Skip to main content

MOBINOV – AFIA – ACAP | «ESTUDO DA OIT NÃO REPRESENTA O SETOR»

Crescimento acima da média europeia, mais inovação, postos de trabalho estáveis e remunerações acima da média, foram alguns dos dados destacados

in MOBINOV / ACAP / AFIA, 23-06-2022


No seguimento do estudo apresentado pela OIT (Organização Internacional do Trabalho) a MOBINOV, Associação do Cluster Automóvel, a ACAP (Associação Automóvel de Portugal) e a AFIA (Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel) realizaram uma Conferência de Imprensa conjunta, terça-feira dia 21 de junho, na sede da ACAP, em Lisboa.

De acordo com Jorge Rosa, presidente da MOBINOV, que presidiu a esta conferência, é «importante reiterar o enorme respeito que temos pela OIT mas isso não nos pode impedir de mostrar o nosso desacordo» em relação ao conteúdo do relatório apresentado no passado dia 14 de junho, uma vez que «do nosso ponto de vista não apresenta o retrato real daquele que é um dos setores industriais mais relevantes para o país».

O cluster da indústria automóvel em Portugal é um setor vital para a economia portuguesa, tendo representado em 2019, cerca de 17% do valor acrescentado bruto (VAB) total da indústria transformadora. De acordo com José Couto, presidente da AFIA, «o seu impacto é crucial para a economia nacional e reflete-se também na criação de emprego, sendo responsável por mais de 90 mil postos de trabalho em 2019 e 28% das exportações de bens transacionáveis a nível nacional.»

No âmbito da Conferência de Imprensa realizada terça-feira, José Couto destaca ainda que a indústria nacional de componentes automóveis registou entre o ano de 2015 e 2019 um crescimento anual de 8%, bem acima da produção automóvel europeia que se ficou por um aumento de apenas 0,3%.

Atendendo aos efeitos da pandemia de COVID-19 a performance deste setor em 2020 ainda que com o decréscimo de 13,6% e uma recuperação de 4% em 2021 continuou a evidenciar a competitividade e resiliência desta indústria. É importante referir que a produção automóvel europeia apresentou uma queda de 22% em 2020 e um recuo de 3,5% no ano passado.

Também no que se refere ao número de empresas existentes, importa destacar que o setor automóvel nacional agrega mais de 1.100 empresas, 350 das quais correspondem à indústria de componentes automóveis.

Outro dado que mereceu atenção estava relacionado com os postos de trabalho, uma vez que o setor apresenta um volume de emprego direto na ordem das 90.000 pessoas, sendo que a indústria de componentes automóveis emprega 61.000 pessoas, faturando 10,7 mil milhões de euros (2021), com uma quota de exportação superior a 80%. É importante reter que a indústria automóvel cria empregos estáveis, qualificados e com remuneração de 13% acima da média verificada na indústria transformadora.

E, em termos de investimentos, entre 2015 e 2020, a indústria de componentes para automóveis investiu 4,3 mil milhões de euros, ou seja, 16,8% do total de investimento da mesma indústria transformadora.

Também por tudo isto importa reter que este é um cluster estratégico para a economia portuguesa e que um estudo desta dimensão e realizado por uma entidade como a OIT tem um impacto muito significativo em termos nacionais e internacionais no que se refere à imagem do setor.

Ainda na conferência de imprensa, e de acordo com Helder Pedro, secretário-geral da ACAP, «Portugal tem todas as condições para investir na eletrificação dos veículos, uma vez que tem toda a fileira para a produção de baterias». Aliás, segundo o representante da ACAP, o «problema não se coloca da parte da indústria mas sim, dos consumidores estarem preparados ou terem capacidade financeira para fazer esta mudança para os motores eletrificados». Também por isto, é importante que o Governo tenha aqui uma intervenção.

Os representantes da MOBINOV, ACAP e AFIA referem que o estudo apresentado pela OIT está focado, exclusivamente, no CAE 29 daí que, avaliar a indústria automóvel apenas baseada no código da atividade económica é muito redutor e não representativa do setor, deixando de fora uma parte muito significativa das empresas.

 


 

Sobre a MOBINOV

  • A MOBINOV caracteriza-se como uma plataforma agregadora de conhecimento e competência no âmbito da indústria do setor automóvel, para promover uma crescente valorização da competitividade e da internacionalização do sector. O principal objetivo desta é transformar Portugal numa referência na investigação, inovação, conceção, desenvolvimento, fabrico e testes de produtos e serviços da indústria do setor automóvel. A MOBINOV, fundada em 2016, resulta de uma iniciativa conjunta da ACAP e da AFIA.

Sobre a ACAP

  • A ACAP é uma Associação Empresarial Privada que representa, há mais de 100 anos, a nível nacional, a globalidade do Sector Automóvel. Pelo reconhecimento do mérito da ação desenvolvida, a ACAP foi agraciada como Membro Honorário da Ordem do Mérito Agrícola e Industrial na Classe de Mérito Industrial e foi-lhe ainda reconhecido “Estatuto de Entidade de Utilidade Pública”. Consciente da importância do desenvolvimento sustentável do Sector Automóvel, a ACAP constituiu a Valorpneu – Entidade Gestora do Sistema de Pneus Usados e a Valorcar – Sociedade de Gestão de Veículos em Fim de Vida. Com vista ao reforço da competitividade do Sector, a ACAP participou na criação do Cluster Automóvel -MOBINOV.

Sobre a AFIA

  • A AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel é a associação portuguesa que congrega e representa, nacional e internacionalmente, os fornecedores de componentes para a indústria automóvel.
    A indústria de componentes para automóveis em Portugal agrega cerca de 350 empresas e emprega diretamente 61.000 pessoas. Fatura 10,7 mil milhões de Euros (ano 2021), com uma quota de exportação superior a 80%.
    Em termos de importância na economia nacional, representa 5,2% do PIB, 9,1% do emprego da indústria transformadora e 16,1% das exportações nacionais de bens transacionáveis.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.