Skip to main content

GRUPO SIMOLDES | Academia de Moldes pode ser uma realidade

O Grupo Simoldes prepara-se para continuar a crescer. Na mira está a construção da Academia de Moldes e a abertura de novas fábricas em países como Marrocos, Espanha, Estados Unidos, Eslovénia e México.

in Jornal Corrreio de Azeméis, suplemento Azeméis Faz Bem, 20-07-2016

https://i1.wp.com/afia.pt/wp-content/uploads/2016/07/azfazbem_20160511_04.png?resize=301%2C645

Os licenciados que chegam ao Grupo Simoldes têm as competências necessárias para iniciar a sua aprendizagem no sector, mas devido à especificidade da indústria de moldes só dois ou três anos depois adquirem as competências necessárias para desempenharem as funções com rigor na empresa. A declaração é de Carlos Seabra, representante do Grupo Simoldes, que recorda a criação, no país, de centros de formação para a metalomecânica – o Cenfim, em Oliveira de Azeméis – para dar continuidade à formação de mão-de-obra para o setor que foi interrompida entre 1975 e o início dos anos 80, conforme avançou Carlos Seabra. E esta interrupção acabou por se reflectir nas empresas que tinham pessoas para laborar, mas estas não tinham a formação necessária parra trabalhar os moldes.

Neste sentido, o representante do Grupo Simoldes adianta que é objectivo da administração desta empresa oliveirense criar a Academia Simoldes para a indústria de moldes. “Se depender de nós, a Academia Simoldes irá existir no futuro e deve ser articulada com o que já existe dentro da formação e temos a sorte da Universidade de Aveiro ter criado cursos específicos para auxiliar a nossa indústria. Alguns professores até são funcionários da Simoldes”, explicou Carlos Seabra, adiantando que as aulas que acontecem depois das 18h00 para que todos os interessados possam assistir. “Tudo isso é importante para que a indústria possa progredir”, continuou o representante da empresa que continua a ocupar o 4º lugar do ranking das “100+” e tem ainda cerca de uma dezena das suas unidades empresariais no mesmo ranking.

Com empresas já espalhadas por vários países e dando emprego a seis mil pessoas, o grupo Simoldes prepara-se para apostar em novos mercados com a abertura de novas empresas em países como Marrocos, quer na área de moldes quer dos plásticos, Eslovénia, México, Reino Unido, Espanha e Estados Unidos.

“A visibilidade de longo prazo é ambiciosa, mas temos a experiência que a previsão que se faz tem vindo a ser alcançada”, salientou aquele responsável.

A denominada indústria 4.0 faz parte da projeção da Simoldes para o futuro. “Temos um grupo de pessoas a trabalhar nisso”, confessou Carlos Seabra, defendendo que esse é o caminho para a Simoldes continuar na vanguarda do sector.

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.