La automoción, comprometida con el estado de alarma

  • El sector agradece al Gobierno las medidas establecidas para garantizar la coordinación en la gestión de esta crisis, asegurar el transporte de mercancías y la entrada y salida de trabajadores.
  • Garantiza el cumplimiento, con la más alta responsabilidad, de todas las normas derivadas de la declaración de estado de alarma.
  • Asimismo, prepara un plan de choque con medidas extraordinarias para presentar al Gobierno, medidas que garanticen la viabilidad, competitividad y empleo en el sector, ahora y después de esta crisis

in ANFAC, SERNAUTO, FACONAUTO, GANVAM, 15-03-2020


La crisis del coronavirus se ha convertido en una de las situaciones más graves y excepcionales que ha vivido España en su historia democrática. Es por eso que, ante la declaración del estado de alarma, la automoción, que representa el 10% del PIB y el 9% de la población activa, quiere reforzar su compromiso con el país y con la solución a esta complicadísima situación. Las asociaciones de fabricantes de vehículos y componentes, ANFAC y SERNAUTO, y las
de distribución y comercialización de vehículos, FACONAUTO y GANVAM, en línea con CEOE y Cepyme, reconocen los esfuerzos del Gobierno y las medidas de coordinación para garantizar la mejor gestión posible de esta crisis, las medidas para garantizar el transporte de mercancías y la entrada y salida de trabajadores en las más exigentes condiciones de seguridad y garantizamos que el sector al completo ya cumple, con la mayor responsabilidad, con todas las normas derivadas de la declaración de estado de alarma y todas las exigencias sanitarias para proteger a la población. Además, quieren expresar su apoyo y su agradecimiento a todos los colectivos que están trabajando para luchar contra el Covid-19 y para mantener la estabilidad y los recursos indispensables en las poblaciones. Su labor es crucial en estos momentos críticos y es nuestra responsabilidad facilitar su trabajo.

Sin embargo, esta situación de excepcionalidad necesita de una respuesta extraordinaria no solo a nivel sanitario y social sino a nivel económico y laboral, también para la industria y el sector de la automoción. Respuestas que nos permitan superar este bache y mantener el ritmo, la competitividad y el empleo de las empresas, una vez que se levante el estado de alarma. Las fábricas y establecimientos comerciales del sector son indispensables para mantener el empleo en muchas de las poblaciones españolas y su mantenimiento es fundamental para preservar la economía, ahora y después de esta crisis. Los planes de contingencia, puestos en marcha desde que estalló la crisis en China, han permitido, con mucho esfuerzo, mantener producción. Sin embargo, la situación actual, en España y en el conjunto de Europa, es muy preocupante y está impactando ya de manera significativa en la actividad de nuestras fábricas y establecimientos.

PLAN DE CHOQUE CON MEDIDAS EXTRAORDINARIAS

Es por eso por lo que el sector prepara ya un plan de choque con medidas extraordinarias que refuercen las ya aprobadas por el Gobierno, cuya rápida implementación contribuiría a minimizar el impacto tan negativo que esta crisis global está teniendo ya para nuestra industria, de manera que se garantice la viabilidad, competitividad y empleo en el conjunto del sector, ahora y en los meses siguientes al fin del estado de alarma. Son necesarias medidas urgentes de índole laboral como la simplificación y agilización de los procedimientos en los expedientes de regulación temporal del empleo y un amplio conjunto de otras medidas económicas y fiscales. Será necesaria asimismo la apertura y habilitación de un fondo extraordinario de ayudas al sector para la recuperación industrial y del mercado, así como una posterior reflexión del impacto de esta crisis en la implementación de las obligaciones europeas en el sector.

Como llevamos haciendo durante décadas, el sector de automoción mantendrá su compromiso y responsabilidad con la salud y seguridad de sus colaboradores y empleados y el conjunto de la sociedad española y se pone a disposición del Gobierno y sindicatos para desarrollar conjuntamente un plan de medidas urgentes y extraordinarias para el sector.

 

 

Coronavirus piles pressure on Europe’s stricken auto industry

Europe’s major car and parts makers rushed on Wednesday to close factories and cut output in Italy and considered sending workers home elsewhere, in the first signs that coronavirus is disrupting the region’s struggling automotive industry.

in Automotive News Euriope, by Joan Faus, Giulio Piovaccari | Reuters, 12-03-2020


Fiat Chrysler said it was temporarily halting operations at some of its Italian factories and would reduce production in response to Europe’s largest coronavirus outbreak.

Italy all but put a halt to normal life, paring the economy down to just essential services in a desperate bid to stem the advance of the coronavirus.

Prime Minister Giuseppe Conte ordered all shops in the country to close except for grocery stores, pharmacies and a few others until March 25. Public transportation as well as financial and postal services will continue, but the country’s normally vibrant restaurants, cafes and bars will be shut.

Factories can continue operating, but only with “precautions,” the premier said in a televised address on Wednesday evening, adding that the government recommends non-critical facilities be shut.

Double hit

Automakers face disruptions to supplies of parts being delivered from China as well as a fall in demand in regions hit by extensive quarantine measures which disrupt public life.

Forecasters at LMC Automotive on Wednesday revised their estimate for light vehicle sales downward by 4 percent this year, or 3.7 million cars, to 86.4 million units, the lowest level since 2013.

The revisions come as the World Health Organization described the Corona COVID-19 virus as a pandemic.

A moderate pandemic could worsen the outlook by another 2 million to 3 million units, LMC said adding that supply chain disruptions have caused higher logistics costs and that matters will get worse before they get better.

“The impact of COVID-19 on the auto industry has gone well beyond the initial focal point of China, resulting in downward forecast revisions across most major markets,” said Jonathon Poskitt, Director Global Sales Forecasts at LMC.

Italian tire maker Pirelli had said on Tuesday it was cutting production at its plant in Settimo Torinese, northern Italy, after a worker tested positive for the virus.

Italy is the worst-affected country in the world after China and the unprecedented lockdown of the country has heaped fresh pressure on the region’s ailing car sector.

Other companies including Britain’s biggest automaker, Jaguar Land Rover, and PSA Group  were also scrambling to deal with infections among staff, highlighting the risks to business beyond supply chains and Italy’s borders.

The French automaker was beefing up safety rules on Wednesday at its Mulhouse plant with a 5,000-person workforce in eastern France after one employee tested positive, a spokeswoman said. The man has been on sick leave since Feb. 29.

Volkswagen, meanwhile, canceled a shift at a plant near Barcelona in Spain, operated by its Spanish unit Seat, because the coronavirus outbreak has hit its supply chain.

The German automaker may also send staff home temporarily from that facility and another one in the Navarra region of Spain if supply issues worsen.

Volkswagen’s Czech unit Skoda also said there was the risk of a shortage of parts from China that might affect several of its plants.

The disruptions are the latest blow to Europe’s automakers, which are struggling with weak global demand and high costs of meeting the region’s tough emissions targets.

The virus has already taken its toll on business in China, the world’s top car market, where vehicle sales tumbled last month as customers stayed home due to the epidemic.

An industry association warned last week that car sales in Italy, Europe’s third-largest economy, could shrink by more than 15 percent.

Bloomberg contributed to this report

 

Setor automóvel “expectante” saúda medidas de apoio do Governo

O setor automóvel em Portugal continua sem sentir constrangimentos causados pelo novo coronavírus, mas congratula-se com as medidas de apoio anunciadas hoje pelo Governo, pois está “expectante” com as consequências de um prolongar da situação

in Notícias ao Minuto / Agência Lusa, 09-03-2020


“Neste momento não temos notícia [de constrangimentos à laboração das empresas do setor], mas, a manter-se esta situação, é possível que venha a acontecer, numa ou em outra unidade, uma redução da produção”, afirmou em declarações à agência Lusa o secretário-geral da Associação Automóvel de Portugal (ACAP), que representa os construtores de automóveis de veículos ligeiros e pesados quer na vertente industrial, quer na vertente comercial.

“Nesse sentido — acrescentou Hélder Barata Pedro – a decisão do Governo de criar medidas como a possibilidade de estabelecer o ‘lay off’ e o apoio na formação dos trabalhadores durante este período é positiva para prevenir uma situação de redução de produção e de necessidade de alguns trabalhadores ficarem inativos, o que é significativo”.

Segundo a ACAP, logo no início da crise do coronavírus, as empresas do setor “começaram a prevenir-se para substituir eventuais peças e componentes que vêm das zonas mais afetadas, como a China ou o norte de Itália”, tendo estado a trabalhar até agora “com esse aprovisionamento”.

“Mas isso não quer dizer que, num futuro próximo, uma unidade ou outra da indústria automóvel não tenha de vir a ter de reduzir a produção e estas medidas que o Governo anunciou hoje são, de facto, importantes”, sustentou.

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, disse hoje à entrada de uma reunião extraordinária de concertação social, que alguns setores da economia estão já a ter problemas nas suas cadeias de abastecimento, nomeadamente no têxtil, algum setor automóvel, calçado e turismo.

Recordando que a possibilidade de recurso ao ‘lay off’ e os apoios à formação “foram precisamente propostas apresentadas ACAP há cerca de uma semana, numa reunião com o ministro da Economia e outras entidades”, Hélder Pedro considera que, “para já, poderão ser suficientes” para enfrentar a situação.

Tal como os construtores automóveis, também os fabricantes de componentes para o setor automóvel dizem que “a situação, por enquanto, está controlada”, não se registando constrangimentos à laboração das empresas.

“As empresas têm os seus ‘stocks’ mais ou menos controlados e os componentes que vêm da China e da Itália [dois dos países mais afetados pela epidemia do Covid-19] não são assim muitos. Os componentes vêm sobretudo de Espanha, da Alemanha e de França, que são os nossos principais parceiros quer a nível de importações, quer de exportações”, esclareceu à Lusa o secretário-geral da Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel (AFIA).

Ainda assim, Adão Ferreira admite que, “se os clientes em Espanha ou na Alemanha começarem a ser afetados, mais cedo ou mais tarde Portugal irá ser também, no tal efeito dominó de que se fala”.

“A situação por enquanto está controlada. Vamos é ver até quando se vai manter assim, porque é natural que, se isto continuar, comece a haver algum problema. As empresas estão expectantes, a avaliar a situação, e o que estão a fazer é restringir as viagens aos clientes e aos fornecedores, fazendo reuniões por áudio e vídeo conferência. Por enquanto a situação está a ser controlada assim, vamos ver até quando é que isto é viável”, sustentou.

O Governo anunciou hoje um regime de ‘lay-off’ simplificado para as empresas que vejam a sua atividade “severamente afetada devido à epidemia”, por via do qual os trabalhadores terão a garantia de retribuições ilíquidas equivalentes a dois terços do salário até 1.905 euros, 30% suportado pelo empregador e 70% pela Segurança Social até um máximo de seis meses.

Esta medida, assim como a duplicação de 100 para 200 milhões de euros da linha de crédito para apoio à tesouraria das empresas, foram algumas das medidas apresentadas aos parceiros sociais para minimizar o impacto do novo coronavírus.

O executivo decidiu ainda que o pagamento dos incentivos no quadro do Portugal 2020 será efetuado no mais curto espaço de tempo possível, a título de adiantamento, se tal se mostrar necessário, uma moratória de 12 meses na amortização de subsídios reembolsáveis no quadro do QREN e do PT2020, que se vençam até 30 de setembro de 2020.

A epidemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou mais de 3.800 mortos.

Cerca de 110 mil pessoas foram infetadas em mais de uma centena de países, e mais de 62 mil recuperaram.

Nos últimos dias, Itália tornou-se o caso mais grave de epidemia fora da China, com 366 mortos e mais de 7.300 contaminados pelo novo coronavírus, que pode causar infeções respiratórias como pneumonia.

Para tentar travar a epidemia, o Governo de Roma colocou cerca de 16 milhões de pessoas em quarentena no Norte do país, afetando cidades como Milão, Veneza ou Parma.

Portugal regista 30 casos confirmados de infeção, segundo o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde (DGS), divulgado no domingo. Todos os infetados, 18 homens e 12 mulheres, estão hospitalizados.

DGS comunicou também que 447 pessoas estão sob vigilância por contactos com infetados.

 

Ford Almussafes plantea un ERE para suprimir 400 empleos al recortar 100 coches diarios

La dirección de la planta ha explicado que la bajada de producción se debe a que el exitoso lanzamiento del Kuga está llegando a su fin y el resto de modelos no está compensando el impulso productivo que vivió el centro valenciano con la llegada de la nueva generación del SUV.

in La Tribuna de Automoción, por Ignacio Anasagasti, 03-03-2020


La dirección de la fábrica de Ford Almussafes ha comunicado hoy al Comité de Empresa en una reunión que es necesario aplicar una nueva bajada de la producción de 100 coches diarios, quedando la cadencia en alrededor de 1.640, un ajuste que «no es coyuntural» y que ha llevado al fabricante a plantear un Expediente de Regulación de Empleo (ERE) para reducir la plantilla en 400 empleados, un 6% de los cerca de 6.400 efectivos que operan en las instalaciones de montaje de vehículos.

La compañía ha explicado, según han informado a La Tribuna de Automoción fuentes sindicales que, a pesar de que las ventas del nuevo Kuga están yendo bien, el impulso del lanzamiento productivo de este automóvil está llegando a su fin y, como la demanda de otros tres modelos de la factoría —el Mondeo, el S-Max, el Galaxy— no está siendo todo lo satisfactoria posible, hay que recortar el programa de trabajo diario. De los malos números habría que salvar al Transit y Tourneo Connect.

Tras la comunicación del ERE, se procederá a constituir la mesa negociadora, lo que llegará el próximo 10 de marzo. Al ser un expediente de extinción, el plazo de consultas no será superior a 30 días.

 

 

Automóvel quer conhecer “medidas excecionais” do Governo para o coronavírus

Representante da indústria automóvel pretende que sejam disponibilizados apoios financeiros para “a empresa e para os trabalhadores” no caso de o vírus forçar paragens de produção.

in ECO, por Paulo Moutinho, 02-03-2020


O setor automóvel ainda não está a sentir os impactos do coronavírus. No entanto, a Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel (AFIA) diz que os seus associados estão expectantes, temendo os efeitos do vírus. É isso que Adão Ferreira vai dizer a Siza Vieira, ministro da Economia, de quem espera ficar a saber quais as medidas excecionais que estão a ser preparadas pelo Executivo.

“Vamos falar um pouco do que os nossos associados estão a sentir” neste momento, numa altura em que o alastrar do coronavírus está a travar a procuração na China, colocando em risco o fornecimento de componentes para a indústria automóvel portuguesa. “Ainda não há constrangimentos, mas os nossos associados estão expectantes”, diz o secretário-geral da AFIA.

Neste encontro com representantes dos vários setores de atividade, agendado pelo Executivo, Adão Ferreira diz ao ECO que quer “saber que medidas excecionais estão previstas” pelo Governo para apoiar as empresas ligadas ao ramo automóvel.

“Se uma empresa tiver de parar a laboração, que apoios financeiros haverá?”, questiona o secretário-geral da AFIA. O representante das empresas do setor quer sair da reunião com a garantia do ministro Adjunto e da Economia de que haverá apoios financeiros para “a empresa e para os trabalhadores” no caso de o vírus forçar a uma paragem.

A caminho do encontro com Siza Vieira, Adão Ferreira recusa, no entanto, antecipar valores para um eventual apoio financeiro do Estado para os seus associados. “Valores? Não faz sentido apontar números para já”, diz o responsável ao ECO.