Grupo Antolin inaugura una nueva fábrica en Estados Unidos

Grupo Antolin, fabricante de interiores para vehículos, ha inaugurado su nueva fábrica en Shelby (Michigan, EEUU) reforzando así su presencia industrial en Estados Unidos.

in AFIA, 20-06-2018


La nueva planta -con ésta son 15 las fábricas de producción que Grupo Antolin cuenta en EEUU- estará especializada en paneles de puerta y sistemas de techos para el modelo RAM de FCA. La compañía ha invertido más de 70 millones de dólares en la fábrica que empleará a más de 800 personas-en total, el grupo tiene una plantilla de 5.700 personas en EEUU-.

La nueva factoría de Grupo Antolin en Estados Unidos cuenta con una superficie de 34.000 metros cuadrados y alberga, según fuentes de la propia compañía, “la más moderna tecnología y cumple con los máximos estándares de eficiencia, seguridad, calidad y respeto con el medioambiente.

Ernesto Antolin, presidente de Grupo Antolin, acudió a la inauguración de la planta y estuvo acompañado por Mark Hackel, responsable del condado de Macomb y Rick Stathakis, supervisor del municipio de Shelby. En el acto también participaron Pablo Baroja, director regional de NAFTA de Grupo Antolin, y Joseph McCluskey II, gerente de Antolin Shelby.

Ernesto Antolin comentó que “este programa de producción es uno de los mayores en la historia de la compañía y es un ejemplo de la confianza de los clientes en Grupo Antolin. Estados Unidos ofrece enormes oportunidades si sabemos aprovecharlas y trabajamos duro y en equipo. El mercado americano es clave para nosotros”.


Gestamp aspira a liderar un modelo de Industria 4.0 de implantación global

En un evento para prensa internacional en su complejo en Abrera (Barcelona), Gestamp expuso su determinación a convertirse en la primera multinacional del sector en la implantación de un modelo de Industria 4.0.

in AutoRevista, 20-06-2018


De hecho, el presidente de la multinacional española especializada en soluciones para carrocería, chasis y mecanismos, Francisco Riberas, afirmó que la digitalización provee de “herramientas y datos con capacidad de llevar a las empresas del sector al siguiente nivel”.
Antes de conocer el despliegue enfocado a la factoría inteligente por parte de diferentes responsables técnicos de la compañías, Riberas señaló diversas claves de futuro de una compañía con implantación en 21 países, más de 41.000 empleados y una facturación de unos 8.200 millones en 2017. El presidente avanzó que hay un potencial de crecimiento de 20.000 millones de eruos hasta 2025, Riberas recordó que la compañía cuenta con 105 plantas (más siete en construcción, cinco de ellas fuera de la UE), en un discurso en el que se puso de manifiesto el potencial del grupo en Asia, sobre todo en China y especialmente en Japón, donde cuenta con el apoyo de su aliado local, Mitsui.

En un ámbito geográfico más próximo y ante una pregunta formulada por AutoRevista, el máximo responsable de la compañía señaló que “para su nueva planta en Marruecos, Gestamp ha optado por una joint venture, al igual que hiciera en su momento en Turquía: Un mercado como el marroquí La nueva planta en Marruecos (en construcción) suministrará a la nueva factoría del Grupo PSA en Kenitra, pero podría abastecer a la de Renault en Tánger e incluso a la de un constructor chino de posible implantación”.

Entrando ya en el terreno exclusivamente tecnológico, René González, director de Fabricación Avanzada y Estandarización de Equipamiento, resumió la estrategia Industria 4.0 en el objetivo de “crear plantas de fabricación más eficientes, más flexibles y conectadas, a la vez que procesos más consistentes y fiables gracias al análisis de nuestros datos. Añadimos inteligencia a los procesos y aportamos la información correcta a las personas adecuadas”..Un enfoque que se plasma en la estructura fabril de la tecnología de referencia en Gestamp, la estampación en caliente, a la que Francisco Riberas se refirió como “el nuevo estándar”.

Estampación en caliente conectada

En este sentido, Laura Viñolas, directora técnica de Industria 4.0, detalló el proyecto para “mejorar el rendimiento y la disponibilidad de nuestras líneas de estampación en caliente, asegurando la calidad de nuestros productos mediante la conexión de todos los activos que pertenecen directa o indirectamente a una línea de estampación en caliente. El proyecto se está desarrollando sobre cinco plantas piloto (dos de ellas en España, en Barcelona y Valencia) y conectará 48 plantas con líneas de estampación en caliente conectadas al final de 2018. En este proyecto, Gestamp ha contado con la colaboración de Siemens.

La estampación en caliente se combina con los procesos de estampación en frío en la tecnología GESMultistep, en fase de final de I+D, pero que estará operativa a finales de año, inicialmente en la planta de Gestamp en Abrera para suministrar componentes a un constructor europeo. Los responsables de Gestamp subrayaron que este avance “permite eliminar procesos y reducir costes para nuestros clientes a la vezque mejora la resistencia y permite un diseño complejo de cada pieza”.

En línea similar de interconexión global entre plantas, Bernhard Feyo, director de Proyecto de Industria 4.0, detalló el proyecto de calidad de soldadura en chasis, desarrollado con la colaboración de Osisoft. Feyo expuso que el objetivo de esta iniciativa persigue “adquirir, almacenar y procesar grandes cantidades de datos procedentes de todos los activos que pertenecen, directa o indirectamente, a una línea de soldadura de arco. Con ello se busca implementar reglas, algoritmos y análisis avanzados, los cuales nos ayudarán a detectar y predecir defectos o fallos y evitar que ocurran para mejorar la calidad global de las piezas”. El control de componentes sin defectos al cliente se constata mediante un certificado de inspección de calidad digital (IQC).

En el centro de Abrera, también hubo oportunidad de conocer el uso de la realidad virtual inmersiva en una sala en la que Gestamp simula y valida su gama de componentes en vehículos virtuales desarrollados por la propia compañía.


Exportações de componentes automóveis aumentaram 10%

As exportações de componentes automóveis cresceram 10% até Abril, face ao período homólogo de 2017, atingindo 2800 milhões de euros, segundo a AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel com base nos dados do comércio internacional de bens divulgados pelo INE.

in AFIA, 18-06-2018


De acordo com os dados da AFIA, os destinos das exportações mantêm também a tendência habitual com Espanha e a Alemanha a surgirem como os principais destinos, seguidos de perto pela França e Inglaterra. Estes quatro países representam entre si 71% do total das exportações, sendo que as restantes 29% estão distribuídos por outros países europeus e outros de fora da Europa, como os Estados Unidos da América, Marrocos, Turquia, Coreia do Sul e a China.

De notar que neste mesmo período as exportações portuguesas de bens transaccionáveis aumentaram 6%, ou seja, a indústria de componentes automóveis cresceu mais do que a média da restante indústria transformadora.

As exportações de componentes automóveis são responsáveis por 15% das exportações portuguesas.

 

Clique aqui para informação mais detalhada (ficheiro pdf)

A AFIA participou no ciclo de debates “Azeméis Faz Bem” (vídeo)

No passado dia 12 de Junho, Fernando Ferrinha, membro do Conselho Director da AFIA participou na sessão de encerramento da iniciativa “Azeméis Faz Bem” 2018 .

in AFIA / Azeméis FM Rádio, 18-06-2018


Esta é uma iniciativa da Azeméis FM Rádio e Azeméis TV e desenvolvida em parceria com o jornal Correio de Azeméis e tem como missão debater a actual conjuntura económica e empresarial de Oliveira de Azeméis e do país.

Neste debate além da AFIA intervieram:

  • Rui Cabral — Vice-presidente da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis
  • Patrícia Villas-Boas — Schmidt Light Metal Group
  • Leandro Melo — CTCP – Centro Tecnológico de Calçado de Portugal
  • Carla Ferreira — Farmácia Simões & Bessa

O objectivo primordial deste debate foi promover um espaço de reflexão e discussão, com o tema de fundo:

“Oliveira de Azeméis para o mundo”

  • Oliveira de Azeméis: um dos concelhos mais exportadores do país: balanço da atividade e que desafios enfrenta no futuro;
  • Oliveira de Azeméis: um concelho com vasto e robusto tecido empresarial e líder de mercado em vários setores, além de ser uma referência em tantos outros;
  • Investimento e exportação como chave para o crescimento económico;
  • Mão de obra qualificada crucial para suportar o crescimento da indústria.

https://www.youtube.com/watch?v=ZpsCe4kLnP8 (vídeo)

 


El Centro de Rüsselsheim desarrollará la generación de motores de gasolina de cuatro cilindros de Grupo PSA

El Grupo PSA ha anunciado que será el Centro de Ingeniería de Rüsselsheim (Alemania) el que asumirá la responsabilidad global del desarrollo de la próxima generación de motores de gasolina de alta eficiencia para todas las marcas de Grupo PSA (Peugeot, Citroën, DS Automobiles, Opel y Vauxhall).

in AutoRevista, 18-06-2018


La próxima generación de motores de cuatro cilindros se optimizará para funcionar en combinación con motores eléctricos y se utilizará en los futuros sistemas de propulsión híbridos. Su llegada al mercado comenzará en 2022y estará diseñada para su utilización en todas las marcas de Grupo PSA en China, Europa y América del Norte, además cumplirán con todas las normativas futuras de emisiones en estos mercados, han asegurado fuentes del grupo.
El director general de Ingeniería de Opel, Christian Müller, ha destacado que Rüsselsheim ya tenía la responsabilidad global del desarrollo de motores cuando aún formaba parte de GM. “Con el desarrollo de la nueva generación de motores de gasolina de cuatro cilindros, podemos explotar una de nuestras principales competencias. La eficiente inyección directa, en combinación con la tecnología híbrida, consolidará la sólida posición de Grupo PSA en la reducción de las emisiones de CO2″.

El Centro de Ingeniería de Rüsselsheim tiene décadas de experiencia en el desarrollo y construcción de motores de gasolina eficientes. Ahora, los ingenieros están desarrollando la nueva generación de motores sobre la base de las actuales unidades PureTech de cuatro cilindros de Grupo PSA. “Las nuevas unidades de cuatro cilindros formarán la segunda familia de motores de gasolina de Grupo PSA a partir de 2022, junto con el conocido motor PureTech turbo de tres cilindros”, han explicado desde Grupo PSA.

Además de la responsabilidad de desarrollar la nueva familia de motores, el equipo de ingeniería de Rüsselsheim también lidera el desarrollo de vehículos comerciales ligeros (LCV) para todo el grupo. Esto incluye plataformas y módulos de LCV desde el desarrollo avanzado hasta la producción. Grupo PSA ha establecido 15 Centros de Competencia en Rüsselsheim, desde investigaciones sobre el hidrógeno y pilas de combustible hasta desarrollo de asientos.


Esta fábrica entrou na cozinha da Sonae

A PPRR cresceu a trabalhar na indústria automóvel. Conquistou a produção da Yammi e tem novos projetos.

in Expresso, por Margarida Cardoso, 16-06-2018


Na Maia, a PPRR está a expandir a sua área industrial de 10 mil para 16 mil metros quadrados num investimento de €6 milhões para dar resposta aos planos de crescimento da empresa pronta a ver o volume de negócios a aumentar mais de 150%, até aos €32,6 milhões, em 2021.

Continue a ler o artigo.


Broad road safety coalition commits to work for zero traffic fatalities

Major players in the European mobility sector signed a road safety pledge to contribute to achieving zero traffic fatalities by 2050. The coalition includes the European Automobile Manufacturers’ Association (ACEA), European Association of Automotive Suppliers (CLEPA), the association of national motoring organisations (FIA Region I), with strong support from the Dutch Bicycle and Automotive Industry Association (RAI Vereniging) and the Royal Dutch Touring Club (ANWB).

in CLEPA, 15-06-2018


The associations emphasised their commitment to support the road safety targets of the European Commission and member states. This pledge was signed in the presence of the European Commissioner for Transport, Violeta Bulc, and was officially handed over to her.

“By signing up to this common road safety vision, we commit to work together with other relevant stakeholders on an integrated approach to road safety,” stated Erik Jonnaert, Secretary General of ACEA. “We believe that this is the only way to ensure that safe vehicles are driven by safe drivers on safe roads.”

Sigrid de Vries, Secretary General of CLEPA comments: “On behalf of CLEPA, I am happy to confirm our commitment to contribute to road safety and to make zero casualties a reality. This is the start of work amongst stakeholders in the industry and exchange with policy makers and I am looking forward to defining and achieving further milestones.”

Laurianne Krid, FIA Region I Director General, said: “As organisations involved in the daily mobility of EU citizens, we take road safety very seriously. With this pledge, we show our commitment to go beyond the status quo and work hand-in-hand with the EU institutions to achieve an ambitious and shared road safety vision in pursuit of zero traffic fatalities by 2050.”

Possible measures include targeted awareness campaigns, research efforts aiming to bring technologies to the market and informing drivers on the effective use of vehicle safety technologies. Improvements to road infrastructure, accident reporting and post-crash interventions are also covered.

The signing ceremony took place in the Hague at an event organised by RAI Vereniging on the occasion of its 125th anniversary on Thursday.


CLEPA Innovation Awards 2018: Bosch, Inteva, Plastic Omnium and TomTom category winners

BRIGADE, NAVADS AND VOXDALE FIRST SMES EVER TO RECEIVE DEDICATED “SME AWARD”

in CLEPA, 14-06-2018


CLEPA, the European Association of Automotive Suppliers, organised on Wednesday 13th of June for the 3rd time in a row the CLEPA Innovation Awards Gala. Venue and location this time were the Gemeentemuseum in The Hague, Netherlands.

 

The CLEPA Innovation Awards, organised in cooperation with Deloitte and with the support of the Dutch member RAI, celebrate outstanding achievements in the European automotive supply industry in the fields of Environment, Safety, Connectivity and Automation and Cooperation.

For the first time, a special prize was awarded in each category to SMEs, acknowledging the important contribution of small and mid-sized companies to the industry’s resourcefulness, ingenuity and competitiveness.

Plastic Omnium, Bosch, TomTom and Inteva clinched victory in the respective above-mentioned categories. Brigade, Navads and Voxdale are the first SMEs ever to receive a dedicated “SME Award – in the categories Connectivity and Automation, Cooperation and Safety respectively.

 

Not less than 130 guests from the key players in the European automotive supply industry attended the yearly event.

As it was the case for the two previous editions, the event took place in conjunction with the association’s yearly General Assembly meeting.

 

Roberto Vavassori, CLEPA President said: “Our industry is the leader in Europe in terms of new patents filed every year, and the winning innovations for 2018 testify of the ingenuity and creativity of our highly talented people. Solutions for refueling plug-in hybrid vehicles, sustainable clean diesel systems, smart assistance for electric vehicles, or advanced rider assistance for two-wheelers: these are just examples of how European companies promote a better environment, well-being for citizens, and increased safety and convenience for more integrated mobility solutions; from two to four wheels, from private to public transport. Only through continuous innovation we will maintain European leadership in the present and the future.”

 

Sigrid de Vries, CLEPA’s Secretary General underlined the significance of the record 63 applications: Digitalisation and sustainability are transforming the automotive industry as well as the vehicle population on the roads. This year, the CLEPA awards see a great diversity in terms of company background, focus, size and activity. It is great to celebrate such excellence across the sector. I’d like to thank our Innovation Awards partner Deloitte, the members of the jury, and all entrants for taking part in this journey. We hope to receive even more applications next year!”

 

AWARD CATEGORIES

 

ENVIRONMENT

– Winner:                   Plastic Omnium: Tanktronic –  intelligent fuel system tailored for plug-in hybrid vehicles

– 2nd:                            Faurecia: EHRS – Exhaust Heat Recovery System

– 3rd:                             Eberspächer: Tunnel Mixer for sustainable clean diesel systems

SAFETY

– Winner:                     Bosch – advanced rider assistance systems for motorcycles

– 2nd:                            Veoneer – LIV 2.0 context-aware research platform

– 3rd:                             Continental – MFC500 camera, merging computer vision and surround view

– SME Winner:            Brigade –  Quiet Vehicle Sounder, making silent vehicles safer

 

CONNECTIVITY & AUTOMATION

– Winner:                    TomTom – EV service, bringing the EV driver peace of mind

– 2nd:                            Veoneer –  LIV 2.0 context-aware research platform

– 3rd:                            Bosch – mySPIN, Smartphone Integration in motorcycle infotainment systems

– SME Winner:            Navads – Presence Management Platform for digital visibility and smart mobility

COOPERATION

– Winner:                     Inteva – real-time scanning for stitching automotive interiors

– 2nd:                            Magna – carbon fiber subframe for vehicles

– 3rd:                             Maxion Wheels – Acorus, a reinvention of the wheel

– SME Winner:            Voxdale: consortium for a Formula E racing team

 

 

Once more, a distinguished jury of international experts selected the above innovations as they scored highest marks in terms of ambition, market relevance, impact and quality of the innovation:

 

Connectivity & Automation       

Arjen Bongard  

Automotive IT

Magnus Granstrom

Chalmers

 

Cooperation

Margriet van Schijndel-de Nooij

EARPA- Association of Automotive R&D organisations

Chris Mason      

FISITA

 

Environment 

Greg Archer       

Transport & Environment

Zizi Samaras      

Thessaloniki University

 

Safety  

Antonio Avenoso            

ETSC- European Transport Safety Council

Michiel van Ratingen                     

Euro NCAP

Laurianne Krid  

FIA Region I

 


 

«No futuro, os robôs é que irão resolver problemas»

Fernando Merino, diretor de inovação da ERT, afirmou, em entrevista ao Jornal Têxtil, que a área automóvel continua a ser a galinha dos ovos da produtora de têxteis técnicos, que continua a investir em vários projetos de I&D em parceria com centros de saber, nomeadamente na área da saúde e da economia circular, para a revalorização de desperdícios.

in Jornal T, 13-06-2018


A empresa de S. João da Madeira apontou as baterias ao México e à China, onde pretende estabelecer-se no futuro, com o objetivo de se transformar num fornecedor global. Mas, para já, todas as atenções estão voltadas para a abertura de uma unidade em Marrocos.

Quando começaram nos anos 90, o negócio da ERT era bem diferente do que é hoje.

A empresa, quando foi constituída há 25 anos, basicamente atuava num monoproduto, mas desde o início que foi sempre de têxteis técnicos. Fala-se muito na reconversão das empresas, de passar dos têxteis tradicionais para os técnicos, mas a ERT começou logo com técnicos e que é um produto colado com uma espuma para o interior de um calçado, que hoje produz com muito menos expressão. A evolução que houve nestes anos foi que, fruto do domínio de uma tecnologia que era um processo de colagem por chama, se começou a fazer a colagem de têxteis com espumas para outras aplicações. E a partir daí entramos em estofos, nas utilidades domésticas e, oito anos depois do início de atividade, surgiu a oportunidade de trabalhar para o sector automóvel. Isso aconteceu em 2000, com a colagem de um têxtil para uma capa do assento de uma Chrysler Voyager, e daí para cá tem sido um caminho de crescimento, de investimento em tecnologias e em novos processos. A empresa deixou de ser apenas de colagem para também passar ao corte e costura e, além de trabalhar com têxteis, ainda estamos no corte de couro. Há dois anos que temos igualmente uma fábrica que injeta poliuretano. O nosso core hoje é o interior dos automóveis e tudo o que fazemos é para os maiores players mundiais de fornecimento das marcas e das linhas de montagem.

E quanto às outras atividades industriais da empresa?

A ERT nunca abandonou o negócio não-automóvel, que vale aproximadamente 10% do volume de negócios. Mas a atividade no sector automóvel está em franco crescimento – a empresa cresceu nos últimos anos a dois dígitos e continua a fazê-lo, maioritariamente devido à área automóvel. O que estimamos para o futuro é que continue a crescer neste segmento e também perspetivamos que possa continuar a aumentar naquilo que é considerado a mobilidade, como a ferrovia e a náutica. E, eventualmente, também nos aviões.

No caso dos aviões, qual é a estratégia?

Há seis anos que fazemos parte do painel de fornecedores da TAP, ou seja, somos consultados, para apresentar propostas quando há necessidade de recrutar fornecedores, nomeadamente no mercado nacional. Não fornecemos.

Estamos a espreitar oportunidades de entrar nessa área a nível da inovação que é o mesmo que estamos a fazer no caso da ferrovia. O negócio que temos na área da ferrovia é muito pequeno, mas há projetos de inovação em curso. Terminámos um recentemente e temos outro a decorrer, com parceiros nacionais. Estamos também com um projeto que em setembro, em parceria, vai estar em exposição em Berlim na maior feira do mundo [ferroviária].

Esta área da ferrovia já recebeu mais investimento do que agora, nunca se avançou com a Alta Velocidade. Este negócio tem futuro em Portugal?

Tem algum futuro tendo em conta que, com ou sem Alta Velocidade, são precisas melhorias no interior dos comboios, em várias linhas não só na do Norte, mas também nas suburbanas, que de xis em xis anos têm-se que reformular os interiores, e tudo isto são oportunidades.

É óbvio que o mercado externo é muito grande e queremos explorar. Por isso temos na nossa agenda estratégica a participação na InnoTrans em Berlim com os parceiros do consórcio, onde vamos mostrar o que somos capazes de fazer. Depois podemos identificar oportunidades e vender, no futuro, para o exterior.

São fornecedores da Autoeuropa?

Trabalhamos para empresas que fornecem a Autoeuropa, de segunda linha. Fornecemos a Volkswagen, a Porsche, a Skoda, a Audi…

Mas não têm nenhum tipo de dependência da Autoeuropa?

De maneira nenhuma. A maior parte do que exportamos é para Inglaterra, França, Espanha, Marrocos e Alemanha.

Localmente, estão presentes em quantos países?

Em alguns casos é apenas com escritórios, mas estamos presentes no negócio automóvel, com instalações industriais, em Portugal, República Checa, Roménia e, este ano, abrimos em Marrocos.

Qual é a estratégia para esse país do Magrebe?

Já tínhamos três grandes clientes em Marrocos e é um mercado de proximidade, que está a crescer muito – produz mais automóveis do que Portugal e conta com um investimento francês de grande dimensão, nomeadamente da Renault e da PSA. Nós trabalhamos para os nossos clientes que já lá estão e fornecem as linhas de montagem. Têm um negócio grande, por causa do investimento francês, e tendo em conta o crescimento desse mercado, decidimos também posicionar-nos em Marrocos, com laminagem, corte e costura.

A nossa estratégia para o mercado automóvel é transformarmo-nos num fornecedor global, ou seja, estar presente nos três principais continentes: Europa, América e Ásia. Ainda que África não seja uma prioridade, Marrocos foi, por uma questão de proximidade. Estamos perto de Espanha, que é o segundo maior construtor europeu de automóveis. A perspetiva de nos tornarmos um fornecedor global obriga a piscar o olho a investimentos no México e na Ásia, nomeadamente na China. Esses são os dois que estão em avaliação.

Em relação aos EUA, acha impossível?

Faz sentido fornecer os EUA de outra localização, nomeadamente do México.

Mantêm o investimento em projetos de I&D?

Desde há alguns anos que estamos a aproveitar o melhor possível as oportunidades proporcionadas pelo QREN. A nossa estratégia é criar parcerias com centros de investigação – universidades, centros tecnológicos, etc. Temos a colaboração da Universidade do Minho, já tivemos também da Universidade do Porto. Estamos agora a começar com Aveiro e a preparar projetos nessa área. Temos em curso projetos com o Citeve, o CeNTI e outros. Estamos a avançar com iniciativas em co-promoção, com o Instituto Superior Técnico e parceiros industriais. Nos primeiros quatro anos desenvolvemos projetos no valor de quatro milhões de euros. Estamos a preparar mais duas candidaturas, uma com a participação da Universidade de Aveiro e outra com a participação também do CeNTI e do Citeve.

Que projetos são esses?

Ainda estão a ser preparados, mas com a Universidade de Aveiro será no desenvolvimento de um dispositivo médico, com o Citeve e o CeNTI, e são projetos a que temos dedicado alguma atenção nos últimos dois anos, que têm a ver com a reutilização de materiais que são tipicamente desperdícios. Estamos a apostar forte na economia circular, com valorização de resíduos.

Temos em curso três grandes projetos, para terminarem entre 2018 e 2020. O projeto de inovação em consórcio, para comboios, deverá terminar este ano. Depois, temos projetos mobilizadores com o Citeve, no âmbito do TexBoost, para terminar em 2020.

A estratégia de aquisições, que já foi aplicada por exemplo na Roménia e na República Checa, poder-se-á estender a outros países?

Em 2006 foi quando começou o processo de internacionalização da ERT, em parceria com um cliente, a Coindu. Nesse ano instalámo-nos na Roménia e, depois, em 2009, essa parceria de 50/50 estendeu-se a um grupo têxtil francês, acabando por se transformar numa parceria a três, com distribuição de capital assimétrica. Em 2012 é que foi feito um investimento na aquisição de uma insolvência na República Checa, que tinha processos complementares aos nossos e acrescentava mais-valias que não tínhamos. Abria-nos um leque de clientes diferente, concorremos e a nossa proposta ganhou. No caso de outros países, nomeadamente o México, estão a ser avaliadas novas iniciativas, mas será sempre uma joint-venture, com parceiros internacionais. No caso da China, o parceiro poderá ser local.

Como correu 2017?

No sector automóvel, a ERT em Portugal fechou o ano com um volume de negócios de 54 milhões de euros e cerca de 400 trabalhadores – cresceu muito nos últimos anos e deixou de ser PME. Na República Checa, a faturação foi de 23 milhões de euros e na Roménia de 17 milhões. Ou seja, um total de 94 milhões de euros, para um conjunto de cerca de 700 trabalhadores.

Em Portugal, ainda há uma pequena parte que não é automóvel. No total, registámos um volume de negócios de 110 milhões de euros e temos aproximadamente 1.000 trabalhadores.

Quais são as prioridades para o corrente ano?

A abertura oficial da unidade em Marrocos e o desenvolvimento do projeto na América e na Ásia. Em termos de instalações será o projeto de construção de uma nova unidade em Portugal, que vai ser aqui [S. João da Madeira], num investimento de 10 milhões de euros.

Isso implica novas contratações?

As pessoas crescem em função dos projetos. Estamos a trabalhar no sentido de consolidar o futuro através da eficiência. Começou-se a olhar mais a sério para aquilo que é a indústria 4.0. Neste momento, estando muito dispersas as unidades na zona industrial, temos problemas em termos de logística e eficiência. Ao concentrar uma grande parte dos projetos automóvel numa só unidade, construída de raiz, seremos mais eficientes. Deste modo, podemos crescer no negócio sem ter que crescer em pessoas.

Esteve no iTechStyle Summit’18 a falar de tendências para o sector automóvel. O que pode destacar-nos?

Há um processo de identificação sobre aquilo que está a acontecer com o automóvel em particular, e com a mobilidade em geral, que tem a ver com, por um lado, a mobilidade elétrica, com processos de descarbonização, e por outro lado, com os veículos autónomos. Dentro de poucos anos, estima-se um número muito grande de veículos autónomos que deverá estar nas estradas, ou então noutro tipo de vias. A partilha de veículos e a conetividade serão centrais naquilo que vai acontecer, e que é naturalmente a reconfiguração dos carros face a esse tipo de mobilidade, a autonomia, e que tipo de superfícies e de matérias é que vão ser utilizadas.

Há carros autónomos a ter acidentes na estrada. Isso pode travar a aplicação das novas tecnologias?

Por vezes ficamos assustados com o aparecimento de novas tecnologias. Será que no futuro não vamos fazer nada? Será que nos vão roubar os postos de trabalho? No futuro, os robôs, as máquinas de Inteligência Artificial, é que irão resolver problemas. O impacto da tecnologia tem coisas muito positivas, como a visão artificial, a indústria 4.0, as pessoas que vão deixar de fazer operações de manuseamento de componentes e ferramentas, em que têm que ter proteções específicas nos joelhos, cotovelos e zona lombar, para não ganharem problemas de hérnias. No futuro serão as máquinas a fazer isso.

A nova unidade da ERT já vai ter alguma das características da indústria 4.0?

Estamos no início, mas vamos aproveitar o facto de construir uma unidade para pensá-la de raiz. Começou a haver processos robotizados. Com a nova unidade serão feitos investimentos de raiz, com um controlo mais rigoroso de produção, tratamento de dados.

Queria ainda salientar que estamos a lançar, em parceria com a Simoldes, uma “call for innovation”, que é um concurso que faz a ligação àquilo que são as tendências nomeadamente do sector automóvel. Este processo está no https://inovautomovel.pt/ e o que estamos a fazer é premiar novas ideias, numa iniciativa direcionada a incubadoras nacionais, parques de ciência e tecnologia e universidades. Estamos à procura de novas soluções, conceitos e funcionalização de materiais.


A linha ferroviária Aveiro – Salamanca é vital para a sobrevivência do sector automóvel

A indústria automóvel representa 20% das exportações de bens transaccionáveis de Portugal, tendo-se tornado um sector industrial absolutamente vital e insubstituível para a nossa economia. Neste sentido, a AFIA considera ser de primordial importância a linha Aveiro – Salamanca – Burgos que tarda a ser lançada.

in AFIA, 13-06-2018


Considerando que os custos logísticos são reconhecidamente um factor de competitividade crítico para a concorrência internacional, a AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel acaba de realizar um inquérito para levantamento da realidade logística dos seus associados, do qual extraiu importantes conclusões sobre a situação presente e as perspectivas futuras.

Deste inquérito, conclui-se que hoje os fabricantes de componentes instalados em Portugal exportam 85 % da sua produção e importam mais de 80 % dos materiais ou componentes que transformam.

Os custos de logística (combustíveis, portagens, fretes portuários) em Portugal são maioritariamente mais elevados do que noutros países nossos concorrentes, acentuando o efeito de Portugal como país limítrofe e por isso afetando a competitividade e atratividade das nossas empresas e produtos.

A esmagadora maioria das nossas importações e exportações têm como origem/destino países europeus, com a Espanha em primeiro lugar destacado.

Para o movimento destas suas cargas dentro da Europa, as empresas utilizam hoje em mais de 90% a via rodoviária e em reduzida escala as vias marítima e aérea.

O volume transportado por via ferroviária é insignificante ou mesmo nulo, não sendo hoje uma opção real, devido à total imprevisibilidade de prazos (particularmente crítica nos fornecimentos à indústria automóvel), mas também devido às velocidades ridiculamente baixas, reduzidíssima frequência de circulação, preços pouco competitivos, transbordos com elevados custos e demoras, a que devemos acrescentar a tradicional falta de sensibilidade e agressividade comercial dos principais operadores.

Olhando para o futuro, percebemos que:

O transporte rodoviário, do qual hoje dependemos quase em exclusivo, verá os seus custos agravarem-se fortemente a curto prazo, quer por aumentos de preço dos combustíveis fósseis quer pela introdução de taxas ou impostos verdes tendentes a contrariar a sua utilização. O inevitável crescimento dos custos de transporte terrestre de e para a Europa afectará as empresas sediadas em Portugal duplamente: na importação e na exportação, pondo em risco a sua competitividade.

Em contrapartida, perspectiva-se que a vantagem de custo dos transportes ferroviários venha a crescer continuamente, sobretudo se optimizados através de soluções de intermodalidade (transporte de camiões e atrelados sobre vagões, centros de consolidação logística, etc.). O transporte por ferrovia apresenta no médio/longo prazo um potencial de economia de custos que para as empresas do sector automóvel representaria um ganho de competitividade dificilmente quantificável mas seguramente de extrema relevância.

Assim, concluímos que:

A longo prazo será fundamental para a sobrevivência da nossa indústria a existência de boas ligações ferroviárias a Espanha e ultra-Pirinéus, de preferência com bitolas que não obriguem a transbordos.

Considerando que 75 % desta indústria se situa a norte do distrito de Leiria, a já planeada linha Sines – Badajoz – Madrid – Burgos não é alternativa possível. Pelo contrário, é de primordial importância a linha Aveiro – Salamanca – Burgos que tarda a ser lançada.

O Governo não poderá perder a oportunidade de inscrever no próximo quadro comunitário 2021-2027 os fundos necessários para a construção da nova linha Aveiro-Salamanca.

De acordo com Tomás Moreira, presidente da AFIA, «se isso não acontecesse, estaria a cometer-se um atentado contra a nossa economia, pois a médio prazo condenaríamos as nossas empresas a um isolamento ferroviário com consequências fatais para o seu desenvolvimento e para a sobrevivência da indústria automóvel em Portugal».