NovaCoat adere à AFIA

A Direção da AFIA dá as boas-vindas ao novo Associado: NovaCoat, Lda.

in AFIA, 06-04-2021


Fundada em 2019 a NovaCoat dedica-se à pintura de componentes para automóveis. Tem capacidade para desenvolvimento de moldes e injeção de peças plásticas. Presta serviços de engenharia para pintura e tratamentos superficiais com a conceção de linhas, desenvolvimento, montagem e comissionamento.

Apesar de ser uma empresa recente a sua equipa tem uma vasta experiência nestas atividades, o que permite ter um serviço de excelência e qualidade.

A NovaCoat está localizada no Parque de Fornecedores da VW Autoeuropa em Palmela.

Para mais informações visite a página da NovaCoat em:

Ou acompanhe as últimas novidades através do LinkedIn

Pode contactar através de email:

 

 

Presidente da AFIA traçou o retrato da indústria de componentes para automóveis (VÍDEO)

José Couto foi um dos oradores convidados da conferência Automotive 2021, organizada pela Supply Chain Magazine.

in AFIA, 09-03-2021


Os fabricantes automóveis e os seus fornecedores estão a enfrentar forças internas e externas que estão a condicionar e mudar o paradigma desta indústria.

Fornecedores, fabricantes, importadores, distribuidores… nesta cadeia de mudanças, para todos eles o desempenho logístico é essencial. Como estão estas empresas a abordar as novas realidades e a preparar-se para tudo o que ainda está para vir?

O Presidente da AFIA enquadrou a sessão com a caraterização do estado atual da indústria de componentes para automóveis e os desafios que as empresas têm que ultrapassar.

Seguiram-se outras intervenções num evento digital que contou com mais de 300 participantes.

Veja ou reveja a sessão no canal YouTube da Supply Chain Magazine:

 

 

A AFIA dá as boas-vindas ao novo Associado: DRT RAPID

O Conselho Diretor aprovou a adesão da DRT RAPID como Associada da AFIA

in AFIA, 23-02-2021


A DRT é especializada no conceção e fabrico de moldes de injeção de plásticos até 25 toneladas.

Principalmente orientada para a Indústria Automóvel, a DRT cumpre com todas as normas e exigências deste setor, sendo desta forma o parceiro ideal para o desenvolvimento e realização de um produto final de qualidade.

A DRT é uma empresa certificada pela TÜV Rheinland de acordo com as normas ISO 9001:2015 e IATF 16949:2016.

A DRT Rapid integra o Grupo DRT e que desde 1994 tem vindo a desenvolver uma estratégia de crescimento na área de moldes, comunicação, desenho industrial, inovação e tecnologia.

Para mais informações desta empresa sedeada em Leiria consulte:

https://drt-group.com/

 

 

A AFIA continuou a reforçar a sua representatividade em 2020

Durante o ano passado aderiram à AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel 10 novos Associados.

in AFIA, 12-02-2021


Apesar de ter sido um ano difícil devido à pandemia Covid-19 em toda a indústria automóvel, muitas empresas perceberam a mais-valia e decidiram juntar-se à AFIA.

Manifestamos apreço pela confiança demonstrada por estas novas adesões assim como às empresas que incorporam a Associação, algumas delas desde a fundação da AFIA.

Temos muito orgulho de continuar a crescer em número de Associados e, portanto, em representatividade. Muito obrigado!

Assim durante o ano de 2020 demos as Boas-vindas a:

(click em cada uma das empresas para mais informações)

Nestes tempos é estratégico o movimento associativo, consubstanciado na partilha de informações e experiências, na defesa comum e concertada do sector junto do Governo e outras entidades públicas, das instituições financeiras  e mercado.

Se ainda não faz parte, junte-se à AFIA, uma Associação com mais de 50 anos na defesa dos Fornecedores para a Indústria Automóvel!

Envie em email para info@afia.pt .

 

 

 

 

Un polo ibérico en busca de nuevas vías de competitividad

La Cámara de Comercio e Indústria Luso Española en colaboración con la Cámara de Comercio Hispano Portuguesa y el patrocinio de KPMG, organizó, el 4 de febrero, el Fórum online “Industria Ibérica del Automóvil: Perspectivas y Oportunidades” , a través de una plataforma de Minsait, firma del Grupo Indra. La presentación y moderación de la sesión online corrió a cargo de Begoña Cristeto, socia responsable de Automoción, Industria y Química de KPMG.

in AutoRevista, 08-02-2021


Inicialmente, Begoña Cristeto dio la palabra al embajador de Portugal en España, João Mira-Gomes. El diplomático valoró que el encuentro se llevara a cabo en el marco de la presidencia portuguesa de la UE, y señaló que “el peso de la industria de automoción es cada día más grande dentro de una relación comercial muy estrecha entre ambos países, con un alto nivel de talento a ambos lados de la frontera”. Del lado portugués,  destacó el valor añadido de sus proveedores de componentes, no solo Tier 1 y Tier 2, sino de otros sectores como el de moldes”. Añadió que existe una ” propuesta de valor conjunta, española y portuguesa, cada vez más competitiva y la Agencia para Inversión y Comercio Externo de Portugal (AICEP) pone a disposición su apoyo a proyectos a partir de ese enfoque”.

A continuación intervinieron Marta Betanzos, embajadora de España en Portugal, quien destacó “el peso de la automoción en ambas economías tanto en PIB como en empleo”, e  Hilario Albarracín, presidente de KPMG España, que hablo de un  sector clave en ambas economías, citando los vectores de digitalización y sostenibilidad. “Es fundamental crear espacios de diálogo y cooperación para reivindicar un sector estratégico en el mercado ibérico y su papel en el futuro de las respectivas economías”.

António Calçada,  presidente Câmara de Comercio Hispano Portuguesa, describió a la automoción como “una de las industrias más dinámicas por flexibilidad y competitividad, con una relevancia enorme exportaciones, empleo, valor añadido y efecto catalizador sobre otros sectores. Estamos trabajando en objetivos de recuperación de demanda y producción. El sector se enfrenta a un triple reto: tecnológico, económico y regulatorio.  Por otro lado, hay que rejuvenecer el parque de ambos países, cuya antigüedad está bastante por encima de la media europea. Nuestra meta debe ser desarrollar un ecosistema de movilidad sostenible segura y conectada. Enrique Santos,  presidente de la Cámara de Comercio e Industria Luso Española, recordó que el intercambio de productos de automoción entre los dos países representa el 20% del total de intercambios entre España y Portugal.

Reyes Maroto (galardonada en noviembre con el Premio Especial 30 Aniversario Dirigente del Año de AutoRevista) apuntó que la automoción representa el 11% del PIB en España y del 6% en Portugal y sobresale por su papel vertebrador del territorio. Profundizar en la colaboración de ambos países en este sector es esencial para aprovechar las sinergias en nuestras economías vecinas y fortalecer el tejido industrial ibérico. Es necesario reforzar el compromiso de los Gobiernos de ambos países para restablecer los niveles de producción y demanda previos a la crisis y liderar la transformación del sector”.

Maroto recordó la declaración conjunta de asociaciones de sector de ambos países en octubre de 2020. “Contamos con un marco estable para impulsar la modernización de una industria de automoción formada por un tejido muy competivo. En ese sentido, contamos con el Plan de Impulso de la Cadena de Valor de la Industria del Automóvil, la Estrategia de Movilidad Sostenible Segura y Conectada, la Hoja de Ruta del Hidrógeno Renovable, el Plan Nacional de Energía y Clima o la Agenda Digital 2025. En el marco del Plan de Recuperación, Transformación y Resiliencia se van a acometer grandes proyectos e importantes inversiones, tanto públicas como privadas para los próximos años, con objetivos de  100.000 puntos de recarga y 250.000 vehículos eléctricos para 2030, con una inversión de 1.100 millones de euros. También trabajamos en la modernización de los procesos productivos apoyados en programas como el de Impulso de Proyectos Tractores de Competitividad y Plan de Sostenibilidad Industrial. El Plan de Recuperación supone una extraordinaria oportunidad de adecuar nuestro tejido productivo al siglo XXI, una  oportunidad de acelerar las reformas que España y Portugal necesitan”.

El ministro de Economía y Transición Digital, Pedro Siza Vieira, comentó que “la industria portuguesa participa de un verdadero clúster ibérico. Existe un Interés estratégico de sostenibilidad a todos los niveles de la industria del automóvil”. Resaltó el papel del clúster nacional Mobinov en factores como la internacionalización.

Maria Helena Antolín, presidenta de SERNAUTO y vicepresidenta de Grupo Antolin, señaló que “el sector ibérico de automoción está atravesando una difícil situación. A causa de la pandemia, prevemos una caída de la facturación entre el 20 y el 30%, así como entre un 6 y un 8% en el empleo. Es fundamental pasar a la acción, lo que significa activar medidas con dotación presupuestaria suficiente que apoye las necesidades reales del sector, activando el mercado, apoyando la transformación tecnológica, como están haciendo otros países vecinos con programas de apoyo a la innovación y a la inversión industrial. Hay que reconstruir mejorando, para lo que es preciso el apoyo decidido de las Admiministraciones para reforzar todo lo que hemos conseguido. Los fondos europeos son una oportunidad histórica para avanzar de forma más acelerada en la transformación digital y en la transición ecológica. Estamos trabajando para acceder a las ayudas e identificando proyectos para dar oxígeno y empuje a ala industria y poder seguir atrayendo inversiones. El polo ibérico de automoción comparte los mismos retos. Debemos garantizar que el sector no pierda su competitividad y su peso en los mercados clave. Apoyar a esta industria es apoyar al empleo de calidad. Debemos ser extremadamente competitivos para mantener las implantaciones industriales. Ha de haber un apoyo decidido a la  I+D+i en transformación de procesos y propiciar una mejor accesibilidad a convocatorias públicas para las pymes para apoyar esta transición, así como apoyar el talento y las nuevas cualificaciones profesionales”.

José Vicente de los Mozos, presidente de ANFAC y de Renault España y Portugal, manifestó que “el sector del automóvil está viviendo momento muy complicado, después de invertir 13.000 millones en vehículos electrificados en España. Ante el cierre de concesionarios o la falta de liquidez de proveedores, entre otros problemas, tenemos que intervenir con eficacia y rapidez. Queremos tener tres millones de vehículos electrificados en 2030 y reducir las emisiones de CO2 en un 50%. Para ello, hace falta una transición gradual que permita la entrada de 14 millones nuevos de vehículos para un parque total de 20 millones en España. Los híbridos e híbridos enchufables representan una transición hacia las cero emisiones. Volviendo a la necesidad de renovar el parque, hay que achatarrar 19 millones de coches en España”.

De los Mozos expuso que “si ante la competencia de Europa del Este y Marruecos, España y Portugal no mantienen la competitividad, podemos tener un problema de viabilidad. Tenemos que mejorar la rapidez en la ejecución de herramientas como la robotización o la inteligencia artificial para alcanzar una mayor capacidad de respuesta en tiempos más cortos. En nuestro Plan Automoción 2020-2040, enfocado a la descarbonización y la digitalización, contemplamos la creación de ecosistemas en cooperación con empresas de otros sectores.  Se trata de un plan integral 360 grados. Nuestro objetivo es pasar de una cifra de negocio de 200.000 a 310.000 milllones de euros, creando entre 800.000 y 1,5 millones de empleos de calidad.  Hay que apostar por un proyecto de país y que los fondos europeos permitan la rápida ejecución de estrategias”.

José Couto, presidente de la Asociación de Fabricantes para la Industria del Automóvil (AFIA9, homóloga de SERNAUTO y miembro del consejo de Dirección de CLEPA, señaló que “estamos en una fase de aprendizaje dentro de una estructura industrial resistente, apoyada en la transformación tecnológica. Debemos reprogramar el capital humano de las organizaciones. Hemos de ir en paralelo a la competitividad de nuestros socios españoles. Es muy importante el papel de las pymes. El coronavírus se ha convertido en un desafío adicional a las tendencias de conectividad, vehículo compartido y  eletrificación. Estamos viviendo un momento único, de alteración del paradigma de producción y nuestro producto está cambiando. Seguimos contando con empresas equilibradas y robustas lo que ayudó a soportar el impacto de la pandemia.  El 20% de la inversión en Portugal, la actual situación requiere un esfuerzo adicional”

 Jorge Rosa, presidente de la división industrial de la Asociación de Automoción de Portugal (ACAP), equivalente a ANFAC, y CEO de Mitsubishi FUSO Trucks, afirmó que “vamos a tener que reiniciar todos nuestros procesos de producción. En esta crisis pandémica, ha quedado patente nuestra dependencia de Oriente. Sin una fábrica de baterias para vehículos eléctricos en la Península Ibérica será muy difícil que la industria del automóvil de Portugal e España mantengan su relevancia en el futuro”.

 

De izquierda a derecha y de arriba a abajo, José Couto (AFIA), José Vicente de los Mozos (ANFAC), Begoña Cristeto (KPMG), Jorge Rosa (ACAP) y María Helena Antolin (SERNAUTO)

 

José Couto, AFIA no webinar Indústria Ibérica do Automóvel: Perspetivas e Oportunidades

“Há novos desafios, que já se colocavam antes da pandemia, como a descarbonização, a digitalização, a conetividade, a condução autónoma e o ‘car-sharing’”, assinalou José Couto, presidente da AFIA.

in Negócios, por Pedro Curvelo, 04-02-2021


Fábrica de baterias na Península Ibérica “fundamental” para indústria automóvel de Portugal e Espanha

As mudanças no setor automóvel, com a transição para veículos eletrificados, levam a que a instalação de uma fábrica de baterias para automóveis elétricos na Península Ibérica seja “fundamental” para o futuro da indústria do setor em Espanha e Portugal, consideram responsáveis portugueses e espanhóis.

“Sem uma fábrica de baterias para veículos elétricos na Península Ibérica será muito difícil a indústria automóvel de Portugal e Espanha manterem a sua relevância no futuro”, defendeu esta quinta-feira Jorge Rosa, presidente da divisão industrial da ACAP (Associação Automóvel de Portugal).

O responsável defendeu que esta tem de ser uma prioridade de ambos os países durante o webinar “Indústria Ibérica do Automóvel: Perspetivas e Oportunidades”, organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Luso Espanhola em parceria com a Câmara de Comércio Hispano Portuguesa e com o patrocínio da KPMG.

A necessidade de adaptar a fileira automóvel naquilo que designam por “cluster” automóvel ibérico foi comum aos vários intervenientes no debate.

“Há novos desafios, que já se colocavam antes da pandemia, como a descarbonização, a digitalização, a conetividade, a condução autónoma e o ‘car-sharing'”, assinalou José Couto, presidente da Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel (AFIA).

José Vicente de los Mozos, presidente da ANFAC, homóloga espanhola da ACAP, sublinhou que “o setor automóvel na Península Ibérica enfrenta duas ameaças: dos países de leste e de Marrocos” e que necessita de se manter “competitivo”.

Na abertura do webinar, a ministra espanhola da Indústria, Comércio e Turismo, Maria Reyes Maroto, deixou a garantia de que o governo espanhol assume o compromisso de “definir um roteiro para a indústria automóvel ibérica” e que irá trabalhar com as associações do setor e com o Governo português.

Pedro Siza Vieira, por seu turno, salientou que ambos os países “têm um interesse estratégico na sustentação da indústria automóvel” e notou que o seu ministério “tem estado a trabalhar com a indústria e com o governo de Espanha”.

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital realçou a importância central do setor automóvel para Portugal, não só no emprego, mas como nas exportações e no PIB.

“Parte significativa da recuperação da economia portuguesa no segundo semestre do ano passado foi induzida pelo setor automóvel, nomeadamente pelas exportações de veículos e componentes”, frisou.

 

AFIA participou no seminário da CCI Luso-Francesa

Pedro Ramalho foi um dos oradores do seminário “A indústria automóvel em Portugal: oportunidades e parcerias para as empresas francesas”, organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Francesa.

in AFIA, 23-09-2019


Pedro Ramalho, Diretor da AFIA, traçou o “Panorama da Indústria Automóvel Portuguesa” juntamente com Helder Pedro, Secretário-Geral da ACAP.

No painel seguinte, Philomène Dia,s Diretora da Direção de Angariação da AICEP falou do contexto de atratividade de Portugal.

Seguiram-se várias intervenções, entre as quais a de Christophe Clément, Diretor Geral da Renault Cacia prestou o seu testemunho enquanto construtor francês presente em Portugal e de Pierre Lauvin, Director Business Development da Coindu apresentou as oportunidades nas parceiras industriais França-Portugal.

Da parte da tarde realizaram-se reuniões bilaterais com potenciais compradores/parceiros industriais franceses e nas quais as empresas portuguesas apresentaram as suas capacidades e potencialidades.

 

Exportações de componentes automóveis regista primeira subida em meses

Depois de registarem quedas durante os últimos quatro meses as exportações de componentes automóveis conseguiram no mês de julho uma subida de 1,4% em relação ao mesmo período de 2019

in AFIA, 09-09-2020


De acordo com a AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel – o valor das exportações de componentes automóveis registou durante o mês de julho, e depois de 4 meses de quedas sucessivas, um aumento de 1,4% face ao mesmo período de 2019, chegando aos 792 milhões de euros.

Já no que se refere ao acumulado até ao mês de julho, as exportações de componentes automóveis situaram-se nos 4.546 milhões de euros, representando uma diminuição de -22% em relação ao período homólogo de 2019. Ou seja, entre janeiro e julho de 2020 as vendas ao exterior registaram uma diminuição de 1.285 milhões de euros em relação ao mesmo período de 2019.

Em termos de países destino das exportações de janeiro a julho de 2020, e face ao mesmo período de 2019, Espanha continua na primeira posição com vendas de 1.376 milhões de euros (-12,6%), seguida da Alemanha com 987 milhões de euros (-18%) e em 3º lugar surge a França com um registo de 548 milhões de euros (-36,6%). No que se refere às exportações para o Reino Unido totalizaram 302 milhões de euros (-38%). No total, estes 4 países concentram 71% das exportações portuguesas de componentes automóveis.

Nesta altura, espera-se que este aumento continue a verificar-se nos próximos meses, após um período de acentuadas quedas resultado da pandemia de Covid-19.

Os cálculos da AFIA têm como base as Estatísticas do Comércio Internacional de Bens divulgadas a 09 de setembro pelo INE – Instituto Nacional de Estatística.

 

Para mais informações consultar o ficheiro pdf

 


Sobre a AFIA

A AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel é a associação portuguesa que congrega e representa, nacional e internacionalmente, os fornecedores de componentes para a indústria automóvel.
Esta indústria agrega 240 empresas com sede ou laboração em Portugal, com um volume de emprego directo na ordem das 59.000 pessoas. Factura 12 mil milhões de Euros por ano, com uma quota de exportação superior a 80%.
Em termos de importância na economia nacional, representa 6% do PIB, 8% do emprego da indústria transformadora e 16% das exportações nacionais de bens transacionáveis.

 

Indústria automóvel negoceia soluções contra “retoma ilusória” com o Governo

Sector com 75 mil trabalhadores começa esta semana a negociar com o executivo. Sindicatos apanhados de surpresa. Nas fábricas que concentram a maioria dos 75 mil trabalhadores do sector a retoma é “ilusória”.

in Público, in Victor Ferreira, 21-07-2020


A Autoeuropa, em Palmela, fechou ontem para férias, numa altura em que ainda não tinha retomado toda a produção pré-pandemia. A empresa disse aos trabalhadores para voltarem no dia 17 de Agosto e prometeu retomar os quatro turnos do fim-de-semana, que continuavam suspensos, no dia 24 de Agosto. Apesar da retoma débil no sector dos carros, por agora ninguém fala em mais layoff na fábrica da Volkswagen em Portugal.

Em Mangualde, cenário é semelhante na fábrica do grupo PSA. Fecho para férias só em Agosto e até lá trabalha-se a todo o vapor — nesta unidade já se recuperou os níveis de produção que existiam antes da pandemia e do layoff simplificado.

Mas Palmela e Mangualde são duas excepções. O resto da indústria automóvel, sobretudo nas fábricas que concentram a maioria dos 75 mil trabalhadores do sector e que produzem componentes, diz que a retoma é “ilusória”. São 59 mil empregos, dos quais 12 mil podem desaparecer, entre o que resta de 2020 e o próximo ano, como já tinha alertado o presidente da associação das fábricas de componentes, José Couto. Por isso mesmo, a notícia adiantada pelo Expresso no sábado, de que poderá haver layoff simplificado por mais tempo, rasgou uma nova via para as negociações com o Governo que, segundo apurou o PÚBLICO, começam esta semana.

Representantes da indústria, do Ministério do Trabalho e do Ministério da Economia, já estiveram reunidos, na última quinta-feira, em Lisboa.

“Aquilo que transmitimos ao Governo é que estamos muito preocupados com esta retoma ilusória, este arranque ilusório da indústria, porque a segunda metade do ano pode vir a ser ainda pior”, resume ao PÚBLICO o presidente do cluster automóvel de Portugal, Jorge Rosa, que é também o CEO da fábrica de camiões Mitsubishi Fuso, no Tramagal (Abrantes), detida pela Daimler.

As três partes chegaram então a acordo de que devem olhar com mais cuidado para outras soluções. E de que retomariam o tema a partir desta semana em reuniões de trabalho. Porém, nessa altura ainda não se sabia que o Governo admite, afinal, prolongar o layoff simplificado, que deveria terminar no fim de Julho.

Sindicatos surpreendidos

Ao Expresso o ministro da Economia explicou que esse cenário seria equacionado, para “empresas com quebras significativas de facturação”, mas deixou em aberto tudo o resto: quanto tempo mais, qual o nível de quebra necessário, para quando a decisão. O PÚBLICO contactou o gabinete de Siza Vieira, com essas perguntas, mas o ministro não esteve disponível.

Para os sindicatos, o anúncio do fim-de-semana foi uma surpresa, diz Sérgio Monte, secretário-geral adjunto da UGT. “É uma solução que desconhecemos”, sublinha este representante. “Na última reunião da Concertação Social, a senhora ministra do Trabalho disse que o layoff simplificado só continuaria disponível para empresas que continuam fechadas por imposição legal”, afirma.

Do lado do patronato, todo defendiam o layoff simplificado até ao final do ano. A Confederação Empresarial de Portugal, que aglutina sectores importantes, já o tinha dito, tal como a Confederação do Turismo, que se reuniu com António Costa e Siza Vieira no dia 9 e que, na semana passada, insistiu que a medida “mais urgente” de qualquer plano de retoma é o “prolongamento do layoff simplificado até Dezembro, abrangendo a totalidade dos ramos turísticos”.

Para os empresários, o problema reside numa retoma fraca, o que ameaça a eficácia do mecanismo de apoio à retoma do emprego, concebido pelo Governo como sucedâneo do layoff simplificado. Com esta solução, as empresas teriam apoio em função da quebra do negócio, mas sem poderem suspender contratos de trabalho. O problema, dizem, é que a quebra ainda é total, em sectores como o dos eventos, ou fica aquém das contas mais optimistas, como no sector automóvel.

Por isso, é de esperar que a porta aberta pelo número dois do Governo para a manutenção do layoff simplificado seja aproveitada nas negociações. Na Europa, de resto, vive-se o mesmo receio de haver despedimentos em massa quando terminar o layoff de emergência. Porém, países como Alemanha optaram logo por prazos mais longos (até ao fim do ano), tal como a França (até ao Outono). E Espanha e Reino Unido já prolongaram ou discutem agora o prolongamento deste mecanismo.

Para a UGT, é o caminho errado e que “continuará a penalizar os trabalhadores”. Sublinhando que as empresas em crise “podem recorrer ao layoff normal”, Sérgio Monte diz perceber “que os patrões gostem do simplificado”. “O simples impõe maior intervenção dos sindicatos e, como vimos, o simplificado permitiu muitos abusos e atropelos à lei.”

 

Autoeuropa retomará o trabalho a 17 de Agosto, prevendo o regresso a todos os turnos.
Foto: Miguel Manso

 

 

AFIA solidária com os seus Associados

Tendo em conta a extensão do impacto da crise na atividade dos fabricantes de componentes para automóveis, a AFIA cancelou a emissão e consequente pagamento das Quotas aos Associados, relativas ao 2º Trimestre de 2020, Abril-Junho.

in AFIA, 16-07-2020


Esta decisão foi tomada pela Direção para mostrar tanto a solidariedade da Associação como o seu compromisso ao lado de todos os fabricantes de componentes para automóveis.

Numa carta dirigida aos Associados, José Couto, Presidente da AFIA, explica as razões desta decisão excecional:

As nossas empresas estão a ser postas à prova perante desafios que são incomensuráveis e com consequências difíceis de avaliar e antecipar.

O papel da AFIA é, e será, acompanhar os fabricantes de componentes para automóveis, representá-los, defendê-los e ajudá-los a antecipar e gerir todas estas dificuldades no dia-a-dia.

A AFIA tem-se preocupado em estabelecer conversações com as entidades nacionais com o objetivo de apresentar soluções de modo a mitigar os graves efeitos que a pandemia causada pela doença COVID-19 está a provocar na Indústria Automóvel.

É dentro deste quadro e deste espírito que o Conselho Diretor decidiu cancelar / suspender a emissão e consequente pagamento das Quotas aos Associados, relativas ao 2º Trimestre de 2020, Abril-Junho.

Este esforço financeiro muito importante, excecional e temporário parece-nos ser um investimento necessário, tendo em conta as dificuldades presentes e futuras que as empresas estão a atravessar.

Esta medida só é possível dado o rigoroso controlo orçamental que a AFIA tem realizado ao longo dos últimos anos.

Esta quebra de receitas nas Quotas da AFIA, 25%, não põe em causa de forma alguma todas as vantagens e serviços a que os nossos Associados continuarão a ter direito.

Sabemos de experiências anteriores que o Associativismo é essencial, e mais do que nunca crucial para a defesa dos interesses do sector e sairemos ainda mais unidos e reforçados no final desta crise!