DS Smith Tecnicarton presentará sus últimas innovaciones en embalaje industrial en EMPACK2018

Destaca la presencia de Tower Rack, un híbrido entre embalaje industrial, estantería y embalaje de suministro a línea

in DS Smith Tecnicarton , 05-11-2018


 

DS Smith Tecnicarton estará presente en EMPACK2018, que se celebra en Madrid los días 12 y 13 de noviembre, para dar a conocer sus últimas innovaciones en embalaje industrial. La compañía se ubicará en el stand D28 donde podrán verse múltiples soluciones de embalaje, representativos de la variedad de diseños que puede desarrollar.

 

Destaca en esta ocasión la presencia de Tower Rack®, el lanzamiento más importante de 2018 y uno de sus últimos trabajos innovadores para el sector automoción. Se trata de un concepto que cubre simultáneamente las necesidades de varios ámbitos de la cadena de suministro: embalaje, almacenamiento y abastecimiento a línea.

 

Tower Rack® es una estructura metálica cuyos 4 metros de altura tratan de acercar a los operarios todas las piezas necesarias y optimizar el espacio en línea de montaje ya que evita estanterías fijas, palés… Asimismo, minimiza el espacio en almacén ya que esta torre portátil se desplaza por el entorno de la fábrica suministrando piezas. Puede moverse en la cadena de abastecimiento de manera manual, mediante trenes Lean o incluso en Vehículos de Guiado Autónomos (AGV), lo que permite una monitorización absoluta de su tránsito. Además, Tower Rack® incrementa productividad en línea ya que permite la disminución de unidades de suministro.

 

Uno de los aspectos más destacados de esta innovación es su sistema móvil de acondicionamiento interno. Un dispositivo manual o eléctrico permite desplazar verticalmente los celdilleros para facilitar el acceso, la ergonomía y seguridad a los operarios. Mejora la seguridad laboral ya que no se desplaza el operario en busca de piezas sino que es el propio sistema de almacenamiento quien acude a la línea de producción. La reducción de movimientos de tránsito por la planta productiva reduce la posibilidad de accidentes laborales.

 

También pensado para el sector de la automoción, DS Smith Tecnicarton presentará un embalaje metálico especialmente diseñado para el transporte de airbags. Además, mostrará el sistema Tecnipack® con acondicionamiento flexible y los embalajes para graneles, tanto sólidos como líquidos, Tecnitank y Octabin.

 

Asimismo se expondrán diferentes soluciones de embalaje de manutención como bandejas termoconformadas, bacs acondicionados con diferentes materiales o soluciones en espuma. Y se darán a conocer distintos desarrollos de la compañía en cartón con acondicionamiento multimaterial a medida.

 

Como explica Alicia Correa, responsable de comunicación de la compañía, “el factor diferenciador de DS Smith Tecnicarton es nuestra especialización en soluciones completas diseñadas de manera multimaterial y a medida y destinadas a diferentes puntos de la cadena de suministro. Todas las innovaciones que traemos a EMPACK2018 son un ejemplo de ello y de cómo podemos abordar cualquier necesidad que nos planteen nuestros clientes de forma totalmente personalizada”, añade.

 

 

SODECIA REFORÇA A SUA POSIÇÃO NA EUROPA CENTRAL

A SODECIA investiu na Matador Automotive – Parte do Matador Group no último ano, adquirindo uma participação de 30% do seu capital social. O objetivo é aumentar as nossas capacidades industriais na divisão Body in White na Europa Central, especialmente para expandir as atividades de fornecimento de peças estruturais de aço e alumínio para fabricantes de veículos Premium.

in SODECIA, 05-11-2018


 

Agora, de acordo com o respectivo contrato, a participação da SODECIA no Grupo Matador cresceu para 60%, com efeitos legais em 31 de outubro de 2018, através da aquisição de mais 30% de participação por conclusão de uma opção de compra.

 

O Grupo Matador, em todos os aspectos legais, é agora parte integrante e relevante do Grupo SODECIA.

 

http://www.sodecia.com/

 

 

 

 

Diesel: new data proves that modern diesel cars emit low pollutant emissions on the road

New data released today by the European Automobile Manufacturers’ Association (ACEA) provides evidence that latest-generation diesel cars emit low pollutant emissions on the road. This data was measured in real-driving conditions by the drivers of the various national type approval authorities.

in ACEA, 05-11-2018


 

Some 270 new types of diesel cars type-approved against the latest Euro 6d-TEMP standard were introduced on the European market over the past year. The new data shows that all of these diesel cars performed well below the NOx threshold of the real driving emissions (RDE) test, which applies to all new car types since September 2017. What is more, already today most of these vehicles show results that are below the stricter NOx threshold that will be mandatory from January 2020.

RDE measures key pollutants, such as NOx and particles, emitted by cars while driven on public roads over a wide range of conditions. RDE therefore ensures that pollutant emission levels measured during the laboratory test (WLTP) are confirmed on the road, and that the legal thresholds are not exceeded during day-to-day driving.

Each of these 270 RDE-compliant diesel vehicle types represents a whole ‘family’ of similar cars of differing variants, so a multitude of low-emitting diesel cars are now available on the market. The German automobile club, ADAC, estimates that there are more than 1,200 different RDE-compliant cars available today1. Moreover, their availability is increasing rapidly.

Erik Jonnaert, ACEA Secretary General, said: “These new findings prove that modern diesel cars, supported by fleet renewal policies and combined with alternative powertrains, will play a strong role in helping cities move towards compliance with air quality targets. In parallel, diesel vehicles will continue to remain important for reducing CO2 emissions in the short and medium term, even though all manufacturers are expanding their offer of electrically-chargeable cars.”

Jonnaert: “Auto makers have made major investments to quickly deliver these massive reductions in NOx emissions. It is important that we stop demonising diesel technology as a whole. Instead, we need to differentiate between the old diesel fleet and the latest generation of vehicles.”

These findings are supported by third parties. ADAC recently performed independent on-road testing of RDE-compliant diesel vehicles and found that modern diesels emit 85% less NOx on average than Euro 5 cars, concluding that the latest diesels are “very clean”2. Their additional testing demonstrated that the best-performing RDE-compliant Euro 6 diesels emit as much as 95-99% less NOx than Euro 5 vehicles.

 

 

 

 

 

 

 

Couro Azul e Simoldes Plásticos inspiram Europa

O London Stock Exchange Group lançou recentemente um relatório onde estão expostas as 1000 empresas que inspiram a Europa, pelo seu crescimento e potencial.

in AFIA, 05-11-2018


 

E neste conjunto de empresas estas 2 empresas Associada da AFIA merecem destaque.

 

Ver artigos do COMPETE 2020:

 

 

Esta distinção só bem mais uma vez reforçar a qualidade e excelência da indústria portuguesa de componentes para automóveis.

 

Clique aqui para fazer o download do relatório.

 

 

 

German car market still feels October pinch from switch to WLTP

VDA adjusts expectations for domestic production and exports

in VDA, 02-11-2018


 

In October the switch to the new test procedure WLTP (Worldwide Light Vehicle Test Procedure) continued to impact on the German passenger car market. It totaled 252,600 new registrations, which was 7 percent below last year’s level. October last year had two working days less. So far this year just over 2.9 million passenger cars have been newly registered in Germany – a rise of 1 percent.

October’s incoming orders from Germany were 8 percent down on last year’s level. Year-to-date domestic orders have lost 2 percent. Orders arriving from abroad showed a similar development, recording a fall of 13 percent in October, while foreign orders during the first ten months of 2018 narrowly failed to equal last year’s figure (-1 percent).

The distortions due to WLTP were also felt in passenger car production. A total of 442,500 units were built. This represents a 3 percent year-on-year increase, but it should be remembered that October had two more working days this year. Since January, around 4.4 million brand new passenger cars have rolled off the production lines (-7 percent). Exports showed a similar trend, with the German OEMs exporting 328,100 units (+1 percent) in October. In the first ten months of this year exports amounted to 3.4 million units, which was a decrease of 7 percent compared to 2017.

Given the developments in passenger car production in the wake of the switch to WLTP, the VDA expects domestic car production during 2018 as a whole to come to nearly 5.3 million units (-7 percent) and exports to reach 4.1 million units (-6 percent).

 

Jaguar Land Rover will open engineering office in Hungary

Jaguar Land Rover is aiming for closer collaboration with suppliers in central and eastern Europe with a new technical engineering office in Hungary.

in Automotive News Europe, by Costas Pitas | REUTERS, 02-11-2018


The automaker officially launched its new 1.4 billion-euro ($1.6 billion) plant in Nitra, Slovakia, on Oct. 25 with an initial capacity of 150,000 vehicles.

JLR has warned that its UK factories may be hit if Britain leaves the EU without a trade deal, disrupting supply chains.

The automaker said engineers in Budapest will work with staff in Britain and elsewhere when the office opens in 2019, creating 100 jobs.

“The team in Budapest will complement the suppliers and supplier technical assistance that we already partner with in the region, as well as our teams in the UK,” said Nick Rogers, JLR’s product engineering chief.

The announcement was welcomed by Hungary’s foreign minister Peter Szijjarto. “The decision of the UK’s largest automotive manufacturer to open a technical engineering office in Budapest reaffirms our foreign direct investment strategy and in particular our specific focus on high quality automotive-related growth,” he said.

 

 

Fábrica de carroçarias e peças em carbono pode “nascer” em Évora

O projeto global prevê, entre 2019 e 2023, um investimento na unidade industrial de cinco milhões de euros e a criação de 53 postos de trabalho. O início da obra está previsto para o próximo ano.

in ECO economia online / Lusa, 02-11-2018


 

A Câmara de Évora anunciou esta sexta-feira ter atribuído a classificação de projeto de Potencial Interesse Municipal (PIM) à construção de uma fábrica de carroçarias e peças em carbono para as indústrias automóvel, aeronáutica, naval e eólica.

O município indicou, em comunicado, que a classificação do projeto e a cedência de um lote de terreno à Pleasant Racing para a construção da fábrica, na zona industrial da cidade, foram aprovadas na mais recente reunião de câmara.

Contactado esta sexta-feira pela agência Lusa, o presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, adiantou que entre os promotores do projeto está o piloto português de todo-o-terreno Ricardo Leal dos Santos. “Já temos um acordo para se poder instalar” a fábrica em Évora, disse, manifestando-se satisfeito por a Pleasant Racing ter escolhido a cidade alentejana para desenvolver o seu projeto.

O autarca referiu que, numa primeira fase, a empresa vai fazer um investimento “na ordem dos dois milhões de euros” e criar “dez postos de trabalho”. Mas, segundo o município, o projeto global prevê, entre 2019 e 2023, um investimento na unidade industrial de cinco milhões de euros e a criação de 53 postos de trabalho com nível escolar igual ou superior ao 12.º ano de escolaridade.

“Mais importante que o investimento e a criação de postos de trabalho é que estamos a falar de tecnologia de topo“, notou, assinalando que o projeto “dá perspetivas de futuro do ponto de vista da inovação e da ligação de Évora a projetos tecnológicos que são importantes”.

Questionado sobre os prazos, Pinto de Sá indicou que “é difícil” fazer uma previsão sobre o arranque da construção da fábrica, porque ainda “há que fazer o projeto”, mas admitiu que “no próximo ano já haverá obra”.

A Lusa contactou Ricardo Leal dos Santos, que remeteu para mais tarde a divulgação de detalhes sobre projeto.

 

 

Potencial exportador do sector automóvel português em grande destaque no Portugal Exportador 2018

Realiza-se no dia 14 de novembro, no Centro de Congressos de Lisboa, a 13ª edição do Portugal Exportador, o único evento em Portugal exclusivamente dedicado à exportação.

in Portugal Exportador, 31-10-2018


 

Em parceria com o Novo Banco e a aicep Portugal Global, esta edição prima pela introdução de quatro clusters que serão abordados ao pormenor: o tecnológico, agroalimentar, construção e automóvel.

Com o apoio da Mobinov e a participação da AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel e da ACAP – Associação Automóvel de Portugal, neste cluster será abordado a temática da produção de peças e veículos em Portugal e também o potencial de expansão e visão de futuro de um sector que já exporta mais de 90% do que produz.

Este cluster terá um workshop dividido em dois momentos, um de manhã, que abordará temas como o potencial produtivo e a relevância do sector dos componentes da indústria automóvel – com oradores da ZF Group, ERT Têxtil e Schmidt Light Metal – e a visão do sector e as oportunidades em dois mercados internacionais: África do Sul e México; e outro painel a começar às 15h00 cuja temática se debruça sobre o Potencial do Mercado Mundial, as suas tendências e evolução e também o futuro do automóvel na visão de quem tem poder de decisão e ainda um apontamento sobre parceiros e players incontornáveis em áreas estratégicas para o sucesso do negócio, com intervenções do Instituto Superior Técnico, CEiiA, entre outros.

Serão igualmente dinamizados cafés temáticos, reuniões exclusivas e intimistas de 45 minutos, sob o tema “A indústria da tradução e o sector automóvel – lado a lado no alargamento de fronteiras”, entre outros.

No âmbito da internacionalização, a Automechanika Frankfurt, a maior feira da indústria automóvel, estará disponível no Portugal Exportador para reuniões B2B com empresas do aftermarket automóvel presentes.

As inscrições para o Portugal Exportador podem ser feitas aqui: https://www.portugalexportador.pt/inscricoes2018/.

 

Mais informação em www.portugalexportador.pt | www.facebook.com/clubepexportador | www.linkedin.com/in/clube-portugal-exportador-187b2b105.

 

 

Nissan’s St Petersburg plant begins new X-Trail crossover production

Nissan has started production of the new X-Trail crossover SUV at its St. Petersburg plant.

in Nissan, 31-10-2018


 

The X-Trail is Nissan’s best-selling model worldwide and the key upgrades are a more contemporary exterior design, upgraded suspension, greater cabin refinement and additional innovative new Nissan Intelligent Mobility technologies.

The focus of these new technologies is to improve driver confidence and safety on the road; Rear Cross Traffic Alert is a system which detects moving vehicles as the driver is reversing, while Intelligent Emergency Braking helps avoid collisions by detecting potential obstacles ahead. Both are now available on the new Nissan X-Trail.

Specifically adapted to meet local market demands, the new X-Trail features an upgraded suspension to enhance ride comfort and handling. It also includes Yandex.Avto systems supporting weather forecasting, music streaming and voice assistant services. Yandex.Navigator is a popular GPS system in Russia, which will allow X-Trail drivers to optimise their route by avoiding traffic jams. A new multi-function steering wheel enhances cabin refinement.

To meet the production requirements of the new model, the St. Petersburg plant has also undergone a series of upgrades. For example, laser-sensor capability has been installed across all welding equipment to enhance precision, alongside the introduction of software systems to improve vehicle noise isolation. The X-Trail test assembly process began in April, meaning the upgraded crossover SUV has been comprehensively prepared for its launch in the Russian market.

Igor Boytsov, vice president, Nissan Motor Manufacturing Russia, said: “We are very pleased to announce the official start of production of the new Nissan X-Trail at our St. Petersburg plant. The move has seen the installation of sophisticated new equipment and additional training for our staff, guaranteeing the efficient manufacturing of this innovative model while bringing our ‘northern capital’ plant into the future.”

The X-Trail crossover became the second Nissan model ever to be produced at the plant, with the first customer cars rolling off the line in 2009. Since then, almost 200,000 have been built. Full range details and prices for the new Nissan X-Trail in Russia will be announced later this year.

 

 

Estudo da CIP sobre o Brexit estima quebra entre 15% e 26% das exportações portuguesas para o Reino Unido

A CIP – Confederação Empresarial de Portugal – apresentou hoje o estudo “Brexit: As Consequências para a Economia e para as Empresas Portuguesas”. O estudo, promovido pela CIP e realizado pelos especialistas da Ernst & Young – Augusto Mateus & Associados, conclui que no cenário mais otimista, o Brexit terá um efeito negativo de 15% nas exportações portuguesas para o Reino Unido. As perdas potenciais poderão, no entanto, chegar aos 26%, num cenário mais negativo, em que não exista qualquer acordo entre o Reino Unido e a União Europeia. No total, é estimado um impacto negativo entre 0,5% e 1% no PIB nacional.

in CIP, 31-10-2018


 

Conheça o estudo AQUI

 

Num momento em que se vive um clima de forte incerteza e de apreensão sobre a forma como o Brexit se materializará, a CIP tomou a iniciativa promover este estudo que contém uma análise aprofundada dos riscos envolvidos e dos diversos cenários que estão em cima da mesa. O objetivo é capacitar as empresas portuguesas para darem a melhor resposta aos desafios que o Brexit coloca à nossa economia. Uma preocupação que se reveste de especial importância tendo em conta que o Reino Unido é o primeiro mercado de destino das exportações portuguesas de serviços e o quarto principal destino para as exportações portuguesas de bens.

 

“Este estudo vem preencher uma lacuna. Era importante dispormos de uma análise aprofundada para podermos fundamentar a nossa resposta ao desafio do Brexit. Estamos agora mais preparados para apoiar as empresas na gestão dos desafios que o Brexit coloca”, sublinhou hoje António Saraiva, presidente da CIP. Na sessão de encerramento da conferência, o líder da CIP defendeu ainda a necessidade de o Governo implementar uma estratégia em termos de políticas públicas, com o objetivo de minimizar os riscos associados ao Brexit e maximizar as oportunidades decorrentes deste processo.

 

O estudo “Brexit: As Consequências para a Economia e para as Empresas Portuguesas” conclui ainda que nem todas as empresas portuguesas sentirão os efeitos do Brexit da mesma forma. Alguns setores são mais sensíveis ao cenário de desconstrução associado à saída do Reino Unido da União Europeia. São eles: o setor dos produtos informáticos, eletrónicos e óticos; o setor dos produtos de equipamentos elétricos e ainda o setor dos veículos automóveis, reboques e semirreboques.

 

No polo oposto, os produtos de áreas como a silvicultura, a exploração florestal; a pesca; a aquicultura, entre outros, estão entre os mais resilientes aos efeitos negativos do Brexit.

 

Também em termos de geografias há regiões que estão mais expostas aos efeitos nocivos decorrentes do Brexit. O estudo da CIP conclui que, no que diz respeito ao nível dos bens, o Alto Minho, Cávado; Ave e Tâmega e Sousa estão entre as regiões mais sensíveis aos riscos deste processo, tendo em conta a sua especialização produtiva.

 

Já no que diz respeito ao setor dos serviços, a Área Metropolitana de Lisboa, Algarve e Madeira são as regiões com maior exposição aos riscos gerados pelo Brexit.

 

Apesar das perdas estimadas para a economia portuguesa, o estudo salienta que o Brexit vai também gerar oportunidades que podem ser aproveitadas pelas empresas lusas. Recorde-se que com o Brexit o Reino Unido terá mais dificuldades em importar e exportar de e para outros países da União Europeia. Neste cenário de profundas alterações das relações comerciais entre o Reino Unido e a UE, Portugal pode substituir outros países no relacionamento com o mercado Reino Unido no pós-Brexit, assumindo-se como um parceiro privilegiado daquela região.

 

Para que a economia portuguesa consiga posicionar-se para aproveitar estas oportunidades, o estudo avança com um conjunto de recomendações que passam pela valorização do Reino Unido como parceiro económico de Portugal; pela adoção de práticas empresariais e regulatórias que facilitem o relacionamento com o mercado britânico e por uma maior diversificação geográfica das exportações portuguesas.

 

“O Brexit exigirá mais diplomacia, por forma a valorizar e reforçar o trunfo da imagem e visibilidade de que o nosso país desfruta no Reino Unido”, sublinhou o Presidente da CIP.

 

Conheça o estudo AQUI