Skip to main content

Resultados Preliminares 2023: Bosch aumenta vendas e resultados apesar das adversidades

Fragilidade do ambiente económico aumenta a pressão nos custos – alcance da margem alvo adiado

in Bosch, 07-02-2024


  • Através de um esforço supremo: as vendas ajustadas à taxa de câmbio aumentaram 8 por cento, alcançando os 91,6 mil milhões de euros / a margem EBIT das operações subiu para 5 por cento.
  • Presença abrangente: gestão focada do portefólio fortalece a direção estratégica.
  • Reestruturação: o setor de negócios integrado da área de Mobilidade está “em operação” desde janeiro de 2024.
  • Stefan Hartung: “Apesar das adversidades no ano de negócios de 2023, continuámos a investir proactivamente em tecnologias que vão moldar o futuro, especialmente aquelas relacionadas com a ação climática.”
  • Markus Forschner: “O vento contrário persiste, por isso temos vindo a adiar a nossa timeline para alcançar a margem alvo que definimos como objetivo. Devemos continuar a equilibrar o uso eficiente de recursos de capital e a nossa rentabilidade para financiar o crescimento futuro.”

O Grupo Bosch correspondeu às suas expectativas apesar dos desafios do ano comercial de 2023: de acordo com números preliminares, o fornecedor de tecnologia e serviços gerou vendas de 91,6 mil milhões de euros e, portanto, cresceu 8 por cento após ajuste para efeitos cambiais (crescimento nominal de 4 por cento). A margem EBIT das operações atingiu 5 por cento, uma ligeira melhoria face ao ano anterior (4,3 por cento), correspondendo assim às expectativas. “Para a Bosch, 2023 foi mais difícil do que o esperado. Através de um esforço supremo, conseguimos aumentar as nossas vendas e melhorar as nossas margens. Fizemos progressos apesar dos fortes ventos contrários”, afirma Dr. Stefan Hartung, presidente do conselho de administração da Robert Bosch GmbH, na apresentação dos números preliminares dos negócios da empresa. “Dadas as condições difíceis, esta é uma conquista impressionante por parte dos nossos colaboradores. Os próximos anos vão exigir muito de todos nós também.”

No último ano fiscal, a Bosch conseguiu expandir ainda mais as suas áreas de crescimento, avançar na transformação do seu negócio de mobilidade e fortalecer a competitividade de todas as suas áreas de negócio. “Continuamos a investir proactivamente em tecnologias que moldarão o futuro – especialmente tecnologias relacionadas com a ação climática. No entanto, estamos a observar um atraso na penetração de mercado de tais tecnologias, e o impulso do mercado diminuiu. Precisamos responder à situação mais fraca de pedidos e trabalhar arduamente na nossa competitividade – é a única forma de financiarmos o nosso crescimento futuro.” Dadas estas circunstâncias, a Bosch espera que haja a necessidade de ajustes em várias áreas, como o setor de negócios de Mobilidade. Este último iniciou recentemente conversações sobre isso com os representantes dos trabalhadores. Quaisquer ajustes de pessoal necessários devem ser tão socialmente aceitáveis quanto possível. De acordo com o acordo laboral concluído com os representantes dos trabalhadores no verão de 2023 para as localizações de Mobilidade na Alemanha, até ao final de 2027, os despedimentos não estão em cima da mesa. “A mudança só pode ter sucesso através da parceria social. Estamos também comprometidos com a Alemanha enquanto localização industrial e, em particular, como local de produção”, afirma Hartung. Além disso, a Bosch pretende continuar a contratar em áreas de negócio particularmente promissoras e requalificar o maior número possível de colaboradores para os transferir de áreas em declínio para áreas em crescimento. Até 2030, a empresa planeia gastar cerca de 4 mil milhões de euros no total em formação e requalificação. Isso também requer disponibilidade por parte dos colaboradores.

Política climática: instabilidade enfraquece a dinâmica do mercado

A luta contra as alterações climáticas continua a ser uma preocupação importante para empresas tecnológicas como a Bosch e está a abrir inúmeras oportunidades de negócio. A Bosch apresentou recentemente tecnologias e soluções para a utilização sustentável de energia na CES, a feira de eletrónica de consumo sediada nos EUA. Hartung acredita que as atuais políticas climáticas estão a desestabilizar o ambiente de negócios para muitas empresas. “Quando a implementação é inconsistente, como vimos recentemente com a súbita abolição dos subsídios para carros elétricos na Alemanha, surgem problemas”, afirma. “Uma estrutura política errática impede decisões de compra a longo prazo. A economia precisa de mais previsibilidade – na verdade, tanto quanto possível.” Ao mesmo tempo, Hartung demonstra compreensão para com os responsáveis políticos: muitos governos em países ocidentais estão sob pressão de austeridade e críticas populistas, ao mesmo tempo em que precisam proteger a prosperidade e mitigar o aquecimento global.

Estratégia de crescimento: investimento para complementar a inovação

Mesmo na atual situação económica frágil, a Bosch está a fazer progressos e a manter-se fiel aos seus objetivos estratégicos: a empresa pretende ser um dos três principais fornecedores nos seus principais mercados e posicionar-se de forma eficaz em todas as regiões do mundo. “Mesmo e especialmente em tempos de transformação, a nossa ampla presença em indústrias e regiões revela-se inestimável”, reforça Hartung. “No entanto, isso não exclui uma gestão de portfólio focada.” Isto inclui a decisão de concentrar a divisão de Tecnologia de Energia e Edifícios no negócio de integração de sistemas e vender a maior parte do seu negócio de produtos. Além disso, a Bosch adquiriu a Climatec em 2015 e a Paladin Technologies no ano passado, a fim de fortalecer a sua posição no mercado norte-americano de automação predial.

A Bosch está também a expandir com sucesso as áreas de crescimento que definiu, como é o caso do negócio dos semicondutores. Com o investimento na joint venture europeia ESMC e a aquisição de uma fábrica de chips em Roseville, EUA, a Bosch tomou decisões de investimento significativas em 2023. A empresa pretende crescer ainda mais com a fabricação de chips de carboneto de silício (chips de SiC). Esses semicondutores são usados na eletrónica de potência de carros elétricos e podem aumentar a autonomia. “Ao construir estruturas de carboneto de silício verticalmente e não mais num plano horizontal, podemos aumentar ainda mais a densidade de potência dos chips. Fomos o primeiro fabricante de SiC a colocar esta tecnologia na estrada e, com a segunda geração, conseguimos aumentar o desempenho em mais 30 por cento em 2023”, afirma Hartung, apontando para a força inovadora da empresa. “Na Bosch, o investimento complementa a inovação.” A partir de 2026, a Bosch planeia fabricar os primeiros chips SiC estruturados verticalmente em wafers económicos de 200 milímetros.

Transformação na indústria da mobilidade: padronização para promover a eletromobilidade

A Bosch está a responder à transformação da indústria automóvel com a maior reestruturação do seu núcleo de negócios na história da empresa. O setor de negócios integrado de Mobilidade está em vigor desde o início de 2024. Uma das suas novas características é a responsabilidade horizontal por três áreas de importância futura: software, semicondutores e computadores de veículos. À medida que a Bosch avança para a mobilidade do futuro, planeia melhorar a forma como aproveita as tecnologias emergentes e estabelecidas para maximizar as suas oportunidades de negócio.
Por exemplo, houve um aumento na procura por novos sistemas de travagem redundantes, que suportam especialmente a condução automatizada e eletrificada. Hartung relata que a Bosch visa um crescimento anual de 10 por cento até 2030 neste setor. “No geral, estamos a crescer duas vezes mais rápido do que a concorrência com os nossos sistemas de travagem. Estamos também a manter as nossas vendas em ESP, embora o volume de mercado aqui esteja em declínio.” No que diz respeito à eletromobilidade, Hartung acredita que ainda há muito a ser feito, como corrigir a falta de estações de carregamento e de carros elétricos acessíveis na Europa. “A China conseguiu aumentar as suas exportações de automóveis em 60 por cento no ano passado, uma conquista que nos deve fazer refletir”, afirma. “Sabemos que os nossos clientes chineses preferem a padronização em soluções de motor de força elétrico – isso proporciona economias de escala que não nos podemos dar ao luxo de perder na Europa.”

Desenvolvimentos de negócios em 2023: forte crescimento em Mobilidade e em Tecnologia e Energia de Edifícios

Em 2023, a evolução das vendas nos setores de negócio da Bosch apresentou um quadro misto. Com 56,3 mil milhões de euros em 2023, a Mobilidade continua a ser o setor de negócios da Bosch com as vendas mais fortes. Alcançou um crescimento de 7%, ou 11% ajustado aos efeitos da taxa de câmbio. “Os nossos produtos são muito procurados, tanto nas áreas de negócios tradicionais quanto nas novas. Isto motiva-nos a continuar a desenvolver o setor, uma tarefa que ainda exigirá muito de nós”, afirma Dr. Markus Forschner, membro do conselho de administração e diretor financeiro da Robert Bosch GmbH. O setor de negócios de Tecnologia Industrial alcançou vendas de 7,5 mil milhões de euros. Este número é 8 por cento superior ao do ano anterior devido à aquisição da HydraForce; ajustado aos efeitos da taxa de câmbio, isto representa um aumento de 10 por cento. No setor de negócios de Bens de Consumo, as vendas ascenderam a 19,9 mil milhões de euros. “A forte restrição do consumidor teve um impacto significativo nos nossos negócios de ferramentas elétricas e eletrodomésticos”, explica Forschner. Com 7 por cento, as vendas caíram em relação ao ano anterior; ajustado aos efeitos da taxa de câmbio, isto representou um ligeiro declínio de 1 por cento. O setor empresarial de Tecnologia e Energia de Edifícios registou um forte crescimento de vendas de 9 por centro, para 7,6 mil milhões de euros. Depois de ajustados os efeitos da taxa de câmbio, este aumento sobe para 11 por cento. “Aqui beneficiámos não só da forte procura por tecnologia de aquecimento renovável e energeticamente eficiente, mas também da expansão do nosso negócio de serviços na divisão Bosch Global Service Solutions”, refere Forschner.

Desenvolvimentos de negócios em 2023: crescimento mais forte na Europa e na América do Norte

O desenvolvimento regional das vendas na Bosch também apresentou um quadro misto. “A Europa e a América do Norte registaram o crescimento nominal mais forte”, segundo Forschner. Na Europa, as vendas cresceram 6 por cento, para 46,8 mil milhões de euros, um aumento de 8% após o ajuste dos efeitos da taxa de câmbio. As vendas na América do Norte aumentaram para 15,2 mil milhões de euros – um aumento de 4 por cento, ou 8 por cento após o ajuste dos efeitos da taxa de câmbio. Na América do Sul, as vendas foram de 1,7 mil milhões de euros, uma queda de 6 por cento em relação ao ano anterior. Contudo, ajustado aos efeitos da taxa de câmbio, o crescimento ascendeu a 4 por cento. “O real brasileiro fraco foi um fator decisivo aqui”, explica Forschner. As vendas na Ásia-Pacífico aumentaram ligeiramente em 1 por cento, para 27,9 mil milhões de euros, ou 9 por cento quando ajustadas aos efeitos da taxa de câmbio. “Estes números refletem o desenvolvimento mais fraco em vários sectores da economia chinesa”, diz Forschner. “O nosso forte crescimento na Índia e no Japão foi apenas parcialmente capaz de compensar isso.”

Desenvolvimento do número de colaboradores em 2023: emprego em nível estável

Em 31 de dezembro de 2023, o Grupo Bosch empregava cerca de 427.600 pessoas em todo o mundo. De acordo com números preliminares, isto representa cerca de 7.600 ou um bom 2 por cento a mais do que no ano anterior. Na Alemanha, o número de colaboradores manteve-se praticamente inalterado em 133.800.

Perspetivas para 2024: fraco estímulo ao crescimento da economia global

Para o ano em curso, a Bosch continua a esperar apenas um crescimento económico global moderado de 2 a 2½ por cento. “De acordo com as nossas estimativas, a economia global não começará a ganhar impulso até 2025”, afirma Forschner. “As perspetivas em todos os nossos setores-chave são desanimadoras.” Na indústria automóvel, a Bosch espera que os níveis de produção em 2024 sejam semelhantes aos do ano anterior. A empresa prevê que a recessão económica na engenharia mecânica continuará e não espera que a procura de bens de consumo recupere até 2025. No sector da energia, a Bosch acredita que a vontade de comprar dos clientes permanecerá moderada, especialmente no importante mercado alemão. A razão para isto é a incerteza entre os proprietários sobre as futuras regulamentações para sistemas de aquecimento. A empresa também não conta com nenhum apoio dos mercados no exercício de 2024. “Estamos atentos à nossa margem-alvo de pelo menos 7 por cento, mesmo que tenhamos de fazer investimentos iniciais consideráveis num ambiente económico morno”, diz Forschner. De qualquer forma, a Bosch está a adiar a sua timeline anterior para atingir a margem pretendida em um ou dois anos. A empresa pretende intensificar ainda mais os seus esforços para melhorar os custos e a competitividade, a fim de explorar com sucesso os mercados futuros. Forschner acrescenta ainda que “estamos a esforçar-nos por um equilíbrio entre a rentabilidade e a utilização eficiente dos nossos recursos de capital, por um lado, e os investimentos iniciais para o crescimento de amanhã, por outro”.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.