AFIA COMUNICADO DE IMPRENSA | Forte crescimento das exportações de componentes será sustentável?

O sector de componentes para a indústria automóvel continua a demonstrar um sólido desempenho traduzido num aumento de 7% de exportações quando comparados os valores acumulados de Outubro de 2018 versus 2017.

in AFIA, 22-11-2018


 

Este é um sinal de vitalidade que reflete a tendência de anos anteriores de aumento de penetração dos componentes produzidos em Portugal, já que o mercado automóvel europeu, principal destino das exportações portuguesas, irá crescer perto de 2%.

Apesar desta vitalidade demonstrada pelo sector há motivos de preocupação.

Depois da crise de 2009, o sector de componentes tem vindo a crescer as suas vendas a um ritmo anual que tem variado entre os 5% e os 10%, com reflexo directo no crescimento das exportações do sector.

Do lado da procura, esta evolução muito positiva deveu-se a vários factores conjugados:

  • Retoma, moderada mas sustentada, da produção de automóveis na Europa
  • Espanha, principal cliente da indústria de componentes portuguesa, foi dos mercados com maior crescimento
  • A nossa indústria ganhou posições na Gra-Bretanha, aproveitando a revitalização da produção automóvel
  • Com excepção da América do Sul, Crescimento forte e sustentado da produção de automóveis no resto do mundo, que no total representam 8% do destino das nossas exportações
  • A partir de 2017, novos modelos lançados nas duas principais fábricas de automóveis portuguesas, com volumes de produção recorde.

Estes factores que levaram ao crescimento do nosso mercado terão nos próximos anos uma evolução previsivelmente menos positiva:

  • A produção de automóveis em Portugal e em Espanha estará a atingir um pico e a partir de 2019 dificilmente continuará a crescer, a não ser através da eventual instalação de um novo construtor automóvel, o que é apenas uma possibilidade longínqua.
  • O mercado europeu está a retrair-se, em 2018 produzir-se-ão na Europa menos carros do que em 2017
  • O Brexit poderá travar as nossas exportações para o Reino Unido, o quarto maior mercado das nossas exportações, e com forte probabilidade provocará alguma retração do mercado
  • O protecionismo comercial crescente por parte dos EUA irá reduzir as exportações europeias para esse destino e poderá ser copiado por outros países, levando a barreiras tarifárias que reduzirão o comércio internacional
  • As regulamentações de combate às emissões de: CO2, Dióxido de Nitrogénio (NO x) e partículas, estão a colocar exigências e desafios difíceis de superar
  • A pressão para electrificação traz desafios acrescidos para as motorizações tradicionais
  • As novas tendências da mobilidade irão trazer uma redução do número de carros em circulação.

Todos estes factores, quer cada um individualmente, quer no seu conjunto, estão a alterar significativamente a envolvente em que operam os fabricantes de componentes para a indústria automóvel. A AFIA e os agentes do sector estão a acompanhar esta evolução com atenção e apreensão.

 

 

 

Exportações de componentes automóveis voltam a aumentar

Mais um mês, mais um recorde absoluto: as exportações do setor cresceram até setembro 7% face ao período homólogo do ano passado, atingindo os 6,2 mil milhões de euros.


 

De janeiro a setembro deste ano, as vendas de componentes automóveis ao exterior, de acordo com os dados apurados pela Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel (AFIA), atingiram os 6,2 mil milhões de euros, o que representa um aumento de 7% face ao mesmo período de 2017.

A associação enfatiza que o volume de exportações atingido constitui um novo recorde em termos de exportações – que conseguiram atingir um crescimento de 64% ao longo desta década.

O crescimento representa, em termos de percentagem, um ligeiro abrandamento face aos 8% registados nas exportações acumuladas até agosto, o que pode ficar a dever-se ao aumento do total em referência. Os cálculos da AFIA têm como base as Estatísticas do Comércio Internacional de Bens divulgados a 9 de novembro, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

A União Europeia continua a ser o bloco económico para onde vai a grande maioria das exportações do setor: cerca de 90%, com uma taxa de crescimento que atingiu os 7,2% no acumulado até ao final do mês de setembro, um pouco abaixo da taxa de agosto. O resto do mundo responde por apenas 10% das compras, com uma taxa de crescimento da ordem dos 3,2%, idêntica à atingida no mês anterior.

O mercado espanhol – onde estão concentrados alguns dos clusters mais importantes da indústria automóvel – Vigo (onde a PSA tem sentido algumas dificuldades de crescimento) e na Catalunha – continua a ser aquele que maior produção industrial adquire a Portugal. Entre janeiro e setembro, Espanha absorveu mais 8,6% das exportações de componentes automóveis nacionais, com um volume de negócios que ascendeu a mais de 1,55 mil milhões de euros.

Logo a seguir surge o mercado alemão, que absorveu quase 1,3 mil milhões, e que continua a crescer acima do mercado espanhol: quase 12% no período em referência, o que demonstra que o cluster alemão continua a impor a sua força.

O mercado francês expandiu 2,9%, para os 886 milhões de euros – um crescimento que é bem menos pujante que o registado para os oito primeiros meses do ano, e que havia sido de 5,6%. As compras do Reino Unido continuam a registar sucessivas quedas face ao período homólogo do ano passado: a faturação de 627 milhões de euros representa uma queda de mais de 12%, o que terá a ver com as indefinições que continuam a existir em relação ao Brexit.

 

 

 

Exportações de componentes automóveis continuam a crescer

As exportações de componentes automóveis registaram nos primeiros nove meses de 2018 um aumento de 7% face a 2017

in AFIA, 12-11-2018


 

De acordo com os dados apurados pela AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel, de Janeiro a Setembro as vendas de componentes automóveis ao exterior atingiram os 6,2 mil milhões de euros, o que corresponde a um aumento de 7% face ao verificado no período homólogo do ano anterior.

Importa também referir no que respeita aos destinos das exportações dos componentes automóveis o aumento de 7,2% para a União Europeia e 3,2% para o resto do mundo.

Note-se ainda que os componentes automóveis representam 14% das exportações totais portuguesas de bens transaccionáveis.

Os cálculos da AFIA têm como base as Estatísticas do Comércio Internacional de Bens divulgados,9 de Novembro, pelo INE – Instituto Nacional de Estatística.

 

Para mais informações clique aqui (ficheiro pdf).

Indústria portuguesa de componentes automóveis mostra as suas mais recentes novidades na IZB

A AFIA – Associação de Fabricantes para a Industria Automóvel e a AEP – Associação Empresarial de Portugal, no âmbito do acordo de colaboração para a promoção internacional da indústria portuguesa de componentes para automóveis promoveram a participação nacional na IZB – International Suppliers Fair 2018, que teve lugar em Wolfsburg (Alemanha), entre os dias 16 e 18 de Outubro.

in AFIA, 19-10-2018


 

A IZB é um certame bienal e é a principal feira de negócios da Europa para a indústria fornecedora de componentes para automóveis, onde está representada toda a cadeia de valor da indústria automóvel. É uma iniciativa e organização da Wolfsburg AG e da Volkswagen AG e o tema desta edição de 2018 foi “Think Digital”.

Desde 2001, ano da sua inauguração, a IZB tem vindo a crescer tanto em número e qualidade de visitantes como de expositores. De 13.500 visitantes em 2001, chegou aos 50.000 em 2018 e de 128 expositores no início passou em 2018 para 860 expositores oriundos de 34 países.

No dia 16 de Outubro, Luís Castro Henriques, Presidente da AICEP, e Miguel Crespo, Delegado da AICEP na Alemanha, acompanhados por Tomás Moreira (Presidente da AFIA) visitaram as empresas portuguesas presentes no certame.

No stand colectivo da AEP / AFIA participaram 11 empresas: A.Henriques, Caetano Coatings, Couro Azul, CR Moulds, Edaetech, Epedal, Ferrão e Guerra, Fundínio, Grupo PR, Inapal Metal, TrimNW.

Adicionalmente participaram 3 empresas com stands individuais: Copefi, Pecol Automotive e a Idepa.

A AICEP Portugal Global também participou com um stand informativo.

A próxima edição realizar-se-á entre os dias 6 e 8 de Outubro de 2020, sendo que a AEP, a AFIA e a AICEP estão já a coordenar o pavilhão de Portugal. Estas entidades estão, em função da procura de participações para esta feira, a tentar alargar a área de exposição da representação Portuguesa para que mais empresas do sector possam participar.

 

Mais informações brevemente.

 

Legenda da esquerda para a direita: Tomás Moreira (Presidente AFIA), Luís Castro Henriques (Presidente AICEP), Adão Ferreira (Secretário-Geral AFIA), Miguel Crespo (Delegado AICEP na ALEMANHA)

 

 

 

Exportações automóveis com novo record absoluto

Exportações da indústria automóvel registaram nos primeiros oito meses de 2018 um aumento de 8% face a 2017

in AFIA, 11-10-2018


 

De acordo com os dados apurados pela AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel, de Janeiro a Agosto as vendas de componentes automóveis ao exterior atingiram os 5,5 mil milhões de euros, ou seja, um aumento de 8% face ao verificado no mesmo período do ano anterior.

Importa também referir no que respeita aos destinos das exportações dos componentes automóveis o aumento de 8,7% para a União Europeia e 3,2% para o resto do mundo.

Note-se ainda que os componentes automóveis representam 14% das exportações totais portuguesas de bens transacionáveis.

Os cálculos da AFIA têm como base as Estatísticas do Comércio Internacional de Bens divulgados, 10 de Outubro, pelo INE – Instituto Nacional de Estatística.

 

Para mais informações clique aqui (ficheiro pdf).

 

 

AFIA | Exportações de Componentes Automóveis – Janeiro-Agosto 2018

As exportações de componentes automóveis aumentaram +8% até Agosto.

in AFIA, 10-10-2018


 

De Janeiro a Agosto as vendas de componentes automóveis ao exterior, de acordo com os dados apurados pela AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel atingiram os 5,5 mil milhões de euros.

 

CLIQUE AQUI PARA MAIS INFORMAÇÕES (ficheiro pdf)

 

 

AFIA | COMUNICADO DE IMPRENSA | A Indústria Automóvel e o Consumo de Combustível

A AFIA foi chamada a pronunciar-se sobre o estudo levado a cabo pela Federação Europeia de Transportes e Ambiente afirmando que a indústria automóvel manipulou os dados do consumo de combustíveis dos automóveis.

in AFIA, 29-08-2018


Em primeiro lugar é de referir que este estudo não reflecte a realidade actual, pois a nova legislação WLTP (Procedimento de Teste Global harmonizado para Veículos Ligeiros – Worldwide Harmonized Light Vehicle Test Procedure), que entrará em vigor a 1 de Setembro de 2018 “corrigirá” estas diferenças nos níveis dos consumos.

Enquanto os dados do ciclo anterior NEDC (New European Driving Cycle) eram baseados num perfil de condução teórico, o novo ciclo WLTP foi desenvolvido usando dados de condições reais de condução recolhidos em todo o mundo. Assim, é concebido para produzir resultados mais próximos de uma experiência de condução real. Tudo para evitar a desconfiança que entretanto se gerou na indústria automóvel nesta matéria.

É de realçar que os valores anunciados pelos construtores se referem sempre a medições em laboratório. Devido às condições optimizadas em que os carros são testados, os valores de consumos e emissões assim apurados serão sempre mais favoráveis do que os resultantes da condução em estrada, sujeitos a uma grande variabilidade de parâmetros. Este desvio afecta todos os veículos automóveis, independentemente da sua motorização.

Há que ter presente que este efeito é legítimo, fisicamente inevitável e aceite pelos técnicos, mas também é conhecido pelo condutor comum e por isso mesmo sempre foi tomado em linha de conta na fixação dos limites legais, a avaliar em laboratório.

Não faria sentido agora uma atitude purista e hipócrita de penalizar os construtores pelo facto de as viaturas na condução em estrada registarem maiores consumos do que no laboratório.

Nunca será demais relembrar que as diferenças detectadas se referem a casos passados e que os construtores garantem que os carros actualmente à venda no mercado cumprem as normas e limites legais.

Estes limites têm vindo a baixar, levando a que os automóveis hoje no mercado consumam incomparavelmente menos combustível do que há poucos anos, com a consequente redução das emissões.

 

 

Exportações de componentes automóveis com record absoluto

No primeiro semestre deste ano as exportações de componentes automóveis registaram resultados muito positivos atingindo os 4.300 milhões de euros

in AFIA, 14-08-20018


De acordo com a AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel as exportações de componentes automóveis registaram um crescimento de 8,1% na primeira metade do ano, atingindo o resultado record de 4.300 milhões de euros, quando comparadas com os resultados do mesmo período do ano passado. Esta informação surge com base nos dados de comércio internacional de bens divulgados recentemente pelo INE.

Em relação aos destinos das exportações a AFIA refere que estes mantêm também a mesma tendência apresentando Espanha e Alemanha como os principais destinos, seguidos de perto pela França e Inglaterra. O conjunto destes quatro países representam assim, 71% do total das exportações, estando os restantes 29% distribuídos por outros países europeus e outros de fora da Europa, como os Estados Unidos da América, Marrocos, Turquia, Coreia do Sul e China.

É ainda de notar que neste mesmo período as exportações de bens transacionáveis aumentaram 6,6%, sendo os componentes automóveis responsáveis por 15% do total das exportações portuguesas. Dos resultados aqui registados é ainda de destacar o facto da indústria de componentes ter crescido mais do que a média da restante indústria transformadora, de acordo com os mesmos dados fornecidos pelo INE.

 

Clique aqui para informação mais detalhada (ficheiro pdf)

 

 

Vigoroso aumento das exportações de Componentes para a Indústria Automóvel

As exportações de componentes automóveis atingiram um valor de 3600 milhões de euros para o período de Janeiro a Maio. Comparativamente com período homólogo do ano transacto, este valor representa um crescimento de 9%.

in AFIA, 20-07-2018


Este vigoroso crescimento do valor das exportações está muito acima do crescimento global do mercado, e em particular do mercado europeu para o qual é esperado um crescimento um pouco acima de 2% para o ano de 2018. Isto quer dizer que a indústria portuguesa de componentes para a indústria automóvel continua a conquistar quota de mercado, crescendo a taxa bem acima da taxa de crescimento do mercado automóvel.

As exportações de componente são dirigidas maioritariamente para o mercado europeu, Espanha e Alemanha são os destinos prioritários, logo seguidos de França e Inglaterra. Estes quatros países absorvem 71% do total das exportações de componentes, os restantes 29% vão para destinos diversos, como: restante países europeus, Estados Unidos da América, Marrocos, Coreia do sul e China. Estes valores traduzem a exportação directa, já que acrescem as exportações indirectas por incorporação de componentes de fabrico nacional nas viaturas montadas em Portugal e posteriormente exportadas, valor acima de 500 milhões de euros.

Neste mesmo período as exportações portuguesas de bens transaccionáveis aumentaram 6%. Isto significa que a indústria de componentes tem um desempenho exportador acima de restante indústria transformadora.

As exportações de componentes automóveis são responsáveis por 15% das exportações portuguesas.

Este excelente desempenho da indústria de componentes automóveis não deixa de ter algumas preocupações no horizonte temporal se o País Político não souber encontrar as respostas adequadas para que a competitividade do sector seja, como mínimo, preservada, e, desejavelmente melhorada.

Temas como a flexibilidade laboral, a adequada qualificação profissional, a disponibilidade de pessoas que permitam o crescimento, os custos de contexto que tem que ser reduzidos, o premente problema dos fluxos logísticos de e para Portugal, são algumas das questões que se não forem atempadamente encontradas soluções eficientes e eficazes, irão colocar o desempenho do sector em causa, afectando-o negativamente.

 

Clique aqui para informação mais detalhada (ficheiro pdf)

 

 

Presidente da AFIA eleito para o Conselho Director da CLEPA

A cidade holandesa Haia foi o palco da mais recente Assembleia-Geral da CLEPA onde Tomás Moreira, Presidente da AFIA, foi eleito para o Conselho Director da CLEPA para o período 2018-2020.

in AFIA, 20-06-2018


A eleição foi efectuada no passado dia 14 de Junho tendo recolhido a unanimidade dos votos dos presentes.

A CLEPA – European Association of Automotive Suppliers, associação europeia dos fornecedores da indústria automóvel, fundada em 1959 e com sede em Bruxelas é a entidade que defende os interesses do sector a nível europeu sendo reconhecida como parceira natural de discussão por outras instituições europeias, pelas Nações Unidas e por outras associações parceiras.

A CLEPA reúne mais de 120 dos mais importantes fornecedores de componentes para automóveis, sistemas e módulos, bem como mais de 20 associações nacionais, entre as quais a AFIA, assim como outras associações sectoriais europeias.

A indústria europeia de componentes automóveis é líder mundial no fornecimento de componentes de ponta e tecnologia inovadora para a mobilidade segura, inteligente e sustentável, investindo mais de 20 mil milhões de euros por ano em investigação e desenvolvimento.

Os fornecedores da indústria automóvel empregam, na Europa, quase cinco milhões de pessoas.

A eleição de Tomás Moreira para o Conselho Director da CLEPA vem dar uma força e visibilidade acrescida à AFIA e consequentemente à indústria portuguesa de componentes automóveis, sendo esta nomeação o reconhecimento do prestígio individual do nomeado, mas também o reconhecimento da crescente importância internacional da indústria de componentes automóveis portuguesa.