AFIA / AEP | IZB – International Suppliers Fair | Wolfsburg (Alemanha) | 22 a 24 de outubro de 2024 | INSCRIÇÕES ABERTAS

AFIA / AEP | IZB – International Suppliers Fair
Wolfsburg (Alemanha) | 22 a 24 de outubro de 2024

INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 30 DE ABRIL
limitadas ao espaço disponível e por ordem de chegada

A AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel e a AEP – Associação Empresarial de Portugal, estão em parceira a coordenar a participação nacional na 12.ª edição da IZB – International Suppliers Fair, a realizar-se em Wolfsburg, Alemanha, entre os dias 22 e 24 de outubro de 2024.

A IZB destina-se a todos os fornecedores da indústria automóvel e desfruta de um reconhecimento proeminente nos meios profissionais internacionais. Os expositores, juntamente com o significativo número de tomadores de decisão e visitantes profissionais que frequentam a IZB, conferem ao evento um estatuto de uma das mais relevantes plataformas de comunicação e negócios para o setor.

Ano após ano, a IZB tem registado consistentemente um aumento no número de expositores e visitantes profissionais.
Para a edição de 2024, a organização tem como objetivo expandir a infraestrutura e tornar a feira ainda mais atrativa para os visitantes profissionais. A feira tem conseguido reforçar a sua posição de liderança no setor de fornecedores para a indústria automóvel e mantém o foco nos seus pontos fortes característicos.

Porquê participar nesta Feira?

  • A sua proximidade com o Grupo Volkswagen;
  • Grande variedade de expositores que representa toda a cadeia de valor da indústria da mobilidade;
  • Destina-se exclusivamente ao público especializado como grupo-alvo;
  • É o grande encontro dos decisions makers da indústria automóvel;
  • É uma rede e plataforma de negócios para os principais players da indústria.

Não perca a oportunidade de participar nesta ação, desenvolvida no âmbito do PORTUGAL 2030 e COMPETE 2030 com financiamento a 50% dos custos elegíveis.

Ação submetida em candidatura no âmbito do Aviso n.º MPR-2023-5, em fase de aprovação, SICE – Internacionalização das PME – Operações em conjunto, com financiamento a 50% dos custos elegíveis.

Prazo de inscrição: até 30 de abril 2024 (limitadas ao espaço disponível e por ordem de chegada)

 

 

Para mais informações envie, pf, um email para a.ferreira@afia.pt .

 

 

 

 

 

 

AFIA | Apresentação do Estudo sobre Transformação Digital e Cibersegurança

A AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel realizou hoje, 21 de março, a apresentação de um estudo sobre Transformação Digital e Cibersegurança aplicada à Indústria de Componentes para Automóveis, no WoW – World of Wine, em Vila Nova de Gaia.

in AFIA, 21-03-2024


A sessão de apresentação do estudo contou com a participação do Presidente da AFIA, José Couto, juntamente com diversos especialistas de empresas de engenharia tecnológica e consultoria. A UP MOTION, representada pelo seu CEO, Gonçalo Veiga, promoveu a divulgação dos resultados do estudo. A sessão contou com a presença de Elsa Teixeira, em representação do IAPMEI – Agência para a Competitividade e Inovação, I.P. bem como de várias entidades da indústria automóvel.

O referido estudo foi realizado por parte da UP MOTION, empresa de Engenharia Tecnológica, com a coordenação pedagógica da UTAD – Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro no âmbito da Agenda “A-MoVeR – Agenda Mobilizadora para o Desenvolvimento de Produtos e Sistemas Inteligentes de Mobilidade Verde”.

No ano de 2023, a indústria portuguesa de componentes para automóveis atingiu um novo recorde absoluto, o volume de negócios ultrapassou os 15.000 milhões de euros, um crescimento de dois dígitos face a 2022, +11%. O setor é altamente exportador, com as vendas diretas ao exterior a representarem mais de 85% da atividade das empresas. Em 2023 as exportações de componentes automóveis foram responsáveis por 16,5% das exportações nacionais de bens transacionáveis. As 350 empresas que constituem esta indústria, geram 63.000 postos de trabalho diretos, com níveis de produtividade e remunerações acima da média da restante indústria transformadora.

Em termos globais, o estudo teve como objetivo fazer um levantamento sobre o “Estado da Arte” do Setor, abordando questões cruciais como a Transformação Digital, a Ciber-segurança e a Ciber-resiliência, temas muito relevantes e atuais para o setor automóvel.

No que diz respeito à Transformação Digital, 32% das organizações entendem que a mesma deve passar pela automação e pelo incremento de produtividade no posto de trabalho. A digitalização de Processos (15%), o foco no aumento da agilidade (9%) e a Importância do acesso à informação, foram aspetos também referidos como necessários para garantir a desejada Transformação Digital em curso no setor.

No que diz respeito ao eixo da Cibersegurança, tema essencial no sentido de salvaguardar o normal funcionamento da atividade das organizações do setor, a maior parte das entidades inquiridas é de opinião que são detentoras de boa capacidade de proteção nas áreas do Data Center e da Segurança de Perímetro, bem como, detentoras de adequadas políticas relacionadas com a prevenção e reposição dos sistemas críticos em caso de incidente.

Considerando que os dados são um ativo fundamental para a atividade das organizações, 91% das entidades representadas entende que assegura a continuidade do negócio e principais processos no caso de perda de dados, com BACKUPS´s, planos de contingência e redundância de sistemas e processos assegurados. As práticas relacionadas com a proteção do acesso e a Segmentação dos dados, bem como o conhecimento relativo às normas da NIS2 (cibersegurança), foram salientadas como aspetos a melhorar.

De destacar também a importância dada ao fator humano na prevenção, nomeadamente, a necessidade de se promover o treino dos colaboradores das organizações representadas. Pese embora 22% das organizações inquiridas considerar ter um elevado nível de preparação, foi identificada a necessidade de se incrementar o conhecimento, a formação e o treino dos comportamentos adequados para prevenção de ataques externos/internos tais como Phishing, Malware, Ransomware, Engenharia social, entre outros, de forma a minimizar a exposição indevida a incidentes cibernéticos.

Quanto às principais dificuldades que podem comprometer uma cibersegurança bem-sucedida, que assegure um nível de proteção elevado, foram referidas como mais relevantes a falta de conhecimento interno (31%), a existência de infraestruturas tecnológicas debilitadas (27%), bem como, a reduzida orientação da gestão de topo, dificuldades a nível do recrutamento de quadros especializados e algumas limitações a nível da capacidade de investimento.

No âmbito do estudo foram ainda abordados vários outros aspetos tais como a cada vez mais relevante presença da tecnologia no chão de fábrica, os desafios e oportunidades relacionados com a Inteligência Artificial, a importância dos Centros de Operação de Cibersegurança e Networking como apoio à operação e a aplicabilidade de normas específicas para o setor automóvel tal como a TISAX.

Considerando a elevada importância que o setor automóvel representa para o País, a sessão foi merecedora de elevado interesse por parte das entidades presentes, esperando-se que outras iniciativas em curso relacionadas com a presente Agenda A-MoVeR possam contribuir para uma melhoria da posição de competitividade do tecido empresarial da indústria de componentes para automóveis em particular e do setor automóvel em geral.

 

ACEDA AQUI À APRESENTAÇÃO DO ESTUDO

 

foto: José Couto, Presidente da AFIA, Sessão de Abertura

 

Nota: O referido estudo foi apresentado no âmbito da Agenda “A-MoVeR” liderada pela CONTINENTAL ADVANCED ANTENNA, integrando o consórcio as entidades UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO, INESC-TEC, NEOCEPTION, AJP MOTOS e a UP MOTION.

 

 


Sobre a AFIA

  • A AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel é a associação portuguesa que congrega e representa, nacional e internacionalmente, os fornecedores de componentes para a indústria automóvel.
  • A indústria de componentes para automóveis em Portugal agrega cerca de 350 empresas e emprega diretamente 63.000 pessoas. Fatura 15 mil milhões de Euros (ano 2023), com uma quota de exportação superior a 85%.
  • Em termos de importância na economia nacional, representa 5,7% do PIB, 8,9% do emprego da indústria transformadora, 11,0% do valor acrescentado bruto da indústria transformadora, 15,6% do investimento total da indústria transformadora e 16,5% das exportações nacionais de bens transacionáveis.

 

 

 

 

 

AFIA faz balanço da resiliência da indústria de componentes automóvel

A resiliência da indústria de componentes automóvel portuguesa foi o destaque da 11ª edição da Automotive Industry Week, da AFIA, realizada entre 21 e 23 de novembro em Vila Nova de Gaia. Com mais de 200 representantes, o evento enfatizou inovações e tendências, sublinhando o papel crucial do setor na economia nacional.

in Jornal das Oficinas, 30-11-2023


Um marco importante deste evento foi a assinatura de um Memorando de Entendimento entre a AFIA e a KAICA – Korea Auto Industries Coop. Association (Associação Sul Coreana da Indústria Automóvel). Este acordo tem como objetivo o fortalecimento das relações comerciais e o desenvolvimento de uma cooperação mútua.

Na cerimónia protocolar, Young-hoon Kim, o representante coreano, destacou que Portugal “tornar-se-á uma importante base de produção de veículos elétricos no futuro” com as suas vastas reservas de lítio e empresas de componentes automóveis que exportam mais de 90% de seus produtos. Revelou-se confiante que esta cooperação entre as associações dos dois países “abrirá o caminho para desenvolvimento e fortalecimentos das relações comerciais entre os dois países”.

José Couto, Presidente da AFIA, afirmou que “as empresas portuguesas estão aptas para cooperar com as empresas sul coreanas para encontrar as melhores soluções que respondam aos desafios da mobilidade do futuro”.

O Ministro da Economia, António Costa Silva, em conjunto com o Presidente da AFIA abriu a sessão com as boas-vindas aos participantes no primeiro dia de trabalhos.

Perante uma plateia de empresas portuguesas e compradores estrangeiros, o Ministro da Economia garantiu que Portugal é um dos países mais seguros do mundo e um país estável para a atração de investimento estrangeiro que oferece um ecossistema de inovação altamente dinâmico.

Sobre a indústria de componentes automóvel, António Costa Silva reconheceu uma “grande resiliência e grande capacidade de inovação” com uma indústria capaz de fazer a diferença em Portugal, salientando a importância de antecipar as tendências e apostar na investigação e inovação, através da criação de patentes. Depois de em 2022 terem sido registadas 312 patentes, o ministro partilhou o seu sonho de ver ser registada uma patente por dia e destacou que “esta é uma das grandes indústrias que pode contribuir decisivamente para se chegar a esse valor no registo de patentes”.

Reunindo um conjunto alargado de convidados dos principais mercados da europa, dezoito empresas portuguesas apresentaram em formato de pitch os seus negócios, especificidades, caraterísticas técnicas diferenciadoras e tecnologia, demostrando as capacidades de engenharia e desenvolvimento para responder aos desafios da mobilidade do futuro, trocando experiências, discutindo estratégias e prioridades.

Na 4ª feira, dia 22 de novembro, os convidados estrangeiros presentes visitaram várias empresas do setor, nos distritos de Braga, Porto, Aveiro e Coimbra terminando o dia com um jantar de networking no Casino de Espinho.

A Conferência Internacional decorreu durante o último dia com uma plateia de 200 participantes, contando com intervenções de especialistas e conhecedores da indústria, juntamente com membros do governo, como o Secretário de Estado do Trabalho, Miguel Fontes e o Secretário de Estado da Internacionalização, Bernardo Ivo Cruz.

O dia começou com a apresentação do Estudo “Caracterização do Cluster da Indústria Automóvel em Portugal”, por parte da Deloitte.

Entre as principais conclusões do estudo revela-se que o cluster apresenta um volume de negócios superior a 20 mil milhões de euros, do qual 99% resulta de exportações. Desta forma, a exportação do setor corresponde a 23% do total de exportações de bens transacionáveis.

Para aqueles números impressivos muito contribuiu o sector de fabricação de componentes, globalmente representado pela AFIA. No ano de 2022, a indústria de componentes para automóveis só por si realizou vendas no valor de 13.200 milhões de euros, ou seja 5,5% do PIB nacional.

Foi também partilhado que a Indústria Automóvel em Portugal se assume como um setor vital para a economia portuguesa, tendo representado, em 2022, 3.922 milhões de euros, cerca de 16% do valor acrescentado bruto (VAB) total da indústria transformadora. A indústria de componentes automóveis é o principal contribuinte para a riqueza gerada em 2022 (cerca de 88,3%).

Foram ainda partilhadas as seis tendências da transformação da indústria: a eletrificação, as vendas e serviços digitais, a personalização e conectividade, a condução autónoma e mobilidade partilhada, a qualidade e fiabilidade e a sustentabilidade.

A indústria de componentes automóvel tem um papel crucial na geração de empregos, com níveis de remuneração acima da média e capacidade de atrair investimentos de maior valor acrescentado para impulsionar o desenvolvimento económico e social em Portugal.

O Secretário de Estado do Trabalho, Miguel Fontes felicitou a AFIA pela escolha do tema do encontro, uma vez que “convoca a todos para um sentido de urgência” na adaptação às tendências e desafios que o setor enfrenta.

Sobre os resultados do estudo, congratulou o cluster dos componentes automóveis pelo esforço que tem sido feito na qualificação e formação e por “dotar a indústria de um conjunto de profissionais que estejam alinhados em termos formativos, com essas necessidades imperiosas de se adaptarem os impactos da transição verde e da transição digital”. Destacou por último que o setor deve orgulhar-se das boas práticas, especialmente em relação à produtividade e remuneração dos seus trabalhadores.

Na intervenção de Thorsten Muschal, o Presidente da CLEPA (Associação Europeia de Fornecedores da Indústria Automóvel) realçou a relevância da indústria automóvel europeia, salientando a contribuição significativa dos fornecedores para a inovação e sustentabilidade, com o desenvolvimento de mais de 30 mil patentes. Por último, destacou a necessidade da indústria reconhecer as suas conquistas e de se posicionar como um interveniente forte a nível global.

Para fechar a manhã, o Secretário de Estado da Internacionalização, Bernardo Ivo Cruz, defendeu que este encontro foi uma demonstração da importância profunda deste setor em relação ao que aposta em investigação, em desenvolvimento de novos processos, em novos mercados e em novas soluções. Destacou ainda que estes investimentos no setor automóvel e nas suas várias componentes “são absolutamente centrais no desenvolvimento de uma economia moderna e de uma economia voltada para o futuro e para o dia de amanhã.”

Na sessão da tarde, o presidente da AICEP, Filipe Santos Costa, destacou a aposta de Portugal na formação e talento, referindo a importância da educação e recuperação do ensino técnico. Abordou ainda os desafios logísticos e de localização na indústria automóvel, mencionando os esforços da AICEP em encontrar as melhores localizações e destacou os investimentos estratégicos em transição energética e digital, com ênfase na eletrificação e produção de componentes automóveis. Por último, salientou a “relevância da indústria de componentes no panorama exportador, realçando o papel das grandes empresas”.

Seguiu-se Christian Teixeira, da Stellantis, que partilhou a experiência da Stellantis a investir em Portugal, em Mangualde desde 1960, tendo produzido mais de 1,5 milhões de veículos. Partilhou que atualmente, a fábrica tem 900 trabalhadores, produzindo 360 viaturas por dia e que, em 2022, a empresa representou 25% da produção automóvel em Portugal e que 30% dos componentes automóveis utilizados nos veículos produzidos na fábrica de Mangualde são fabricados no nosso país. Para finalizar, Christian Teixeira recomendou os investidores estrangeiros a investirem em Portugal.

Elisa Ferreira, Comissária europeia responsável pela Coesão e Reformas, realça o papel crucial da indústria automóvel na economia europeia, mencionando apoios como a política de coesão e investimentos em inovação. Destaca a importância da colaboração para superar desafios e impulsionar o setor, citando exemplos de projetos em Portugal apoiados pela Comissão Europeia. Salienta a relevância do investimento estrangeiro e a busca por benefícios duradouros, incentivando parcerias para fortalecer o futuro da indústria automóvel na Europa.

No encerramento da 11th Automotive Industry Week o Presidente da AFIA fez o balanço e apresentou as conclusões do evento.

José Couto destacou, orgulhoso, que “os valores melhoraram em todos os indicadores considerados desde o primeiro estudo, tendo sido possível verificar-se um aumento na faturação, que reflete um aumento nas exportações e um aumento significativo no valor acrescentado bruto, especialmente nos componentes automóveis”.

Tendo em conta que com os mesmos trabalhadores foi possível aumentar as vendas, a produção e o rendimento, o que comprova o aumento significativo da produtividade da indústria automóvel portuguesa. O presidente da AFIA defendeu ainda que “existe uma relação forte entre a produtividade e a distribuição de rendimento”, uma vez que ao aumentar a produtividade com os mesmos trabalhadores, aumentou-se o rendimento, criando-se e distribuindo riqueza.

Sobre as infraestruturas, José Couto sublinhou que é preciso investir nas infraestruturas e nos ecossistemas uma vez que as “fracas infraestruturas e a dificuldade logística são duas das razões para perdermos investidores estrangeiros”.

Para concluir estes três dias de partilhas, o presidente da Associação de Fabricantes da Indústria Automóvel refletiu que este encontro superou as expetativas e agradeceu a todos os presentes desejando que tenham tido a possibilidade de adquirir conhecimentos, fazer networking e construir possíveis parcerias ao longo do Encontro.

 

 

 

Fileira automóvel com impacto de 21 mil milhões na economia nacional

Volume de negócios consolidado é de 16,7 mil milhões de euros, mas sobe para mais de 21,3 milhões com o efeito de arrasto. Valor recorde de 2019 foi batido em 2022 e só não o será novamente em 2023 por efeito da paragem que a Autoeuropa teve de fazer em setembro

in Dinheiro Vivo, 23-11-2023, por Ilídia Pinto


O automóvel é uma fileira “estratégica” para a economia portuguesa, com um impacto direto de 16,7 mil milhões de euros mas que sobe para mais de 21,3 mil milhões com o efeito de arrasto sobre outros setores. Assegura 11% do emprego, 19% do investimento e 15% do valor acrescentado bruto (VAB) da indústria transformadora nacional. Assegura ainda 23% das exportações de bens transacionáveis nacionais e 2,4% do produto interno bruto do país.

Os dados são do estudo ‘Caracterização do Cluster da Indústria Automóvel em Portugal’, realizado pela Deloitte para a associação da indústria automóvel Mobinov, e que hoje foi apresentado no 11º Encontro da Indústria Automóvel, uma iniciativa promovida pela AFIA (Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel) a decorrer em Vila Nova de Gaia. Números que representam uma atualização do trabalho realizado em 2020 e que pretendem avaliar o efeito da pandemia sobre a fileira.

“As conclusões confirmam a nossa perceção, não há aqui uma grande surpresa. A indústria passou, naturalmente, um período difícil com a pandemia, mas souberam encontrar o seu caminho e os números recorde que tínhamos em 2019 foram ultrapassados no final de 2022, o que comprova o que esperávamos. A economia e os fornecedores foram capazes de se readaptar e encontrar o seu caminho novamente”, diz Jorge Rosa, presidente da Mobinov.

Para 2023, não fosse a paragem da Autoeuropa, em setembro, motivada pela falta de um componente, Portugal bateria um novo recorde relativamente à produção de veículos, no entanto, garante Jorge Rosa, o número final “será muito semelhante ao ano anterior”, em que foram produzidas 322.404 unidades. Um número que coloca Portugal no 10º lugar do ranking europeu de construtores, com 2,5% de quota. 97% da produção é exportada.

Ao nível dos componentes, diz este responsável que “há uma ligeira tendência de crescimento”. Refira-se que, dos 16,7 mil milhões de euros de faturação consolidada da fileira, a indústria de componentes é responsável por 66% deste valor, com especial destaque para os setores elétrico e eletrónica e metalurgia e metalomecânica com quotas de 22% e 21%, respetivamente. Os construtores automóveis – Portugal tem cinco, sendo que a VW Autoeuropa é responsável por 72% dos veículos produzidos e a Stellantis (ex-PSA) assegura 24% – contribuem com 29% do volume de negócios consolidado. Globalmente, assegura o presidente da Mobinov, os números “mantêm-se positivos”.

Com mais de 1100 empresas, esta é uma fileira que conta com mais de 84 mil empregados, número que sobe para mais de 170 mil tendo em conta o emprego indireto que gera. O valor acrescentado bruto do setor foi, em 2022, de 3.870 milhões de euros, mas sobe para 5.720 milhões quando analisado o seu efeito de arrasto na restante economia. São os tais 2,4% da riqueza nacional.

Com uma remuneração total por trabalhador da ordem dos 21 mil euros, 15% acima da média da indústria transformadora e 7% acima da média nacional, a fileira tem vindo a registar um crescimento médio anual das remunerações de 3,6% entre 2019 e 2022. Tem uma produtividade aparente (medida pelo VAB por trabalhador) de 45.770 euros, e que é 26% acima da média nacional e 19% acima da média da indústria transformadora.

Mas não faltam desafios pela frente e Jorge Rosa aponta alguns exemplos como os veículos autónomos, o mobility as a service, a conetividade, a indústria 4.0, a economia circular ou a descarbonização. “A próxima década ditará uma alteração muito profunda em toda a nossa atividade. Mas, como em tudo, a mudança tem riscos e oportunidades e é preciso sabermo-nos preparar para elas”, afirma, sublinhando que este trabalho “está a ser feito, com a injeção de dinheiro na economia”, seja por via do PT2020, do PRR ou do novo quadro comunitário de apoio. “Tem havido muita atenção do governo relativamente a este setor”, reconhece.

Sendo este um setor composto, na sua grande maioria, por pequenas e médias empresas que dependem, em última instância, das OEM, os fabricantes de automóveis, e dos fornecedores de primeira linha dos mesmos, os chamados Tier1, o grande desafio é perceber até que ponto Portugal está a ser capaz de penetrar nas cadeias de abastecimento das OEM. Para a Mobinov, aqui há um “trabalho muito grande” a fazer ao nível da diplomacia económica e o governo, embora tenha feito “alguns esforços, não chega, é preciso fazer mais”.

“A aproximação aos fabricantes é fundamental e cada vez mais importante para nós”, sublinha Jorge Rosa, lembrando que é verdade que não há em Portugal muitas OEM, mas que “estamos colados a Espanha, o segundo maior produtor europeu de automóveis, que produz seis milhões de veículos ao ano”. Para este responsável é preciso saber aproveitar esta proximidade territorial.

“O ideal seria atrairmos mais OEM para Portugal, o que não nos parece uma tarefa fácil. Mas não podemos ver isso de forma tão negativa. Eu gostaria de colocar a tónica no facto de estarmos inseridos na Península Ibérica, junto do segundo maior produtor europeu de automóveis”, sustenta. Pede ainda maior intervenção da diplomacia económica para que Portugal seja capaz de entrar nas cadeias de abastecimento das grandes marcas automóveis internacionais.

11th Automotive Industry Week | Registrations are now open!

AFIA – Portuguese Manufacturers Association for the Automotive Industry, cordially invite you to the “Portuguese Automotive Industry Week”, under the moto ”Mobility: The future is already past”, to be held in Oporto region, Northern Portugal, from the 21st to the 23rd of November 2023. AFIA organizes this event with the aim of reflecting on the challenges that this sector will be facing in the coming future, taking, at the same time, the opportunity to present to you the Portuguese Automotive Ecosystem.

The Portuguese Automotive Industry Week is divided into for complementary events:

  • 21st November 2023 – Pitch presentation – Portuguese companies
  • 22nd November 2023 – Tour of Companies
  • 22nd November 2023 – Official Dinner
  • 23rd November 2023 – International Conference

The Portuguese Automotive Suppliers Industry have a strong industrial history and a long-lasting exporting experience; innovation in both products and processes; excellence in quality, service, technological development, engineering activities. Furthermore, the companies competitiveness is supported by a highly skilled workforce. The numbers show their resilience, with an annual growth rate above 5% and the responsibility of supplying the majority of vehicles manufactured in Europe.

We would be very honoured if you decide to take part in this event and choose to learn more about the Portuguese Automotive Industry and its readiness to meet the challenges of the Future of Mobility.

 

FULL AGENDA

 

Registrations are open until 10th November, send email to eventos@afia.pt.

 

For more information please send email to eventos@afia.pt.

 

 

 

 

Presidente da AFIA traçou quadro sobre a atual realidade da indústria automóvel

José Couto foi um dos oradores convidados da conferência Automotive 2023, organizada pela Supply Chain Magazine.

in AFIA, 08-09-2023


Automotive supply chain na estrada da recuperação” foi o tema-chave de mais uma edição da conferência AUTOMOTIVE que a Supply Chain Magazine promoveu no dia 8 de setembro, no Auditório Infante D. Henrique, na APDL (Leixões, Matosinhos).

O presidente da AFIA, José Couto, traçou o quadro sobre a atual realidade do setor, os principais números, mas também os desafios e preocupações das empresas e seus gestores.

Seguiram-se outras intervenções, entre as quais COINDU, RANGEL e SIMOLDES PLÁSTICOS (empresas Associadas da AFIA), num evento que debateu o estado da logística da indústria automóvel.

 

 

Presença portuguesa na IAA Mobility 2023 com saldo positivo

A AFIA em parceria com a AEP promoveu a indústria portuguesa de componentes automóveis na IAA Mobility em Munique

in AFIA, 08-09-2023


A AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel, no âmbito do acordo de colaboração para a promoção internacional da indústria portuguesa de componentes para automóveis celebrado com a AEP – Associação Empresarial de Portugal, promoveu a participação coletiva de empresas na IAA Mobility 2023, que teve lugar em Munique – Alemanha, entre os dias 4 e 8 de setembro de 2023.

A IAA MOBILITY é a plataforma líder mundial em mobilidade, sustentabilidade e tecnologia.

O lema da edição de 2023 foi “Experience Connected Mobility”, com foco na mobilidade inteligente, conectada, sustentável e nas tecnologias que moldarão a mobilidade no futuro.

A participação coletiva promovida pela AFIA e AEP, integrou 5 empresas portuguesas:

A empresa Soplast participou com um stand individual.

O principal objetivo desta participação foi mais uma vez dar a conhecer as capacidades e competências da indústria portuguesa de componentes automóveis para responder aos desafios da mobilidade do futuro.

O saldo foi bastante positivo, manifestado pelas diversas reuniões e contatos com clientes atuais, clientes potenciais, parceiros e comunicação social.

Até ao final de 2023 a AFIA em colaboração com a AEP promoverá ainda, a participação coletiva portuguesa:

  • 10-11 outubro | Madrid, Espanha | AMM Madrid – Automotive Manufacturing Meetings Madrid
  • 5-7 dezembro | Estugarda, Alemanha | Global Automotive Components and Suppliers Expo

 

Empresas Portuguesas de Componentes Automóveis apresentam as suas inovações na IAA Mobility

A AFIA em parceria com a AEP promove a indústria portuguesa de componentes automóveis na IAA Mobility em Munique

in AFIA, 29-08-2023


A AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel, no âmbito do acordo de colaboração para a promoção internacional da indústria portuguesa de componentes para automóveis celebrado com a AEP – Associação Empresarial de Portugal, promove a participação coletiva de empresas na IAA Mobility 2023, que terá lugar em Munique – Alemanha, entre os dias 4 e 8 de setembro de 2023.

A IAA MOBILITY é a plataforma líder mundial em mobilidade, sustentabilidade e tecnologia.

O lema da edição de 2023 é “Experience Connected Mobility”, com foco na mobilidade inteligente, conectada, sustentável e nas tecnologias que moldarão a mobilidade no futuro.

O objetivo é mostrar o que vai mover as pessoas amanhã, dos automóveis aos microveículos, das bicicletas às novas soluções para o transporte público.

O IAA Summit & Conference é a área B2B (para profissionais) que decorre no recinto de feiras de Munique. À semelhança da edição de 2021, o certame não acontecerá apenas no recinto, mas em vários lugares no centro de Munique. Toda a cidade será um espaço aberto dedicado ao evento (Open Space – B2C) e terá novamente 12km de um corredor dedicado a novas experiências em mobilidade sustentável (Blue Lane – B2C).

Esta será a terceira vez que a AFIA/AEP levam empresas portuguesas exporem na IAA. Em 2017 e 2019 na altura ainda em Frankfurt.

A participação coletiva promovida pela AFIA e AEP, integra o IAA Summit no pavilhão A3 na “Boulverd of Nations” e marcarão presença 5 empresas portuguesas: CS Plastic, Fehst Componentes, Incompol, Maxiplás e Tecniforja. A empresa Soplast expõe num stand individual, pavilhão B3, a start up UNIC2 – Streachable electronics.

O principal objetivo desta participação é mais uma vez dar a conhecer as capacidades e competências da indústria portuguesa de componentes automóveis para responder aos desafios da mobilidade do futuro.

A AFIA vai também divulgar a Automotive Industry Week, que terá lugar entre os dias 21 e 23 de novembro de 2023 no Hotel Solverde, em São Félix da Marinha (Vila Nova de Gaia). Para este evento, sob o mote “Mobility: The future is already past” serão convidados um grupo de empresas multinacionais – fornecedores de primeira linha e construtores – TIER1 e OEM, para verem in loco as potencialidades da nossa indústria.

Venha visitar as empresas portuguesas presentes na IAA Mobility no pavilhão A3 e fique a par das tendências que moldarão a mobilidade nos próximos anos!

 

Reunião entre Associações Empresariais e o Secretário de Estado da Internacionalização

A AFIA, representada pelo Secretário-Geral, foi uma das 74 Associações e Confederações Empresariais que se reuniu, no Ministério dos Negócios Estrangeiros 13 de julho, com o Secretário de Estado da Internacionalização, Bernardo Ivo Cruz, para debater o relacionamento com a AICEP e a nova Estratégia ESG para PME Exportadoras.

in AFIA, 14-07-2023


Um dos assuntos abordados na reunião foi a articulação e cooperação entre as Associações Empresariais e a necessidade de colaborarem mais entre si nas ações internacionais.

A AFIA tem cooperado com várias Associações:

  • Desde logo com a CEFAMOL, Associação Nacional da Indústria de Moldes, na qual as duas entidades têm organizado várias missões empresariais e participação em feiras em Marrocos, com a presença conjunta de empresas portuguesas da indústria de moldes e de componentes para automóveis.
  • Em parceria com a MOBINOV (Associação do Cluster Automóvel) e ACAP (Associação Automóvel de Portugal) promovemos, entre dezembro de 2019 e março de 2023, o PT2WM – Portugal to World Mobility, no âmbito do Portugal 2020 | SIAC Internacionalização, com cofinanciamento da União Europeia através do FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.
  • Com a AEP – Associação Empresarial de Portugal, a AFIA celebrou em 2016 um acordo de colaboração para a promoção internacional da indústria portuguesa de componentes para automóveis. Desde então foram realizadas várias iniciativas. Para este ano de 2023 estão confirmadas a participação através de stand coletivo com empresas portuguesas em três eventos: IAA Mobility (Munique, 4 a 8 setembro), Automotive & Manufacturing Meetings Madrid (Madrid, 10 e 11 outubro) e na Global Automotive Components and Suppliers Expo (Estugarda, 5 a 7 dezembro).

Outro tema em debate foi a estratégia ESG – Environment, Social e Governance:

  • A AFIA a 28 de junho organizou em Ovar uma sessão informativa dedicada a uma das vertentes da ESG,  Responsabilidade Social, mais informações aqui.
  • A nível europeu a AFIA integra o grupo de trabalho “Sustainability” da CLEPA – European Association of Automotive Suppliers. Durante 2023 será lançado um “Sustainability Manifesto” um guia com informação relevante para os fornecedores da indústria automóvel.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros / Gabinete do Secretário de Estado da Internacionalização pretende contribuir com a criação de uma estratégia ESG de apoio às Pequenas e Médias Empresas exportadoras que auxilie as empresas na sua preparação para esta mudança do paradigma económico rumo à sustentabilidade e valor acrescentado da sua atividade económica.

No dia 25 de setembro – Dia Nacional da Sustentabilidade – será lançada, em Lisboa, a Estratégia para a Sustentabilidade Ambiental, a Responsabilidade Social e a Boa Governação das PME Exportadoras Portuguesas.

https://www.portugalexporta.pt/agenda/conferencia-internacional-estrategia-esg-pme-exportadoras-2023