El Ineos Grenadier, desde el prototipo a la producción

Ineos sigue avanzando en el proceso que le llevara a entregar las primeras unidades de su todoterreno Grenadier a principios de 2022.

in AutoRevista, 17-02-2021


La compañía ha compartido un nuevo video en el que se detallan las rigurosas pruebas previas para garantizar que el modelo sea capaz de responder a todo aquello para lo que ha sido concebido. Antes de comenzar la producción en serie, desde la compañía señalan que más de 200 prototipos se llevarán al límite absoluto, de los que 80 son prototipos 2B fabricados por Magna Steyr en Graz (Austria).

Desde Ineos explican que “250 especialistas de Magna Steyr dedican hasta dos días de trabajo específico a cada vehículo, fabricando piezas individuales, soldando a mano y asegurando los más altos niveles de calidad en cada etapa del proceso. Eso incluye el ajuste de precisión de la totalidad del vehículo, desde el motor y la transmisión hasta la carrocería y el chasis”.

En la fase de prototipos, el Grenadier adquiere su aspecto absolutamente diferenciado  cuando el marco y la carrocería se unen. En esta etapa, se verifica hasta el último detalle. Cuando todos los componentes están instalados de forma segura, se realizan controles de calidad finales, al igual que en los vehículos de producción. El prototipo está listo para recorrer miles de kilómetros de pruebas y recopilación de datos en el mundo real.

Para la misión que ya constituye uno de los principales lemas de Ineos, que el Grenadier signifique “construir el todoterreno definitivo”, la compañía adquirió la factoría de Daimler en Hambach (Francia), donde se ha fabricado durante dos décadas y media el modelo smart. Ineos remarca que se trata de “una de las plantas más avanzadas del mundo con fuerza laboral altamente cualificada, se nos presentó una oportunidad comercial única” a la hora de elegirla como emplazamiento para la fabricación del Grenadier.

“Nuestra fábrica de Hambach se benefició recientemente de una inversión de 500 millones de euros por parte de Mercedes-Benz para permitir la producción de vehículos más grandes. Esta línea de producción de fácil adaptación permite a nuestros equipos de fabricación e ingeniería concentrarse exclusivamente en la calidad”, añaden fuentes de Ineos.

 

En la fabricación de piezas para los prototipos se busca el máximo grado de calidad.
Foto: Ineos

 

Multimilionário inglês vai criar 20 empregos em Gaia após desistir de fábrica em Estarreja | INEOS

A Ineos Automotive, de Jim Ratcliffe, vai duplicar a equipa de quadros em Portugal, que irá apoiar a chegada ao mercado do novo veículo Grenadier 4×4, cujo chassi e carroçaria iriam ser produzidos em Estarreja, num investimento de 300 milhões de euros, que foi suspenso em julho.

in Negócios, por Rui Neves, 26-01-2021


Em setembro de 2019, o grupo inglês Ineos Automotive anunciava que a produção do seu novo todo o terreno Grenadier seria feita a meias entre Portugal e o País de Gales, com Estarreja a receber um investimento de 300 milhões de euros e a criação de 500 postos de trabalho.

A unidade de Estarreja ficaria responsável pela carroçaria, pelo chassis e pela pintura – com a Ineos a admitir que poderia no futuro vir também a produzir veículos -, com a montagem final a ser feita na fábrica de Bridgend.

Há precisamente um ano, no dia 22 de janeiro de 2020, o grupo controlado por Jim Ratcliffe, que, segundo a Forbes, é o quinto homem mais rico do Reino Unido – com uma fortuna avaliada em 17,8 mil milhões de dólares (14,6 mil milhões de euros) – assinava um protocolo com a Câmara de Estarreja para a construção de uma fábrica de automóveis todo-o-terreno no Eco Parque Empresarial local.

Foi então avançado que as obras deveriam começar três meses depois, em abril, com a produção das primeiras unidades previstas para o primeiro semestre de 2022.

Na sua capacidade máxima, a fábrica iria produzir cerca de 25 mil SUV por ano.

Entretanto, chegou a pandemia. Face à crise económica provocada pela covid-19, a Ineos desistiu do projeto. A 4 de julho, a Câmara de Estarreja anunciava que o grupo inglês tinha suspendido o investimento neste concelho.

Também Bridgend perdeu este projeto, com a Ineos a abandonar os planos industriais na Inglaterra, concentrando toda a produção na fábrica que comprou à Daimler (Mercedes-Benz) em Hambach, França.

Instalação e duplicação da equipa no central empresarial Candal Park

Entretanto, esta terça-feira, 26 de janeiro, a assessoria de comunicação da Ineos ibérica contactou o Negócios para anunciar que decidiu instalar a sua equipa em Portugal no centro empresarial Candal Park, em Vila Nova de Gaia, onde irá “duplicar a força de trabalho existente, com a criação de mais de 20 novos postos de trabalho”.

Um reforço que visa apoiar “a cadeia de fornecimentos e as operações de aquisições da empresa, no apoio à produção do Grenadier 4×4”, que deverá começar “ainda este ano”.

“O nosso escritório em Portugal foi crucial no estabelecimento da cadeia de abastecimento da Ineos Automotive na Europa e este último investimento é a prova do desempenho excecional da equipa existente”, sublinha Oliver Frille, diretor de compras e SCM do grupo britânico, em comunicado.

“A expansão da equipa permite que a Ineos Automotive continue no caminho certo para iniciar as entregas do Grenadier aos clientes em 2022”, enfatiza o grupo, prometendo que a equipa gaiense deverá “continuar a aumentar nos próximos dois anos”, acompanhando a evolução da produção em Hambach, e “os projetos futuros da Ineos automotive”.

 

 

INEOS and Hyundai Motor Company cooperate on driving the Hydrogen Economy Forward

  • Hyundai and INEOS signed a memorandum of understanding to explore together new opportunities in the hydrogen economy
  • Opportunities include production and supply of hydrogen as well as new hydrogen applications, technologies and business models
  • The two companies will also work together to explore the use of the Hyundai fuel cell system in the INEOS Grenadier vehicle

in INEOS / Hyundai Motor Company, 22-11-2020


Hyundai Motor Company and INEOS today announced the signing of a memorandum of understanding to explore new opportunities to accelerate the global hydrogen economy.

Hyundai and INEOS will jointly investigate opportunities for the production and supply of hydrogen as well as the worldwide deployment of hydrogen applications and technologies. Both companies will initially seek to facilitate public and private sector projects focused on the development of a hydrogen value chain in Europe.

The agreement also includes the evaluation of Hyundai’s proprietary fuel cell system for the recently announced INEOS Grenadier 4×4 vehicle. This cooperation represents an important step in INEOS’ efforts to diversify its powertrain options at an early stage.

Hyundai’s proprietary modular fuel cell system, which evaluation vehicles will use, has already proven reliable and effective in the Hyundai NEXO SUV. The world’s first dedicated hydrogen-powered SUV has the longest driving range among hydrogen-powered vehicles in the market. Hyundai is one of leading company in the field of fuel cell technology having started the world’s first mass production of fuel cell electric vehicles in 2013.

© Hyundai Motor Company 2020

“INEOS’ move into the development of a fuel cell electric vehicle and hydrogen ecosystem marks yet another milestone towards sustainable and clean transportation,” said Saehoon Kim, Senior Vice President and Head of Fuel Cell Center at Hyundai Motor Company. “Hyundai believes this will provide an important low-carbon option across a wide range of sectors. We also hope our decades-long expertise in hydrogen fuel cell work in synergy with INEOS’ expertise in field of chemistry to realize the mass production of green hydrogen and fuel cells for the Grenadier.”

Peter Williams Technology Director INEOS, said, “The agreement between INEOS and Hyundai presents both companies with new opportunities to extend a leading role in the clean hydrogen economy. Evaluating new production processes, technology and applications, combined with our existing capabilities puts us in a unique position to meet emerging demand for affordable, low-carbon energy sources and the needs of demanding 4×4 owners in the future.”

INEOS recently launched a new business to develop and build clean hydrogen capacity across Europe in support of the drive towards a zero-carbon future. The company currently produces 300,000 tons of hydrogen a year mainly as a by-product from its chemical manufacturing operations.

Through its subsidiary INOVYN, INEOS is Europe’s largest existing operator of electrolysis, the critical technology that uses renewable energy to produce hydrogen for power generation, transportation and industrial use. Its experience in storage and handling of hydrogen combined with its established know-how in electrolysis technology, puts INEOS in a unique position to drive progress towards a carbon-free future based on hydrogen.

In 2018, Hyundai Motor Group announced its mid-to long-term roadmap, Fuel Cell Vision 2030, to increase annual production of hydrogen fuel cell systems to 700,000 units by 2030.

 

Escolher as ferramentas certas para gestão da cadeia logística: o caso da INEOS Automotive

Artigo de Joana Carneiro Moreira, consultora de Gestão e Engenharia Industrial no INEGI

in INEGI, 15-10-2020


O avanço das tecnologias de informação tem vindo a permitir às empresas um nível de controlo sob as suas cadeias logísticas (supply chain, em inglês) que antes era inimaginável. Facto que explica, e ao mesmo tempo, impulsiona, a complexa competitividade global com que as empresas se deparam, obrigando-as não só a ter processos eficazes dentro de portas, mas operações sincronizadas com todos os parceiros da cadeia de abastecimento.

Em todas as fases da cadeia logística – desde o planeamento, a obtenção da matéria-prima, produção, inventário, armazenamento, transporte, revenda, até finalmente chegar às mãos do cliente – a comunicação e o fluxo de informação são elementos de grande importância, cujo volume exige ferramentas avançadas de processamento.

Processar esta informação, isto é, transformá-la em algo de valor capaz de contribuir para a definição de estratégias de otimização e eficiência, significa obter uma maior visibilidade, maior controlo dos custos, maior precisão e capacidade de resposta.

Com o sistema de informação certo, os decisores das empresas têm em mãos os dados operacionais em tempo real, permitindo-lhes tomar melhores decisões, bem como agilizar a troca de informação em toda a cadeia.

Adaptar o sistema à realidade da empresa

Reconhecendo a vantagem competitiva que uma boa gestão oferece, a INEOS Automotive recorreu recentemente ao serviço de consultoria de Gestão e Engenharia Industrial do INEGI para apoiar a seleção de sistemas de informação que melhor suportem as necessidades especificas da empresa.

O grupo inglês INEOS foi fundado em 1998 e é atualmente um conglomerado com atividade nas áreas da petroquímica, desporto e, mais recentemente, no setor automóvel. A INEOS Automotive, submarca fundada em 2017, lança-se agora na produção de automóveis todo-o-terreno. Apesar da decisão pendente de uma possível instalação de fabrico, a INEOS está prevista estabelecer um centro de competência na zona do Porto.

Pedro Vasconcelos, responsável pela digitalização da cadeia de logística na INEOS, destaca que “a empresa pretende conceber de raiz os diferentes processos da sua cadeia logística, procurando assim garantir, desde o seu início, uma operação o mais otimizada possível”.

Para os ajudar a atingir este objetivo, os consultores do INEGI, cujas competências em Logística e Supply Chain Management são amplamente reconhecidas, trabalharam em conjunto com a INEOS Automotive para mapear os requisitos técnicos dos processos de cada equipa da cadeia, tendo depois realizado um benchmarking de mercado que permitiu o «casamento» entre as necessidades e as funcionalidades que cada solução oferece, e construído uma shortlist de fornecedores/soluções.

Durante este processo, também foi considerada a integração dos novos sistemas de informação propostos com outros sistemas tecnológicos previamente escolhidos. Esta integração é essencial, não apenas para sistemas relacionados com a cadeia logística, mas também para sistemas de outros departamentos, como o comercial, por exemplo. Igualmente importante à adaptação à realidade operacional, é garantir a compatibilidade e adaptabilidade plug-and-play entre sistemas, para que estes possam ser utilizados na sua capacidade máxima, evitando o uso de outras ferramentas de suporte que não sejam tão robustas.

Como Alcibíades Guedes, especialista em supply chain management e presidente do INEGI, salienta “a nossa experiência permite-nos afirmar que garantir a visibilidade em tempo real e o controlo operacional dos fluxos ao longo da cadeia de logística é de grande importância para minimizar tempos de execução, reduzir stocks, cumprir prazos de entrega, e otimizar da eficiência operacional”.

Em resumo, escolher a tecnologia certa é muitas vezes uma das decisões mais impactantes que uma empresa toma relativamente à sua operação logística. Uma escolha acertada resulta numa eficaz e eficiente recolha e tratamento dos dados, e no acompanhamento em tempo real dos diferentes processos. Já uma escolha errada pode não se adaptar ou crescer com os seus negócios, ou criar um ecossistema tecnológico desarticulado, e suscetível a disfunções.

http://www.inegi.pt/pt/noticias/escolher-as-ferramentas-certas-para-gestao-da-cadeia-logistica-o-caso-da-ineos-automotive/

 

 

Ineos submits offer to buy Daimler’s Smart plant to build Land Rover Defender rival

STUTTGART — Petrochemicals giant Ineos has submitted a binding purchase offer for Daimler’s Smart factory in France to build the Grenadier SUV, its rival to the Land Rover Defender.

in Automotive News Europe, by Michael Gerster | Automobilwoche, 26-08-2020


Negotiations for the sale were “positive and well advanced,” a Daimler spokesman told Automobilwoche, a sister publication of Automotive News Europe.

Ineos plans to manufacture 25,000 Grenadiers annually at the plant in Hambach, northern France.

Ineos sees itself on the home stretch in the purchase process.

“Although the contract has not yet been concluded, we are confident that agreement will be reached on the terms and conditions and that the Grenadier’s new home will be France,” an Ineos spokesman told Automobilwoche.

Ineos did not comment on the amount of the purchase offer.

Ineos originally planned to build the Grenadier at a new plant in Bridgend, Wales, with the car’s body and ladder-frame chassis built in a separate plant in Portugal. The company scrapped those plans after Daimler said it was looking for a buyer for the Smart factory as it reduces production capacity following the impact of the coronavirus pandemic.

“Hambach is a great solution for Ineos, with a very experienced workforce and an excellent track record among Mercedes plants in terms of product production quality,” the Ineos spokesman said.

Production of Smart models will move to China from France after Daimler last year said it will build next-generation Smart vehicles through a joint venture with Geely.

The Daimler spokesman said a decision on the Hambach factory sale will be made when talks with employee representatives have been concluded.

“An important goal is to secure the future of the site,” the spokesman told Automobilwoche.

Daimler has direct responsibility for nearly 1,000 employees at Hambach and indirect responsibility for about 600 who work at suppliers, according to Daimler works council leader Michael Brecht. “The goal, of course, is to find a future for all 1,600 people,” he said.

The Smart factory opened in 1997 to build the two-seat Smart ForTwo but Daimler recently invested in the facility to build the EQB electric crossover for Mercedes-Benz, meaning it can accommodate larger vehicles.

According to Automobilwoche sources, the EQB will now be built either in Rastatt, Germany or in Kecskemet, Hungary. The EQB is scheduled to debut this year.

 

image: The Grenadier will be aimed at fans of the original Land Rover Defender.

 

Castelo Branco na produção do primeiro carro elétrico da Maserati

Fábrica da Aptiv está a ampliar as instalações e já começou o recrutamento de 200 trabalhadores. Jipes INEOS também fizeram contrato

in Jornal do Fundão, por Célia Domingues, 19-08-2020


A fábrica da Aptiv em Castelo Branco foi escolhida para integrar a linha de produção dos primeiros automóveis elétricos da prestigiada marca italiana Maserati.

A antiga Delphi está a ampliar e a adaptar as instalações na zona industrial albicastrense para poder dar resposta às encomendas já contratualizadas, que se referem, como é habitual, à produção de toda a cablagem elétrica dos veículos.

Será, portanto, a primeira unidade industrial em Portugal a participar no novo quadro elétrico dos carros do futuro da Maserati, 100 por cento ecológicos. Ao que tudo indica, trata-se dos novos modelos GranTurismo e GranCabrio, que chegarão apenas no próximo ano, embora a designação ainda não esteja confirmada de forma oficial.

 

Presidente da AFIA lamenta cancelamento do projeto da INEOS que seria “indutor” de novos investimentos

“Para Estarreja, para a região e para todo o cluster automóvel do país é um retrocesso. A empresa traria um volume acrescentado para a indústria, sobretudo numa região que está organizada e possui capacidade de resposta a estes desafios”.

in Notícias de Aveiro, 09-07-2020


É assim que o presidente da Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel (AFIA) comenta a suspensão do projeto da INEOS Automotive que estava a ser executado em Estarreja, já numa fase de preparação do terreno no Eco Parque Empresarial e contratação de pessoal no âmbito de um investimento inicial de 300 milhões de euros e duas centenas de empregos.

“Ficámos surpreendidos, obviamente. Tudo se conjugava, pelos avanços feitos. A nossa posição era de grande regozijo e otimismo, embora não fosse de grande dimensão, iria criar postos de tradutor e ser um projeto indutor de outros investimentos, chamando a atenção para as competências e desenvolvimentos feitos pela indústria”, referiu José Couto em declarações ao programa da Comunidade Portuária de Aveiro na Rádio Voz da Ria.

A INEOS fez contas e concluiu que a quebra de vendas no setor automóvel devido à pandemia do Covid-19, de 20 a 30%, nos próximos anos, inviabiliza uma fábrica nova, optando por produzir numa linha já existente, avançando nesse sentido com a aquisição de uma unidade em França.

José Couto vê “sensatez” nos argumentos apresentados pelo investidor inglês, apesar da frustração das expetativas criadas em Portugal.

Isto com a agravante de suceder num momento em que a indústria, no geral, está a sofrer com o abalo da crise sanitária, com estimativas a apontarem para quebras de 30% na produção destinada aos construtores de automóveis.

“Depois de crescermos a 7% ao ano, não vamos conseguir manter estruturas de recursos humanos e de viabilidade económica. Pela dimensão do cluster, não pode deixar de ser olhado com muita atenção por parte do Governo”, alertou o presidente da AFIA, lembrando que “outros países” posicionam-se para “promover competências e capacidades” indo ao encontro “dos grandes desafios” que os clientes colocam para manter fornecedores.

Discurso direto

“Temos de adequar rapidamente a estratégia dos nossos portos às necessidades da indústria automóvel, têm de ter preços competitivos. Todos os dias são colocados contentores em cima de camiões para mandar para o centro da Europa, o que será cada vez mais caro e os nossos clientes vão recusar e baixar preços, pelo que teremos de sacrificar margem. Há uma oportunidade de tratar do que faz falta, para ser parte da solução. Seremos menos competitivos na logística se não pensarmos na ligação ferroviária ao centro da Europa, é uma componente importantíssima para os nossos portos, esta resposta tem de ser dada ” – José Couto, presidente da AFIA.

 

Ineos may switch vehicle production to France, puts Welsh ops on hold

Britain’s Ineos, which is planning to build an off-roader in Wales to rival the likes of the Land Rover Defender, may make it in France instead at a factory Daimler has put up for sale.

in Reuters, by Costas Pitas, 07-07-2020


“As a result of the COVID-19 pandemic some new options such as this one… have opened up that were simply not available to us previously,” Ineos Automotive boss Dirk Heilmann said.

German carmaker Daimler said on Friday it wanted to sell its factory in Hambach in northeast France as it looks to cut costs.

Petrochemicals firm Ineos is run by pro-Brexit billionaire Jim Ratcliffe, who is ranked number five on The Sunday Times Rich List.

The company has said it would build the Grenadier off-roader in Wales, creating up to 500 jobs, and that a new plant in Portugal would produce the body and chassis.

But the COVID-19 pandemic has seen demand for vehicles slump and worsened problems affecting overcapacity, just as the sector pumps billions into electric models to meet emissions rules.

Jaguar Land Rover’s decision to stop making its classic Defender 4×4 in 2016 after 68 years, ahead of a replacement which was launched in 2019, prompted Ineos to announce plans for its own vehicle.

The French government has urged Daimler to keep all options open, including retaining the Hambach site which makes variants of its Smart cars.

Daimler plans to move production to China as part of a joint venture with carmaker Geely.

Ineos’ planned Welsh site in Bridgend, next to where Ford is due to shut its engine site, was a bright spot last year for an industry hit by major plant closure announcements from the U.S. carmaker and Honda.

Ineos said it would consider its options over the next few weeks.

“We have therefore suspended the post-lockdown resumption of work at our sites in Wales and Portugal pending the outcome of this review,” it said in a statement.

 

FILE PHOTO: Jim Ratcliffe, CEO of British petrochemicals company INEOS, poses for a portrait with the Canary Wharf financial district seen behind, ahead of a news conference announcing the launch of a British America’s Cup sailing team in London, Britain, April 26, 2018. REUTERS/Toby Melville/File Photo

 

 

Pandemia leva INEOS a suspender investimento

A empresa INEOS Automotive transmitiu à Câmara Municipal de Estarreja “a difícil decisão de suspender o investimento em Estarreja tendo em conta uma reavaliação das opções que agora se colocam face à crise provocada pela pandemia COVID-19.”

in CM Estarreja, 04-07-2020


Estarreja não escapou às ondas de choque da pandemia COVID-19, cujos efeitos são devastadores na economia mundial.

Sublinhando que a decisão não teve absolutamente nada a ver com uma mudança da visão de Estarreja/ Portugal como local de produção, a empresa aponta como principal razão para esta decisão a mudança de paradigma devido à diminuição da produção regular dos fabricantes de automóveis na Europa, forçada pela previsão de redução das vendas no setor automóvel na ordem dos 20% a 30% para os próximos anos.

De acordo com Dirk Heilmann, CEO da Ineos Automotive, este novo cenário permitirá à INEOS produzir o Grenadier numa unidade industrial já em funcionamento, usufruindo da força de trabalho com histórico de construção na área automóvel e da capacidade técnica instalada que possibilita a fabricação de outro produto, anulando os riscos inerentes à construção e arranque de uma nova unidade fabril.

Esta decisão constitui um duro golpe para o município estarrejense. O Presidente da Câmara Municipal, Diamantino Sabina, reage ao comunicado. “Para Estarreja é uma triste notícia! Um revés naquilo que poderia ser um salto qualitativo considerável em termos económicos e sociais. A COVID-19, neste caso, foi-nos fatal. Não podemos, contudo, esmorecer! O Eco Parque Empresarial de Estarreja continua a registar uma procura considerável, e com investimentos anunciados também muito interessantes. As nossas empresas continuam a produzir e a gerar riqueza, demonstrando no conjunto uma forte capacidade para ultrapassar a crise económica imposta por esta terrível Pandemia.”

 

INEOS Automotive Reveals the Design of its Upcoming 4×4, The Grenadier

INEOS Automotive today reveals the exterior design of the Grenadier, its forthcoming, no-nonsense 4×4 vehicle for the world, another step on the road towards start of production.

in INEOS Automotive, 01-07-2020


  • Form follows function” in an engineering-led design process focused on delivering a vehicle to do a job
  • Development programme moving forward, with prototype testing now on the march towards accumulating 1.8 million kilometres on and off-road over the coming year
  • Created to fulfil the vision of adventurer and INEOS Group Chairman, Sir Jim Ratcliffe, the Grenadier will be a capable, durable and reliable 4×4 designed and built to handle the world’s harshest environments
  • #GrenadierUnwrapped

Built from the ground up on an all-new platform, the INEOS Grenadier has been designed on purpose: namely to meet the demands of its future owners for a rugged, capable and comfortable go-anywhere working vehicle.

“The brief was simple. We set out to design a modern, functional and highly capable 4×4 vehicle with utility at its core”, said Toby Ecuyer, Head of Design. “A design that is ‘easy-to-read’, with no ambiguity about the Grenadier’s role in life.  There to do everything you need, and nothing you don’t. Nothing is for show. Modern engineering and production techniques ensure the Grenadier is highly capable, but we have been able to stay true to the essence of creating a utilitarian vehicle that will stand the test of time”.

Dirk Heilmann, INEOS Automotive’s CEO, said: “We are delighted to be able to share the design of the Grenadier so early in the process. Most manufacturers would hold back, but we are a new business, building a new brand, and we want to take people with us on this exciting journey.

“Showing the design now allows us to focus on the critical next phase of the vehicle’s development, testing its capability and durability.  We have a very challenging programme ahead, as we put prototypes through their paces in all conditions, on the way to accumulating some 1.8 million test kilometres over the coming year.  From today the covers are off. Testing ‘in plain sight’ without the need for camouflage wrapping, foam blocks or fake panels is an added benefit.”

Sir Jim Ratcliffe, Chairman of INEOS, said: “The Grenadier project started by identifying a gap in the market, abandoned by a number of manufacturers, for a utilitarian off-road vehicle.  This gave us our engineering blueprint for a capable, durable and reliable 4×4 built to handle the world’s harshest environments. But it had to look the part as well. As you will see today, Toby and his team have done a great job in delivering a design that is both distinctive and purposeful.”