Skip to main content

Levante III – conceber e desenvolver um novo conceito de autocarro de longo curso, para o segmento de turismo

A empresa

A CaetanoBus, com sede em V. N. de Gaia, tem como “Core Business” o desenvolvimento e produção de carroçarias para veículos pesados de passageiros destinados aos serviços de turismo, aeroporto, interurbano e urbano, montadas em chassis de fabrico próprio ou dos “Original Equipment Manufacturers”.

in COMPETE 2020, por Miguel Freitas, 05-08-2019


A origem da empresa remonta, a 1946, ano em que foi fundada a primeira fábrica em Portugal a produzir estruturas totalmente metálicas para autocarros.

Alguns dos dos marcos de relevo na história da empresa são:

– A obtenção da certificação NP EN ISO 14001:1999 pela APCER, em 2004;

– A nomeação/conquista de diversos prémios entre os quais se destacam a nomeação pelo ”Design Management Europe Awards”, o reconhecimento das boas práticas de gestão do design da Empresa, a menção honrosa no “Green Project Awards” pela Agência Portuguesa do Ambiente, o reconhecimento do trabalho subjacente ao desenvolvimento de um autocarro 100% elétrico em 2011 e a nomeação para finalista na categoria “Inovação” nos “European Business Awards 2012-2013”, em 2012;

– O desenvolvimento de novos produtos no contexto de projetos inovadores.

Para a concretização dos referidos marcos, muito tem contribuído a realização de importantes investimentos, por parte da CaetanoBus, bem como o precioso auxílio do programa “COMPETE 2020”, que muito contribui para suporte das bases do processo de inovação,” afirmou Jorge Guedes, responsável do projeto.

Enquadramento

A expansão registada no transporte terrestre de passageiros na União Europeia tem sido marcada por grandes desafios para os OEM´s e fabricantes de carroçarias destes veículos, sendo dois desses desafios considerados críticos. São eles a questão das exigências técnicas relacionadas com a proteção ambiental e a forte e crescente concorrência proveniente de países asiáticos, que se têm vindo a impor, em função do baixo custo, no próprio mercado doméstico dos fabricantes tradicionais europeus.

Quanto ao primeiro ponto da proteção ambiental e num sector ainda fortemente dependente de veículos cuja tecnologia é ainda em grande parte baseada em motorizações à base de combustíveis fósseis (potenciadores de emissões de gases poluentes CO2 que têm constituído foco de várias políticas e legislação europeia com vista à obrigatoriedade de minimização das mesmas) as soluções passam pelo desenvolvimento de motorizações que utilizem combustíveis, ambientalmente menos nocivos, (Gás, Eléctricos, híbridos etc.), redução de uso de solventes como a cola de adição de base solvente ou pelo desenvolvimento de autocarros mais leves; menor resistência ao ar (mais aerodinâmico) e eficientes do ponto de vista energético, com um menor consumo de combustível por km e passageiro transportado.

Para a questão da concorrência, a estratégia da CaetanoBus enquanto carroçado, passa pela aposta na diferenciação de produto, enquanto porta de acesso a nichos de mercado muito específicos, onde é requerida a criação de soluções com elevado nível de customização, cujas pequenas séries, são habitualmente pouco atrativas para os grandes fabricantes (OEM), cuja atividade se rege por estratégia focada no fornecimento de produtos estandardizados e consequente obtendo os seus lucros na economia de escala, ou mesmo flexibilidade construtiva.

No caso específico da CaetanoBus, a resposta aos problemas de contexto enunciados no ponto anterior passa por uma dupla aposta. Por um lado através da realização de parcerias com os fabricantes europeus de chassis mais tecnologicamente evoluídos, (com provas dadas na redução de consumo de combustível e emissões de CO2) e com o desenvolvimento de carroçarias mais leves e aerodinâmicas que potenciem a redução de peso e consequentemente o combustível consumido. Por outro lado e tentando ultrapassar a desvantagem das pequenas séries das suas carroçarias, desenvolvê-las de raiz a pensar na produção “Design for assembly”, (por forma a otimizar os tempos de fabrico reduzindo custos) e de forma modular, aumentando a flexibilidade de utilização dos componentes comuns a diversos modelos de carroçarias, obtendo uma outra forma de economia de escala, baseada na estandardização de componentes.

O Projeto

O desenvolvimento do Levante III é assim fruto da estratégia nascida neste contexto, como parte do desenvolvimento contínuo de novos modelos de autocarros distintivos da concorrência, através da novidade tecnológica, qualidade e flexibilidade proporcionada pela customização. Este projeto teve assim como objetivo geral, conceber e desenvolver um novo veículo pesado de transporte de passageiros de longo curso para o segmento de turismo, cuja carroçaria é desenvolvida tendo em vista a modularidade e standardização de elementos comuns, permitindo-lhe carroçar dois modelos distintos de chassis nas tipologias 3 e 2 eixos. O Novo veículo contém características inovadoras e distintivas (face ao atual estado da arte no referido segmento, incluindo o atual modelo do autocarro Levante, da CaetanoBus) a nível multidimensional (redução de massa, “design” de carroçaria com baixo coeficiente de resistência aerodinâmica, conforto e ergonomia, acessibilidade e eficiência energética).

Os objetivos Técnico Científicos Específicos do Projeto elencaram-se pelas seguintes atividades:

a. Realizar estudos preliminares, com vista ao levantamento aprofundado das tecnologias, das soluções construtivas e dos materiais aplicados aos veículos pesados do segmento de turismo (incluindo a identificação das limitações associadas a essas tecnologias), bem como à identificação, junto de agentes relevantes ligados ao referido segmento, das principais necessidades e tendências existentes e perspetivadas;

b. Efetuar a especificação técnica completa do novo modelo de autocarro (integrando a nova carroçaria para diferentes modelos de chassis, nas versões de 3 e 2 eixos), bem como o levantamento dos normativos aplicáveis para homologação do referido modelo, nas diferentes versões a conceber e desenvolver;

c. Efetuar investigação fina, com vista à aquisição e desenvolvimento de novos conhecimentos e competências específicas em áreas relevantes para a execução do projeto, nomeadamente: i) materiais mais leves e mais confortáveis no âmbito dos componentes de revestimento interior e exterior; ii) soluções de “design”, numa lógica integrada e multidimensional, com vista à obtenção de melhorias a nível de massa, modularidade/transversalidade, aerodinâmica, estética, conforto e ergonomia, acessibilidade e eficiência energética em autocarros de turismo de longo curso; iii) soluções de modularidade, nomeadamente, em termos de carroçaria, tejadilho, pis o e casa de banho; iv) soluções de climatização, nomeadamente ao nível da carroçaria, que inclui a interação de 3 sistemas, ar condicionado, desembaciador e piso aquecido; v) sistemas de remoção de odores na casa de banho; vi) sistemas de melhoria da acessibilidade, direcionadas a pessoas com mobilidade reduzida;

d. Conceber e desenvolver uma carroçaria com estrutura modular, transversal a dois modelos de chassis, nas versões de 3 e 2 eixos, (sobre 4 tipologias de chassis). Serão efetuadas simulações e validações numéricas das estruturas metálicas das carroçarias e dos respetivos componentes. Este desenvolvimento da estrutura da carroçaria será alvo de estudos aerodinâmicos em túnel de vento e de simulações numéricas por softwares específicos como o Ansys.

e. Construir meios auxiliares, “mock-ups”, provetes e protótipos necessários para a realização dos testes e ensaios conducentes à validação do novo modelo de autocarro, nas versões de 3 e 2 eixos e para as duas tipologias de chassis;

f. Realizar testes e ensaios sobre as “mock-ups” e provetes e sobre dois autocarros completos e funcional,(de 3 e 2 eixos) com vista à validação e homologação das soluções desenvolvidas. Alguns destes testes decorrerão em laboratórios independentes, reconhecidos internacionalmente, (os que necessitam de relatórios independentes), os destinados a testes funcionais de desenvolvimento serão realizados nos nossos laboratórios internos.

COMPETE 2020

O projeto, que teve o seu início em 1 de outubro de 2016 e fim em 31 de março 2019, conta com o apoio do COMPETE 2020 no âmbito do Sistemas de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico, envolvendo um investimento elegível de 1,2 milhões de euros o que resultou num incentivo FEDER de cerca de 599 mil euros.

Este apoio do programa “COMPETE 2020” traduziu-se numa incondicional mais valia, com a cooperação dos processos de inovação tecnológica, que a Caetanobus considera fundamental na sua área de atividade,” referiu Jorge Guedes.

 

SITE: http://caetanobus.pt/pt/

LINKEDIN: https://www.linkedin.com/company/caetanobus/

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.