-19, cujos efeitos são devastadores na economia mundial.

Sublinhando que a decisão não teve absolutamente nada a ver com uma mudança da visão de Estarreja/ Portugal como local de produção, a empresa aponta como principal razão para esta decisão a mudança de paradigma devido à diminuição da produção regular dos fabricantes de automóveis na Europa, forçada pela previsão de redução das vendas no setor automóvel na ordem dos 20% a 30% para os próximos anos.

De acordo com Dirk Heilmann, CEO da Ineos Automotive, este novo cenário permitirá à INEOS produzir o Grenadier numa unidade industrial já em funcionamento, usufruindo da força de trabalho com histórico de construção na área automóvel e da capacidade técnica instalada que possibilita a fabricação de outro produto, anulando os riscos inerentes à construção e arranque de uma nova unidade fabril.

Esta decisão constitui um duro golpe para o município estarrejense. O Presidente da Câmara Municipal, Diamantino Sabina, reage ao comunicado. “Para Estarreja é uma triste notícia! Um revés naquilo que poderia ser um salto qualitativo considerável em termos económicos e sociais. A COVID-19, neste caso, foi-nos fatal. Não podemos, contudo, esmorecer! O Eco Parque Empresarial de Estarreja continua a registar uma procura considerável, e com investimentos anunciados também muito interessantes. As nossas empresas continuam a produzir e a gerar riqueza, demonstrando no conjunto uma forte capacidade para ultrapassar a crise económica imposta por esta terrível Pandemia.”

 

Las fábricas de vehículos españolas ya han recuperado el 87% de la producción diaria de antes del coronavirus

Las plantas de automoción de nuestro país ya fabrican 11.739 vehículos al día, es decir, un 87,3% de lo que se ensamblaba antes de que tuvieran que parar por la Covid-19.

in La Tribuna de Automoción, por Pablo M. Ballesteros, Ignacio Anasagasti, 02-07-2020


Las 12 plantas de vehículos españolas ya han recuperado el 87,3% de la producción diaria que ensamblaban antes de que tuvieran que parar para afrontar la crisis del coronavirus, el 14 de marzo de este año, según el cálculo realizado por La Tribuna de Automoción, a partir de los datos de la docena de centros.

A día de hoy, se fabrican 11.739 unidades, frente a las 13.446 previas a que se decretara el estado de alarma en nuestro país. Además, ya hay cuatro factorías que han recuperado el 100% de los coches que construían: las dos RenaultMercedes y PSA Vigo.

En cuanto a la activación de los turnos de trabajo, siete ya están con los mismos equipos activos, a cuatro les falta poco para recuperar la normalidad y solo Nissan Barcelona arrancó y paró el 6 de mayo por la huelga, convocada ante la decisión de cerrar la planta de la multinacional japonesa a finales de año.

VW Navarra y Seat Martorell, normalidad después de verano

De los cuatro centros en los que aún no se trabajan las mismas horas que antes de la crisis sanitaria, dos ya saben cuándo lo harán. Se trata de VW Navarra, que retomará el trabajo nocturno el 24 de agosto —si no hay cambios en el mercado— y Seat Martorell que activará el segundo turno del Audi A1 a principios de septiembre.

Por su parte, PSA Figueruelas (Zaragoza) aún desconoce cuándo recuperará el tercer medio turno de sus líneas 1 y 2. En la actualidad, la planta zaragozana trabaja con normalidad en horario diurno y pero un equipo de noche se reparte entre ambas cadenas.

PSA Madrid ha fijado su objetivo en el lanzamiento del Citroën C4, que se empieza a ensamblar en serie a finales de año, mientras tanto solo se trabajan dos días a la semana —antes de la Covid-19, la semana era de lunes a viernes—, con una producción de 225 unidades por jornada, también por la baja demanda del C4 Cactus.

La normalidad también se empieza a asentar en la desafectación de los ERTE. De las doce fábricas, las dos de Renault, Ford Almussafes, Mercedes Vitoria y PSA Vigo, tienen expedientes en vigor, pero no los están utilizando. Mientras, Seat Martorell no tiene regulación aprobada.

 

foto: VW T-Cross en la fábrica de Landaben (Navarra).

 

58% das empresas registaram quebra nas encomendas

Vendas de maio caíram para três quartos das empresas, em média, para cerca de metade.

in CIP, 30-06-2020


Três em cada cinco empresas (58%) registaram uma quebra significativa das encomendas em junho, já em período de retoma das atividades económicas, depois dos condicionalismos impostos pelos processos de combate à pandemia de covid-19, conclui o inquérito promovido pela CIP – Confederação Empresarial de Portugal e pelo Marketing FutureCast Lab do ISCTE, hoje divulgado. Resultados disponíveis aqui.

A quebra média das encomendas registada pelas empresas é da ordem dos 45%.

O inquérito, dedicado a recolher e analisar informação sobre compras e vendas das empresas após o estado de emergência, conclui, também, que três quartos das empresas registaram uma quebra nas vendas, no mês de maio, e que essa quebra foi, em média, de 49.

“Estes dados deixam claro que a pandemia teve um impacto profundo nas cadeias de abastecimento e no funcionamento das empresas e indiciam que a recuperação da atividade económica será lenta. Mostram, também, o esforço que vai ser necessário para a concretizar”, afirmou o vice-presidente da CIP João Almeida Lopes, na conferência de imprensa de apresentação dos resultados.

Os dados do inquérito desenvolvido pela CIP, através das associações que a integram, mostram que a generalidade das empresas que já retomou a atividade, total ou parcialmente, em junho.

Revelam, ainda, que o lay off simplificado continua a ser um mecanismo determinante, quando 25% das empresas que respondeu ao inquérito diz que o utiliza e outros 10% dizem que pensam vir a pedir para o fazer, o que reforça a posição a CIP de defender o prolongamento desta solução até ao final do ano, “porque é fundamental para apoiar o emprego e ajudar as empresas a ultrapassarem esta fase de exceção”, referiu Almeida Lopes.

Este é o sétimo inquérito do Projeto Sinais Vitais, uma iniciativa inédita desenvolvida em conjunto pela CIP e pelo Marketing FutureCast Lab do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, que tem como objetivo recolher e divulgar, de forma regular, informação credível e atualizada sobre o que pensam os empresários e gestores de topo das empresas portuguesas, no quadro da atual situação de exceção.

CONSULTE AQUI O RELATÓRIO

 

 

EU car sales forecast 2020: Record drop of 25% expected this year, says ACEA

In the light of the major economic crisis facing the auto industry due to COVID-19, the European Automobile Manufacturers’ Association (ACEA) has radically revised its 2020 forecast for passenger car registrations down to about -25%.

in ACEA, 23-06-2020


This effectively means that the industry association expects car sales in the European Union to tumble by more than 3 million from 12.8 million units in 2019 to some 9.6 million units this year.

Following the first shockwaves of the crisis between mid-March and May, the EU market has contracted by 41.5% so far this year. This situation is expected to ease to a certain extent in the coming months as lockdown and containment measures are lifted throughout the region.

Nonetheless, in terms of volumes, ACEA’s forecast for 2020 represents the lowest number of new cars sold since 2013, when the industry had come through six consecutive years of decline in the aftermath of the 2008-2009 financial crisis. In terms of percentage change, the bleak outlook represents the sharpest drop ever witnessed by Europe’s automobile sector.

“ACEA maintains hope that this dramatic scenario can be mitigated through fast and strong measures by the EU and national governments,” stated ACEA Director General, Eric-Mark Huitema.

“Given the unprecedented collapse in sales to date, purchase incentives and scrappage schemes are urgently required right across the EU to create much-needed demand for new cars. In the interest of our industry and the wider EU economy, we are calling for the necessary political and economic support – both on the EU as well as the member state levels – in order to limit the damage to production and employment over the months to come.”

***

Notes for editors

About the EU automobile industry

  • 13.8 million Europeans work in the auto industry (directly and indirectly), accounting for 6.1% of all EU jobs.
  • 11.4% of EU manufacturing jobs – some 3.5 million – are in the automotive sector.
  • Motor vehicles account for €440.4 billion in taxes in key European markets.
  • The automobile industry generates a trade surplus of €84.4 billion for the EU.
  • The turnover generated by the auto industry represents over 7% of EU GDP.
  • Investing €57.4 billion in R&D annually, the automotive sector is Europe’s largest private contributor to innovation, accounting for 28% of total EU spending.

About ACEA

  • ACEA represents the 16 major Europe-based car, van, truck and bus manufacturers: BMW Group, CNH Industrial, DAF Trucks, Daimler, Ferrari, Fiat Chrysler Automobiles, Ford of Europe, Honda Motor Europe, Hyundai Motor Europe, Jaguar Land Rover, PSA Group, Renault Group, Toyota Motor Europe, Volkswagen Group, Volvo Cars, and Volvo Group.
  • More information about ACEA can be found on www.acea.be or www.twitter.com/ACEA_eu.
  • Contact: Cara McLaughlin, Communications Director, cm@acea.be, +32 485 88 66 47.

 

Automotive sector appeals to EU heads of state and government on coronavirus recovery plans

ACEA, CECRA and CLEPA – together representing the full automotive value chain in Europe – wrote a letter to the heads of state and government of the 27 EU member states, calling for urgent support for the automotive sector in the wake of the COVID-19 crisis.

in ACEA, CECRA, CLEPA, 16-06-2020


The letter can be found here.

  • Since the outbreak of coronavirus, most vehicle manufacturers had to completely shut down their development and production sites for several weeks or even months. This has resulted in production losses of more than 2.4 million motor vehicles so far and has impacted the jobs of 1.1 million employees. Many factories are now re-opening gradually, but at levels well below pre-crisis capacity.
  • Almost all companies in the suppliers’ industry expect a loss of revenue of 20% or more this year, while more than half anticipate negative results. This will also have a knock-on effect on revenues from taxes and VAT in all member states. With most companies not expecting to leave the crisis behind before 2022, recovery will clearly take time.
  • Most EU dealerships were also closed for many weeks, leading to sales collapsing to historic lows across all vehicle segments. Workshops in countries most affected by lockdown measures have also seen their activity decrease by up to 85%.

 

CLICK HERE TO READ THE LETTER

 

 

Presidente da AFIA responde a questionário do Expresso sobre o impacto da Covid-19 nos projetos de investimento do Portugal 2020

José Couto, presidente da AFIA, alerta que as empresas da fileira automóvel estão “a recuperar de uma tempestade que não foi anunciada”. E que “investimentos planeados e em curso terão de ser repensados”, como é o caso de novas soluções tecnológicas e de incremento dos processos de implementação de um quadro de modernização no âmbito da indústria 4.0.

Mas porque as empresas de componentes não podem deixar de investir para responderem aos desafios da indústria automóvel, a AFIA pede instrumentos que garantam o reforço dos capitais permanentes, sem aumentar o endividamento ou prejudicar o rating das empresas junto das instituições de crédito. E também a reformulação de critérios de acesso ao Portugal 2020, para garantir investimentos de modernização e digitalização das empresas, com maiores taxas de comparticipação e de maior prazo de reembolso.

 

Leia a seguir o artigo completo


 

Associações alertam para o risco de projetos ficarem pelo caminho ou nem saírem do papel. Associação Empresarial de Portugal defende mesmo subida da taxa de cofinanciamento europeu para mais de 90%

in Expresso, textos Joana Nunes Mateus, foto Nuno Botelho, 20-06-2020


Aumentar a taxa de comparticipação dos fundos comunitários é das medidas mais urgentes que todas as associações empresariais contactadas pelo Expresso defendem para ajudar os empresários a conseguirem levar adiante a carteira de €11 mil milhões de projetos de investimento aprovados pelo Portugal 2020 antes da súbita crise provocada pela covid-19.

A verdade é que a pandemia apanhou a meio, ou ainda no arranque, milhares de projetos de investigação, inovação, qualificação ou internacionalização aprovados pelos empréstimos e subsídios dos chamados sistemas de incentivos ao investimento empresarial.

Esta carteira de investimentos do Portugal 2020 já está a encolher. E um recente inquérito aos associados da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) mostra que poderá encolher ainda mais. De facto, 42% dos empresários inquiridos planeiam “suspender ou cancelar totalmente” o investimento previsto para 2020, 40% vão mantê-lo “parcialmente” e apenas 18% tencionam manter a sua totalidade. Cada vez mais pessimista, o Banco de Portugal alerta mesmo que o investimento empresarial pode cair 17% em 2020.

Neste contexto, a Associação Empresarial de Portugal (AEP) foi uma das primeiras a propor ao Governo aumentar as taxas de cofinanciamento europeu para minorar o impacto da covid-19 nos projetos já em curso. “Creio que, nesta fase que exige uma forte estabilização da atividade económica, as taxas de comparticipação devem ser elevadas, embora em cumprimento das regras europeias. Desejavelmente devem ultrapassar os 90%”, diz o presidente da AEP, Luís Miguel Ribeiro.

O presidente da AEP considera esta medida fundamental para que as empresas não desistam de investir. “Não podemos esquecer que estamos perante instrumentos muito importantes com vista ao estímulo do investimento produtivo, com a mais-valia da respetiva natureza inovadora.”

TAXA BASE É DE 35%

Aliás, o Governo até já está a mobilizar os fundos europeus para pagar, a fundo perdido, 100% de vários investimentos públicos e 80% a 95% da reconversão industrial para a produção de máscaras, álcool gel e outros bens essenciais ao combate da covid-19.

Mais baixas são as taxas de cofinanciamento europeu aos investimentos empresariais: “A taxa base para uma média empresa é de 35%. E só metade deste incentivo é a fundo perdido já que a outra metade é um empréstimo a reembolsar. Mesmo uma PME do interior só consegue 60%, da qual metade é reembolsável”, explica Victor Cardial, presidente da Associação dos Consultores de Investimento e Inovação de Portugal.

Daí que o aumento desta taxa de comparticipação seja reivindicado por várias das fileiras que mais investem com os fundos europeus. É o caso da Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal (AIMMAP), da Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel (AFIA), da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP) ou da Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confeção (ANIVEC). Quatro associações que responderam ao inquérito do Expresso.

TEMPESTADE NÃO ANUNCIADA

“Admito que venha a haver algumas empresas que não consigam ultrapassar esta fase extremamente difícil. Mas a grande maioria das que estão envolvidas em projetos financiados pelo Portugal 2020 irá executar os referidos projetos. Não se trata de whisful thinking. É uma convicção alicerçada numa análise próxima das empresas, acompanhada, em muitos casos, de conversas sobre o assunto com as empresas em causa”, diz Rafael Campos Pereira, o vice-presidente executivo da AIMMAP que defende o aumento da taxa de comparticipação em projetos conjuntos e individuais ou a maior flexibilidade na sua execução.

José Couto, presidente da AFIA, alerta que as empresas da fileira automóvel estão “a recuperar de uma tempestade que não foi anunciada”. E que “investimentos planeados e em curso terão de ser repensados”, como é o caso de novas soluções tecnológicas e de incremento dos processos de implementação de um quadro de modernização no âmbito da indústria 4.0.

Mas porque as empresas de componentes não podem deixar de investir para responderem aos desafios da indústria automóvel, a AFIA pede instrumentos que garantam o reforço dos capitais permanentes, sem aumentar o endividamento ou prejudicar o rating das empresas junto das instituições de crédito. E também a reformulação de critérios de acesso ao Portugal 2020, para garantir investimentos de modernização e digitalização das empresas, com maiores taxas de comparticipação e de maior prazo de reembolso.

REVOLUÇÃO NO TÊXTIL

“Algumas empresas terão dificuldade em prosseguir com a execução dos investimentos contratualizados com o Portugal 2020, podendo haver projetos que irão ficar pelo caminho ou mesmo não chegarem a sair do papel”, admite o presidente da ATP, Mário Jorge Machado. Este explica que “a capacidade de endividamento das empresas foi fortemente impactada no contexto da pandemia, limitando a sua capacidade de investimento”. Nos últimos meses, as condições de mercado alteraram-se tão “significativamente que ninguém consegue prever para quando a recuperação da economia para níveis pré-covid-19”. E os projetos apresentados antes da pandemia poderão nem “responder aos objetivos que tinham sido delineados à época”.

Os empresários vão assim precisar de prazos de execução dos investimentos e de reembolso dos empréstimos mais alargados, melhores condições nos adiantamentos de fundos europeus. E também de margem para alterar os projetos que já não fazem sentido nesta nova realidade e de taxas de financiamento maiores.

“O ânimo, em geral, é de enorme preocupação com o impacto imediato originado pela pandemia e de extrema apreensão e incerteza em relação ao impacto futuro”, acrescenta o presidente da ANIVEC, César Araújo. “Todavia, nas últimas semanas temos vindo a assistir a um interessante processo de reorganização interno, no sentido de defenderem os seus negócios e os postos de trabalho dos seus colaboradores.”

Para que a grande maioria dos projetos contratualizados com o Portugal 2020 possa ser concretizado pelos industriais de vestuário e confeção, César Araújo pede várias medidas: “O aumento da taxa de comparticipação seria, nesta fase, uma medida muito interessante para as empresas, principalmente para as exportadoras. Mas podemos acrescentar outras. Por exemplo, o cumprimento dos prazos para análise dos pedidos de pagamento, a desburocratização de alguns procedimentos e a aceleração no pagamento dos 5% finais do incentivo nos projetos já realizados.”


 

NÃO SE PODE PERDER A CABEÇA

A Associação dos Consultores de Investimento e Inovação de Portugal (ACONSULTIIP) denuncia o crescente descontrolo na atribuição dos fundos do Portugal 2020. “A descoordenação estratégica, a multiplicação de programas e sistemas, a profusão de avisos, concursos, decisões, autoridades de gestão, sistemas de informação e notícias, têm vindo a criar uma desorientação crescente dos empresários, investidores, gestores, consultores e de todos os envolvidos no processo de revitalização da economia portuguesa que é de muito mau augúrio”, diz o presidente da ACONSULTIIP, Victor Cardial.

Dá exemplos do que considera ser a crescente subjetividade com que são avaliados os projetos de investimento ou o facto de nem todas as decisões das autoridades regionais serem publicadas no sistema de informação centralizado do Balcão 2020. “Isto mostra como a estrutura já nem consegue dar uma resposta adequada à enorme entropia que criaram”, diz ao Expresso. “Num momento de crise como este, é indispensável manter a cabeça fria, senão estamos todos perdidos. Sem liderança forte, não iremos distribuir dinheiro de helicóptero… Iremos é pô-lo na ventoinha!”, teme o presidente da ACONSULTIIP. Em nome de consultores que preparam e acompanham muitas das candidaturas das empresas aos fundos comunitários, esta associação considera indispensável repensar todo o edifício regulamentar do Portugal 2020, reajustando os métodos e os modelos, simplificando e centralizando a sua gestão, melhorando o controlo e a operacionalidade, garantindo um nível de exigência adequado aos projetos e assegurando avaliações competentes e em tempo útil. Na reta final deste quadro comunitário, “com apoios que não são adequados ao momento que vivemos, tanto ao nível dos montantes disponíveis como à forma e extensão dos apoios, torna-se necessário o desenho de um sistema simples, integrado, adequado à realidade e capaz de manter ou elevar o nível de exigência dos projetos para permitir uma retoma competitiva do tecido empresarial”, pede Victor Cardial. A proposta que a ACONSULTIIP deixa ao governo é a criação de três programas integrados de apoio às empresas: o MAIN — Modernização, Adaptação e Inovação nos Negócios dirigido às micro e pequenas empresas (em particular, do comércio e serviços), o RACE – Revitalização Estratégica da Competitividade Empresarial vocacionado para PME e empresas de média capitalização e o RISC, com capital de risco para desenvolver novas ideias, negócios e processos de reestruturação empresarial. “Na nossa perspetiva, um quadro simples, fácil de implementar e de ser acolhido pela comunidade empresarial, permite o foco no essencial e a rapidez na ação que são fundamentais na situação atual.”

 

European car plants reopen, with output well below capacity

Most European auto assembly plants have reopened after weeks or even months of inactivity under coronavirus lockdowns, but few are operating at anything close to full capacity, automakers and analysts say.

in Automotive News Europe, by Peter Sigal, 20-06-2020


Among the reasons are safety measures to prevent the further spread of the virus, little visibility on demand and the need to draw down existing inventories that swelled when dealerships closed.

Volkswagen Group says that all of its factories in Europe are open and are running at 60 percent to 90 percent capacity. All of Renault Group’s factories are running again, including in Morocco and Romania, but some have gone down to two or even one shift from three to reflect demand. At the same time, however, Volvo says output at its factory in Ghent, Belgium, is back to its pre-pandemic level.

Pete Kelly, managing director at forecaster LMC Automotive, said it was reasonable to assume that about 90 percent of assembly plants in Europe were operating, at an average of 50 percent capacity.

“It will be changing all the time,” he said told Automotive News Europe. Automakers “are concerned about infections, so they can’t move back to the same build rates. But they can change shift patterns, and they have some levers to pull to get back to normal,” he said. LMC estimates that global automotive utilization rates will be well below 50 percent this year.

When Renault Group negotiated a back-to-work agreement with unions, for example, it built in flexibility to add shifts and work through the usual holiday break. PSA’s factory in Sochaux, eastern France, where it builds the popular Peugeot 308, 3008 and 5008 models, will be working on certain Saturdays this summer.

Varied production rhythms

As of mid-June, automakers reported their production rhythms in varying degree of detail. Among them are:

  • Jaguar Land Rover: All factories open, starting with one shift, with the exception of Castle Bromwich in England, which builds the Jaguar F-Type, XE and XF and could possibly re-open in August.
  • Nissan: Its plant in Sunderland, England, is up and running but with only one line operating on a single shift, to build the Juke and Qashqai SUVs. A second line is expected to open next week, and a second shift could be added at the end of the month.
  • Renault Group: All factories are open, including in Morocco and Romania, but with anywhere from one to three shifts depending on demand.
  • Volvo: The Ghent plant is back to full output of about 1,000 vehicles a day, on three shifts. Its factory in Torslanda, Sweden, is still ramping up to full output of 1,250 vehicles a day.
  • Volkswagen Group: All European plants are operational at 60 percent to 90 percent capacity. Seat’s factory in Martorell, Spain, is building the Ibiza and Arona on two shifts rather than three; the factory also builds the Audi A1, which will be back to the usual two shifts by the end of June.
  • Bentley: CEO Adrian Hallmark said the luxury automaker’s factory in Crewe, England, is running at 50 percent capacity to respect 2-meter social distancing rules.
  • Fiat Chrysler Automobiles: The factory in Pomigliano, Italy, that builds the Fiat Panda is working at pre-coronavirus rhythm of two shifts, as is the factory in Tychy, Poland, that builds the Fiat 500 and Lancia Ypsilon. But FCA’s factory in Serbia is closed until June 29, and Jeep production at the Melfi, Italy, factory has halted until June 30. Alfa Romeo’s factory in Cassino, Italy, was briefly open but has closed until June 30.
  • Hyundai-Kia: Hyundai’s plant in Nosovice, Czech Republic, is running on two shifts instead of three. Kia’s factory in Zilina, Slovakia, is operating on two shifts instead of three until the end of July.
  • Daimler: Mercedes-Benz said that all of its assembly and powertrain plants “gradually resumed” production starting early this month, with a “flexible” ramp up “to react to current developments and country specific regulations.”

The direct impact on employment varies by company, but overall some 44 percent of Europe’s 2.6 million-person automotive work force has been affected, industry group ACEA said, with more than 550,000 in Germany alone.

ACEA estimated earlier in June that at least 2.5 million fewer motor vehicles will be built in Europe this year, including passenger cars, buses and trucks. Germany, Europe’s largest producer, will lose at least 615,000 units, and Spain more than 450,000.

The average plant showdown lasted 30 days, with 41 days in Italy and the UK, where the pandemic has been most severe — but just 15 in Sweden, which was not subject to the same lockdown restrictions as other countries.

Douglas A. Bolduc, Nick Gibbs, Christiaan Hetzner and Andrea Malan contributed to this report

 

picture: Reuters
Workers at Toyota’s factory in Valenciennes, northern France, one of the first assembly plants to reopen in Western Europe.