Skip to main content

AFIA | A Indústria Portuguesa de Componentes Automóveis

“O ano de 2023 continuará a ser muito desafiante: Disrupções nas cadeias de abastecimento; Escassez de semicondutores e outras matérias-primas; Inflação dos custos: matérias-primas, energia, transporte.”

in Portugalglobal n.º 161, fevereiro de 2023, por José Couto


Ao longo dos últimos anos a indústria de componentes para automóveis nacional tem-se mostrado como um sector de atividade económica robusto, com empresas que se têm consolidado ao longo da última década, reforçando a sua competitividade num quadro de indústria 4.0 e a capacidade de resposta aos desafios do mercado automóvel, que de repente foi confrontado com um novo quadro de pressupostos, que acelerou o processo de descarbonização e da digitalização.

Como resultado temos um contributo muito importante no trajeto da recuperação da economia portuguesa – 5,3% do PIB –, no contexto da evolução da indústria e da produção de bens transacionáveis, mas também no contributo para o desenvolvimento de tecnologias e conhecimento, para a profissionalização e capacitação de processos de gestão, para a criação de emprego, para o acréscimo da competitividade e do seu reconhecimento nos mercados internacionais, através do incremento das exportações nacionais, o que por si só justifica que agora, tendo em conta as preocupações que se manifestam, perante um ciclo de diminuição de atividade provocado por uma quebra anunciada de vendas de veículos automóveis na Europa, o sector seja devidamente ouvido e que nos preparemos para os efeitos de uma contratação que pode ser prolongada.

A indústria de componentes para automóveis é constituída por mais de 350 empresas. É uma indústria transversal e mobilizadora, agregando empresas de vários setores – v.g.: metalurgia, metalomecânica, elétrica e eletrónica, química, plásticos, vidro, borracha, têxtil, curtumes, etc. – que emprega diretamente mais de 62.000 pessoas, o que corresponde a 9 % do emprego da indústria transformadora e tem um forte efeito multiplicador.

A indústria de componentes para automóveis não tem alternativa que não seja não investir. Investir em tecnologia, na reformulação e adequação de processos produtivos, na descarbonização e diminuição consistente dos impactos ambientais, na digitalização vertical e horizontal ao longo de toda a cadeia de produção e de criação de valor. Também, temos que relevar, pela importância que constitui, o investimento nas pessoas porque as competências são cruciais para o sucesso e a afirmação da competitividade das empresas. Entre 2015 e 2021 foram investidos mais de 5 mil milhões de euros, o que representa 17% do investimento de toda a indústria transformadora.

O sector conta com uma elevada percentagem de investimento estrangeiro em Portugal, mas em contrapartida também diversas empresas portuguesas se internacionalizaram, formando grupos multinacionais que atuam próximo dos seus clientes em quatro continentes.

O ano de 2023 continuará a ser muito desafiante: Disrupções nas cadeias de abastecimento; Escassez de semicondutores e outras matérias-primas; Inflação dos custos: matérias-primas, energia, transporte.

A Indústria Portuguesa de Componentes Automóveis tem revelado um desempenho acima da produção automóvel na Europa. Entre 2015-2021 cresceu a uma taxa de +4,2% ao ano, o que compara com um decréscimo médio anual de -4,4% da produção automóvel na Europa. Esta performance só é possível ser conseguida pela resiliência, competência e fiabilidade continuadamente demonstradas pela indústria junto dos clientes internacionais. Refira-se que 98% dos carros produzidos na Europa têm pelo menos um componente fabricado em Portugal.

Esta indústria oferece soluções para dar forma à mobilidade do futuro, inteligente e com baixas emissões de carbono. Contudo, uma das preocupações da AFIA reside na capacidade das empresas nacionais se manterem capazes de competir com as suas congéneres, continuarem a manter a expressão nos clientes e progredirem no processo de ganhar quota de mercado nos clientes.

 

José Couto
Presidente da AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.