Skip to main content

Comunicado de Imprensa | AFIA Promove Encontro Setorial Metalurgia/Metalomecânica

Eng. Tomás Moreira, presidente da AFIA

A AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel – reuniu hoje, 29 de maio, no auditório da AEP, em Leça da Palmeira, cerca de 60 representantes de empresas num encontro realizado com o objetivo de discutir o subsetor da metalurgia e metalomecânica e alguns dos seus maiores desafios.

 

O programa, que decorreu durante a tarde, iniciou-se com uma caracterização geral do subsetor da Metalurgia/Metalomecânica e seus principais fatores de competitividade apresentados pela AFIA. Seguiu-se depois, a intervenção de Carlos Abellás, do CTAG – Centro Tecnológico de Automoción de Galicia.

Carlo Abellás_CTAG - Centro Tecnológico de Automoción de Galicia_2
Carlo Abellás_CTAG – Centro Tecnológico de Automoción de Galicia

 

Ao longo da tarde foram ainda discutidos os grandes desafios deste subsetor, com José Coutinho Sampaio do INEGI – Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial e Marco Leite do IST – Instituto Superior Técnico.

 

José Sampaio_INEGI - Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial
José Sampaio_INEGI – Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial
Marco Leite_IST - Instituto Superior Técnico
Marco Leite_IST – Instituto Superior Técnico

 

O subsector de Metalurgia/Metalomecânica dentro da indústria de componentes para automóveis representa 40% do número de empresas, com um volume de negócios agregado de 3,1 mil milhões de euros, dando emprego directo a 16.000 pessoas.

 

Os grandes desafios para estas empresas e todas as outras, de acordo com as intervenções desta tarde, assentam sobretudo no acompanhamento da evolução da indústria automóvel, nomeadamente: Diminuição do peso que as vai afectar na concepção de produtos; Novos materiais; Tecnologias associadas à engenharia de desenvolvimento de novos produtos e processos; Impressão 3D e manufactura aditiva; Automação e digitalização e Indústria 4.0.

 

É um facto que a indústria de fabrico de componentes para automóveis tem vindo a crescer e a assegurar a sua sustentabilidade de uma forma positiva devido à boa qualificação e capacidade de adaptação da mão-de-obra, às competências técnicas, de gestão e de inovação; e à cooperação entre empresas/universidades/centros de investigação.

 

Outro ponto relevante é o facto de as empresas investirem continuamente em produtos e tecnologias inovadoras para obter automóveis mais seguros, tendencialmente autónomos, e soluções mais amigas do ambiente.

 

A par destes pontos fortes foram também identificados obstáculos que têm limitado o desenvolvimento do setor e prejudicado a competitividade das empresas. Dos obstáculos, destacamos que:

 

A indústria portuguesa, periférica em relação aos seus principais mercados, está demasiado dependente dos transportes rodoviários e dos seus custos crescentes, que a penalizam duplamente – na importação e na exportação;

 

O excessivo preço da energia afecta a estrutura de custos das empresas e, em muitos casos, a qualidade do fornecimento da energia eléctrica provoca perdas e desperdícios;

 

Os níveis da fiscalidade, a imprevisibilidade das políticas públicas, complexidade e instabilidade dos quadros regulamentares, assim como uma justiça que não funciona têm sido em Portugal factores muito críticos, que afectam negativamente a vida das empresas, a confiança e o investimento;

 

O acesso aos fundos comunitários foi também apontado como uma área de potencial melhoria para o desenvolvimento e aumento de competitividade do setor. Em muitos casos os critérios de elegibilidade penalizam as candidaturas da indústria transformadora;

 

Nas zonas mais industrializadas do País regista-se – a somar à escassez crónica e generalizada de quadros técnicos intermédios – uma preocupante falta de mão-de-obra a todos os níveis e uma inflação salarial superior aos ganhos de produtividade. A precariedade laboral não é uma escolha dos empresários mas sim uma consequência dum mundo precário em rápida mutação, duma economia globalizada extremamente concorrencial e de mercados voláteis nos quais as empresas exercem a sua actividade;

 

A flexibilidade laboral continua a ser um fator preocupante para o setor automóvel, sendo necessário na legislação laboral optimizar instrumentos que permitam, em tempo útil e sem custos extra, responder às flutuações de atividades imprevistas. Receiam-se medidas no sentido oposto.

 

No final, e somando todos estes factores, o resultado poderá travar os investimentos ou desviá-los para outros países.

 

Num trabalho constante de defesa e divulgação do setor a nível nacional e internacional, a AFIA acredita que estes encontros entre as empresas são fundamentais para que de uma forma organizada e sintonizada se consiga tornar o setor dos componentes automóveis mais competitivo e apelativo, chamando a atenção para as mais-valias das nossas empresas mas, também, para as preocupações que diariamente as afetam.

 

Neste sentido estão já programadas novas iniciativas e encontros de trabalho, garantindo uma grande proximidade às empresas e uma atuação mais eficaz na defesa dos seus interesses e necessidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.