Renault quer internalizar produção de semicondutores para evitar falta de abastecimento

O administrador delegado da Renault Portugal disse hoje que o grupo está a tomar medidas para internalizar a produção de semicondutores e não estar dependente de cadeias externas de abastecimento, face à escassez daqueles componentes, devido à pandemia de covid-19.

in Negócios / Lusa, 30-09-2021 


“O agravamento, nos últimos meses, da pandemia no sudeste asiático e o atraso do plano de vacinação nessa região do globo pôs em causa muitas das cadeias de abastecimento de semicondutores, seja para a indústria automóvel, seja para muitas outras indústrias. A verdade é que nós, como também outros setores e outras indústrias, também já estamos a tomar medidas no sentido de internalizarmos e não estarmos dependentes de cadeias externas de abastecimento”, disse aos jornalistas Ricardo Lopes, num encontro, em Lisboa, para se apresentar como novo administrador delegado da Renault Portugal.

O responsável, que já está na Renault há 16 anos, assumiu as novas funções no dia 1 de setembro, transitando do cargo de diretor de vendas, que passa a ser assumido por Ana Seguro.

“Obviamente que o setor automóvel está, como muitos outros, a ser profundamente impactado [pela falta de semicondutores], a Renault também, a nível global, obviamente. Em Portugal, felizmente, temos conseguido gerir de uma forma que não tem posto em causa aquilo que são compromissos assumidos com clientes”, adiantou Ricardo Lopes.

O responsável elencou os vários desafios que a fabricante de automóveis tem pela frente, como a renovação a “renovação completa do seu plano de produto a partir do próximo ano”, apresentando-se como uma marca de automóveis generalista, mas com soluções com “cada vez mais qualidade” e “integrando cada vez mais tecnologia”.

Em 2020, o presidente executivo do grupo, Luca de Meo, apresentou o novo plano estratégico da Renault, com a ambição de passar de uma marca orientada para o volume de automóveis, para uma marca orientada “para o valor”, lembrou Ricardo Lopes.

Segundo o administrador delegado para Portugal, esta estratégia não significa que a marca deixará de estar preocupada em vender carros, mas sim, sobretudo “perceber que o produto automóvel e a mobilidade no seu todo é algo muito mais do que fazer matrículas”.

“É muito esse o desafio que o grupo Renault e que a marca Renault têm, seja a nível mundial seja em Portugal, no sentido de nós cada vez incorporarmos mais valor naquilo que é o acesso a mobilidade, […] obviamente, uma mobilidade que será tendencialmente elétrica”, explicou Ricardo Lopes.

Segundo o responsável, a Renault pretende introduzir, “progressivamente”, mais modelos elétricos no mercado, com o próximo – o Megane E-Tech 100% elétrico – a ser lançado no início do próximo ano.

 

De los Mozos (Anfac): «La crisis de los semiconductores es estructural»

El presidente de las asociación de fabricantes advierte de que la automoción solo absorbe entre el 10% y el 15% de la demanda de semiconductores y de que a día de hoy solo tienen una visibilidad de qué es lo que se va a poder producir en los próximos 15 días.

in La Tribuna de Automoción, por Pablo M. Ballesteros, 30-09-2021


El presidente de Anfac, José Vicente de los Mozos, ha alertado de que el problema de los chips «es estructural», que antes de la pandemia ya había escasez y que el sector de la automoción solo absorbe el 10% o el 15% de la producción, por lo que para los fabricantes es más rentable trabajar para otros sectores.

En este sentido, durante un encuentro con la prensa en el marco del Automobile Barcelona, consideró que Europa se debe «poner las pilas» y la Comisión Europea tiene que entrar en la producción de estos componentes, ya que ahora mismo la producción se reparte entre el sureste asiático, Japón y EEUU. De los Mozos alertó de que la clave ya no es fabricar aluminio o acero, si no baterías, electrónica de potencia o software.

No obstante, no es tan sencillo ya que hacen falta unos nueve meses para poner en marcha una línea de producción de semiconductores y afirma que hasta 2023 va a durar la escasez, algo que complica mucho la actividad «porque solo tenemos visibilidad para producir de 15 días», que es lo que pueden controlar las piezas.

Reforma laboral

Respecto a la reforma laboral en la que está inmersa el Gobierno, el líder de los fabricantes españoles ha destacado que diluir el marco de empresa y obligar a cumplir un convenio sectorial es una línea roja para Anfac, ya que para el sector ha sido clave la flexibilidad de cada planta, por lo que «estamos en contra de un convenio global del automóvil».

En este sentido, ha destacado que cada fábrica tiene sus propias necesidades y que no son comparables las de un productor de vehículos con las de uno de componentes. De hecho, De los Mozos ha destacado que «lleva 38 fábricas en 16 países» y que los estados en los que hay un marco global, en lugar de uno propio de cada centro «es un hándicap».

Otro tema candente es el Perte del vehículo eléctrico, cuyas bases se deberían aprobar en noviembre, según estima el Gobierno. Al respecto, el presidente de Anfac ha destacado que en general «hay un problema de ejecución» y ha recordado que «si las marcas no producen en España lo harán en otros países». También ha lamentado no conocer los detalles del proyecto.

Asimismo, ha afirmado que otras localizaciones, como Alemania y Francia, ya han puesto en marcha planes para reforzar la industria y «el tiempo está corriendo», por lo que insistió en ser ágiles, porque «si las cosas no se hacen a tiempo veremos cierres».

Un mercado de 925.000 unidades

De cara al cierre de mercado, Anfac ha actualizado la cifra y frente a los 925.000 unidades que estimaba al principio, la ha reducido a 900.000 ya que la falta de coches está impactando más en el segundo semestre de lo previsto inicialmente.

A pesar de la falta de oferta, De los Mozos también ha insistido en que es importante que el consumidor sepa que se puede comprar tranquilamente un coche, algo que no ocurre actualmente por el ruido que hay en cuanto a las prohibiciones de los térmicos.

 

El presidente de Anfac, José Vicente de los Mozos, en la presentación del Plan Automoción 2020-40, el pasado 2 de marzo.

 

La dirección de Ford Almussafes plantea un nuevo ERTE de 33 días hasta final de año

La planta levantina finalizaba este mismo 30 de septiembre el expediente que tenía vigente y que había obligado a las líneas a parar en las últimas semanas.

in La Tribuna de Automoción, por Marcos H. de la Morena, 30-09-2021


Ford Almussafes deberá aprobar un nuevo ERTE debido a la escasez de chips. Así se lo ha comunicado la dirección a los trabajadores en la mañana de hoy, argumentando que, si bien existen pedidos en gran cantidad, “sigue sin haber suministro suficiente por la falta de semiconductores”.

Por tanto, según han transmitido fuentes sindicales a La Tribuna de Automoción, la intención de la marca es la de plantear otro expediente de cara al próximo trimestre, con una duración de 33 días y que pueda extenderse hasta el 31 de diciembre.

Este anuncio llega justo el día que finaliza la regulación que ha estado imperando hasta ahora en la planta levantina, por el cual las líneas habían estado paradas varias jornadas en las últimas semanas.

No obstante, esta situación aún debe acotarse, pues las mismas fuentes han asegurado que “habrá que negociar” las condiciones con las que se aplique el ERTE. De hecho, la mesa ya ha sido constituida, y mañana, día 1 de octubre, tendrá lugar la primera reunión entre todas las partes para comenzar con las conversaciones.

Independientemente de la marcha de estos encuentros, el centro de vehículos tiene ya asegurada su detención entre los próximos 4 y 13 de octubre, mientras que lo relacionado con el de motores aún está en el aire “debido a los envíos que se hacen a América”, que alteran los tiempos de producción y exportación.

archivo. La fábrica de Ford en Almussafes (Valencia) ensambla el Kuga, Mondeo, S-Max, Galaxy y las furgonetas Transit Connect y Tourneo Connect.

 

Stellantis ferme l’usine d’Eisenach jusqu’à début 2022

Le site Opel d’Eisenach en Allemagne, qui fabrique le Grandland X, va stopper sa production pour au moins trois mois. La pénurie de semi-conducteurs est en cause.

in Le Journal de l’Automobile, par Christophe Jaussaud, 30-09-2021


La pénurie de semi-conducteurs continue de perturber la production automobile. Jusqu’ici, il y avait eu des fermetures de quelques jours ou de quelques semaines, mais aujourd’hui Stellantis vient d’annoncer la fermeture d’un site jusqu’au début de l’année 2022 !

En effet, l’usine allemande d’Opel à Eisenach va stopper sa production la semaine prochaine pour au moins trois mois. “L’industrie automobile mondiale se trouve en raison de la pandémie et d’un manque de semi-conducteurs dans une situation exceptionnelle“, a expliqué un porte-parole d’Opel. “Dans cette situation exigeante et incertaine, Stellantis prévoit des ajustements dans la production” dont l’interruption des chaînes d’assemblage à Eisenach.

Les employés concernés seront mis au chômage partiel et la production reprendra en début d’année prochaine “si la situation dans les chaînes d’approvisionnement le permet“, a-t-il précisé. “Il est extrêmement rare qu’un constructeur ferme une usine pour trois mois“, juge l’expert Ferdinand Dudenhöffer, directeur du Center Automotive Research, basé en Allemagne.

7,7 millions de véhicules ne seront pas produits en 2021

Quelque 7,7 millions d’automobiles ne seront pas produites en 2021 dans le monde en raison du manque de composants, conséquence de la reprise après la pandémie de Covid-19 conjuguée à un boom des véhicules électriques, a estimé le cabinet Alix Partners. Cela représente un manque à gagner de 210 milliards d’euros, selon un rapport publié la semaine passée.

Comme de nombreux constructeurs confrontés à la pénurie de puces et des ventes au ralenti, Stellantis a déjà mis en pause plusieurs de ses usines cet été. L’usine française de Toyota, près de Valenciennes, a pour sa part récemment prévu cinq jours de pause au mois d’octobre. Plus largement, le géant japonais a réduit sa production mondiale de 40 % en septembre 2021 par rapport à ses prévisions initiales. En Allemagne, Volkswagen, Daimler et BMW ont aussi déjà pris des mesures similaires pour quelques jours ou semaines.

Ola Källenius, patron de Mercedes-Benz, a affirmé récemment qu’un manque “structurel” de capacités de production dans l’industrie électronique allait continuer de peser sur le secteur automobile en 2022. (avec AFP)

 

L’usine Opel d’Eisenach sera fermée au moins jusqu’au début de l’année 2022.

 

Escassez de chips obriga três fabricantes automóveis a suspender produção na Alemanha

Opel, Volkswagen e Ford vão encerrar temporariamente algumas fábricas que têm na Alemanha devido à escassez de semicondutores.

in ECO, por Rita Neto, 30-09-2021


Três fabricantes de automóveis alemãs anunciaram esta quinta-feira mais encerramentos temporários na Alemanha, e tudo devido à escassez mundial de chips, que continua a persistir. De acordo com a AFP, o maior encerramento até ao momento é da Opel, que vai acontecer em 2022.

A indústria automóvel da Alemanha tem sido severamente afetada por problemas de abastecimento este ano, com as fábricas da Volkswagen, Ford, BMW e Daimler a enfrentarem paragens de produção. O setor encontra-se numa “situação excecional devido à pandemia e à escassez mundial de semicondutores”, diz um porta-voz da Opel [propriedade da Stellantis]. “Nesta situação exigente, a Stellantis planeia ajustar a sua produção”.

A fábrica da Opel, em Eisenach, no centro da Alemanha, vai interromper a produção a partir da próxima semana e “começará novamente no início de 2022”, assim que “a situação da cadeia de abastecimento permitir”.

A Volkswagen também anunciou esta quinta-feira uma paralisação de quase duas semanas na fábrica principal, em Wolfsburg, já na próxima semana, depois de uma primeira paragem em agosto. A gigante norte-americana Ford vai adiar o reinício da unidade de produção em Colónia para o final do mês, justificando com o fornecimento “volátil” de chips, que são componentes cruciais, tanto para veículos convencionais como para elétricos.

Fora da Alemanha, a General Motors já encerrou linhas de fabrico nos Estados Unidos, assim como a gigante japonesa Toyota, que atrasou os planos de reiniciar a fábrica em Valenciennes, na França, em setembro.

 

VW extends production cuts at Wolfsburg plant until mid-October

Microchip shortage hits output again

in Automotive News Europe / Reuters, 29-09-2021


Volkswagen, which is suffering from a shortage of automotive chips, will cut working hours at its main German factory in Wolfsburg until the middle of October.

The shortened working hours affect the first two weeks of October, the company said on Wednesday.

Only one assembly line will be running at the plant on Oct. 1, VW said.

VW builds the Golf, Touran, Tiguan and Seat Tarraco models in Wolfsburg.

Automakers have been forced to cut or adjust production in the wake of the shortage, which VW has said cost it a high six-digit number in lost vehicle production in the first half of the year.

VW has been forced to stop or reduce output at Wolfsburg several times this year because of a shortage of chips.

The automaker is due to report third-quarter results on Oct. 28.

 

VW builds a number of models at its Wolfsburg plant, including the Golf hatchback.

 

 

Declarações da AFIA ao Expresso sobre os apoios do Estado

Na indústria, continua a haver interesse no lay-off simplificado, em especial no sector automóvel: “A medida prioritária para os fabricantes de componentes automóveis, que empregam mais de 60 mil trabalhadores, é a reativação do lay-off simplificado”, diz ao Expresso Adão Ferreira, secretário-geral da associação sectorial AFIA. “Os clientes estão a informar as fábricas que vão parar a produção de um dia para o outro por isso precisamos de um mecanismo ágil e flexível para ajustar rapidamente a produção e só o lay-off simplicado permite isso”, justifica.

 

LER O ARTIGO COMPLETO


Desconfinamento avança esta sexta-feira. Empresários dizem-se à deriva em relação aos apoios com que podem contar

Associações empresariais saúdam os avanços na normalização da atividade, mas relembram que os efeitos na economia e na tesouraria das empresas não serão imediatos. “Os empresários sentem-se perdidos” e “voltaram a telefonar incessantemente para as suas estruturas associativas a pedir informações”, dizem os representantes dos patrões

in Expresso, por Margarida Cardoso e Cátia Mateus, 29-09-2021

Uma semana depois de o Conselho de Ministros ter aprovado o levantamento de restrições à atividade das empresas, e a dois dias da sua entrada em vigor, os empresários ainda não sabem exatamente com que apoios podem continuar a contar na nova fase de desconfinamento que arranca já na sexta-feira, 1 de outubro.

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira já garantiu novas medidas para o Turismo e a manutenção do ajudas ao emprego, por via do apoio à retoma progressiva de atividade que se irá manter “pelo menos, até ao final do ano, se calhar um pouco mais” mas é incerto se será com as mesmas regras em vigor. Os empresários pedem apoios à recapitalização das empresas, relembrando que não é expectável que o alívio de restrições que entra esta sexta-feira em vigor tenha um efeito imediato na economia.

O país chega a outubro avançando uma etapa no desconfinamento. A partir da próxima sexta-feira, as empresas veem cair algumas medidas de restrição que nos últimos meses, por força da pandemia, limitaram a sua atividade. Bares e discotecas poderão reabrir ao público depois de 18 longos meses de portas fechadas. Nos restaurantes, lojas e superfícies comerciais deixam de vigorar limitações ao horário de funcionamento ou lotação. Os empresários aplaudem, mas recordam o Executivo que as empresas chegam a este ponto descapitalizadas e com sérios problemas de liquidez, pedindo mais apoios.

Do que já se sabe, com o levantamento das restrições anunciado na passada semana, o lay-off simplificado fica pelo caminho, deixando às empresas a opção do apoio à retoma progressiva da atividade que pode vir a ser prolongado até 2022. Mas isso não chega, repetem à exaustão sectores como a restauração e os componentes automóveis, mas também a metalurgia ou os têxteis. E, neste momento, o mapa das preocupações ganha algumas prioridades novas, como “o preço da energia”, a necessidade de apoios à internacionalização, investimento e formação.

EMPRESÁRIOS À DERIVA

Numa ronda do Expresso por algumas associações empresariais fica claro que “os empresários sentem-se perdidos” e “voltaram a telefonar incessantemente para as suas estruturas associativas a pedir informações”, repetem os dirigentes, cada vez mais voltados para medidas conjunturais de apoio à atividade, a enquadrar no próximo Orçamento de Estado, do que nos apoios específicos no âmbito do covid-19.

Na AEP – Associação Empresarial de Portugal, Luís Miguel Ribeiro, não tem dúvidas de que “os custos de contexto são certamente o que impacta mais na vida das empresas nesta fase”, pelo que a urgência é reduzir impostos e derramas, sem esquecer o peso da fiscalidade na fatura energética. Paralelamente, a AEP reivindica “atenção especial” à liquidez das empresas e à capacidade de resposta dos bancos. Sobre o programa Retomar, a AEP destaca que “não é ainda claro quais os sectores de atividade abrangidos” e sustenta que “os apoios concretos devem considerar a necessidade de garantir a competitividade das empresas”. Depois, há uma regra simples que a AEP reclama ao sector público: “Solidariedade com o sector privado, nomeadamente pela via da discriminação positiva nas compras, privilegiando bens de forte incorporação nacional”.

Na indústria metalúrgica, campeã das exportações nacionais, há ainda muitas dúvidas sobre os apoios que vão estar efetivamente no terreno, mas há certezas quanto ao que devem ser as prioridades do Governo: “há apoios imperativos para manter a competitividade do sector, dos custos de energia aos impostos e burocracia que pesa sobre as empresas e provoca asfixia”. “Não faz sentido ter os impostos a pesarem mais de 60% na fatura da energia das empresas”, diz Rafael Campos Pereira, vice-presidente da associação sectorial AIMMAP e da CIP – Confederação Empresarial de Portugal.

Recorda que a sua associação garantiu a compra de energia a 55 euros o megawatt para as empresas associadas, mas o preço no mercado variável já triplica este valor e “mesmo os operadores que acordaram fidelização de preços estão a querer quebrar acordos”. “Seria crucial o governo baixar valores das tarifas de acesso que são custos administrativos nas faturas”, comenta. Outro ponto que refere são os apoios à internacionalização, sem esquecer que “o investimento nacional na Expo Dubai passa os €21 milhões e na Hanover Messe, que tem o foco na tecnologia e no mercado alemão, absolutamente decisivos” é de apenas €3,5 milhões”.

Mário Jorge Machado, da ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal, junta “um pedido singelo” que merece acordo geral : “Temos pedido para que um trabalhador vacinado que tenha estado em contacto com alguém com covid, faça o teste e possa vir trabalhar desde que o resultado seja negativo em vez de ficar preso em quarentena. Isso facilitava muito o normal funcionamento das linhas de produção”, nota. Deixa, também, uma alerta, sobre a tesouraria das empresas, que tiveram de se endividar, enfrentam dificuldades financeiras “e estão num momento crucial de investimentos em formação, inovação e equipamento produtivo”.

Apesar de considerar o fim na limitação da lotação dos espaços, “uma benção”, tal como a normalização de horários ou da venda de álcool, Gonçalo Lobo Xavier, Diretor-Geral da Associação Portuguesa das Empresas de Distribuição insiste, assim, na “necessária capitalização” para investimentos na sustentabilidade, inovação e requalificação de recursos, acredita que a redução da carga fiscal seria bem vinda para ajudar a relançar a atividade e nota que tal como acontecia nas “famosas quintas-feiras de Conselho de Ministros, as dúvidas sobre o que virá pela frente continuam até à última hora”. Um exemplo? “Afinal, com que apoios concretos podem mesmo contar os empresários?, questiona. Ou “no regresso das equipas aos locais de trabalho, será preciso continuar a manter distanciamento?”

LAY-OFF SIMPLIFICADO FICA INATIVO, MAS TURISMO GANHA NOVOS APOIOS

E em matéria de apoios, há boas e más notícias. Comecemos pelas más, pelo menos para a restauração e animação noturna. Com o fim da suspensão à atividade dos bares e discotecas, a partir de 1 de outubro o lay-off simplificado – regime criado em março de 2020 e que permitia às empresas em situação de crise económica suspender contratos de trabalho ou reduzir o período normal de trabalho dos seus profissionais, contando com o apoio do Estado no pagamento de salários – fica suspenso. O mecanismo, que desde agosto do ano passado estava apenas em vigor para empresas com atividade encerrada por determinação legal do Governo deixa de poder ser aplicado, uma vez que já não existem atividades encerradas por decreto, mas permanecerá em vigor para a eventualidade de voltar a ser necessário no futuro, em função da evolução da pandemia.

Na restauração, essa é uma prioridade e uma das questões prementes a resolver nesta fase, diz Daniel Serra, da Pro.Var – Associação Nacional de Restaurantes, procurando deixar claro que o sector enfrenta duas realidades diferentes e “o quadro é especialmente preocupante” entre bares e restaurantes que não têm esplanadas, assim como em espaços de restauração de centros comerciais, que nunca recuperaram a procurar e terão, agora, pela frente, mais um período de época baixa. “Nestes casos específicos, serão precisos apoios especiais, à medidas das quebras de faturação avultadas”, refere “certo de que o continuar a ser contemplado no âmbito do prometido prolongamento do Mecanismo de Apoio à Retoma Progressiva, por si só não chegará e deve continuar para lá do fim do ano, enquadrado no próximo Orçamento de Estado, pelo menos até à Páscoa de 2022”. E a Pro.Var recorda que até ao momento, todos os dados do sector indicam que 25% das empresas não recebeu qualquer apoio para além do lay-off e alguns empréstimos.

Conhecido o diploma que regula a terceira fase do desconfinamento e confirmado o levantamento de quase todas as restrições, Ana Jacinto, secretária-geral da AHRESP – Assciação da Hotelaria, Restauração e Similares, saúda “o regresso, pouco a pouco, à normalidade”, sem esquecer que a imposição de uso de máscaras para os trabalhadores do sector ainda se mantém, apesar da Direção-Geral de Saúde estar a preparar recomendações para a nova fase e ser, ainda, preciso aguardar.

Sobre a abertura dos estabelecimentos de animação noturna, como bares e discotecas, Ana Jacinto recorda que está em causa “ano e meio de atividades encerradas, com perdas avultadissims”, o que a leva a recear que a reabertura de muitos destes espaços seja posta em causa. “Para a retoma, dada a excecionalidade da situação, devem-se implementar apoios específicos, mais robustos e ágeis”, diz ao Expresso. “Esta nova fase não pode, por isso, descurar a importância de continuar a apoiar as nossas empresas, na certeza de que as nossas atividades foram as que mais sofreram com a pandemia. É fundamental que se mantenham apoios e se incentive o consumo”, nota.

No entanto, admite que os meses de verão vieram retirar a maioria doas medidas de apoio ao sector, onde permanecem apenas disponíveis algumas ajudas referentes à manutenção dos postos de trabalho, como é o caso do Apoio à Retoma Progressiva. “No entanto, se considerarmos que ste apoio não é cumulativo com o novo incentivo à Normalização da Atividade Empresarial, atribuído pelo IEFP, podemos desde já concluir que tem, no momento, um alcance muito limitado”.

Há, ainda, algumas linhas de financiamento em vigor, mas “longe da solução ideal, uma vez que aumenta o endividamento das empresas”. E, sobre o Retomar, recentemente disponibilizado, para ajudar as empresas a enfrentar o fim das moratórias bancárias, a “enorme preocupação”, é “o tempo muito limitado que os empresários dispõem para contactar os bancos e solicitar a reestruturação dos créditos”.

E o que falta mais? Se no caso da medida Retomar, os bancos “podem rejeitar o acesso das empresas sem qualquer justificação”, a AHRESP também está preocupada em garantir que “os processos de reestruturação de crédito acordados ao abrigo desta linha não influenciem o historial bancário das empresas beneficiárias, nem prejudiquem a análise de eventuais pedidos futuros de financiamento”.

Na generalidade, diz Ana Jacinto, continuam a faltar apoios a fundo perdido à tesouraria das empresas, assim como apoios ao investimento para requalificação e adaptação dos espaços às novas condições impostas pela pandemia de acesso simplificado e universal.

“O Ministro da Economia e da Transição Digital anunciou recentemente a criação do programa ADAPTAR Turismo, um incentivo financeiro a fundo perdido até 15 mil euros por empresa, destinado a pequenos investimentos. Aguardamos com expectativa o lançamento deste programa para se conhecer que tipo de despesas serão elegíveis e perceber o seu alcance”, destaca,

“Do nosso ponto de vista, o que julgamos faltar é a perceção do Governo que os nossos sectores, embora tenham mostrado sinais de recuperação a partir de agosto, estão ainda muito longe dos níveis de faturação pré-pandemia e, por isso, precisam de apoios específicos. Não podemos olhar para a recuperação económica de forma transversal pois a retoma está a decorrer a ritmos muito diferenciados consoante os sectores de atividade” conclui.

Na indústria, continua a haver interesse no lay-off simplificado, em especial no sector automóvel: “A medida prioritária para os fabricantes de componentes automóveis, que empregam mais de 60 mil trabalhadores, é a reativação do lay-off simplificado”, diz ao Expresso Adão Ferreira, secretário-geral da associação sectorial AFIA. “Os clientes estão a informar as fábricas que vão parar a produção de um dia para o outro por isso precisamos de um mecanismo ágil e flexível para ajustar rapidamente a produção e só o lay-off simplicado permite isso”, justifica.

APOIO À RETOMA PROGRESSIVA MANTÉM-SE

Mas por agora, as empresas que estavam ainda abrangidas pelo lay-off simplificado terão de transitar para o apoio à retoma progressiva que, até ver, é a grande aposta do Executivo para apoiar as empresas nesta fase de transição para a normalidade. Em agosto o Governo prorrogou este apoio por tempo indeterminado, vinculando a sua execução à existência de restrições à atividade das empresas. No decreto-lei que operacionaliza a medida refere-se que “independentemente da data de apresentação do pedido de apoio previsto no presente artigo, o empregador só pode beneficiar desse apoio até ao final do mês em que, por determinação legislativa ou administrativa de fonte governamental, vigorem medidas restritivas de atividades económicas, tais como regras em matérias de horário de funcionamento, de ocupação ou de lotação de estabelecimentos ou eventos, bem como limitações à circulação de pessoas no território, ou condicionamento de acesso de turistas oriundos dos principais mercados emissores de turistas, no âmbito da pandemia da doença COVID-19”.

Ainda que estas restrições sejam, aos olhos dos empresários, levantadas na próxima sexta-feira, ao Expresso, o Ministério do Trabalho esclareceu “dado que ainda subsistem restrições à atividade, mantém-se em vigor o Apoio à Retoma Progressiva”. E o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, até já sinalizou a abertura do Executivo para voltar a prolongar o apoio. “Mantemos o regime do apoio à retoma progressiva, que tem vindo a beneficiar um conjunto de atividades vasto, designadamente no setor da hotelaria e da restauração (…) Pensamos que, pelo menos, até ao final do ano, se calhar um pouco mais há de se manter isso e, portanto, estas entidades poderão continuar a beneficiar desse apoio”, vincou em declarações aos jornalistas, à margem de um evento promovido pela Farfetch, reconhecendo que o facto de existirem sectores onde a recuperação está a ser mais lenta não permite ao Governo traçar um horizonte para a retirada dos apoios.

Ao apoio à retoma podem aceder empregadores que enfrentem quebras de faturação iguais ou superiores a 25%. Tal como lay-off simplificado permite a redução de horários, mas neste caso o limite máximo de redução a aplicar depende da quebra de faturação verificada. Empregadores com quebras de faturação entre 25% e menos de 40% poderão reduzir horários, no máximo, em 33%. Quando as quebras superem os 40% mas sejam inferiores a 60%, o limite máximo da redução a aplicar ao período normal de trabalho é de 40%. Já para quebras entre 60% e 74% a redução do período normal de trabalho pode ir até aos 60%. Já quem registe uma quebra de faturação superior a 75% poderá praticar os chamados horários zero (redução até 100% do período normal de trabalho), mas apenas para 75% dos trabalhadores. Em qualquer uma destas modalidades, o empregador contará com o apoio do Estado no pagamento das horas não trabalhadas.

No entanto, as regras atualmente em vigo determinam que a partir de outubro, para beneficiar deste instrumento, as empresas com vários estabelecimentos têm de os manter a todos a funcionar e não podem realizar despedimentos coletivos ou por extinção de posto de trabalho durante a vigência do apoio ou até 90 dias após o seu término. Não podem também ou distribuir dividendos.

Além deste apoio, os empresários continuam a ter ao seu dispor o lay-off tradicional, que esteve sempre em vigor, ainda que com critérios de acesso mais restritivos do que aqueles que se aplicavam no regime simplificado. A este mecanismo podem recorrer empresas que comprovem a sua situação de crise empresarial, seja por motivos estruturais, de mercado ou tecnológicos. O processo é, contudo, mais demorado do que o regime simplificado. Além de cumprirem as necessárias formalidades de candidatura e de comprovar a situação de crise económica para verem validado o pedido, o empregador tem ainda de comunicar por escrito aos trabalhadores a intenção de recorrer ao regime, a sua duração, os trabalhadores abrangidos e o critério que norteou a sua seleção e promover com eles uma fase de negociação das condições.

TRABALHADORES INDEPENDENTES JÁ SÓ TÊM O AERT

Entre os trabalhadores independentes o cenário também é de apreensão. “Os trabalhadores independentes, empresários em nome individual ou até os sócios-gerentes já só têm ao seu dispor o Apoio Extraordinário ao Rendimento dos Trabalhadores (AERT). Isto se já não esgotaram o máximo de seis pedidos a que têm direito”, sinaliza ao Expresso Daniel Carapau, porta-voz da plataforma Precários Inflexíveis.

Recorde-se que o Governo tinha decidido prolongar até ao final de agosto o apoio para este grupo de profissionais. Trabalhadores independentes ou sócios-gerentes de estabelecimentos cuja atividade estivesse suspensa por decreto administrativo – como os bares e discotecas – ou de sectores como o turismo, cultura e espetáculos que se encontrassem em paragem total ou com quebras de faturação de pelo menos 40% no mês anterior à submissão do pedido e tendo por comparação a faturação media mensal dos dois meses anteriores, poderiam beneficiar de um apoio à redução de atividade.

Este apoio que variava entre os 219 euros e os 665 euros para os trabalhadores independentes e, no caso dos sócios-gerentes, entre os 219 euros e os 1950 euros, tendo sempre por base os valores declarados à segurança social, terminou em agosto. Os trabalhadores independentes beneficiavam desde então do AERT, mediante o cumprimento da condição de recursos que o apoio impõe.

 

COVID-19 – Conheça as Medidas de Apoio às Empresas e Emprego

Conheça as medidas do Governo para apoio ao emprego e às empresas

 in AFIA, atualizado 29-09-2021, 19h30


MEDIDAS NO ÂMBITO DA SITUAÇÃO DE ALERTA

(atualizado 29-09-2021)

No âmbito da Resolução do Conselho de Ministros n.º 135º-A/2021, de 29/09, que altera as medidas no âmbito da situação de alerta, entre outras medidas:

É eliminada a recomendação da adoção do regime de teletrabalho, sem prejuízo da manutenção das regras quanto ao desfasamento de horários, prevista no Decreto-Lei n.º 79-A/2020 de 1/10.

É alterado o regime relativo à testagem, sendo eliminado o disposto quanto à testagem em locais de trabalho com 150 ou mais trabalhadores.

O funcionamento de atividades, estabelecimentos ou equipamentos está condicionado ao cumprimento de todas as orientações e instruções específicas definidas pela DGS para o respetivo setor de atividade ou de outras que lhes possam ser aplicáveis em função dos serviços que prestem.

 


Alteração das medidas excecionais e temporárias relativas à pandemia da doença Covid-19

(atualizado 29-09-2021)

O Decreto-Lei nº 78º-A/2021, de 29/09, que altera as medidas excecionais e temporárias relativas à pandemia da doença Covid-19, estabelece, entre outras medidas:

O uso de máscara passa a ser obrigatório apenas para o acesso ou permanência em determinados ambientes fechados, podendo ser dispensado quando se mostre incompatível com a natureza das atividades a realizar.

A prorrogação do subsídio de doença por COVID-19 até 31 de dezembro de 2021.

O atendimento nas Lojas de Cidadão e o Departamento de Identificação Civil – Balcão Lisboa – Campus de Justiça aos sábados, entre as 9 horas e 22 horas, de forma ininterrupta.

Procede à alteração do art.º 5º-B do Decreto-Lei n.º 79º-A/2020, de 01/10, passando o mesmo a abranger trabalhadores com imunossupressão e trabalhadores que tenham filhos ou dependentes a cargo com doença ou deficiência crónica que sejam doentes de risco e se encontrem impedidos de frequentar as atividades letivas em regime presencial.

 


Linha de Apoio à Recuperação Económica: Retomar

atualizado 28-09-2021

FINALIDADE

Esta medida de apoio destina-se às operações de crédito em moratória de empresas viáveis, que desenvolvem atividade nos setores mais afetados pela pandemia de COVID-19, de forma a melhorar a sua liquidez, através de três mecanismos:

  • Reestruturação da totalidade dos empréstimos com moratória, com aumento da maturidade das operações e período de carência, com impacto limitado sobre o endividamento da empresa, dentro dos limites estabelecidos nas decisões de autorização da Comissão Europeia ao abrigo do Quadro Temporário[1], podendo ainda as micro, pequenas e médias empresas, enquadrar operações por aplicação de uma comissão de garantia calculada em condições de mercado por impossibilidade de enquadramento por força dos referidos limites;
  • Refinanciamento parcial da totalidade das operações de crédito com moratória, quando não enquadráveis na alínea anterior; e
  • Empréstimo adicional aos mecanismos previstos nas alíneas anteriores para fazer face a necessidades de liquidez.

BENEFICIÁRIOS

  • Empresas não financeiras, viáveis, independentemente da dimensão

COMO SOLICITAR

  • A empresa deve contactar uma instituição de crédito e apresentar o pedido de operação

 

DOCUMENTOS DE DIVULGAÇÃO (ficheiro pdf)

MAIS INFORMAÇÕES …

 


Conselho de Ministros 23-09-2021 – apresentação

Tendo em conta a evolução da pandemia em Portugal e, sobretudo, do processo de vacinação, o Governo decidiu avançar para a próxima fase do Plano de Levantamento Gradual das Restrições, tal como previsto a 29 de julho, aquando da apresentação da estratégia.

Assim, e a partir de 1 de outubro – data em que se prevê que mais de 85% da população portuguesa esteja completamente vacinada contra a Covid-19 –, serão adotadas as seguintes medidas:

  • Abertura de bares e discotecas com certificado digital;
  • Restaurantes deixam de ter limite máximo de pessoas por grupo;
  • Fim da exigência de certificado digital para acesso a restaurantes, estabelecimentos turísticos ou alojamento local, bingos, casinos, aulas de grupo em ginásios, termas e spas;
  • Fim dos limites de lotação, designadamente para:
    • Casamentos e batizados;
    • Comércio;
    • Espetáculos culturais.
  • Obrigatoriedade de apresentação do Certificado Digital Covid UE para:
    • Viagens por via aérea ou marítima
    • Visitas a lares e estabelecimentos de saúde
    • Grandes eventos culturais, desportivos ou corporativos
    • Bares e discotecas

O uso da máscara é obrigatório em:

  • Transportes públicos
  • Lares
  • Hospitais
  • Salas de espetáculos e eventos
  • Grandes superfícies

 

 


 

Linha de Apoio à Tesouraria para Micro e Pequenas Empresas (14-09-2021)

Já foi publicada a portaria que regulamenta a linha de apoio à tesouraria para micro e pequenas empresas, de qualquer setor de atividade, que se encontrem em situação de crise empresarial.

Esta linha com uma dotação inicial de 100 milhões de euros a atribuir até 31 de dezembro, sob a forma de subsídio reembolsável, será gerida pelo IAPMEI.

 


Resolução do Conselho de Ministros n.º 114-A/2021 (20-08-2021)

Declara a situação de contingência no âmbito da pandemia da doença COVID-19

 


Prorrogação do Apoio Extraordinária à Retoma Progressiva da Atividade (atualizado 13-08-2021)

O Decreto-Lei n.º 71-A/2021 prorroga o apoio extraordinário à retoma progressiva da atividade.


Fundo de Capitalização de Empresas

O Governo criou o Fundo de Capitalização de Empresas, com uma dotação inicial de 320 milhões de euros, de acordo com o Decreto-Lei n.º 63/2021, hoje publicado em Diário da República.

O Fundo tem por objeto:

  • Aportar apoio público temporário para reforçar a solvência de sociedades comerciais que desenvolvam atividade em território nacional e que hajam sido afetadas pelo impacto da pandemia da doença COVID -19;
  • Apoiar o reforço de capital de sociedades comerciais em fase inicial de atividade ou em processo de crescimento e consolidação.

Sociedade comerciais elegíveis

  • As sociedades comerciais devem contribuir, designadamente, para a inovação empresarial, dinamização e internacionalização do tecido empresarial, descarbonização da economia em conformidade com as obrigações nacionais associadas à transformação ecológica e digital, ou outros atributos relevantes para a economia, cujos critérios específicos de elegibilidade devem ser regulados por despacho do membro do Governo responsável pela área da economia.

Investimentos em capital e quase capital

O Fundo pode investir através de:

  • Instrumentos de capital, incluindo ações ordinárias ou preferenciais;
  • Instrumentos de quase capital, incluindo obrigações convertíveis ou outros instrumentos híbridos;
  • Instrumentos de dívida, incluindo dívida subordinada; ou
  • Uma combinação dos instrumentos referidos nas alíneas anteriores.

 

 


Reajustamento do Calendário Fiscal para o 2.º semestre de 2021 – Declarações Periódicas de IVA e faturas em PDF (atualizado 27-07-2021)

  • Declarações periódicas do IVA
    • Quando esteja em causa o regime mensal, as declarações a entregar em setembro, outubro, novembro e dezembro de 2021 podem ser submetidas até dia 20 de cada mês;
    • Quando esteja em causa o regime trimestral, a declaração a entregar em novembro de 2021 pode igualmente ser submetida até dia 20 desse mês;
    • A entrega do imposto exigível que resulte das declarações periódicas a que se referem as alíneas anteriores pode ser efetuada até dia 25 de cada mês.
  • As faturas em PDF sejam consideradas faturas eletrónicas para todos os efeitos previstos na legislação fiscal, até 31 de dezembro de 2021.
  • Consulte aqui o Despacho n.º 260/2021-XXII

 


Ausência ao trabalho por vacinação COVID-19

A ACT – Autoridade para as Condições do Trabalho emitiu uma informação com a interpretação de que a falta ao trabalho para receber a vacina contra a Covid-19 é justificada e não determina perda de retribuição.

 


Declaração Modelo 22 e IES/Declaração Anual – Prorrogação de prazos

O Despacho n.º 240/2021-XXII, do Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Fiscais, de 14 de julho de 2021, vem ajustar o calendário das obrigações fiscais a cumprir em 2021, sem quaisquer acréscimos ou penalidades para os sujeitos passivos.

  • Declaração Modelo 22 de IRC de 2020 | O prazo de entrega da declaração Modelo 22 referente ao período de tributação de 2020, e o pagamento do imposto devido, é prorrogado até 19 de julho de 2021.
  • IES/Declaração Anual de 2020 | O prazo de entrega da IES/DA referente a 2020 é prorrogado até 30 de julho de 2021.
  • Consulte aqui o Despacho n.º 240/2021-XXII

 


Prorrogação das medidas extraordinárias de apoio aos trabalhadores e às empresas

O Decreto-Lei n.º 56-A/2021 de 6 de Julho, prorroga medidas extraordinárias de apoio aos trabalhadores e às empresas, no âmbito da pandemia da doença COVID-19

 


Certificado Digital COVID

O Decreto-Lei n.º 54-A/2021 de 25 de Junho, executa na ordem jurídica interna o Regulamento (UE) 2021/953, relativo ao Certificado Digital COVID da UE

 


Recuperar Portugal

Recuperar Portugal é o novo site com toda a informação sobre o PRR – Plano de Recuperação e Resiliência português.

 


Nova Estratégia Nacional de Testes para Covid-19 (atualizado 22-06-2021)

A Direção-Geral da Saúde (DGS) atualizada a Norma n.º 019/2020, de 26/10/2020, relativa à Estratégia Nacional de Testes para SARS-CoV-2, em matéria de definição de critérios para rastreios laboratoriais, designadamente, em contexto laboral, e para eventos culturais, desportivos, corporativos e de natureza familiar. Procede ainda à clarificação do tipo de testes autorizados.

Aceda ao conteúdo:

 


Declaração Modelo 22, IES/Declaração Anual, Dossier Fiscal e Dossier de Preços de Transferência relativos a 2020 – Prorrogação de prazos

Despacho n.º 191/2021-XXII, do Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Fiscais, de 15 de junho de 2021, vem ajustar o calendário das obrigações fiscais a cumprir em 2021, sem quaisquer acréscimos ou penalidades para os sujeitos passivos.

  • Declaração Modelo 22 de IRC de 2020  | O prazo de entrega da declaração Modelo 22 referente ao período de tributação de 2020, e o pagamento do imposto devido, é prorrogado até 16 de julho 2021.
  • IES/Declaração Anual de 2020 | O prazo de entrega da IES/DA referente a 2020 é prorrogado até 22 de julho 2021.
  • Dossier Fiscal de 2020 | O prazo de constituição ou entrega (quando aplicável) do Dossier Fiscal referente a 2020 é prorrogado até 22 de julho 2021.
  • Dossier de preços de transferência de 2020 O prazo de constituição ou entrega (quando aplicável) da documentação de preços de transferência referente a 2020 é prorrogado até 22 de julho 2021.

 

Consulte aqui o Despacho n.º 191/2021-XXII

 


Medida excecional de compensação ao aumento do valor da retribuição mínima mensal garantida (atualizado a 26-05-2021)

Foi publicado em Diário da República o Decreto-Lei n.º 37/2021 que cria uma medida excecional de compensação ao aumento do valor da retribuição mínima mensal garantida

Entrou em funcionamento a dia 26 de maio, no site do IAPMEI, a plataforma que vai permitir às empresas pedirem o pagamento do apoio que as compensa pelo último aumento do salário mínimo.

Este apoio é dirigido a todas as entidades empregadoras de direito privado com sede em território continental, bem
como a pessoas singulares, com um ou mais trabalhadores ao seu serviço que a 31 de dezembro de 2020 recebiam
como remuneração base o valor de retribuição mínima mensal garantida (RMMG), no valor de 635 EUR, ou cuja
remuneração base era superior a 635 EUR e abaixo de 665 EUR.

O valor do apoio é apurado de acordo com a situação dos trabalhadores, ou seja, a entidade empregadora recebe o
apoio no valor de:

  • 84,50 EUR por trabalhador que na declaração de dezembro de 2020 auferia o valor de remuneração base
    declarada equivalente à RMMG para 2020 (635 EUR);

e,

  • 42,25 EUR por trabalhador, caso a remuneração base declarada auferida pelo trabalhador a dezembro de 2020 seja superior à RMMG para 2020 e inferior à RMMG para 2021 (entre 635 EUR e 665 EUR).

O IAPMEI e o Turismo de Portugal são as entidades responsáveis pelo pagamento deste subsídio que abrange entidades empregadoras, independentemente da sua forma jurídica, bem como pessoas singulares, com um ou mais trabalhadores ao seu serviço.

Para poder beneficiar do apoio a entidade empregadora terá obrigatoriamente de proceder ao seu registo até ao dia 9 de julho.


Novo Incentivo à Normalização da Atividade Empresarial (atualizado a 19-05-2021)

Atribuição de um apoio financeiro por trabalhador que tenha sido abrangido, no primeiro trimestre de 2021, pelo apoio extraordinário à manutenção de contrato de trabalho ou pelo apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade, a conceder pelo IEFP, IP, ao empregador na fase de regresso dos seus trabalhadores à prestação normal de trabalho e de normalização da atividade empresarial.

São destinatários do novo incentivo à normalização os empregadores de natureza privada, incluindo os do setor social, que tenham beneficiado, no primeiro trimestre de 2021, de, pelo menos, um dos seguintes apoios:

  • Apoio extraordinário à manutenção de contrato de trabalho, nos termos do artigo 2.º do Decreto-Lei n.º 6-E/2021, de 15 de janeiro, na sua redação atual;
  • Apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade em empresas em situação de crise empresarial, com redução temporária do período normal de trabalho, nos termos do artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 46-A/2020, de 30 de julho, na sua redação atual.

 

MAIS INFORMAÇÕES – PÁGINA DO IEFP

 


 

Apoio Simplificado para Microempresas à Manutenção dos Postos de Trabalho (atualizado a 19-05-2021)

Atribuição de um apoio financeiro, a conceder pelo IEFP, IP, às microempresas em situação de crise empresarial que tenham beneficiado, apenas em 2020, do apoio extraordinário à manutenção de contrato de trabalho ou do apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade, tendo em vista a manutenção dos postos de trabalho e a atenuação de situações de crise empresarial.

São destinatários do apoio simplificado os empregadores de natureza privada, incluindo os do setor social, considerados microempresas em situação de crise empresarial, que tenham beneficiado, no ano de 2020 de, pelo menos, um dos seguintes apoios:

  • Apoio extraordinário à manutenção de contrato de trabalho, previsto no artigo 5.º do Decreto-Lei n.º 10-G/2020, de 26 de março, na sua redação atual;
  • Apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade em empresas em situação de crise empresarial, com redução temporária do período normal de trabalho, previsto no artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 46-A/2020, de 30 de julho, na sua redação atual.

 

MAIS INFORMAÇÕES – PÁGINA DO IEFP

 


Apoio à Retoma (Apoio Extraordinário à Retoma Progressiva de Atividade) atualizado 14-05-2021

Destina-se a entidades empregadoras que tenham sido afetados pela pandemia da doença COVID -19 e que se encontrem, consequentemente, em situação de crise empresarial, ou seja, com uma quebra de faturação igual ou superior a 25%.

O empregador pode aceder ao apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade com redução temporária do período normal de trabalho de todos ou alguns dos seus trabalhadores.

A partir de janeiro de 2021, este apoio também abrange os membros de órgãos estatutários que exerçam funções de gerência, que constem das declarações de remunerações, e desde que o empregador tenha, pelo menos, um trabalhador por conta de outrem ao serviço.

 


Novo incentivo à normalização da atividade empresarial (atualizado a 14-05-2021)

A Portaria n.º 102-/2021 Regulamenta o novo incentivo à normalização da atividade empresarial, previsto no Decreto-Lei n.º 23-A/2021, de 24 de março, e o apoio simplificado para microempresas à manutenção dos postos de trabalho, previsto no Decreto-Lei n.º 46-A/2020, de 30 de julho

 

 


Regime do apoio extraordinário à retoma progressiva (atualizado a 12-05-2021)

O Decreto-Lei n.º 32/2021, altera o regime do apoio extraordinário à retoma progressiva em empresas em situação de crise empresarial com redução temporária do período normal de trabalho.

 


SIFIDE Sistema de Incentivos Fiscais à atividade de Investigação & Desenvolvimento Empresarial

Novo prazo de candidaturas relativas ao exercício fiscal de 2020

As empresas com atividades em investigação e desenvolvimento (I&D) têm agora mais um mês para recuperar parte desse investimento através da dedução à coleta de IRC.

A submissão de candidaturas ao SIFIDE, constante do número 3 do artigo 40.º do Código Fiscal do Investimento, poderá ser feita até ao final do 6.º mês do ano seguinte ao do período de 2020, sem quaisquer acréscimos ou penalidades.

As empresas podem submeter a sua candidatura relativa ao exercício fiscal de 2020 até ao dia 30 de junho de 2021.

A prorrogação do prazo de candidaturas ao SIFIDE foi determinada através de um Despacho conjunto emitido pelo Ministério da Economia e Transição Digital, pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, e pelo Ministério das Finanças, com data de 3 de maio de 2021.

Consulte mais informações sobre o SIFIDE

 


 

Modelo de Governação dos fundos europeu do Plano de Recuperação e Resiliência (atualizado a 04-05-2021)

O Decreto-Lei n.º 29-B/2021 estabelece o modelo de governação dos fundos europeus atribuídos a Portugal através do Plano de Recuperação e Resiliência.

 

 


 

Estrutura de Missão “Recuperar Portugal” (atualizado a 04-05-2021)

A Resolução do Conselho de Ministros n.º 46-B/2021 cria a Estrutura de Missão «Recuperar Portugal».

 

 


DGS | Orientação n.º 006/2020 de 26/02/2020 atualizada a 29/04/2021

Infeção por SARS-CoV-2 (COVID-19). Procedimentos de prevenção, controlo e vigilância em empresas


Apoio Excecional à Família para Trabalhadores por Conta De Outrem (atualizado a 23-04-2021)

  • A Segurança Social atualizou no seu site, a informação relativa ao Apoio Excecional à Família para Trabalhadores por Conta de Outrem e disponibiliza um simulador que permite apurar o valor da isenção do Pagamento de contribuições associada ao apoio adicional do Apoio Excecional à Família.

Mais informações: http://www.seg-social.pt/apoio-excecional-a-familia-para-trabalhadores-por-conta-de-outrem


Calendário de obrigações fiscais em 2021 – Ajustamento: IVA, IRC e aceitação de faturas em pdf (atualizado a 22-04-2021)

O Despacho n.º 133/2021-XXII, do Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Fiscais, de 22 de abril de 2021, vem ajustar o calendário das obrigações fiscais a cumprir em 2021, sem quaisquer acréscimos ou penalidades para os sujeitos passivos.

  • IVA
    • Declaração periódica mensal de IVA referente a abril de 2021 – entrega até 20 de junho de 2021; pagamento do IVA devido até 25 de junho de 2021;
    • Declaração periódica mensal de IVA referente a maio de 2021 – entrega até 20 de julho de 2021; pagamento do IVA devido até 25 de julho de 2021.
  • Modelo 22 de IRC de 2020
    • O prazo de entrega da declaração Modelo 22 referente ao período de tributação de 2020, e o pagamento do imposto devido, é prorrogado até 30 de junho 2021.
  • Faturas em pdf
    • É prorrogado para 30 de setembro de 2021 o prazo de aceitação de faturas em PDF como fatura eletrónica para efeitos fiscais.

 

 


Plano de Recuperação e Resiliência – apresentação (atualizado a 16-04-2021)

O Primeiro-Ministro, António Costa e o Ministro do Planeamento, Nelson de Souza, apresentaram, 16 de Abril, a versão final do Plano de Recuperação e Resiliência em Coimbra.

 


Sessão de apresentação pública do Plano de Recuperação e Resiliência

 


 

Decreto-Lei n.º 26-C/2021, 1º Suplemento, Série I, de 13-04-2021

Procede à regulamentação do apoio extraordinário ao rendimento e à redução da atividade de trabalhador.


Medidas de apoio aos trabalhadores e empresas (atualizado a 07-04-2021)

A Lei n.º 15/2021, de 07 de Abril, altera o Decreto-Lei n.º 6-E/2021, de 15 de Janeiro (estabelece mecanismos de apoio no âmbito do estado de emergência), no sentido de:

  • determinar que para efeitos do cálculo do apoio conferido no âmbito do apoio extraordinário à redução de atividade económica do trabalhador independente e da medida extraordinária de incentivo à atividade profissional, é considerado o rendimento médio anual mensualizado do trabalhador no ano de 2019;
  • clarificar que os empresários em nome individual (ENI), sem contabilidade organizada e independentemente de terem trabalhadores a cargo, são efetivamente beneficiários da medida APOIAR + SIMPLES do Programa APOIAR, criado pela Portaria n.º 271-A/2020, de 24/11.

 

 


Medidas de apoio aos trabalhadores / faltas por assistência à família decorrentes de suspensões e interrupções letivas (atualizado a 07-04-2021)

A Lei n.º 16/2021, de 07 de Abril, altera o Decreto-Lei n.º 8-B/2021, de 22 de Janeiro (estabelece um conjunto de medidas de apoio no âmbito da suspensão das atividades letivas e não letivas presenciais), sendo as seguintes as principais alterações:

  1. Estabelece-se a proibição de anulação de matrícula ou cobrança de juros ou penalidades por falta ou atraso no pagamento das mensalidades quando os utentes demonstrem existir quebra do seu rendimento mensal.
  2. Determina-se nessas situações deve ser elaborado um plano de pagamento, por acordo entre a instituição e os utentes, podendo iniciar-se no 2º mês posterior ao da cessação das medidas, a requerimento do utente.
  3. Salvo acordo expresso do utente em sentido diferente, as prestações não podem exceder o montante mensal de 1/12 do valor em dívida.
  4. Prevê-se agora, finalmente, que no caso de um dos progenitores desempenhar a sua atividade noutra forma, nomeadamente por teletrabalho, o outro progenitor mantém o direito ao apoio excecional à família para trabalhadores por conta de outrem e no apoio excecional à família para trabalhadores independentes pelas faltas ao trabalho motivadas por assistência inadiável a filho ou outro dependente a cargo menor de 12 anos, previsto respetivamente artºs 23º e 24º do Decreto-Lei n.º 10-A/2020, de 13 de Março (estabelece medidas excecionais e temporárias relativas à situação epidemiológica do novo Coronavírus – COVID 19).

 

 


Pagamento em prestações de contribuições e quotizações para a Segurança Social (atualizado a 07-04-2021)

A Portaria n.º 80/2021, de 7 de Abril, regulamenta as condições e procedimentos relativos ao pagamento em prestações à Segurança Social para regularização de dívida de contribuições e quotizações das entidades empregadoras, dos trabalhadores independentes e das entidades contratantes cujo prazo legal de pagamento termine até 31 de dezembro de 2021 e que não se encontrem ainda em fase de processo executivo (medida prevista no artº 420 do OE 2021)

  1. As dívidas não abrangidas por este regime nem pelo número abaixo, são regularizadas de acordo com o Decreto-Lei n.º 213/2012, de 25 de Setembro, com as regras e os procedimentos previstos na presente portaria.
  2. As dívidas que se encontrem em processo executivo são regularizadas nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2001, de 9 de Fevereiro.
  3. Não são abrangidas pelo presente regime as dívidas de contribuições e quotizações que se encontrem incluídas em processo de insolvência, de recuperação ou de revitalização, processo especial para acordo de pagamento, processo extraordinário de viabilização de empresas, regime extrajudicial de recuperação de empresas, contratos de consolidação financeira ou de reestruturação empresarial, conforme se encontram definidos no Decreto-Lei n.º 81/98, ou contratos de aquisição, total ou parcial, do capital social de uma empresa por parte de quadros técnicos, ou por trabalhadores, que tenham por finalidade a sua revitalização e modernização.

 


 

Reorganização do trabalho (atualizado a 30-03-2021)

O Decreto-Lei n.º 25-A/2021, de 30 de Março, prorroga o regime excecional e transitório de reorganização do trabalho e de minimização de riscos de transmissão da infeção da doença COVID-19 no âmbito das relações laborais.

 


Decreto-Lei n.º 24/2021 – Diário da República n.º 60/2021, Série I de 2021-03-26

Estabelece um regime excecional e temporário em matéria de obrigações e dívidas fiscais e de contribuições à Segurança Social


 

Medidas de apoio aos trabalhadores e empresas (atualizado 24-03-2021)

Estabelece medidas de apoio aos trabalhadores e empresas, no âmbito da pandemia da doença COVID-19

 


Apoios ao Emprego e Economia

No âmbito do Plano de Desconfinamento apresentado pelo Governo, são agora anunciados novos Apoios ao Emprego e à Economia.

Medidas Fiscais

  • IVA Trimestral
  • IVA mensal
  • Retenções na fonte de IRS e IRC
  • Pagamento por conta de IRC
  • Autoliquidação de IRC
  • Processos de execução fiscal
  • Novas medidas complementares
  • Moratórias de Crédito

Emprego

  • Apoio à Retoma Progressiva (ARP)
  • Layoff simplificado
  • Novo Incentivo à Normalização
  • Apoio simplificado às empresas
  • Apoio à contratação

Empresas

  • Expansão do Programa Apoiar
  • Apoiar Rendas
  • Apoiar Rendas e Apoiar + Simples
  • Linhas de crédito já existentes

Para mais informações ver https://covid19estamoson.gov.pt/apoios-ao-emprego-e-economia/


COVID-19 Prorrogação de Prazos (atualizado 17-03-2021)

Foi publicado o Decreto-Lei nº 22-A/2021, 17 de março, que, no âmbito da pandemia da COVID-19, prorroga prazos e estabelece medidas excecionais e temporárias.

De entre as várias prorrogações de prazos estabelecidas por este diploma, destacam-se as seguintes:

  • Prazos de realização de assembleias gerais de sociedades comerciais, associações e cooperativas – possibilidade de serem efetuadas até 30 de junho de 2021 (no caso de cooperativas e associações com mais de 100 cooperantes ou associados, podem ser realizadas até 30 de setembro de 2021).
  • Marcação de férias – a aprovação e afixação do mapa de férias pode ser efetuada até 15 de maio de 2021.
  • Registo Central de Beneficiário Efetivo (RCBE) – a confirmação anual da informação do Registo Central de Beneficiário Efetivo, é dispensada em 2021, independentemente da data da declaração inicial, desde que não tenha ocorrido facto que determine a alteração da informação constante do RCBE.

 

 


Reforço dos Apoios à Economia e ao Emprego (atualizado 12-03-2021)

O Ministro da Economia apresentou o documento “Reforço dos apoios à economia e ao emprego”.

 


Entrega de declarações de remunerações corrigidas (atualizado 11-03-2021)


Incentivo ATIVAR.PT (atualizado 11-03-2021)

  • Despacho n.º 2731/2021, de 11/03, estabelece o regime excecional de admissibilidade de acumulação do apoio da dispensa parcial ou a isenção total do pagamento de contribuições para a segurança social com o apoio financeiro previsto no artigo 11.º da Portaria n.º 207/2020, que aprova a medida Estágios ATIVAR.PT – para as entidades às quais seja reconhecido, durante o 1.º semestre de 2021, o estatuto de interesse estratégico nacional pelo IEFP, no âmbito do artigo 20.º daquele diploma.

Segurança Social – diferimento extraordinário do pagamento de contribuições (atualizado 11-03-2021)

  • Despacho n.º 2732/2021, 11/03, determina que as entidades empregadoras e os trabalhadores independentes referidos no n.º 4 artº 9.º-A do Decreto-Lei n.º 10-F/2020, de 26/03, possam indicar até dia 31 de maio de 2021, na Segurança Social Direta, qual dos prazos de pagamento previstos no n.º 5 pretendem utilizar no âmbito do diferimento extraordinário do pagamento de contribuições referentes a novembro e dezembro de 2020.

 


 

COMPETE 2020 Avisos | Formação: Promoção da sustentabilidade e da qualidade do emprego

(atualizado 23-02-2021)

A qualidade dos recursos humanos das empresas, a sua capacidade de adaptação a mercados cada vez mais concorrenciais e em constante mutação contribui para a competitividade da economia nacional.

O atual contexto veio reforçar o quão fundamental é trabalhar as competências dos recursos humanos preparando-os para os novos desafios.

Assim estão abertos 5 avisos no COMPETE 2020  que visam dar continuidade à concessão de apoio público orientado para a capacitação dos ativos empresarias, no contexto da política de clusterização, estabelecendo-se como iniciativa piloto na medida em que se centra na atividade nos cluster de competitividade: “Calçado e Moda”, “Automóvel, “Engineering & Tooling”, “PRODUTECH”, “Têxtil, Tecnologia e Moda”.

Objetivos

Intensificar a formação dos empresários e gestores para a reorganização e melhoria das capacidades de gestão, assim como dos trabalhadores das empresas, apoiada em temáticas associadas à inovação e mudança através de:

  • Aumento das qualificações específicas dos trabalhadores em domínios relevantes para a estratégia de inovação, internacionalização e modernização das empresas;
  • Aumento das capacidades da gestão empresarial e e-skills para suportar estratégias de inovação e novos modelos de negócios das empresas;
  • Promoção de estratégias de upskilling e de reskilling com vista à adaptação e especialização dos recursos humanos das empresas e da sua capacidade de retenção de competências e talentos;
  • Promoção de ações de dinamização e sensibilização para a mudança e intercâmbio de boas práticas (mobilidade e troca de experiências).

Para mais informações consulte os respetivos Avisos do Programa de Capacitação dos Clusters de Competitividade:

 


CNC – recomendações relativas aos impactos da covid-19 nas demonstrações financeiras

A Comissão de Normalização Contabilística emitiu as Recomendações 1 e 2 – 2021 (Revistas) , relativas ao tratamento dos impactos da COVID-19 no relato financeiro das empresas e entidades em SNC (aprovada em 19/02/2021).


Apoio excecional à família no âmbito da suspensão das atividades letivas e não letivas presenciais

(atualizado 23-02-2021)

Com a publicação do Decreto-Lei n.º 14-B/2021, de 22 de fevereiro, a Segurança Social disponibiliza a nova declaração para requerer o apoio excecional à família no âmbito da suspensão das atividades letivas e não letivas presenciais.

Tal como acontecia até aqui, a nova declaração deve ser preenchida pelos trabalhadores e entregue às entidades empregadoras.

A partir do dia 23 de fevereiro, os trabalhadores que se encontrem a exercer atividade em regime de teletrabalho vão poder optar pelo apoio excecional à família, caso se encontrem numa das nas seguintes situações:

a) a composição do seu agregado familiar seja monoparental, durante o período da guarda do filho ou outro dependente que lhe esteja confiado por decisão judicial ou administrativa de entidades ou serviços legalmente competentes para o efeito;
b) O seu agregado familiar integre, pelo menos, um filho ou outro dependente que frequente equipamento social de apoio à primeira infância (creche), estabelecimento de ensino pré-escolar ou do primeiro ciclo do ensino básico;
c) O seu agregado familiar integre, pelo menos, um dependente com deficiência, com incapacidade comprovada igual ou superior a 60 %, independentemente da idade.

A entrega desta declaração serve de comunicação à entidade empregadora da opção do trabalhador em regime de teletrabalho pelo apoio à família. Essa comunicação terá de ser feita com uma antecedência de três dias relativamente ao início da prestação do apoio.

O valor da parcela paga pela segurança social será também aumentado de modo a assegurar 100% da retribuição base do trabalhador, com limite de 1.995€, quando se encontre numa das seguintes situações:

a) A composição do seu agregado familiar seja monoparental e o filho, ou outro dependente que esteja confiado por decisão judicial ou administrativa de entidades ou serviços legalmente competentes para o efeito, seja beneficiário da majoração do abono para família monoparental;
b) Os dois progenitores beneficiem do apoio, semanalmente de forma alternada.

O apoio excecional à família não é acumulável com outros apoios de resposta à pandemia pela doença COVID-19.

 


Plano de Recuperação e Resiliência: recuperar Portugal construindo o futuro (atualizado 16-02-2021)

O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) agora submetido a consulta pública é um amplo documento estratégico, onde estão plasmadas reformas estruturais fundamentais para assegurar a saída da crise pandémica e garantir um futuro resiliente para Portugal.


Novo período de candidaturas ao programa ATIVAR.PT (atualizado 15-02-2021)

As candidaturas às medidas Estágios ATIVAR.PT e Incentivo ATIVAR.PT estão novamente abertas a partir de 15 de fevereiro com uma verba inicial global de 100 milhões de euros: 75 milhões de euros para os Estágios ATIVAR.PT e 25 milhões de euros para o Incentivo ATIVAR.PT. Estas medidas estão incorporadas no ATIVAR.PT – Programa Reforçado de Apoios ao Emprego e à Formação Profissional, inscrito pelo Governo no Programa de Estabilização Económica e Social, com o objetivo de assegurar a manutenção do emprego e a retoma progressiva da atividade económica, e tem como prazo de candidatura, o período que decorre entre os dias 15 de Fevereiro e 30 de junho de 2021.

Os Estágios ATIVAR.PT vieram substituir os Estágios Profissionais, introduzindo uma majoração das bolsas de estágio que varia (para as qualificações acima do ensino secundário) entre os 7,1% e 30,6%, e contemplando um conjunto de disposições transitórias que visam responder à situação que o mercado de trabalho enfrenta atualmente, incluindo um aumento da comparticipação do IEFP na bolsa de estágio de 65% para 75% no regime geral. Está ainda previsto um reforço do prémio-emprego atribuído a quem converter contratos de estágio em contratos sem termo, que passa de um valor máximo de 2.194 euros para 3.072 euros no regime geral.

Já o Incentivo ATIVAR.PT veio substituir o Contrato-Emprego e introduziu um aumento de 33% no apoio a conceder às empresas que celebrem contratos de trabalho com desempregados inscritos no IEFP, passando o apoio base de 3.949 euros para 5.266 euros nos contratos sem termo. Está ainda prevista a possibilidade de majoração quando esteja em causa a contratação de desempregados de longa duração, inativos desencorajados, jovens até aos 29 anos e pessoas com 45 e mais anos, que também abrange cuidadores informais ou pessoas em situação de sem-abrigo.

Ambas as medidas têm modelos de pagamento mais ágeis e céleres, o que permite que os apoios financeiros cheguem mais rapidamente às entidades promotoras.

Saiba toda a informação sobre estas medidas aqui

 


Decreto-Lei n.º 14-A/2021 – Diário da República n.º 30/2021, 2º Suplemento, Série I de 2021-02-12

Estabelece medidas excecionais e temporárias relativas ao setor das comunicações eletrónicas no âmbito da pandemia da doença COVID-19

 


ACT | Recomendações para os Serviços Externos de Segurança e Saúde no Trabalho em contexto de COVID-19 (atualizado 10-02-2021)

A ACT – Autoridade para as Condições de Trabalho  disponibilizou dois documentos que procuram fornecer informações para auxiliar as Empresas Prestadoras de Serviços Externos na sua atuação, em contexto de COVID-19.

Os serviços de Segurança e Saúde no Trabalho (SST) assumem um papel preponderante na criação de condições de trabalho dignas, na prevenção dos riscos profissionais nas empresas e na proteção dos trabalhadores. O atual estado de pandemia veio realçar a importância da atuação destes serviços, especialmente no que diz respeito à prevenção da incidência de COVID-19 nas empresas onde atuam.

Pretende-se, com estes documentos, sistematizar um conjunto de informações com o objetivo de dar apoio ao desenvolvimento da atividade dos serviços de segurança e saúde no trabalho junto das entidades empregadoras para que estas possam proporcionar aos trabalhadores um ambiente de trabalho seguro e saudável na necessária manutenção da atividade económica, com algumas abordagens especificas no que respeita à atuação face à atual situação pandémica.

 


Segurança Social | Entidades Empregadoras – Entrega de declaração de isolamento profilático | Alteração de procedimentos (atualizado 08-02-2021)

Com o intuito de agilizar o procedimento de entrega e tratamento dos processos de isolamento profilático por parte das Entidades Empregadoras, o Instituto da Segurança Social, em articulação com o Ministério da Saúde, automatizou o processo de troca de informação entre os dois organismos, tornando-o mais célere.

Para o efeito, a entidade empregadora deve aceder à Segurança Social Direta e, no separador Emprego, na secção de Medidas de Apoio (COVID-19), deve selecionar ”Comunicar trabalhadores em isolamento sem possibilidade de teletrabalho” e inserir o código da declaração de isolamento profilático remetida pelo trabalhador em causa (deixando de ter de submeter o formulário anteriormente previsto).

Deve ainda declarar a impossibilidade de realização de teletrabalho por parte do trabalhador e em seguida proceder à comunicação do trabalhador.

Se ainda não tem acesso à Segurança Social Direta, deverá pedir a senha na hora. Aceda aqui.

Consulte o manual passo a passo. Aceda aqui.

 


Programa de Apoio à Produção Nacional (atualizado 29-01-2021)

Foi lançado o Programa de Apoio à Produção Nacional, uma iniciativa da área governativa da Coesão Territorial, destinada ao apoio direto ao investimento empresarial produtivo e dirigida essencialmente ao setor industrial. O programa tem uma dotação de 100 milhões de euros, 50% dos quais afetos aos territórios do Interior.

Este programa tem como objetivo estimular a produção nacional das micro e pequenas empresas e reduzir a dependência do país face ao exterior.

 


Candidaturas em 2021 às medidas Incentivo ATIVAR.PT e Estágios ATIVAR.PT | IEFP

Em 2021, a medida Incentivo ATIVAR.PT e Estágios ATIVAR.PT têm dois períodos para a apresentação de candidaturas.

No âmbito das medidas Incentivo ATIVAR.PT e Estágios ATIVAR.PT, foi aprovado, por deliberação do Conselho Diretivo do IEFP, IP, o calendário de candidaturas para o ano de 2021.

O calendário de candidaturas prevê a realização de 2 períodos de candidatura regulares, nas seguintes datas:

  • Primeiro Período: abertura a 15 de fevereiro e encerramento a 30 de junho de 2021
  • Segundo Período: abertura a 15 de agosto encerramento a 30 de dezembro de 2021

 


Apoio Extraordinário ao Rendimento dos Trabalhadores | Segurança Social

Com a publicação do Orçamento de Estado para 2021, foi criado o Apoio Extraordinário ao Rendimento dos Trabalhadores com o objetivo de assegurar a continuidade dos rendimentos dos trabalhadores em situação de particular desproteção económica causada pela pandemia da doença COVID-19.

Sendo a situação de desproteção económica verificada através de condição de recursos, é imprescindível a atualização do seu agregado familiar e dos respetivos rendimentos junto da Segurança Social.

Consulte os manuais passo a passo de preenchimento:

 


Apoio extraordinário ao rendimento dos trabalhadores

A Portaria n.º 19-A/2021, de 25/01, regulamenta os procedimentos de atribuição do apoio extraordinário ao rendimento dos trabalhadores previsto no artº 156º da Lei do Orçamento de Estado para 2021, criado com o objetivo de assegurar em 2021 a continuidade dos rendimentos das pessoas em situação de particular desproteção económica causada pela pandemia da doença COVID-19.


Layoff Simplificado (Medida Extraordinária de Apoio à Manutenção dos Contratos de Trabalho) atualizado 23-01-2021

Destina-se a entidades empregadoras, que se encontrem sujeitas ao dever de encerramento de instalações e estabelecimentos por determinação legislativa ou administrativa de fonte governamental, no âmbito da pandemia da doença COVID-19.

A entidade empregadora pode aceder ao apoio desde que a sua atividade se encontre total ou parcialmente sujeita ao dever de encerramento, sendo abrangidos os trabalhadores afetados por esse dever de encerramento.


Decreto-Lei n.º 8-B/2021 – D.R. n.º 15/2021, 1º Suplemento, Série I de 2021-01-22

Estabelece um conjunto de medidas de apoio no âmbito da suspensão das atividades letivas e não letivas presenciais.

 


Apoio excecional à família – requerimento já disponível

(atualizado 21-01-2021)
Na sequência da suspensão das atividades letivas e não letivas presenciais em estabelecimento escolar ou equipamento social de apoio à primeira infância ou deficiência, já a partir desta sexta-feira, dia 22, o Governo decidiu reativar a medida de apoio excecional à família. Ao abrigo deste mecanismo, os pais que tenham de faltar ao trabalho para prestar assistência inadiável a filho ou dependente a cargo têm direito a receber um apoio correspondente a 2/3 da sua remuneração base, com um limite mínimo de 665 euros e um limite máximo de 1.995 euros.

Este apoio abrange os trabalhadores por conta de outrem, os trabalhadores independentes e os trabalhadores do serviço doméstico.

Não são abrangidas as situações em que é possível a prestação de trabalho em regime de teletrabalho.

Para aceder a este apoio, os pais devem preencher a declaração Modelo GF88-DGSS e remetê-la à entidade empregadora. Esta declaração serve igualmente para justificar as faltas ao trabalho.

O apoio é devido nos casos de assistência a filhos ou outros dependentes a cargo que sejam menores de 12 anos, ou, no caso de assistência a filhos ou dependentes com deficiência/doença crónica, sem limite de idade. Os dois progenitores não podem receber este apoio em simultâneo e apenas existe lugar ao pagamento de um apoio, independentemente do número de filhos ou dependentes a cargo.

Caso um dos progenitores se encontre em teletrabalho, o outro não poderá receber este apoio.

O apoio é assegurado em partes iguais pela Segurança Social e pela entidade empregadora, a quem cabe pagar a totalidade do apoio.

 


Linha de Apoio à Economia COVID-19: Empresas Exportadoras da Indústria e do Turismo

Banco Português de Fomento

Abertura de Candidaturas | 18 de janeiro de 2021

Dotação global | €1.050.000.000

Finalidade | Apoiar o emprego e a manutenção dos postos de trabalho de dois sectores fortemente afetados pela pandemia: o da indústria e o do turismo.

Beneficiários | Micro, Pequenas e Médias Empresas (PME), incluindo empresários em nome individual (ENI), bem como, Small Mid Cap e Mid Cap, em qualquer dos casos com atividade em território nacional continental, que desenvolvam atividade nas listas de CAE detalhadas na ficha técnica


Decreto-Lei n.º 6-C/2021 – Diário da República n.º 10/2021, 1º Suplemento, Série I de 2021-01-15

Prorroga o apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade em empresas em situação de crise empresarial


Apoios ao Emprego e à Economia

(atualizado 14-01-2021)

Layoff Simplificado por encerramento da atividade

  • Entidade empregadora suporta apenas 19,8% do salário
  • Duração idêntica à do período de confinamento

Apoio à Retoma Progressiva por quebra de faturação da empresa

  • Possibilidade de redução do horário de trabalho até 100%
  • Redução contributiva de 50% para micro e PMEs

Apoio simplificado para Microempresas

  • Apoio no valor de 2 SMN (1.330€) por trabalhador

Medidas para Trabalhadores por conta de outrem, Trabalhadores independentes, Sócios gerentes, Trabalhadores em situação de desproteção social

  • Suspensão de execuções durante o primeiro trimestre
  • Suspensão dos processos de execução fiscal em curso ou que venham a ser instaurados pela AT e pela Segurança Social: de 1 de janeiro a 31 de março.
  • Impossibilidade de execução de penhoras neste período.
  • O pagamento dos planos prestacionais por dívidas à Segurança Social também é suspenso.

 

Consulte a apresentação do Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital a 14 de Janeiro de 2021 sobre os Apoios ao Emprego e à Economia (pdf).

 


Contraordenação relativa ao teletrabalho obrigatório

Altera o regime contraordenacional no âmbito da situação de calamidade, contingência e alerta e agrava a contraordenação relativa ao teletrabalho obrigatório durante o estado de emergência


 


Decreto-Lei n.º 106-A/2020 – Diário da República n.º 252/2020, 3º Suplemento, Série I de 2020-12-30

Altera as medidas excecionais e temporárias relativas à pandemia da doença COVID-19

 


Novas medidas de apoio destinadas às empresas e ao emprego (atualizado 30-12-2020)

O Governo aprovou um conjunto de novas medidas destinadas às empresas e ao emprego no âmbito da pandemia da doença COVID-19

 


Governo cria portal sobre vacinação Covid-19 (atualizado 26-12-2020)

O Governo lançou este sábado uma nova página exclusivamente dedicada ao processo de vacinação contra a Covid-19, como já tinha sido anunciado previamente pelo coordenador da task-force responsável pela elaboração do Plano de vacinação contra a Covid-19, Francisco Ramos. Este espaço está a partir de agora disponível através de duas vias: site da DGS e site Estamos On (portal do Governo com as diferentes medidas de resposta à pandemia). Esta nova página pretende esclarecer os cidadãos quanto a todos os detalhes relativos ao processo de vacinação, que começa amanhã, domingo, dia 27 de dezembro.

 


Decreto-Lei n.º 103-A/2020 – Diário da República n.º 242/2020, 1º Suplemento, Série I de 2020-12-15
Altera o regime excecional e temporário de cumprimento de obrigações fiscais, no âmbito da pandemia da doença COVID-19


O Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, apresentou o novo pacote de medidas de apoio ao emprego, empresas e economia(atualizado 10-12-2020)

 


Plano Vacinação COVID19 (atualizado 03-12-2020)

 


Decreto-Lei n.º 101-A/2020 – Diário da República n.º 232/2020, 2º Suplemento, Série I de 2020-11-27

Altera o apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade em empresas em situação de crise empresarial e clarifica o regime excecional e temporário de faltas justificadas motivadas por assistência à família


Lei n.º 75/2020 – Diário da República n.º 232/2020, Série I de 2020-11-27

Processo extraordinário de viabilização de empresas


Controlar a pandemia – apresentação das medidas do Conselho de Ministros de 21 de novembro de 2020


Estratégia Portugal 2030 (atualizado 13-11-2020)

Foi publicada em Diário da República a Estratégia Portugal 2030 , que traça as linhas orientadoras para aplicação do próximo Quadro Financeiro Plurianual e dos novos instrumentos financeiros criados pela União Europeia para dar resposta à crise de Covid-19.

A Estratégia Portugal 2030 está estruturada em torno de quatro agendas temáticas centrais para o desenvolvimento da economia, da sociedade e do território de Portugal no horizonte de 2030:

  1. as pessoas primeiro: um melhor equilíbrio demográfico, maior inclusão, menos desigualdade;
  2. digitalização, inovação e qualificações como motores do desenvolvimento;
  3. transição climática e sustentabilidade dos recursos, e
  4. um país competitivo externamente e coeso internamente.

Leia o documento na íntegra

 


Fundos Europeus da Política de Coesão relativo a 2021-2027

O Conselho de Ministros aprovou a resolução que estabelece os princípios orientadores e a estrutura operacional do período de programação de fundos europeus da política de coesão relativo a 2021-2027.

Através da presente resolução estabiliza-se um conjunto de princípios orientadores do Acordo de Parceria 2021-2027, que permite prosseguir o desenvolvimento dos trabalhos de programação, com o foco nos desafios que se pretendem endereçar, beneficiando da experiência de aplicação do Portugal 2020 e explorando todas as possibilidades previstas nas propostas regulamentares europeias que garantam quer a coerência estratégica, quer a flexibilidade e eficiência operacionais necessárias à boa execução dos fundos europeus.

 


Conselho de Ministros,12 de Novembro

 


Apoio Extraordinário à Retoma Progressiva de Atividade – COVID 19

Atribuição, pelo IEFP, IP, de um apoio financeiro para frequência de um plano de formação destinado aos trabalhadores das entidades empregadoras de natureza privada e do setor social abrangidas pela Medida de apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade em empresas em situação de crise empresarial, com redução temporária do período normal de trabalho (PNT) criada no âmbito do Programa de Estabilização Económica e Social e prevista no n.º 5, do artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 46-A/2020, de 30 de julho, alterado pelo Decreto-Lei n.º 90/2020, de 19 de outubro, que vigorará até 31 de dezembro de 2020.

 


No Conselho de Ministros de 5 de novembro de 2020, foram aprovados vários diplomas, nomeadamente:

  • A resolução que estabelece um conjunto de medidas destinadas às empresas, no âmbito da pandemia da doença Covid-19.
    Este diploma visa o lançamento de novos instrumentos de apoio à situação de tesouraria das empresas, entre os quais se destacam:

    • Linha de crédito indústria exportadora
      • Empresas industriais com elevado volume de negócios proveniente de exportações de bens
      • Conversão de 20% do crédito concedido em subsídio a fundo perdido em caso de manutenção de postos de trabalho
      • Crédito determinado em função do n º de postos de trabalho.
      • Aceda aqui à apresentação das medidas
  • O decreto-lei que introduz regras excecionais e temporárias em matéria de sequencialidade das medidas que visam o apoio das empresas no contexto da retoma de atividade, tendo em vista, designadamente, a manutenção dos postos de trabalho.
    • Este diploma cria um regime excecional para acesso ao Apoio à Retoma Progressiva para aos empregadores que tenham requerido o incentivo extraordinário à normalização da atividade empresarial sem terem de devolver os montantes já recebidos. Por outro lado, estabelece-se também que o empregador que tenha recorrido à aplicação das medidas de redução ou suspensão previstas no Código do Trabalho, e que pretenda aceder ao apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade, não fique sujeito ao prazo que limita o recurso a medidas de redução ou suspensão.
  • Ainda no âmbito das resposta à crise suscitada pela doença Covid-19, foi aprovada, após audição com os parceiros sociais com assento na Comissão Permanente de Concertação Social, a proposta de lei que procede à suspensão excecional do prazo de contagem de prazos associados à caducidade e sobrevigência dos instrumentos de regulamentação coletiva de trabalho, nos termos previstos no Código do Trabalho.
    • A presente proposta de lei, a submeter à Assembleia da República, visa suspender, de modo transitório e excecional, o prazo de sobrevigência da convenção coletiva de trabalho, prevenindo o surgimento de lacunas na cobertura da contratação coletiva, seja pelo esgotamento dos prazos de processos de denúncia já iniciados, seja pelo desencadeamento de novas denúncias.

Comunicado do Conselho de Ministros

 


Decreto-Lei n.º 94-A/2020 – Diário da República n.º 214/2020, 1º Suplemento, Série I de 2020-11-03

Altera as medidas excecionais e temporárias relativas à pandemia da doença COVID-19

 


Resolução do Conselho de Ministros n.º 92-A/2020 – Diário da República n.º 213/2020, 1º Suplemento, Série I de 2020-11-02


Novas medidas para combater a pandemia

  • Conheça as medidas aplicáveis a cada concelho no site EstamosOn

 


Apoio extraordinário à retoma progressiva (atualizado 28-10-2020)

A Segurança Social publicou  informação sobre o Apoio extraordinário à retoma progressiva

No âmbito da medida de Apoio Extraordinário à Retoma Progressiva de Atividade, a partir de 29 de outubro passará a ser possível as entidades empregadoras apresentarem o pedido de apoio para o próprio mês e para o mês anterior.

Assim, entre o dia 29 de outubro e o dia 31 de outubro, será possível às entidades empregadoras apresentarem o apoio para o mês de setembro de 2020.

Também será possível requerer o pedido de apoio para os novos intervalos de variação de quebra de faturação previstas no Decreto-Lei nº 46-A/2020, de 30 de julho, introduzidas pelo Decreto-Lei nº 90/2020, de 19 de outubro.

Caso já tenha requerido o mês de outubro e pretenda alterar a variação da quebra de faturação terá de anular o pedido introduzido e apresentar um novo.

O apoio, com redução temporária do período normal de trabalho, tem a duração de um mês civil, sendo prorrogável mensalmente até 31 de dezembro de 2020.

Fonte: http://www.seg-social.pt/noticias/-/asset_publisher/9N8j/content/apoio-extraordinario-a-retoma-progressiva-setembro

 


Governo aprova novas medidas para travar expansão da pandemia  (atualizado 22-10-2020)

O Governo aprovou uma resolução que determina «a proibição de circulação entre diferentes concelhos do território continental no período entre as 00h00 de 30 de outubro e as 23h59 de dia 3 de novembro e que define um conjunto de medidas especiais aplicáveis aos concelhos de Felgueiras, Lousada e Paços de Ferreira no âmbito da situação de calamidade decorrente da pandemia da doença Covid-19» a partir das 00h00 de 23 de outubro.


 

Mecanismo de apoio à Retoma Progressiva da Atividade (atualizado 21-10-2020)


Decreto-Lei n.º 90/2020 – Diário da República n.º 203/2020, Série I de 2020-10-19


Decreto-Lei n.º 87-A/2020 – Diário da República n.º 201/2020, 1º Suplemento, Série I de 2020-10-15


Plano de Recuperação e Resiliência – Recuperar Portugal 2021-2026 – Plano preliminar (atualizado 15-10-2020)

Pode ser consultada no Site do Governo, a versão preliminar do Plano de Recuperação e Resiliência – Recuperar Portugal 2021-2026, entregue pelo Primeiro-Ministro António Costa à Presidente da Comissão Europeia, no dia 15 de outubro.

 


Comunicado do Conselho de Ministros de 8 de outubro de 2020

O Conselho de Ministros aprovou hoje o decreto-lei que altera o apoio extraordinário relativo à retoma progressiva de atividade em empresas em situação de crise empresarial.
Introduzem-se agora alterações aos limites máximos a observar na redução do período normal de trabalho, às regras aplicáveis à determinação da compensação retributiva devida aos trabalhadores e ao regime de apoios concedidos pela segurança social, ao conceito de situação de crise empresarial considerado no âmbito da medida e, ainda, aos apoios complementares a conceder no âmbito do plano de formação complementar

Mais informações:


No dia 1 de Outubro  foi publicado em Diário da República do diploma que estabelece um regime excecional e transitório de reorganização do trabalho e de minimização de riscos de transmissão da infeção da doença COVID-19 no âmbito das relações laborais:

 


Apoio às Médias Empresas, Small Mid Caps e Mid Caps (atualizado 29-09-2020)

Criada no âmbito das medidas de caráter extraordinário para apoio ao emprego e à normalização da atividade empresarial, a Linha de Apoio à Economia COVID-19 permite às empresas portuguesas, mais afetadas pelas medidas adotadas para contenção da pandemia do novo coronavírus, financiarem em melhores condições de preço e de prazo, as suas necessidades de tesouraria.

A 30 de setembro de 2020, foi disponibilizada a nova linha específica de Apoio às Médias Empresas, Small Mid Caps e Mid Caps.

mais informações …


 

Apresentação do «Plano de Recuperação e Resiliência» (atualizado 29-09-2020)

 


Comunicado do Conselho de Ministros de 24 de setembro de 2020 (atualizado 24-09-2020)

Decreto-Lei que altera as medidas excecionais e temporárias relativas à pandemia da doença Covid-19, nomeadamente:
– As medidas excecionais de proteção dos créditos das famílias, empresas, instituições particulares de solidariedade social, e demais entidades da economia social, passam a vigorar até 30 de setembro de 2021;
– Define-se que a distribuição de lucros, sob qualquer forma, o reembolso de créditos aos sócios e a aquisição de ações ou quotas próprias, por parte das entidades beneficiárias, determina a cessação dos efeitos das medidas de apoio extraordinário à liquidez;
– As entidades beneficiárias que, no dia 1 de outubro de 2020, se encontrem abrangidas por alguma das medidas de apoio extraordinário à liquidez, beneficiam da prorrogação suplementar e automática dessas medidas pelo período de seis meses, compreendido entre 31 de março de 2021 e 30 de setembro de 2021.

Mais informações: https://www.portugal.gov.pt/pt/gc22/governo/comunicado-de-conselho-de-ministros?i=370


Abertura de período extraordinário de pedidos de apoio (atualizado 23-09-2020)

De 23 a 30 de setembro – Novos formulários na SSD
Estão disponíveis na Segurança Social Direta (SSD), entre os dias 23 e 30 de setembro, os formulários para realização de pedidos de apoio para períodos retroativos no âmbito do “Apoio extraordinário à redução da atividade económica” e da “Medida extraordinária de incentivo à atividade profissional” para Trabalhadores Independentes e para Membros de Órgãos Estatutários.

Este período excecional destina-se a possibilitar o acesso a estes apoios extraordinários aos trabalhadores independentes (TI) e/ou membros de órgãos estatutários (MOE) que, afetados na sua atividade económica pelos efeitos da pandemia COVID-19, nos períodos anteriores não conseguiram submeter os respetivos processos, ou não reuniam requisitos para a submissão das respetivas candidaturas.

mais informações: http://www.seg-social.pt/noticias/-/asset_publisher/9N8j/content/abertura-de-periodo-extraordinario-de-pedidos-de-apoio


Apoio extraordinário à retoma progressiva (atualizado 17-09-2020)

Entrega do pedido na Segurança Social Direta

O apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade é destinado a empregadores privados ou do setor social em situação de crise empresarial por redução acentuada de faturação e reduções temporárias do período normal de trabalho (PNT) de todos ou alguns trabalhadores. Este apoio deve ser requerido na Segurança Social Direta através do menu Emprego, opção Layoff, selecionando o Regime – Apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade das empresas com redução do período normal de trabalho.

O pedido deverá ser acompanhado da declaração do contabilista certificado (Mod. 3058-DGSS) atestando a situação de crise empresarial e de listagem nominativa dos trabalhadores a abranger, com indicação do respetivo número de segurança social, da retribuição normal ilíquida e da redução do período normal de trabalho a aplicar, em termos médios mensais, por trabalhador.

Deverá ser dado também o consentimento para a consulta da situação fiscal perante a Autoridade Tributária, bem como proceder ao registo do IBAN (menu Perfil, opção Conta Bancária), para onde será pago o apoio financeiro.

A apresentação do pedido de apoio pode ser feita em qualquer altura do mês, abrangendo todo o período desse mês Porém, durante o mês de setembro, o empregador pode entregar também o pedido do apoio referente ao mês de agosto.

O cálculo da redução do Período Normal de Trabalho é feito numa base mensal, devendo ser respeitados os limites legais horários diários e semanais.

Para mais informações:

http://www.seg-social.pt/apoio-extraordinario-a-retoma-progressiva-de-atividade

 


Incentivo Extraordinário à Normalização da Atividade Empresarial (atualizado 17-09-2020)

É um incentivo financeiro extraordinário, dirigido às entidades empregadoras, para apoiar a normalização da atividade empresarial, ou seja, depois de terminada a aplicação do chamado “layoff simplificado” ou do plano extraordinário de formação.

Para mais informações:

http://www.seg-social.pt/incentivo-extraordinario-a-normalizacao-da-atividade-empresarial

 


Visão Estratégica para o Plano de Recuperação Económica de Portugal 2020-2030 – sessão de análise – apresentações e vídeo (atualizado 15-09-2020)

No dia 15 de Setembro, decorreu em Lisboa a sessão de análise dos contributos do Debate Público da Visão Estratégica para o Plano de Recuperação Económica de Portugal 2020-2030, com presença do Primeiro-Ministro António Costa e do Professor António Costa Silva.


Despacho n.º 8844-B/2020 (atualizado 14-09-2020)

Determina que a AT deverá disponibilizar oficiosamente aos contribuintes a faculdade de pagamento em prestações, sem necessidade de prestação de garantia nos termos do Decreto-Lei n.º 492/88, de 30 de dezembro, de dívidas de imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) e de imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas (IRC) de valor igual ou inferior, respetivamente, a (euro) 5000 e (euro) 10 000, independentemente da apresentação do pedido


Comunicado do Conselho de Ministros de 10 de setembro de 2020

Controlar a Pandemia – apresentação do Primeiro-Ministro na conferência de imprensa do Conselho de Ministros de 10 de setembro de 2020

Resolução do Conselho de Ministros n.º 70-A/2020

Declara a situação de contingência, no âmbito da pandemia da doença COVID-19

 


Clarifica as medidas excecionais e temporárias no âmbito do Programa de Estabilização Económica e Social (atualizado 15-08-2020)

1 — Os trabalhadores cuja remuneração base em fevereiro de 2020 tenha sido igual ou inferior a duas vezes a RMMG e que, entre os meses de abril e junho, tenham estado abrangidos pelo menos 30 dias seguidos pelo apoio à manutenção do contrato de trabalho, previsto no Decreto -Lei n.º 10 -G/2020, de 26 de março, na sua redação atual, ou por redução temporária do período normal de trabalho ou suspensão do contrato de trabalho, nos termos dos artigos 298.º e seguintes do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, na sua redação atual, têm direito a um complemento de estabilização.

2 — O complemento de estabilização corresponde à diferença entre os valores da remuneração base declarados relativos ao mês de fevereiro de 2020 e aos 30 dias seguidos em que o trabalhador esteve abrangido por uma das duas medidas referidas no número anterior em que se tenha verificado a maior diferença, sem prejuízo do disposto no número seguinte.


Apoio extraordinário à retoma progressiva – Formulário já disponível na Segurança Social Direta (atualizado 10-08-2020)

Desde 6 de Agosto que está disponível na Segurança Social Direta o formulário eletrónico para as entidades empregadoras requererem o apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade, destinado a empresas privadas ou do setor social em situação de crise empresarial por redução acentuada de faturação e reduções temporárias do período normal de trabalho (PNT) de todos ou alguns trabalhadores.

Apoio diferenciado depende da quebra de faturação

O apoio extraordinário destina-se a empresas com quebras na faturação igual ou superior a 40%, que procuram retomar a atividade e manter os postos de trabalho. A redução temporária do PNT, por trabalhador, e o apoio extraordinário correspondente têm os seguintes parâmetros:

  1. No caso de Empregador com quebra de faturação igual ou superior a 40 %, a redução do PNT, por Trabalhador, pode ser, no máximo:
    1. De 50 %, nos meses de agosto e setembro de 2020; e
    2. De 40 %, nos meses de outubro, novembro e dezembro de 2020;
  2. No caso de Empregador com quebra de faturação igual ou superior a 60 %, a redução do PNT, por Trabalhador, pode ser, no máximo:
    1. De 70 %, nos meses de agosto e setembro de 2020; e
    2. De 60 %, nos meses de outubro, novembro e dezembro de 2020.

Consulte o Manual Passo-a-Passo para registo dos pedidos na Segurança Social Direta que inclui o Apoio à Retoma Progressiva

Aceda à declaração do contabilista certificado – Mod. RC3058-DGSS

 


Mecanismo de apoio à Retoma Progressiva da Atividade  (atualizado 04-08-2020)

O Governo disponibilizou no seu portal uma página com Perguntas e Respostas sobre o Mecanismo de apoio à Retoma Progressiva da Atividade

 


Incentivo extraordinário à normalização da atividade (atualizado 04-08-2020)

O incentivo extraordinário à normalização da atividade pode ser requerido a partir de 4 de agosto.

Os empregadores que tenham beneficiado do regime de lay-off simplificado e que tenham condições para retomar a sua atividade, podem, a partir do dia 4 de agosto, apresentar o requerimento para acesso ao incentivo extraordinário à normalização da atividade empresarial, previsto no Decreto-Lei n.º 27-B/2020, de 19 de junho.

O requerimento para acesso ao incentivo encontra-se online, no portal iefponline, na área de gestão do empregador, estando já disponível no site do IEFP toda a informação sobre a medida.


Linha de Apoio à Economia COVID-19 – Micro e Pequenas Empresas (atualizado 06-08-2020)

Criada no âmbito das medidas de caráter extraordinário para apoio à normalização da atividade das empresas, com uma dotação de mil milhões de euros, a Linha de Apoio à Economia COVID-19 – Micro e Pequenas Empresas destina-se a apoiar a recuperação das micro e pequenas empresas afetadas pelos efeitos da pandemia do novo coronavírus.


Lei n.º 29/2020 – Diário da República n.º 148/2020, Série I de 2020-07-31

Medidas fiscais de apoio às micro, pequenas e médias empresas no quadro da resposta ao novo coronavírus SARS-CoV-2 e à doença COVID-19


Decreto-Lei n.º 46-A/2020 – Diário da República n.º 147/2020, 1º Suplemento, Série I de 2020-07-30

O presente decreto-lei cria o apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade em empresas em situação de crise empresarial, com redução temporária do período normal de trabalho, no âmbito do Programa de Estabilização Económica e Social, tendo em vista a manutenção de postos de trabalho.


Apoio Extraordinário à Retoma Progressiva (atualizado 27-07-2020)

Mecanismo criado pelo Governo para apoiar a manutenção dos postos de trabalho nas empresas que tenham, pelo menos, uma quebra de faturação de 40%.

A Segurança Social comparticipa em 70% a comparticipação retributiva pela redução do período normal de trabalho dos trabalhadores. A redução do período normal de trabalho será variável em função da quebra de faturação e dos meses em causa.


Visão Estratégica para o Plano de Recuperação Económica de Portugal 2020-2030 (atualizado 21-07-2020)

A Visão Estratégica para o Plano de Recuperação Económica de Portugal 2020-2030, elaborada pelo Prof. António Costa Silva, constitui um documento enquadrador das opções e prioridades que deverão nortear a recuperação dos efeitos económicos adversos causados pela atual pandemia. É a partir desta visão estratégica que será desenhado o Plano de Recuperação, a apresentar à Comissão Europeia, com vista à utilização dos fundos europeus disponíveis.

O documento apresenta 10 eixos estratégicos em torno de (i) uma Rede de Infraestruturas Indispensáveis, (ii) a Qualificação da População, a Aceleração da Transição Digital, as Infraestruturas Digitais, a Ciência e Tecnologia, (iii) o Setor da Saúde e o Futuro, (iv) Estado Social, (v) a Reindustrialização do País, (vi) a Reconversão Industrial, (vii) a Transição Energética e Eletrificação da Economia, (viii) a Coesão do Território, Agricultura e Floresta, (ix) um Novo Paradigma para as Cidades e a Mobilidade e (x) Cultura, Serviços, Turismo e Comércio.

Consulte aqui o documento

 


Prazo para a entrega da IES prorrogado até 15 de setembro (atualizado 17-07-2020)

O governo prorrogou o prazo para a entrega pelas empresas da Informação Empresarial Simplificada (IES/DA) até 15 de setembro.

O prazo da submissão da IES/DA já tinha sido prolongado até 7 de agosto, mas um novo despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, vem agora dar mais tempo, até 15 de setembro, para as empresas poderem cumprir esta obrigação declarativa, “sem quaisquer acréscimos ou penalidades”.

Entre os motivos deste novo prolongamento está a necessidade de assegurar a qualidade de reporte de dados, que servem de base à informação estatística nacional e que, considera o secretário de Estado, poderia ser comprometida devido às atuais circunstâncias excecionais impostas pela pandemia de covid-19.

Consulte aqui o Despacho do SEAAF


Segurança Social – Acordos de pagamento das contribuições diferidas (atualizado 15-07-2020)

Planos Prestacionais – pagamento de dois terços das contribuições diferidas [Decreto-Lei n.º 10-F/2020, de 26 de março, na sua redação atual]

Encontra-se disponível, durante o mês de julho, a funcionalidade que permite registar o pedido de plano prestacional de regularização dos montantes de contribuições diferidas.

Este plano prestacional permite:

  • às entidades empregadoras, que nos termos da lei possam beneficiar desta medida, proceder ao pagamento das restantes contribuições referentes aos meses de fevereiro a abril de 2020, ou março a maio de 2020, desde que reúnam as seguintes condições:
    • tenha existido pagamento, dentro do prazo, de um terço das contribuições e da totalidade das cotizações no mês em que eram devidas;
    • se beneficiou no período de março a maio, a totalidade das contribuições respeitantes a fevereiro de 2020 terá que estar paga dentro do prazo;
    • se o pagamento do primeiro mês tiver sido efetuado fora de prazo, os respetivos juros de mora têm que estar pagos.

pagamento será efetuado em prestações mensais e sucessivas, nos meses de julho a dezembro, sem juros de mora, vencendo-se a primeira prestação no final do mês de julho.

Para registar o pedido de Acordo, na Segurança Social Direta, aceda ao separador Conta-corrente> Pagamentos à Segurança Social> Planos Prestacionais> Registar plano prestacional.

De seguida, preencha os dados solicitados e confirme a simulação do plano pretendido.

Depois de proceder ao registo, receberá na sua caixa de mensagens da Segurança Social Direta a confirmação da autorização do plano prestacional.

Consulte aqui informação detalhada sobre Gestão de Acordos e Planos Prestacionais

 


 

Portaria n.º 170-A/2020 – Diário da República n.º 134/2020, 2º Suplemento, Série I, 13 de julho de 2020

Regulamenta o incentivo extraordinário à normalização da atividade empresarial, previsto no Decreto-Lei n.º 27-B/2020, de 19 de junho


Decreto-Lei n.º 27-B/2020, Diário da República n.º 118/2020, 2º Suplemento, Série I, 19 de junho de 2020

Prorroga o apoio extraordinário à manutenção dos contratos de trabalho em situação de crise empresarial e cria outras medidas de proteção ao emprego, no âmbito do Programa de Estabilização Económica e Social


Layoff – Formulário online na Segurança Social Direta (atualizado 18-06-2020)

As empresas que pretendam aderir à atual Medida Extraordinária de Apoio à Manutenção dos Contratos de Trabalho (layoff simplificado) ou ao layoff no âmbito do Código do Trabalho já dispõem de formulário online. Para submeter o pedido devem, através da Segurança Social Direta, escolher a opção Layoff do menu Emprego.

O formulário online agora disponibilizado aplica-se a novos pedidos ou a pedidos de prorrogação e substitui os formulários físicos Mod. RC 3056-DGSS e o Anexo, bem como Mod. RC 3057–DGSS e o Anexo.

 


Seguros de crédito – Facilidade de Curto Prazo OCDE 2020

A 5 de Junho o Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital e o Secretário de Estado Adjunto e das Finanças assinaram um Despacho conjunto que aprova a “Facilidade de Curto Prazo OCDE 2020.

Entretanto já foram assinados os protocolos que operacionalizam esta medida com as 4 seguradoras: COSEC, Credito Y Caucion, COFACE, CESCE.

O montante garantido é de 750 milhões de euros.


Programa de Estabilização Económica e Social (atualizado 07-06-2020)

 


 

SITUAÇÃO DE CONTINGÊNCIA E ALERTA (atualizado 14-08-2020)

Resolução do Conselho de Ministros n.º 63-B/2020

  • Prorroga a declaração da situação de contingência e alerta, no âmbito da pandemia da doença COVID-19

 


Comissão de Normalização Contabilística (atualizado 01-06-2020)

A CNC emitiu as seguintes recomendações:

  • Recomendação 1 – Tratamento dos impactos da COVID-19 no relato financeiro das empresas e entidades em SNC (aprovada em 01 de abril de 2020)
  • Recomendação 2 – Tratamento dos impactos da COVID-19 no relato financeiro das empresas e entidades em SNC dos exercícios que encerram após 31 de dezembro de 2019 (aprovada em 06 de maio de 2020)
  • Recomendação 3 – Tratamento dos apoios governamentais no âmbito da pandemia da COVID-19 (atualizada em 01 de junho de 2020)

 


Plano de Desconfinamento – Conselho de Ministros de 29 de maio de 2020

 


Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego (SI2E)

Portaria n.º 122/2020 – D.R. n.º 100/2020, Série I de 2020-05-22  – Procede à terceira alteração ao Regulamento que criou o Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego (SI2E), aprovado pela Portaria n.º 105/2017, de 10 de março (adita um anexo que estabelece as regras excecionais e temporárias aplicáveis a operações apoiadas pelo SI2E, em resposta imediata ao impacto da crise de saúde pública no contexto do surto de COVID -19).


FAQ sobre Orientação Técnica n.º 1/2020 – Sistemas de Incentivos às Empresas

Foi disponibilizado no Portal do Portugal 2020, um documento com as novas FAQ/Perguntas Frequentes relativas à Orientação Técnica n.º 1/2020 – Medidas COVID-19 | Sistemas de Incentivos às Empresas.


 

Novo manual da DGS com medidas prevenção e controlo da Covid-19 (atualizado 19-05-2020)

A Direção-Geral da Saúde (DGS) lançou o primeiro volume de um manual com “Medidas Gerais de Prevenção e Controlo da COVID-19”, onde apresenta as caraterísticas gerais da doença e do vírus, bem como os gestos e procedimentos que devem ser adotados diariamente pela população.

No manual, os autores descrevem de uma forma sumária as principais características da doença, como sinais, sintomas e vias de transmissão, que “permitem perceber a importância e razão das medidas preventivas a adotar”.

Entre as medidas preventivas, o manual destaca o distanciamento entre pessoas, a utilização de equipamentos de proteção, a higiene pessoal, nomeadamente a lavagem das mãos e etiqueta respiratória, a higiene ambiental, como a limpeza e desinfeção, e a automonitorização de sintomas, com abstenção do trabalho caso surjam sintomas sugestivos de Covid-19.


Programa ADAPTAR – destinado às micro, pequenas e médias empresas (atualizado 25-05-2020)

Estabelece um sistema de incentivos à adaptação da atividade empresarial ao contexto da doença COVID -19, destinado a micro, pequenas e médias empresas (Programa ADAPTAR).

Este sistema visa minorar os custos acrescidos para o restabelecimento rápido das condições de funcionamento das empresas, sendo apoiados, nomeadamente, os custos de aquisição de equipamentos de proteção individual para trabalhadores e utentes, equipamentos de higienização, contratos de desinfeção e os custos com a reorganização dos locais de trabalho e alterações de layout dos estabelecimentos.


Despacho n.º 5503-B/2020 (atualizado 14-05-2020)

Concessão de uma garantia pessoal do Estado ao Fundo de Contragarantia Mútuo, no âmbito do apoio às empresas nacionais decorrentes da pandemia da doença COVID-19.


Pagamentos aos Beneficiários do SI Competitividade e Internacionalização (atualizado 14-05-2020)

De acordo com informação do Portugal 2020, foi recentemente publicada pela AD&C – Agência para o Desenvolvimento e Coesão, a Norma de Pagamentos dos Sistemas de Incentivos no âmbito do RECI – Regulamento Específico do domínio Competitividade e Internacionalização (Norma AD&C n.º12).


Requerimento de Apoios Excecionais – Nova data | Prazos para efetuar requerimento (atualizado 11-05-2020)

No âmbito dos apoios excecionais e extraordinários previstos no Decreto-Lei n.º 10-A/2020, de 13 de março, para trabalhadores por conta de outrem, trabalhadores independentes e membros de órgãos estatutários, informamos sobre os prazos de entrega dos próximos requerimentos.

Apoio Excecional à Família para Trabalhadores por conta de Outrem e Trabalhadores Independentes

O apoio financeiro deverá ser requerido nas seguintes datas:

  • relativo ao mês de abril – de 1 a 13 de maio;
  • relativo ao mês de maio – de 1 a 10 de junho;
  • relativo ao mês de junho – de 1 a 10 de julho.

Apoio Extraordinário à redução da atividade económica dos Trabalhadores Independentes e dos Membros de Órgãos Estatutários

O apoio financeiro deverá ser requerido através de formulário online disponível na Segurança Social Direta, nas seguintes datas:

  • relativo ao mês de abril – de 20 a 4 de maio;
  • relativo ao mês de maio – de 20 a 31 de maio;
  • relativo ao mês de junho – de 20 a 30 de junho.

Consulte o Despacho.


Segurança Social – Cálculo e pagamento (29 de Abril) (Segurança Social)

Informação relevante para o cálculo e pagamento da medida extraordinária de apoio à manutenção dos contratos de trabalho (layoff).

MAIS INFORMAÇÃO

 


Controlo de temperatura corporal (atualizado 01-05-2020)

Artigo 13.º-C – Decreto-Lei n.º 10-A/2020

1 – No atual contexto da doença COVID-19, e exclusivamente por motivos de proteção da saúde do próprio e de terceiros, podem ser realizadas medições de temperatura corporal a trabalhadores para efeitos de acesso e permanência no local de trabalho.
2 – O disposto no número anterior não prejudica o direito à proteção individual de dados, sendo expressamente proibido o registo da temperatura corporal associado à identidade da pessoa, salvo com expressa autorização da mesma.
3 – Caso haja medições de temperatura superiores à normal temperatura corporal, pode ser impedido o acesso dessa pessoa ao local de trabalho.

Consulte aqui o Decreto-Lei 10-A/2020 (versão consolidada)


 

Ofício-circulado n.º 20 223/2020, de 28/04 (Autoridade Tributária e Aduaneira)

COVID 19 – Medidas de apoio excecionais e temporárias. Decreto-Lei n.º 10-A/2020, de 13/03 e Decreto-Lei n.º 10-G/2020, de 26/03 – Perguntas frequentes (FAQ).

MAIS INFORMAÇÃO


Ofício-circulado n.º 30 220/2020, de 29/04 (Autoridade Tributária e Aduaneira)

IVA – Alínea a) do n.º 10 do artigo 15.º do Código. Extensão da isenção durante o período de emergência motivado pela pandemia do novo coronavírus – Covid-19.

MAIS INFORMAÇÃO


Flexibilização de Pagamentos – Guia de utilização do serviço


Autoridade Tributária e Aduaneira

Despacho 153/2020-XXII do SEAF de 24-04-2020: Cumprimento de obrigações fiscais (COVID 19).

 


Apoio à Manutenção de Contratos de Trabalho – Formação

Lay-Off Plano de Formação

 


Plano Extraordinário de Formação – Reforçar a qualificação dos trabalhadores

 


Incentivo Financeiro Extraordinário para Apoio à Normalização da Atividade da Empresa (período de candidatura ainda encerrado)

 


Apoio excecional à família para Trabalhadores por Conta de Outrem ? Entrega de Declaração de Remunerações


Linha de Crédito de Apoio à Atividade Económica Covid-19 acessível a todos os setores (atualizado 23-04-2020)

 


DIFERIMENTO DE IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES (atualizado 17-04-2020)

 


MORATÓRIAS DE CRÉDITOS

 


 

SISTEMAS DE INCENTIVOS ESPECÍFICOS NO COMBATE AO COVID-19


PORTUGAL 2020

 


 

Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE)

  • A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), atendendo à continuação da emergência de saúde pública suscitada pela pandemia de COVID-19, e depois de, numa primeira fase, ter aprovado conjunto de medidas excecionais e urgentes, procede agora à prorrogação dos prazos inicialmente previstos.
  • A ERSE regulamenta ainda o fracionamento de pagamentos e estabelece novas medidas para o setor da energia.
  • Consulte o comunicado aqui
  • Regulamento 356-A/2020 – consulte aqui
    • Regulamento que estabelece medidas excecionais no âmbito do SEN e do SNGN

AMBIENTE

 


DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE (DGS)

Conheça as principais Orientações e Informações da DGS para as empresas:

 


COVID-19 | DIÁRIO DA REPÚBLICA – medidas destinadas aos cidadãos, às empresas e às entidades públicas e privadas


 

NÃO PARAMOS ESTAMOS ON

Site sobre todas as medidas excepcionais implementadas pelo Governo em resposta ao COVID-19:

https://covid19estamoson.gov.pt/

Página da CIP

http://cip.org.pt/covid-19-informacoes-as-empresas/

 

 

 

Há uma espécie de “estigma” ou “algo de ideológico” em relação ao sector automóvel, denuncia a ACAP

A crise nunca foi tão profunda no sector, que é o principal exportador, e o Governo recusa-se, segundo Helder Pedro, secretário-geral da Associação Automóvel de Portugal, a criar estímulos, ao contrário do que acontece noutros países

in Expresso, por Vítor Andrade, 29-09-2021


O sector automóvel está a ser fustigado pela falta de semicondutores nos mercados internacionais e Portugal não é exceção. Mas, como se isso não bastasse, há ainda essa espécie de “estigma” em relação a esta área de atividade económica que é a principal exportadora nacional e que, diz ao Expresso Helder Pedro, secretário-geral da ACAP (Associação Automóvel de Portugal), está a fazer com que o Governo português se recuse a criar estímulos para dinamizar o sector, de forma a ajudá-lo a sair mais rapidamente da crise, “como se está a fazer, e bem, com o turismo, por exemplo”.

PARECE QUE HÁ AQUI “QUALQUER COISA DE IDEOLÓGICO CONTRA OS AUTOMÓVEIS”

Helder Pedro diz que “até parece haver aqui qualquer coisa de ideológico contra os automóveis, algo que, aqui ao lado, em Espanha – com um Governo da mesma família política do nosso – não se verifica”. E dá ainda os exemplos da França e da Alemanha, entre outros países, onde os pacotes de estímulo ao sector se têm sucedido.

FALTA DE “CONFORTO” POLÍTICO

O mesmo responsável afirma que para o Orçamento do Estado de 2022 “também não se perspetiva nada de novo em matéria de apoios. Tivemos sempre um excelente diálogo com o Ministério da Economia mas, depois, em matéria de propostas concretas, acabam por ‘morrer na praia’”.

Além da ausência de ‘conforto’ político, na verdade – prossegue o secretário geral da ACAP -, “estamos confrontados com um duplo problema. Por um lado, a falta de turistas que constituem uma fatia muito relevante do aluguer de automóveis em território nacional; por outro, a falta de semicondutores, que estão a impedir praticamente todas as marcas de produzirem em quantidade suficiente para satisfazer a oferta que agora começa a reagir depois da crise provocada pela pandemia”.

PROBLEMAS LOGÍSTICOS “GRAVÍSSIMOS”

Aliás, as quatro fábricas produtoras de veículos automóveis em Portugal (Autoeuropa, Mitsubishi Fuso Truck, a PSA/Stellantis e a Salvador Caetano) ou estão paradas ou a ‘meio-gás’. A maior de todas, a Autoeuropa, voltou a parar a sua linha de produção no passado dia 27 de setembro e até 4 de outubro devido à “continuidade de escassez de componentes”, segundo uma nota da empresa de Palmela enviada aos trabalhadores.

A falta de semicondutores está a criar “problemas gravíssimos de logística às fábricas” porque, segundo Helder Pedro, muitos dos automóveis que estão a ser produzidos têm de ser estacionados em algum sítio para, depois, quando voltar a haver chips, serem levados de camião outra vez para a linha de montagem.

A falta de espaço para estacionar carros novos saídos das fábricas é de tal ordem que algumas marcas já estão a ‘encher’ os parques de estacionamento das concessionárias, mesmo ao lado dos stands.

Em termos de vendas de veículos automóveis, o que está a acontecer, segundo o dirigente da ACAP, é que, ou se vendem com algumas componentes analógicas (relógios à antiga, em vez dos digitais, por exemplo), ou então ainda se estão a esgotar alguns stocks anteriores à falta dos semicondutores, embora com muito menos possibilidades de escolha para os consumidores finais.

EUROPA CONSTRÓI FÁBRICA DE CHIPS

A Europa industrial, confrontada com a falta de chips no mercado mundial, está já a construir uma fábrica no norte da Alemanha para suprir a escassez daqueles componentes, mas ainda sem conclusão à vista, pelo que “ainda não é possível adiantar uma data para o fim desta crise, e isso ficou bem patente num encontro europeu do sector em que participei recentemente (o primeiro presencial, depois do início da pandemia)”, sublinha Helder Pedro.

Entretanto, e para enfrentar melhor a mudança de paradigma que está a acontecer no domínio da mobilidade [condução autónoma e eletrificação total ou parcial de novos veículos], a ACAP acaba de lançar o programa “Automotive Retail 4.0 – Idealizar, planear e Transformar o Sector”. Uma ação de formação para concessionários de marcas automóveis em conjunto com o ISEG Executive Education.

O programa, que decorrerá até 15 de janeiro de 2022, conjuga as competências em economia e gestão do ISEG Executive Education e os contributos do sector automóvel – aqui representado pela ACAP -, e proporcionará um olhar estratégico às organizações e profissionais deste sector, bem como a compreensão sobre os futuros modelos de mobilidade, dando resposta às novas necessidades e expectativas dos consumidores.

TRANSFORMAR O SECTOR

“O objetivo do programa é que os participantes percebam os desafios atuais do sector e quais as transformações necessárias, ao nível operacional e de mindsets. Dotando-os de ferramentas para que apliquem os conhecimentos nas suas empresas”, explica Rita Alemão, co-coordenadora do Automotive Retail 4.0 – Idealizar, planear e Transformar o Sector, em conjunto com Luís Cardoso, presidente do ISEG Executive Education.

Sobre a parceria entre a ACAP e o ISEG Executive Education, Luís Cardoso nota que “tem sido um prazer trabalhar com a ACAP”. “Ao longo do programa, vamos ser capazes de associar um conjunto alargado de competências para dar resposta às mudanças que se verificam no sector, algo possível com a sinergia entre o conhecimento em gestão do ISEG e o know-how do sector”, afirma.

 

A Eni e o Aeroporto de Roma assinaram um acordo para o desenvolvimento de biocombustíveis para a aviação

A Eni e o Aeroporto de Roma (ADR) assinaram um acordo estratégico para promover iniciativas de descarbonização no setor da aviação e acelerar a transição ecológica dos aeroportos.

in Eni, 29-09-2021


A Eni tem vindo a produzir biocombustíveis com Óleo Vegetal Hidrotratado (OVH) nas suas biorrefinarias de Veneza e Gela desde 2014 por meio da sua própria tecnologia Ecofining™; também pode produzir combustíveis sustentáveis para a aviação (SAF) a partir de resíduos e matérias-primas de base vegetal utilizando a mesma tecnologia. A nova estratégia da Eni permitirá o fornecimento de uma linha de produtos totalmente descarbonizados, combinando sustentabilidade ambiental e financeira. Os principais motores no caminho para a descarbonização incluem: a recente fusão de empresas renováveis e de venda a retalho, o desenvolvimento de biorrefinarias e produção de biometano, e a venda de portadores de energia com baixo teor de carbono e serviços de mobilidade em estações de serviço.

O ADR, o principal aeroporto italiano e o melhor aeroporto da Europa nos últimos três anos, tem sido neutro em carbono desde 2013 e comprometeu-se a eliminar todas as suas emissões até 2030. A meta foi aprovada pela acreditação ACA 4+ (a única vez que o nível mais elevado de certificação para a redução das emissões de CO2 nos aeroportos foram atribuídas a um aeroporto europeu) e consolidada com a recente emissão de uma obrigação ligada à sustentabilidade de 500 milhões de Euros que liga diretamente o custo da dívida aos resultados alcançados em matéria de sustentabilidade – uma prioridade mundial para um aeroporto. O acordo inclui o desenvolvimento de projetos de descarbonização e digitalização para impulsionar a transição de aeroportos geridos pelo ADR para plataformas inteligentes. Uma característica notável do acordo será a introdução de combustíveis sustentáveis para a aviação (SAF) e para a assistência em terra (OVH) nos próximos meses. Isto levará a uma redução das emissões de CO2 em comparação com os combustíveis fósseis. Também será criado um programa conjunto para o desenvolvimento de serviços de mobilidade sustentável e de distribuição aos clientes finais, bem como projetos de integração energética em conformidade com os modelos mais avançados de transição e digitalização.

“A Eni iniciou a sua transformação empresarial em 2014, assumindo um papel ativo e de liderança na promoção da economia circular, no desenvolvimento de tecnologias inovadoras e mobilidade sustentável, tudo baseado numa combinação sinérgica de soluções que minimizam o impacto ambiental e aumentam a eficiência”, comentou Giuseppe Ricci, Diretor Executivo da Eni Energy Evolution. “Estamos prontos para colocar a nossa tecnologia e produtos com baixo teor de carbono à disposição do setor para ajudá-lo a fazer uma recuperação baseada na sustentabilidade e inovação.”

Marco Troncone, Diretor Executivo do Aeroporto de Roma, comentou: “Quando as principais empresas italianas trabalham em conjunto, elas podem criar e implementar projetos ambiciosos na escala necessária para garantir uma verdadeira transição ambiental e o renascimento de um setor estrategicamente importante para a Itália, como a aviação. Estamos profundamente empenhados em assegurar que as transportadoras tenham acesso aos biocombustíveis nos próximos meses, superando as expectativas. Esta é mais uma confirmação do nosso desejo de fazer de Fiumicino e de Ciampino dois dos aeroportos mais sustentáveis do mundo. O nosso forte foco na sustentabilidade, que foi reconhecido a nível global, sempre foi um motor do nosso desenvolvimento e está agora firmemente integrado no nosso negócio.”

https://www.sintetica.enilubes.com/