Skip to main content

CEiiA aposta na criação de mercados voluntários de carbono

Matosinhos é o primeiro município a aderir ao projeto, que visa a redução das emissões de CO2.

in Dinheiro Vivo, por Sónia Santos Pereira, 09-12-2020


O CEiiA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento acaba de lançar um projeto para a criação de mercados locais voluntários de carbono, com o objetivo de incentivar os cidadãos e empresas a reduzir as emissões de CO2 no país. Os créditos das reduções poderão ser comprados pelas empresas que ambicionem caminhar para a neutralidade carbónica.

“Este projeto irá contribuir para que Portugal possa atingir a neutralidade carbónica em 2050, estando alinhado com as ambições do Pacto Ecológico da União Europeia”, sublinha José Rui Felizardo, presidente do CEiiA.

A aquisição dos créditos irá originar uma receita que poderá ser utilizada pelos municípios aderentes em atividades que promovam uma economia verde, descarbonizada e circular. Todas as transações serão registadas na plataforma tecnológica AYR.

“Acima de tudo consegue-se atribuir um valor financeiro às emissões evitadas pelo comportamento dos cidadãos, valor esse que será reinvestido na região em atividades relacionadas com economia verde”, garantiu num comunicado José Rui Felizardo.

Esta quarta-feira, o CEiiA formalizou este projeto através da assinatura de um protocolo com o Ministério do Ambiente e da Ação Climática.

Matosinhos é pioneiro

Matosinhos será o primeiro município a implementar um projeto piloto de Mercado Local Voluntário de Carbono. O município irá interagir com os cidadãos e agentes económicos, encorajando-os e estimulando-os a adotarem comportamentos verdes em troca de recompensas individuais, através de descontos na aquisição de bens e serviços verdes, e de recompensas coletivas, assentes no bem-estar que os créditos comprados podem originar na economia verde.

Objetivos dos mercados de carbono

Os mercados locais voluntários de carbono visam contribuir para que Portugal atinja o compromisso da neutralidade carbónica em 2050, envolvendo os jovens, cidadãos, empresas e municípios na tomada de decisões que promovam a redução das emissões de CO2.

Este projeto irá definir o enquadramento para a criação de fundos locais de carbono, decorrentes do valor das compras dos créditos de carbono, que deverão ser investido em ações que contribuam para baixar as emissões.

Em simultâneo, visa promover o desenvolvimento económico local através do estímulo da atividade das empresas associadas à cadeia de valor da economia verde e circular. E ainda incentivar as empresas que não conseguem eliminar por completo as suas emissões de CO2 a compensar comprando créditos de carbono.

 

O CEiiA está instalado em Matosinhos.
© Pedro Correia/Global Imagens

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.