A AFIA juntamente com outras 22 Associações da Indústria Automóvel diz não a um Brexit sem acordo

EU Automotive leaders unite to say “no” to ‘no deal’ Brexit

  • Europe’s leading automotive representatives warn of catastrophic consequences of a ‘no deal’ Brexit.
  • Barrier-free trade crucial for continued success of the deeply integrated pan-European auto sector.
  • Application of WTO tariffs on cars and vans could mean €5.7bn bill for EU/UK industry and consumers.
  • Sector calls for no-deal to be ruled out to safeguard the future of European automotive.

Monday 23 September, 2019 With just over one month to go before the UK is due to leave the EU, the European automotive industry today made a united call for the UK and the EU to avoid a ‘no deal’ Brexit. The lead organisations representing vehicle and parts manufacturers across the EU, the European Automobile Manufacturers Association (ACEA) and European Association of Automotive Suppliers (CLEPA), as well as 21 national associations, including the Committee of French Automobile Manufacturers (CCFA), the German Association of the Automotive Industry (VDA), and the Society of Motor Manufacturers and Traders (SMMT), joined forces to stress the impact a ‘no deal’ Brexit would have on one of Europe’s most valuable economic assets.

 

The automotive industry is one of the EU’s biggest success stories and contributors to growth and wealth, producing 19.1 million vehicles a year and employing 13.8 million people across the wider sector – one in 16 of the EU’s workforce.1 Fundamental to this has been the deeply integrated nature of the industry, which has sought to maximise single market and customs union benefits to the advantage of businesses EU-wide.

 

European industry chiefs today warned that the repercussions of ‘no deal’ to this vital sector will be severe. The UK’s departure from the EU without a deal would trigger a seismic shift in trading conditions, with billions of Euros of tariffs threatening to impact consumer choice and affordability on both sides of the Channel. The end of barrier-free trade could bring harmful disruption to the industry’s just-in-time operating model, with the cost of just one minute of production stoppage in the UK alone amounting to €54,700 (£50,000).2 Meanwhile, WTO tariffs on cars and vans could add €5.7 billion (£5 billion) to the collective EU-UK auto trade bill,3 raising prices for customers if manufacturers cannot absorb the additional cost. Automotive manufacturers believe that such disruption and cost must be avoided, and that all effort should be made to deliver an orderly withdrawal of the UK from the EU.

 

Christian Peugeot, CCFA President, said, “Brexit is not just a British problem, we are all concerned in the European automotive industry, and even further. Be it as exporters to the UK market or producers locally, which we are both, we will inevitably be negatively affected.”

 

Bernhard Mattes, VDA President, said, “We regret Brexit. The United Kingdom is a fully integrated player in the value chain of the German Automotive Industry. More than 100 production facilities as well as research and development located in the UK prove our commitment to the UK-market as a number one market in the EU. In the view of the German automotive industry, therefore, everything has to be done to maintain the free movement of goods, of services, the freedom of capital and the freedom of movement for workers between the UK and the EU. At the same time, we acknowledge that the internal market and the cohesion of EU27 are a priority and a pre-condition.

 

“The EU and UK automotive industry need frictionless trade and would be harmed significantly by additional duties and administrative burden on automotive parts and vehicles. Consequently, the UK and the EU should undertake all necessary steps to avoid a no-deal Brexit.”

 

Mike Hawes, SMMT Chief Executive, said, “European Automotive is deeply integrated and the benefits of free and frictionless trade have helped our sector become one of Europe’s most valuable assets, delivering billions to economies and supporting millions of livelihoods across the EU A ‘no deal’ Brexit would have an immediate and devastating impact on the industry, undermining competitiveness and causing irreversible and severe damage. UK and EU negotiators have a responsibility to work together to agree a deal or risk destroying this vital pillar of our economies.”

 

Erik Jonnaert, ACEA Secretary General, said, “Barrier-free trade is crucial for the continued success of the deeply integrated European auto industry, which operates some 230 assembly and production plants right across the EU. Brexit will have a significant negative impact on the automotive sector and a ‘no deal’ Brexit would greatly exacerbate those consequences, causing massive disruptions to an industry which is so vital to Europe’s economy. Even the repeated need to plan and implement contingency measures to deal with a disorderly Brexit is highly disruptive to our members. The European automobile industry therefore calls for all sides to rule out a no-deal scenario as soon as possible.”

 

Sigrid de Vries, CLEPA Secretary General, said, “The European automotive industry is operating highly integrated global supply chains. A single vehicle consists of around 30,000 parts many of which cross borders multiple times. Frictionless and tariff-free trade, as well as regulatory certainty, is vital. Brexit has a negative effect on all these aspects. Brexit, specifically a no-deal Brexit, will be seriously damaging to the supplier’s industry in Europe and the UK and must be avoided.”

 

European automotive is highly integrated, with supply chains that cross multiple countries. A no-deal Brexit would immediately result in the UK no longer being party to EU trade agreements and preferential arrangements with some 30 countries, including Turkey, South Africa, Canada, Japan and South Korea, and content from UK suppliers would no longer contribute to EU originating content for the purposes of rules of origin. This will potentially make it harder for European manufacturers to access the preferential terms of agreed EU trade deals. In addition, a no-deal Brexit would immediately make the EU market smaller, and potentially less attractive to international trade partners.

 

At this time of intense global competition and technological transformation, EU and UK automotive manufacturers need a Brexit outcome that maintains free and frictionless trade and allows them to continue to invest, produce and sell competitively, and that encourages cross-border technological collaboration. This will drive future innovation, benefitting consumers, societies and economies right across Europe. With so much at stake, it is in the interest of all parties to avoid a no-deal Brexit and deliver a managed withdrawal of the UK from the EU.

 

Mario Armero, ANFAC Executive Vice President, said, “Spain is mainly a net exporter of vehicles to the European Union. The Spanish automotive industry sells two thirds of its production outside our frontiers. The United Kingdom is one of the main markets for these sales and, since Brexit was voted, exports have fallen exponentially. The establishment of tariffs and trade barriers worries us and harms the competitiveness of our factories and the development of our highly integrated supply chains. A ‘no deal’ Brexit will further worsen this trade and harm the entire production chain, in Spain and in Europe.”

 

Gianmarco Giorda, ANFIA Director, said, “The UK is the third destination market for parts and components for motor vehicles and the fourth for cars, therefore, it is relevant for the Italian industry, especially for component suppliers who represent an important interlocutor for the local manufacturers. The introduction of new customs tariffs, longstanding procedures and so higher prices could only have a devastating effect on the automotive industry, both for the Italian and for the British ones.”

Mattias Bergman, BIL Sweden Chief Executive, said, “Sweden and our automotive industry is a strong believer in free trade where a barrier free market is crucial for the automotive industry to continue to contribute to society and economic growth within Europe. Brexit by itself is negative for the industry and a ‘no deal’ will add substantial risk and will have large negative impact on not only the industry, but the entire Europe.”

 

Claude Cham, FIEV President, said, “At a time when the global economy is slowing down with volume decrease in our industry; and our entire eco-system is focused on the major challenge with new mobility, the ‘no deal’ Brexit would bring significant loads without values, ??neither for the states nor for the citizens nor for industries. Common sense tells that global competitiveness is directly linked to the size of a market of which the United Kingdom in the EU is of prime importance. This is even more important for the United Kingdom itself, which would be de-facto relegated out of one the world’s largest markets. The ‘no deal’ Brexit will also directly affect Europe’s ability to respond to its own environmental challenges and its global leadership on the issue by weakening its domestic market irrigated by its strong internal market.”

 

Fredrik Sidahl, FKG Chief Executive, said, “The EU with the base foundation of peace has over the years become a true region of automotive industry. For Sweden as a part of EU and extremely dependent on export, EU is the main market. Among all the states in EU, the UK is one of our core individual markets for vehicles and components and we must, with all means avoid a hard brexit both for Sweden but also for Europe. Automotive and the flow of parts and research programs are linked together, and a divorce between the UK and EU will dramatically change this for the worse.”

 

Luc Chatel, PFA President, said, Brexit will have a huge impact on the whole automotive sector in France, on manufacturers as well as on suppliers. The impact will be direct in terms of tariffs, customs procedures, logistics, industrial localisation decisions, etc. And there will also be an indirect impact, as for all economic sectors, because of the foreseeable downturn in the European growth.”

 

Alfred Franke, SDCM President, said, “A ‘no deal’ Brexit plus troubling symptoms of a slowing world economy, global trade tensions between United States and China as well as challenges facing our industry could lead to serious downturn in European automotive industry – one of the most important industries in the EU. Therefore, every effort should be made to ensure that the UK’s exit from the European Union is preceded by an appropriate deal that will protect us from a potential catastrophe.”

 

The 23 Automotive Association signatories include:

 

  • ACAROM – Romanian Association of Automobile Builders https://acarom.ro
  • ACEA – European Automobile Manufacturers Association acea.be
  • AFIA – Portuguese Manufacturers Association for the Automotive Industry afia.pt
  • AIA – Czech Automotive Industry Association autosap.cz
  • ANFAC – Spanish Association of Car and Truck Manufacturers anfac.com
  • ANFIA – Italian Association of the Automobile Industry anfia.it
  • AUTIG – Danish Automotive Trade & Industry Federation autig.dk
  • BIL SWEDEN – Swedish Association of Automobile Manufacturers and Importers bilsweden.se
  • CCFA – Committee of French Automobile Manufacturers ccfa.fr
  • CLEPA – European Association of Automotive Suppliers clepa.eu
  • FEBIAC – Belgian Federation of Automobile and Motorcycle Industries febiac.be
  • FIEV – French Federation of Vehicle Equipment Industries fiev.fr
  • FKG – Scandinavian Automotive Supplier Association https://fkg.se
  • FFOE – Austrian Association of the Automotive Industry fahrzeugindustrie.at
  • ILEA – Luxembourg Automotive Suppliers Association https://www.ilea.lu/
  • OSD – Turkish Automotive Manufacturers Association osd.tr
  • PFA – French Association of the Automotive Industry pfa-auto.fr/
  • SDCM – Polish Association of Automotive Parts Distributors and Producers sdcm.pl
  • RAI – Dutch Association for Mobility Industry https://raivereniging.nl
  • SMMT – Society of Motor Manufacturers and Traders smmt.co.uk
  • SERNAUTO – Spanish Association of Automotive Suppliers http://www.sernauto.es
  • TAYSAD – Automotive Suppliers Association of Turkey taysad.org.tr
  • VDA – German Association of the Automotive Industry vda.de

 

 

Notes to editors

 

  1. Motor industry employees account for 6.1% of total EU employment. Source:acea.be/statistics/tag/category/key-figures

 

  1. Delays to the arrival of components would cost gross value of £70 million a day based on five day working week. This equals £50,000 a minute. Source: smmt.co.uk/wp-content/uploads/sites/2/2019-UK-AUTOMOTIVE-TRADE-REPORT.pdf

 

  1. Tariffs – UK exports to EU27 on WTO terms:

 

Passenger cars Light commercial vehicles/pick ups Commercial vehicles Buses Engines                  (in vehicles) Parts
10 10 22 16 2.7 2 – 5

 

Source: https://madb.europa.eu/madb/euTariffs.htm

 

Temporary Tariffs – UK imports

 

Passenger cars Light commercial vehicles/pick ups Commercial vehicles Buses Engines Parts
10 10 22 16 0 0

 

Source: https://www.gov.uk/government/news/temporary-tariff-regime-for-no-deal-brexit-published

 

 

 

 

Empresas Portuguesas de Componentes Automóveis Mostraram as suas Inovações em Frankfurt

A AFIA em parceria com a AEP promoveu novamente a indústria portuguesa de componentes automóveis no Salão Automóvel de Frankfurt

in AFIA, 19-09-2019


A AFIA – Associação de Fabricantes para a Industria Automóvel, no âmbito do acordo de colaboração para a promoção internacional da indústria portuguesa de componentes para automóveis celebrado com a AEP – Associação Empresarial de Portugal, promoveu pela segunda vez a participação nacional no Salão Automóvel de Frankfurt, que decorreu entre os dias 10 a 13 de Setembro naquela cidade alemã.

A IAA – Internationale Automobil-Ausstellung é um certame bienal organizado pela VDA – associação alemã da indústria automóvel, e é muito mais do que um salão automóvel, sendo o verdadeiro fórum da mobilidade, onde são revelados os mais recentes desenvolvimentos, inovações e tecnologias ligadas ao mundo da mobilidade, sob o mote “Driving Tomorrow”.

No stand colectivo promovido pela AFIA e AEP, marcaram presença:

  • CR MOULDS, empresa especializada na concepção, gestão, fabricação e optimização de moldes para injecção de termoplásticos e fundição injectada. www.crmoulds.pt.
  • EDAETECH, empresa de engenharia e tecnologia para a indústria automóvel, aeronáutica e metalomecânica (desenvolvimento e fabrico de protótipos, produção de pequenas séries de componentes metálicos). www.edaetech.pt.
  • GENSYS (grupo PINTO BRASIL), concebe e implementa soluções informáticas inovadoras para planeamento, controlo e programação da produção em ambientes de grande complexidade e diversidade. www.gensys.pt.
  • SOPLAST, especializada no desenvolvimento e produção de componentes técnicos obtidos pelo processo de moldação por injecção para as indústrias automóvel, electrónica e construção. www.soplast.com.

O principal objectivo desta participação foi mais uma vez dar a conhecer as capacidades e competências da indústria portuguesa de componentes automóveis e estabelecer contactos para aumentar as exportações.

A Europa é o principal destino das exportações das empresas nacionais, absorvendo 90% das vendas ao exterior. Sendo que o mercado alemão por si só absorve 20% das produção dos fabricantes de componentes portugueses.

A feira teve um saldo extremamente positivo pelos múltiplos contactos que foram estabelecidos com potenciais e actuais clientes, tanto construtores de automóveis como multinacionais integradoras de sistemas.

Para 2020 já estão confirmadas e integradas no programa de acções de promoção internacional da indústria portuguesa de componentes para automóveis, as seguintes feiras promovidas pela AFIA em colaboração com a AEP:

  • Global Automotive Components and Suppliers Expo, Estugarda (Alemanha), 16 a 18 de Junho;
  • IZB International Suppliers Fair, Wolfsburg (Alemanha), 6 a 8 de Outubro.

Para mais informações contactar a AFIA: telefone 226 172 668 ou a.ferreira@afia.pt.

 

 

 

 

 

COMUNICADO DE IMPRENSA | Eventual nova fábrica de veículos todo-o-terreno em Portugal

Segundo notícias publicadas esta manhã na imprensa “Portugal acolhe nova fábrica de veículos todo-o-terreno”.

in AFIA, 06-09-2019


A concretizar-se esta nova implantação, a AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel congratula-se e manifesta a sua satisfação por este reconhecimento, que demonstra a competitividade da indústria automóvel portuguesa.

A AFIA, desde o ano de 2018, tem vindo a colaborar com a INEOS AUTOMOTIVE na identificação de potenciais fornecedores para o “Projekt Grenadier” https://projektgrenadier.com/. Tendo já ocorrido reuniões individuais entre empresas portuguesas de componentes automóveis e a INEOS.

A Associação está em contacto permanente com todas as entidades que têm poder para influenciar o sector, sensibilizando-as para as potencialidades desta indústria e incentivando-as no sentido das intervenções possíveis e desejáveis.

A AFIA promove o crescimento, a competitividade, a internacionalização e as exportações das empresas nacionais, apoia compradores estrangeiros a encontrar fornecedores portugueses e apoia os investidores estrangeiros no início e na integração de novas actividades em Portugal, tendentes a alargar a base industrial portuguesa e a reforçar o sector.

A indústria de componentes para automóveis, representada pela AFIA, reitera o compromisso em sustentar o crescimento da economia nacional.

 

 

Empresas Portuguesas de Componentes Automóveis Presentes no Salão Automóvel de Frankfurt

A AFIA em parceria com a AEP promove novamente a indústria portuguesa de componentes automóveis no Salão Automóvel de Frankfurt

in AFIA, 02-09-2019


A AFIA – Associação de Fabricantes para a Industria Automóvel, no âmbito do acordo de colaboração para a promoção internacional da indústria portuguesa de componentes para automóveis celebrado com a AEP – Associação Empresarial de Portugal, promove pela segunda vez a participação nacional no Salão Automóvel de Frankfurt, que decorrerá entre os dias 10 a 13 de Setembro naquela cidade alemã.

A IAA – Internationale Automobil-Ausstellung é um certame bienal organizado pela VDA – associação alemã da indústria automóvel, e é muito mais do que um salão automóvel, sendo o verdadeiro fórum da mobilidade, onde são revelados os mais recentes desenvolvimentos, inovações e tecnologias ligadas ao mundo da mobilidade, sob o mote “Driving Tomorrow”.

No stand colectivo promovido pela AFIA e AEP, marcarão presença:

  • CR MOLDES, empresa especializada na concepção, gestão, fabricação e optimização de moldes para injecção de termoplásticos e fundição injectada. www.crmoulds.pt.
  • EDAETECH, empresa de engenharia e tecnologia para a indústria automóvel, aeronáutica e metalomecânica (desenvolvimento e fabrico de protótipos, produção de pequenas séries de componentes metálicos). www.edaetech.pt.
  • GENSYS (grupo PINTO BRASIL), concebe e implementa soluções informáticas inovadoras para planeamento, controlo e programação da produção em ambientes de grande complexidade e diversidade. www.gensys.pt.
  • SOPLAST, especializada no desenvolvimento e produção de componentes técnicos obtidos pelo processo de moldação por injecção para as indústrias automóvel, electrónica e construção. www.soplast.com.

O principal objectivo desta participação é mais uma vez dar a conhecer as capacidades e competências da indústria portuguesa de componentes automóveis e estabelecer contactos para aumentar as exportações.

A Europa é o principal destino das exportações das empresas nacionais, absorvendo 90% das vendas ao exterior. Sendo que o mercado alemão por si só absorve 20% das produção dos fabricantes de componentes portugueses.

 

 

Exportações de componentes automóveis com record absoluto

No primeiro semestre deste ano as exportações de componentes automóveis registaram resultados positivos ultrapassando os 4.400 milhões de euros

in AFIA, 09-08-2019


De acordo com a AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel as exportações de componentes automóveis registaram um crescimento de 2,6% no primeiro semestre de 2019, atingindo o resultado record de 4.400 milhões de euros, quando comparadas com os resultados do mesmo período do ano passado. Esta informação surge com base nos dados de comércio internacional de bens divulgados, hoje, pelo INE.

Em relação aos destinos das exportações a AFIA refere que estes mantêm também a mesma tendência apresentando Espanha e Alemanha como os principais destinos, seguidos de perto pela França e Inglaterra. O conjunto destes quatro países representam assim, 71% do total das exportações, estando os restantes 29% distribuídos por outros países europeus e outros de fora da Europa, como os Estados Unidos da América, Marrocos, China, México e Turquia.

É ainda de notar que entre 2010 e 2019 as vendas de componentes automóveis portugueses ao exterior aumentaram 72%, o que demonstra mais uma vez o contributo positivo desta indústria para a sustentabilidade de economia nacional.

 

Para mais informações clique aqui (ficheiro pdf).

 

 

 

Exportações de componentes de automóveis atingem recorde de 2.945 ME até abril

As exportações de componentes de automóveis atingiram um valor recorde de 2.945 milhões de euros até abril, mais 4% face a igual período do ano passado, revelou hoje a Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel (AFIA).

in Diário de Notícias / Lusa, 14-06-2019


As vendas ao estrangeiro de componentes de automóveis produzidas em Portugal nos primeiros quatro meses deste ano (2.945 milhões de euros), representaram um aumento de 76% em relação a idêntico período de 2010, refere a AFIA em comunicado.

Por regiões, a União Europeia representou 91% das exportações nacionais de componentes no quadrimestre em análise, com 2.665 milhões de euros e um aumento de 3,6%, na comparação com igual período do ano anterior.

Já as exportações para o resto do mundo representaram 9% do total de componentes vendidas ao estrangeiro entre janeiro e abril deste ano, tendo-se registado um crescimento de 6,6% face a idêntico quadrimestre de 2018.

Entre janeiro e abril, 71% do total das exportações de componentes produzidas em Portugal teve como mercados a Espanha, Alemanha, França e o Reino Unido.

A Espanha lidera nos primeiros quatro meses deste ano o top das exportações de componentes fabricadas em Portugal, com 790 milhões de euros e um crescimento de 12,2%, seguindo-se a Alemanha com 610 milhões de euros e um acréscimo de 3,2%.

Na terceira posição surge a França com 443 milhões de euros e uma subida de 2,9% até abril, que compara com idêntico período do ano passado e no quarto lugar aparece o Reino Unido com 249 milhões de euros, mas com uma quebra de 15,1%, tendência que queda que se observa desde 2017.

Os componentes de automóveis fabricados em Portugal representaram no primeiro quadrimestre deste ano 15% do total das exportações portuguesas de bens e serviços transacionáveis.

Até abril, Portugal vendeu ao estrangeiro 20.014 milhões de euros em bens e serviços transacionáveis, mais 4,4% face a igual período de 2018.

 

 

Eletrificação total “cortaria” 4400 empregos na indústria portuguesa

CENÁRIO É POUCO PROVÁVEL

in Vida Económica, 31-05-2019


Uma rápida evolução para um cenário de eletrificação a 100% do mercado automóvel europeu, algo que está distante, dado que em 2018 os veículos elétricos representaram 2% de quota das vendas na União Europeia, teria impacto no emprego da indústria portuguesa de componentes para o setor automóvel a rondar 8%, ou seja, 4400 postos de trabalho, avisa a Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel
(AFIA).

“A indústria portuguesa de componentes assegura emprego direto a mais de 55 mil pessoas. Segundo estimativa da AFIA, este cenário radical de 100% de veículos elétricos (não híbridos) levaria ao encerramento de empresas ou à diminuição de volume de produção que resultariam na eliminação de cerca de 4400 postos de trabalho”, indica a
associação, em comunicado.

A AFIA salienta que os agentes económicos e políticos devem procurar “vias para transformar a descarbonização dos transportes terrestres numa oportunidade para a indústria e para a sociedade em geral”.

“Combustão interna continuará dominante”

A União Europeia aprovou, há poucos meses, novas normas que limitam as emissões de CO2 para os novos veículos de passageiros. Redução de 15% de CO2 até 2025 e 37,5% em 2030, por comparação com os limites de emissões permitidas em 2021. Igualmente se impõe que, a partir de 2025, 15% dos novos ligeiros de passageiros
tenham emissões baixas ou nulas, pretendendo-se que após 2030 aquela quota suba para 35%.

Desde a AFIA indicam que, “independentemente dos incentivos dos diferentes governos europeus à aquisição dos veículos elétricos, no curto prazo, os veículos com motores de combustão interna (tradicionais ou híbridos) manter-se-ão dominantes”.

A associação industrial defende que a evolução do mercado dos veículos elétricos dependerá de vários fatores, tais como “o preço do petróleo, o custo da eletricidade, o preço das viaturas elétricas, a sua autonomia, a disponibilidade de meios (públicos e privados) para carregamento das baterias, a velocidade de carregamento, a aceitação pública deste tipo de mobilidade, a tipologia de veículos a serem colocados no mercado e as normas europeias sobre emissões de CO2”.

A resposta aos desafios que esta nova regulamentação traz terá de ser dada “pelos construtores de automóveis e respetiva cadeia de fornecedores, que terão que efetuar um considerável esforço de investimento” em novas tecnologias para tornar a mobilidade mais limpa. A indústria automóvel europeia investe anualmente mais de 50
mil milhões de euros em inovação, o que a torna, acrescenta a AFIA, “o principal investidor em Investigação e Desenvolvimento da União Europeia, com um peso relativo de 27% do total do investimento”.

Transporte rodoviário “responde” por 16% das emissões

A indústria automóvel (construtores e fornecedores, incluindo a cadeia de fornecedores portugueses) está, segundo a
associação, “comprometida com as metas de Paris” para mitigar os efeitos das alterações climáticas, pretendendo cumpri-las fazendo uso de todo o seu conhecimento e inovação.

A AFIA destaca, contudo, que é “um equívoco” assumir que o aquecimento global tem como principal causa os veículos automóveis, já que, globalmente, “o transporte rodoviário é apenas responsável por cerca de 16% das emissões de CO2”. Fornecimento de energia (44%), indústria e construção (18%), utilização de combustível para outros fins (18%), transporte não rodoviário (4%) contribuem mais.

“Todas as fontes de emissões de CO2, e não apenas os automóveis, deverão ser otimizadas para se conseguir reduzir o problema”, defende a associação.

 

 

AFIA | COMUNICADO DE IMPRENSA | Veículos elétricos e impactos na indústria portuguesa de componentes

Nove em cada dez carros vendidos na União Europeia ainda são equipados com motores de combustão interna, gasolina ou diesel, sendo que a curto prazo estes veículos manter-se-ão dominantes.

in AFIA, 21-05-2019


Segundo os dados da ACEA -Associação dos Construtores Europeus de Automóveis, venderam-se em 2018 na União Europeia 15 milhões de carros ligeiros de passageiros. Diferenciando segundo o tipo de combustível/energia, os carros a gasolina representaram 57% das vendas, os diesel 36%, os veículos híbridos 4%, os veículos elétricos 2% e os veículos movidos a combustíveis alternativos (GPL/NGV/E85) 1%. Ou seja, 9 em 10 carros vendidos na União Europeia em 2018 foram equipados com motores de combustão interna, gasolina ou diesel.

Independentemente dos incentivos dos diferentes governos europeus à aquisição dos veículos elétricos, no curto prazo os veículos com motores de combustão interna (tradicionais ou híbridos) manter-se-ão dominantes.

A evolução do mercado dos veículos elétricos dependerá significativamente de vários factores: o preço do petróleo, o custo da eletricidade, o preço das viaturas elétricas, a sua autonomia, a disponibilidade de meios (públicos e privados) para carregamento das baterias, a velocidade de carregamento, a aceitação pública deste tipo de mobilidade, a tipologia de veículos a serem colocados no mercado e as normas europeias sobre emissões de CO2 .

A União Europeia, recentemente, aprovou novas normas que limitam as emissões de CO2 para os novos veículos de passageiros. Redução de 15% de emissões de CO2 até 2025 e 37,5% em 2030, por comparação com os limites de emissões permitidas em 2021. Igualmente se impõe que a partir de 2025, 15% dos novos ligeiros de passageiros tenham emissões baixas ou nulas, pretendendo-se que após 2030 aquela quota suba para 35%.

A resposta aos desafios que esta nova regulamentação traz, terá que ser dada pelos construtores de automóveis e respectiva cadeia de fornecedores, que terão que efetuar um considerável esforço de investimento em novas tecnologias para tornar a mobilidade mais limpa. A indústria automóvel europeia investe anualmente mais de 50 mil milhões de euros em inovação, o que a torna o principal investidor em Investigação e Desenvolvimento da União Europeia, com um peso relativo de 27% do total do investimento.

A indústria automóvel: construtores e fornecedores, incluindo a cadeia de fornecedores portugueses, está comprometida com as metas de Paris para mitigar os efeitos das alterações climáticas, pretendendo cumpri-las fazendo uso de todo o seu conhecimento e inovação.

Será no entanto um equívoco assumir que o aquecimento global seja causado, principalmente, pelos veículos automóveis, já que globalmente o transporte rodoviário é apenas responsável por cerca de 16% das emissões de CO2 feitas pelo homem. Existem outros importantes contribuintes: fornecimento de energia (44%), indústria e construção (18%), utilização de combustível para outros fins (18%), transporte não rodoviário (4%).

Todas as fontes de emissões de CO2, e não apenas os automóveis, deverão ser optimizadas para se conseguir reduzir o problema.

Assumindo um cenário hipotético e pouco verosímil, conforme acima explicado, que todos os novos veículos passavam de imediato a utilizar exclusivamente motorização eléctrica, qual o impacto dessa mudança? A indústria portuguesa de componentes assegura emprego directo a mais de 55.000 pessoas. Segundo estimativa da AFIA, este cenário radical de 100% de veículos elétricos (não híbridos) levaria ao encerramento de empresas ou à diminuição de volume de produção que resultariam na eliminação de cerca de 4.400 postos de trabalho.

Este cenário é radical, com baixa probabilidade de concretização no curto e médio prazo, o que não quer dizer que deva haver abrandamento dos agentes económicos e políticos, com acrescida responsabilidade do Governo da República, no seguimento da evolução do mercado automóvel, procurando-se vias para transformar a descarbonização dos transportes terrestre numa oportunidade para a nossa indústria e para a sociedade em geral.

 

Versão pdf do comunicado de imprensa

 

 

AFIA em parceria com a AEP promove indústria portuguesa de componentes automóveis na GACS Expo

A AFIA – Associação de Fabricantes para a Industria Automóvel, no âmbito do acordo de colaboração para a promoção internacional da indústria portuguesa de componentes para automóveis celebrado com a AEP – Associação Empresarial de Portugal, promove pelo 3º ano consecutivo a participação nacional na Global Automotive Components and Suppliers Expo 2019, que decorrerá entre os dias 21 a 23 de Maio em Estugarda (Alemanha).

in AFIA, 16-05-2019


A GACS – Global Automotive Components and Suppliers é um certame anual sendo uma das principais feiras de negócios da Europa para a indústria de componentes automóveis, onde está representada toda a cadeia de valor da indústria automóvel.

A GACS decorre em paralelo com a Automotive Interiors Expo, a Autonomous Vehicle Technology Expo, a Engine Expo e a Automotive Testing Expo e que no total juntam cerca de 800 expositores oriundos de 38 países.

O stand colectivo promovido pela AFIA/AEP integra 9 empresas: A. HENRIQUES, EPEDAL, FABOR, FUNDÍNIO, INCOMPOL, OPTIMAL, SONAFI, TRIM NW e a WRK.

Adicionalmente participam mais 4 empresas associadas da AFIA com stands na Automotive Interiors Expo: ERT TÊXTIL, O2A AUTOADESIVOS, PTC GROUP e TMG AUTOMOTIVE.

Sendo que na Automotive Testing Expo expõe a DIVMAC (do grupo PINTO BRASIL).

De notar ainda a realização, também em simultâneo da Moulding Expo, feira internacional de moldes e ferramentas, com a presença de mais 4 empresas ligadas às AFIA: MOLDOESTE, PRIFER, SOCEM e a SETSA.

Até ao final de 2019 a AFIA em colaboração com a AEP promoverá, ainda, a participação colectiva portuguesa em mais 2 feiras:

  • 26 e 27 de Junho: Automotive & Manufacturing Meetings Madrid (Espanha);
  • 10 a 13 de Setembro: Salão Automóvel de Frankfurt (Alemanha).

A indústria de componentes automóveis muito tem contribuído para a consolidação da economia portuguesa. No primeiro trimestre de 2019 as exportações de componentes aumentaram 5% quando comparadas com o período homólogo de 2018. Estes números são bastante significativos, na medida em que no ano de 2018 as exportações de componentes automóveis atingiram o seu máximo histórico de 9,4 mil milhões de euros. A indústria de componentes automóveis é responsável por 16% das exportações portuguesas de bens transaccionáveis, ou seja, por cada 100 euros que Portugal vende ao exterior, 16 euros são componentes automóveis.

 

 

Exportações de componentes automóveis com aumento de 7%

De acordo com a AFIA o valor das exportações de componentes automóveis registou até fevereiro de 2019 um aumento de 7% em relação ao mesmo período do ano anterior

in AFIA, 10-04-2019


De acordo com os dados recolhidos pela AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel – as vendas destes componentes para o exterior registaram um aumento de 6,6% em relação ao mesmo período do ano passado, atingindo os 1.472 milhões de euros.

No que diz respeito aos destinos das exportações dos referidos componentes automóveis é de destacar o aumento de 6,8% para a União Europeia. No que se refere às vendas para os países do resto do mundo registaram um aumento de 5%.

Podemos assim concluir que as vendas para o exterior, desde o início da década, praticamente duplicaram passando dos 797 milhões de euros no ano de 2010 para os 1.472 milhões de euros em 2018, ou seja, um aumento de 85%.

É ainda de referir que os componentes automóveis representam 15% do total das exportações de bens transacionáveis.

Os cálculos da AFIA têm por base as Estatísticas do Comércio Internacional de Bens divulgados no dia 9 de abril pelo INE – Instituto Nacional de Estatística.

 

Para mais informações clique aqui (ficheiro pdf).