Skip to main content

Fábrica da Dura no Carregado só retoma a produção dentro de seis meses

A actual produção da fabricante de componentes foi transferida para os parceiros locais em Portugal e na República Checa.

in Diário Económico, por Sara Piteira Mota, 20-03-2015

A fábrica da Dura Automotive Portuguesa, encerrada desde 3 de Março devido ao incêndio que destruiu parte das instalações, no Carregado, estima que dentro de seis meses possa voltar a produzir novamente. “A empresa irá trabalhar com os clientes e a base de fornecedores para desenvolver planos de produção a longo prazo. Antecipamos que o planeamento e desenvolvimento de novos recursos de produção locais possam levar até ao máximo de seis meses”, disse ao Diário Económico fonte oficial da Dura Automotive Systems.

Entretanto, a fabricante norte-americana, fornecedora da Autoeuropa, transferiu a produção da fábrica do Carregado para outras unidades de forma a que os seus clientes possam voltar a produzir normalmente.

“A Dura usou todos os recursos para enviar a matéria-prima para outros parceiros em Portugal e também na República Checa para dar resposta às encomendas”, refere fonte oficial da empresa. Desta forma, todos os fornecedores de matérias-primas, componentes, embalagem e logística da fábrica da Dura Automotive Portuguesa, no Carregado, foram também reencaminhados para as novas unidades de produção. “Desde o passado dia 16 de Março foi retomada a produção e os embarques de componentes foram programados”, sublinha fonte da fabricante de componentes.

A Dura Automotive é fornecedora da Volkswagen Autoeuropa, sendo responsável pela produção de componentes destinados aos modelos Sharan, Eos e Seat Alhambra. A empresa produz componentes em vidro e plástico para fabricantes de automóveis em todo o mundo.

Após o incêndio da Dura Automotive Portuguesa, a VW Autoeuropa foi forçada a alterar o ‘mix’ de produção e já marcou três dias de paragem (‘down day’), para que os fornecedores se readaptassem ao novo esquema de produção.

Em sequência do incêndio ocorrido na unidade portuguesa, a fabricante de componentes para automóveis norte-americana, anunciou ter registado um prejuízo superior a sete milhões de euros, mas garantiu que os 275 postos de trabalho estão todos salvaguardados.

Esta foi a segunda vez que a fábrica foi atingida por um incêndio. Em Setembro de 2014, a unidade, localizada no concelho de Alenquer, foi alvo de um fogo que começou com uma explosão num quadro eléctrico. Além dos estragos, essa ocorrência fez dois feridos, um deles grave.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.