German border controls threaten inbound parts supply

Germany’s decision to suddenly impose travel restrictions across borders with Austria and the Czech Republic, and to those travelling from Slovakia, has drawn criticism from across the automotive industry as freight queues threaten to delay parts deliveries.

in Automotive Logistics, by Marcus Williams, 23-02-2021


Germany stopped most road traffic across the border on February 14 to control the spread of Covid-19 variants detected in Austria’s Tyrol (Tirol) and the border regions of the Czech Republic. It later extended the ban to Slovakia, which has high levels of Covid infection.

The Czech Republic declared a state of emergency on February 14 because of the spread of the coronavirus.

While freight movements are permitted, drivers from those regions need to produce proof of a negative Covid test no older than 48 hours to avoid being turned back. Testing facilities have been set up in the border regions of the Czech Republic. However, the disruption has resulted in congestion that in some cases led to 20-kilometre tailbacks (12 miles) into the Czech Republic.

State-owned German rail company Deutsche Bahn also suspended cross-border services.

No warning
Germany’s automotive industry association (VDA) joined the German freight transport association (BGL) in expressing concerns about the closures. The VDA said that unlike the border closures that were imposed last year when the first wave of Covid hit Europe, with early warnings issued two or three weeks prior, the latest closures came as a surprise.

Manufacturers have had no time to build up parts stock in advance and the situation is causing huge challenges for manufacturers, suppliers and the logistics sector. According to the VDA, the Czech Republic is at least as important as northern Italy for passenger car production at German factories, and there are established inbound supply chains from Austria.

“Many parts from Austria and the Czech Republic needed to build vehicles at German facilities are delivered directly to the assembly lines either just-in-time or just-in-sequence,” said Hildegard Müller, president of the VDA. “If the obligations to test and report at the borders cause longer traffic queues, the result could well be interrupted supply chains, shortly followed by production stoppages at many car plants in Germany. The first production lines will come to a halt after only a few hours if the materials are not supplied.”

No plant closures caused by inbound supply shortages have so far been reported by the German carmakers. BMW said supplies were continuing to support production as planned and, while there were some delays registered, they were manageable and the company was closely coordinating with its suppliers and logistics providers. Production at Mercedes-Benz’s plants is also currently running unhindered, according to the carmaker.

In a statement sent to Automotive Logistics VW said there had been no serious bottlenecks at Volkswagen Group factories because of deliveries being stuck at the border, though, like BMW, it continued to monitor and analyse the situation and was ready to react at short notice.

“Volkswagen has also already made provisions to be able to compensate for short-term shortages,” said the company. “Should the border traffic situation get worse and result in even longer queues, it will no longer be possible to rule out production restrictions at Volkswagen either.”

The carmaker continued: “We generally see it as the task of politicians to ensure free exchange of goods across national borders and create clear regulations in exceptional circumstances such as these.”

Better testing at border

VW said that to improve the situation there should be sufficient publicly available virus testing capacities and short control and testing times when crossing borders.

The BGL’s board spokesperson, Professor Dirk Engelhardt, also responded with calls for a practicable testing strategy as soon as possible.

“In addition to testing centres on the borders, which must be set up without delay, rapid tests should be accepted from truck drivers without a medical certificate,” said Englehardt. “Otherwise, not only will many supermarket shelves remain empty because there are not enough freight drivers, but the assembly lines – also in the auto industry in particular – will come to a standstill because they can no longer be supplied.”

In terms of finished vehicle movements by road, the head of the Association of European Vehicle Logistics, Wolfgang Göbel, expressed his concerns in a letter sent to Matthew Baldwin, deputy director general of DG Move (the directorate-general for mobility and transport responsible for transport in the EU), and to Elisabeth Werner, director of land transport at the European Commission.

Göbel said the new measures had been enforced at very short notice, which did not allow truck operators to prepare. Rather they needed to be implemented in a co-ordinated and harmonised way. He pointed out that inconsistencies such as the fact that Saxony did not require truck drivers to show a negative test while Bavaria did.

“The reaction from the Commission and DG Move towards the German government is far too weak,” wrote Göbel in the letter, urging the Commission to ensure the functioning of the logistics sector and the securing of supply chains.

According to the ECG, Werner said that notice had been sent from the Commissioners for Justice and Home Affairs to their national counterparts reminding them that health measures must remain proportionate and supply chains must be secured. She also expressed concern about the working and testing conditions for truck drivers, calling on the member states to provide better testing facilities.

 

Aptiv Introduces Next-Gen ADAS Platform for Highly Automated and Electrified Vehicles

  • As part of Aptiv’s Smart Vehicle Architecture™, the open and scalable ADAS platform enables the software-defined vehicle, reduces complexity and lowers total system costs
  • Next-gen ADAS platform leverages Aptiv’s industry-leading full-stack capabilities in perception systems, software and compute platforms, and connectivity
  • High-performance compute platform delivers unmatched value to customers with continuous OTA updates over the lifetime of the vehicle

in APTIV, 11-01-2021


Aptiv PLC (NYSE: APTV), a global technology company enabling the future of mobility, today announced its next-generation Level 1-3 capable ADAS platform.

Aptiv has been leading the development of advanced driver-assistance systems (ADAS) for more than 20 years, from launching the industry’s first radar-based Adaptive Cruise Control system in 1999 to its autonomous driving joint venture, Motional, will be among the first to put fully driverless vehicles on public roads.

Aptiv’s unique full-stack capabilities are helping customers realize their technology roadmaps and democratize advanced safety systems faster and at a lower cost. Its award-winning first-generation automated driving satellite compute platform has been a game-changer in the industry, leveraging the integration of its Satellite Architecture and active safety software, perception systems and compute. Aptiv’s Satellite Architecture is being deployed by multiple OEMs around the world on more than 10 million vehicles over the next few years.

Building on this trusted foundation, Aptiv’s next-gen ADAS platform will enable new levels of safety, comfort and convenience. Purpose-built for scalability, it cost-effectively spans all vehicle segments by managing the software complexity and supporting features that range from entry-level safety compliance to advanced highway pilot and parking assist. Aptiv’s ADAS platform has the ability to incorporate future technologies and features, including those developed in collaboration with Motional, providing further scalability to higher levels of automation.

“Our next-gen ADAS solution cost-effectively delivers safety features over the lifetime of the vehicle that exceed consumer expectations on a platform upon which OEMs can continue to innovate,” said Kevin Clark, CEO and president. “Our unique position as the only provider of both the brain and the nervous system of the vehicle makes Aptiv the partner of choice for developing software-defined safety solutions that can be democratized as they mature.”

As part of Smart Vehicle Architecture™, Aptiv’s next-gen ADAS platform is fully compatible with emerging zone control architectures, enabling new business models for OEMs through the creation of new features and services that can be updated over-the-air (OTA).

Aptiv’s next-gen ADAS platform also applies an Industry 5.0 approach to safety, ensuring that the driver and the vehicle work together flawlessly. Using the latest generation of up-integrated driver-state sensing and interior sensing solutions – augmented by scalable software – Aptiv’s platform not only verifies if the driver’s eyes are on the road, it also recognizes and responds to body positioning, gestures and eye movement to provide a higher level of safety.

The next-gen ADAS platform continues the acceleration of software-defined vehicles through Aptiv’s scalable full-stack features and offerings, including:

  • Proven Software Stack: Utilizes differentiated and modularized software at every level of the stack on an open, centralized compute platform that allows for the creation of new features and services.
  • Next-Generation Sensor Suite:  The next-gen platform utilizes the industry’s best-in-class interior and exterior sensing capabilities including radars, vision, and LiDAR. Among these sensors is Aptiv’s sixth-generation corner/side radars and forward-facing radars, as well as Aptiv’s first 4D imaging radar, which provides twice the detection range versus what is available on the market today. Aptiv’s Interior Sensing Platform includes radars, ultrasonic sensing, and cabin cameras, enabling OEMs to develop brand-building user experience.
  • Advanced Sensor Fusion:  Supporting the most advanced features requires a comprehensive and reliable environmental model. The platform’s differentiation comes from Aptiv’s advanced AI and machine learning algorithms to fuse 360-degree sensor inputs, providing a detailed rendering of the environment around the vehicle.
  • Development Tool Chain:  Gives OEMs the flexibility to drive further innovation on top of Aptiv’s proven solutions to accelerate the development of safe, green and connected features consumers want with the proven automotive-grade systems they can trust.

A whitepaper on Aptiv’s next-gen ADAS platform and additional information can be found here.

About Aptiv

Aptiv is a global technology company that develops safer, greener and more connected solutions enabling the future of mobility.

 

Aptiv Named One of World’s Most Ethical Companies for Ninth Consecutive Year

For the ninth consecutive year, Aptiv PLC (NYSE: APTV), a global technology company enabling the future of mobility, announced today it has been recognized as one of the 2021 World’s Most Ethical Companies by Ethisphere, a global leader in defining and advancing the standards of ethical business practices.

in APTIV, 23-02-2021


“Aptiv’s mission of enabling a safer, greener and more connected world has never been more important than it is today,” said Kevin Clark, president and chief executive officer, Aptiv. “Amidst an unprecedented year of challenges, Aptiv team members were unwavering in their commitment to living our values, enabling us to keep our employees safe while delivering sustainable, long-term value to customers, shareholders, and the communities in which we operate.”

Aptiv’s industry-leading portfolio of advanced technologies is solving the industry’s biggest challenges and enabling a safer, greener and more connected future of mobility. To learn more about Aptiv’s commitment to making the world a better place, please visit Aptiv.com/sustainability.

About Aptiv

Aptiv is a global technology company that develops safer, greener and more connected solutions enabling the future of mobility. Visit aptiv.com.

 

A AFIA dá as boas-vindas ao novo Associado: DRT RAPID

O Conselho Diretor aprovou a adesão da DRT RAPID como Associada da AFIA

in AFIA, 23-02-2021


A DRT é especializada no conceção e fabrico de moldes de injeção de plásticos até 25 toneladas.

Principalmente orientada para a Indústria Automóvel, a DRT cumpre com todas as normas e exigências deste setor, sendo desta forma o parceiro ideal para o desenvolvimento e realização de um produto final de qualidade.

A DRT é uma empresa certificada pela TÜV Rheinland de acordo com as normas ISO 9001:2015 e IATF 16949:2016.

A DRT Rapid integra o Grupo DRT e que desde 1994 tem vindo a desenvolver uma estratégia de crescimento na área de moldes, comunicação, desenho industrial, inovação e tecnologia.

Para mais informações desta empresa sedeada em Leiria consulte:

https://drt-group.com/

 

 

Portuguesa Veniam espera ter 200 mil veículos conectados com a sua tecnologia até final do ano

João Barros, presidente executivo da Veniam, prevê assim um “forte crescimento” da ‘startup’ portuguesa, que cumpre nove anos em março.

in ECO / Lusa, 23-02-2021


A portuguesa Veniam espera ter 200 mil veículos conectados com a sua tecnologia nos próximos 12 meses, altura em que estima o início de automóveis com o seu ‘software’ incluído já de fábrica, disse à Lusa o presidente executivo.

“Esperamos ter 200 mil veículos ligados com a nossa tecnologia nos próximos 12 meses, sobretudo de frotas comerciais, começando também os veículos que saem de fábrica com o nosso ‘software’”, afirmou João Barros, prevendo um “forte crescimento” da ‘startup’ portuguesa, que cumpre nove anos em março.

Esse é o objetivo e estamos já com as parcerias certas”, disse, sem adiantar mais detalhes.

A Veniam é uma ‘startup’ portuguesa de base tecnológica que resultou do ‘spin-off’ da Universidade do Porto, da Universidade de Aveiro e do Instituto de Telecomunicações.

tecnológica tem atualmente cerca de 40 pessoas, engenheiros, e uma equipa comercial na Alemanha, no Japão e nos Estados Unidos, disse o presidente executivo da Veniam, que irá falar sobre a sua plataforma de rede inteligente no FISTA – Fórum de tecnologia e arquitetura do ISCTE, onde mais de 60 empresas vão apresentar os seus produtos em várias áreas, que decorre ‘online’ entre 24 e 25 de fevereiro.

“Desenvolvemos uma plataforma de ‘software’ única que permite a automóveis, camiões, autocarros e todo o tipo de objetos em movimento ligarem-se uns aos outros e à Internet”, explicou João Barros, que sublinhou que a ‘startup’ ficou conhecida por criar a maior rede em malha de veículos no mundo no Porto, na altura com os autocarros da STCP, que ainda atualmente fornecem ‘wifi’ grátis a centenas de milhares de passageiros”.

Posteriormente, a Veniam fez “redes semelhantes em Singapura e Nova Iorque”, tendo também veículos autónomos a usar a sua tecnologia.

Veniam “vende a sua plataforma de ‘software’ para todo este tipo de dispositivos, incluindo câmaras que são colocadas em veículos e outro tipo objetos que estão a recolher dados e que precisam de se ligar à Internet”, prosseguiu o também professor catedrático.

A empresa não revela o valor da faturação, mas em três rondas de financiamento – 2014, 2016 e 2018 – em Silicon Valley e Nova Iorque levantou “aproximadamente 40 milhões de euros”, disse.

Sobre os seus clientes, João Barros salientou que há “várias frotas no mundo” que já utilizam o ‘software’ da tecnológica portuguesa.

“Temos projetos ainda confidenciais com vários fabricantes de automóveis para incluir o nosso ‘software’ diretamente nos veículos a partir de fábrica”, bem como “uma série de empresas que colocam câmaras” desenvolvidas pela ‘startup’ nos veículos para aumentar a segurança rodoviária.

Estas câmaras, explicou, “conseguem detetar se o condutor está a adormecer” ou se está a utilizar o telemóvel enquanto conduz e avisa. Com esta tecnologia, as empresas “conseguem reduzir os acidentes e os custos com os seguros dos automóveis e das frotas”, utilizando inteligência artificial para analisar os vídeos.

Com o ‘software’ da Veniam é possível a todos os dispositivos “tornarem-se eles próprios pontos de acesso à Internet para outros dispositivos”, ou seja, “passamos a ter uma rede em malha em que todos” estes objetos “partilham ligações à Internet”, disse o presidente executivo.

“Até à Veniam chegar, a única hipótese que os fabricantes de automóveis tinham era que os veículos se ligassem a um ‘router wifi’ em casa das pessoas”, por exemplo, entretanto a tecnológica “revolucionou essas ligações, permitindo ligarem-se automaticamente a todos os ‘routers wifi’ disponíveis”.

A importância da tecnologia nos veículos explica-se por estes serem muitos e precisarem de transmitir grandes quantidades de dados, desde mapas, passando pelas atualizações de ‘software’, dados que recolhem sobre a qualidade da infraestrutura e do ambiente em redor.

“Todos esses dados têm de ser transmitidos para a ‘cloud’ [nuvem] para processamento e para todo o tipo de aplicações que melhoram a qualidade de vida das pessoas”, salientou.

Os veículos passam a fazer parte da Internet de uma forma que não era possível até agora, deixam de ser apenas máquinas de transporte, mas pontos de acesso à Internet, com sensores que colecionam dados”, acrescentou, salientando que a Veniam garante “sempre” o anonimato, privacidade e a segurança dos dados.

Sobre a importância do 5G para a plataforma, João Barros disse ser “muito útil porque aumenta a conectividade e a largura de banda dispoível”, mas sublinhou que “vai continuar a coexistir o ‘wifi’, o 4G”, ou seja, todo o tipo de redes e de tecnologias diferentes.

“Aquilo que diferencia o ‘software’ da Veniam é precisamente utilizar a inteligência artificial para poder decidir qual é a melhor rede” – seja ‘wifi’, 4G ou 5G – “dependendo das necessidades das várias aplicações”, acrescentou.

No futuro, defendeu, estas tecnologias “vão ser muito importantes para os novos sistemas de mobilidade”, após a pandemia e quando as pessoas voltarem a utilizar transportes públicos e veículos partilhados.

“Prevemos, uma vez atingida a imunidade de grupo, que seja possível” voltar ao “sistema de mobilidade partilhado, é absolutamente crítico para combater as alterações climáticas, porque precisamos de 10 vezes menos veículos para fornecer o serviço de mobilidade às pessoas“, apontou João Barros.

O futuro da indústria automóvel passa pela inovação e por veículos menos poluentes.

Os estímulos para relançar a economia, tanto europeus como norte-americanos, “vão ser orientados para tecnologias que beneficiem a luta às alterações climáticas”, “a nossa tecnologia ajuda: com mais conectividade e mais dados conseguimos sistemas de mobilidade muito mais sustentáveis”, disse.

Estou convencido que a indústria vai oferecer veículos mais conectados, com menos emissões de carbono”, o que permitirá avançar para cidades inteligentes mais sustentáveis, acrescentou o responsável.

Se tudo correr como o previsto – regresso da indústria automóvel aos negócios e ao investimento na inovação -, a Veniam espera voltar “a contratar novamente” no final do ano.

Critical TechWorks vai contratar mais 400 engenheiros para Lisboa e Porto

A “joint venture” entre a Critical Software e a BMW para criar tecnologias para os automóveis do futuro, que rola há pouco mais de dois anos, está a contratar engenheiros com conhecimentos em C++, prevendo chegar ao final deste ano com um efetivo de 1.400 pessoas.

in Negócios, por Rui Neves, 22-02-2021


Em menos de dois anos e meio de atividade, a Critical TechWorks, com escritórios em Lisboa e no Porto, já emprega mais de mil pessoas, na sua esmagadora maioria engenheiros, e continua a contratar em larga escala no nosso país.

“De acordo com os projetos novos já identificados, o objetivo, até ao final de 2021, passa por contratar mais 400 colaboradores, chegando às 1.400 pessoas”, anunciou a “joint venture” entre a Critical Software e a BMW, em comunicado.

Criada para desenvolver tecnologia para os automóveis do futuro, a Critical TechWorks vai iniciar a conceção de projetos na área da condução autónoma, uma das tendências do setor mais esperadas, pelo que “está a contratar engenheiros com conhecimentos em C++, a linguagem de programação usada no desenvolvimento da tecnologia da nova geração de carros da BMW”.

Com mais de 54 projetos entregues ao fabricante alemão, dos quais se destacam o “Operating System 7” e as novas aplicações da BMW e da Mini, a Critical TechWorks está agora à procura de perfis juniores e seniores.

“Mais do que pessoas com formação e ‘hard skills’, procuramos pessoas que tenham paixão pela tecnologia e pelo mundo automóvel, mostrem pensamento analítico e muita vontade de aprender, resiliência e prontidão para agarrar diversos desafios num ambiente futurista e de constante crescimento”, observa Luís Cruz, Chief Technical Officer da Critical TechWorks.

“Quem abraçar este desafio, tem de vir pronto para não só construir soluções inovadoras e disruptivas, como também para definir ‘standards’ de mercado que certamente marcarão um novo paradigma de condução. Sabemos que será um processo bastante longo, com alguns avanços e retrocessos naturais numa área que está em constante evolução”, conclui o CTO da empresa.

Para tornar a condução cada vez mais autónoma, estão a ser desenvolvidas tecnologias que melhorarão a comunicação entre o veículo, os condutores e as infraestruturas.

“A ambição é a de que os automóveis, de forma automática, antecipem e evitem acidentes, adaptando o espaço disponível na estrada para a realização de movimentos em segurança, ou ativando a travagem automática, e realizem tarefas de rotina que, atualmente, têm de ser feitas de forma manual”, explica a Critical TechWorks, cujo papel “é dar apoio a uma unidade de conhecimento nesta área do grupo BMW, na Alemanha”.

 

 

 

Pedro Lacerda, CEO da Kelly Services: «Portugal é um país que padece de debilidades estruturais na sua economia»

No final de janeiro, o INE lançou as estimativas de emprego e desemprego relativas a dezembro de 2020. Fomos falar com Pedro Lacerda, CEO da Kelly Services, para perceber o que nos dizem estes dados; em que situação nos encontrávamos no final de 2020 no que respeita ao desemprego; como se encontra neste momento o mercado de recrutamento; e quais as expectativas relativamente ao desemprego e ao emprego para este ano também incerto.

in RH Magazine, por Beatriz Cassona, 22-02-2021


Os resultados do INE mostram que, em dezembro de 2020, a população empregada, que correspondeu a 4 793,4 mil pessoas, diminuiu 0,2% (10,3 mil) em relação ao mês anterior e 1,1% (52,7 mil) relativamente ao mês homólogo em 2019. Já a população desempregada diminuiu 10,2% em relação a novembro, e 4,8% em relação ao mês homólogo. A taxa de desemprego

situou-se, assim, em 6,5%, valor inferior em 0,6 p.p. à do mês precedente, em 1,4 p.p. à de setembro do mesmo ano e em 0,2 p.p. à de dezembro de 2019.

Assim, em dezembro de 2020, a população desempregada, cuja estimativa provisória foi 331,1 mil pessoas, diminuiu 10,2% (37,8 mil) em relação ao mês anterior, e 4,8% (16,7 mil) comparativamente ao período homólogo de 2019.

O que nos dizem estes dados? Serão números otimistas, tendo em conta o contexto atual? E o que podemos esperar para este novo ano no que respeita ao desemprego e ao mercado do recrutamento? Que ano preparam as empresas? Estivemos à conversa com Pedro Lacerda, CEO da Kelly Services, que nos fala sobre estas e outras temáticas.

BC: Em dezembro de 2020, o INE relata que a taxa de desemprego situou-se em 6,5%, menos 0,6 p.p. que no mês homólogo de 2019. No entanto, a população empregada diminuiu 0,2% em relação ao mês anterior e 1,1% relativamente ao mês homólogo. O que nos dizem estes dados? Em que situação nos encontrávamos no final de 2020 no que respeita ao desemprego? 

PL: Primeiramente, há que ter em conta que estes números de empregabilidade contêm cerca de 200 000 trabalhadores que estão ainda abrangidos pelo layoff e que estão circunscritos a muita incerteza de mercado a partir do momento em que o novo desconfinamento aconteça. Ou seja, estes números da taxa de desemprego podem aumentar ligeiramente como podem disparar abruptamente, dependendo da forma como a sociedade reaja e combata o vírus, da continuação da estimulação da economia e, mais importante ainda, da criação de novas áreas de investimento e de novos postos de trabalho.

Em segundo lugar, é chave Portugal trabalhar um plano de desenvolvimento consistente que permita, na recuperação económica, ter setores que reabsorvam rapidamente muitos dos trabalhadores que vão estar ou já estão desempregados face à pandemia.

Estes números são otimistas? Tendo em conta que houve um ligeiro recuo face ao mesmo mês de 2019?

Tendo sempre presente que o layoff sustenta estes números temporariamente, os números são positivos, mas há questões a curto prazo que devem ser imediatamente cuidadas. Por exemplo, questões sobre os profissionais que estão e estarão desempregados, que trabalhavam na restauração e hotelaria e que, devido à contração neste mercado, já não terão espaço para utilizarem a sua experiencia nesta atividade, pois o mercado para os próximos anos terá seguramente uma redução de oferta. O mesmo se aplica ao comércio a retalho e muitas PMEs de variadíssimos setores de atividade.

Não falaria de otimismo, mas sim de pragmatismo, os tempos são de muita incerteza, e Portugal é um país que, mesmo tendo na sua idiossincrasia muita alma, esforço e dedicação, padece de debilidades estruturais na sua economia, que neste momento vão ter um peso grande na velocidade de recuperação.

Estamos habituados a gerir um país muito dependente de receitas fiscais, serviços e alguma indústria especializada. Há que dar, na minha ótica, total prioridade ao plano estratégico apresentado pelo Professor António Costa e Silva, de maneira a acelerar rapidamente os investimentos nos setores primários e secundário – sem isso, continuaremos a ser um estado de demasiada interdependência complexa.

Como se encontra neste momento o mercado de recrutamento? Sabemos que várias empresas optaram por “congelar” as contratações de novos talentos… No entanto, há empresas que mantiveram o ritmo de recrutamento? E empresas que contrataram até mais que o “habitual”?

O mercado de recrutamento mantém-se dinâmico. Se por um lado algumas áreas decresceram no número de contratações, por outro outras aumentaram a procura de novos profissionais, o que tem ajudado a manter algum equilíbrio no setor. No fim, a nova realidade em que vivemos apenas redirecionou o mercado e aumentou ainda mais a procura de profissionais em áreas mais técnicas e que passaram a ser foco, como é o caso do IT, Engenharia, Marketing Digital e Healthcare. Não estamos com isto a dizer que áreas tipicamente dinâmicas – Finance, HR e Sales – deixaram de ser recrutadas, apenas foram aquelas que, por força das circunstâncias e do contexto, acabaram por ser temporariamente consideradas menos prioritárias em algumas empresas. O mercado está a aguardar por uma situação mais estável, que permita fazer um investimento mais duradouro e com menos risco em novo capital humano.

Na zona mais a norte de Portugal, algumas empresas viram-se obrigadas a congelar os recrutamentos, fruto dos setores onde estavam inseridas. No entanto, assistimos a setores que mantiveram a operação e inclusive aumentaram o ritmo de recrutamento. São exemplos o setor da logística & transporte, indústria alimentar e indústria têxtil, que se direcionou para têxtil ligado à área da saúde. Estes setores continuam com ritmo de recrutamento, reforçando também as posições técnicas dentro da empresa, áreas de forte procura atualmente.

No mercado da saúde, o recrutamento manteve-se ativo e dinâmico. O setor da ciência e da saúde viu as suas contratações aumentarem por força da situação pandémica, reforçando as suas equipas e dotando-as – ainda mais – de perfis técnicos, especializados e disponíveis de forma imediata. É uma área onde se denota, para alguns perfis, escassez de profissionais, como são os casos nas áreas de enfermaria e medicina especializada.

Estes números são relativos ao final de 2020. E relativamente a 2021? Quais são as expectativas relativamente ao desemprego e ao emprego para este ano também incerto? Serão números otimistas? O que podemos perspetivar? 

Estamos num status VUCA (em inglês, Vulnerability, Uncertainty, Complexity, Ambiguity – Vulnerabilidade, Incerteza, Complexidade, Ambiguidade) e, neste sentido, é futurologia prever o que vai acontecer. Repare que há seis meses dizíamos que agora, nesta fase de 2021, já estaríamos a crescer e a pandemia estaria controlada. Foi rigorosamente o contrário, e é difícil de prever se o segundo semestre de 2021 demonstrará já uma recuperação económica e uma imunidade de país satisfatória.

O grande desafio para 2022 e 2023 vai ser o de diminuir as tremendas desigualdades sociais (alargamento do fosso já existente) que esta pandemia trouxe a nível global e esse será um tema estrutural a todo o mundo.

De acordo com o que conclui junto dos RH dos clientes da Kelly Services, as empresas preparam um ano para recrutar, ou um ano apenas para estabilizar as empresas e negócios, sem contratações à vista?

Esta pergunta não tem uma resposta linear. A Kelly Services tem clientes que objetivamente estão a preparar o ano para recrutar e até aproveitar os bons profissionais que começam a ficar disponíveis no mercado, e que noutras alturas seriam mais difíceis de contratar. Outros clientes estão a preparar o ano para estabilizar as empresas e os negócios. No entanto, isto não é sinónimo de não se recrutar nestas empresas, porque até a estabilização poderá implicar, em determinadas alturas, um reforço ou uma reposição de algumas posições nas estruturas. No setor da ciência e da saúde será um ano não só para estabilizar, mas também para reforçar equipas em áreas mais específicas (Investigação, Biologia, Anatomia Patológica, Biotecnologia, etc.).

O ritmo de recrutamento deverá, para alguns setores, demorar a estabilizar?

Naturalmente que sim. Os setores mais afetados pelo cenário pandémico, como os setores do retalho, hotelaria, entre outros, vão demorar mais tempo a estabilizar e não tenho dúvidas de que, nos próximos dois anos, o mercado vai contrair. Mais do que setores, é possível que algumas posições ligadas a áreas mais de sales e suporte nas empresas demorem um pouco mais de tempo a retomar a sua dinâmica, comparativamente a áreas mais técnicas, como o IT, Engenharia e Marketing, que terão uma curva ascendente mais rápida. Outros setores passarão por reestruturações profundas, como é o caso do setor aeroportuário – um setor bastante afetado pelo cenário pandémico. As previsões de retoma apontam para 2024. A juntar a ele, o setor de bares e discotecas, que se encontra totalmente fechado desde março 2020.

 

https://www.kellyservices.pt/blog/2021/02/portugal-e-um-pais-que-padece-de-debilidades-estruturais-na-sua-economia

 

CaetanoBus | Inovação no mercado mundial de autocarros para aeroportos

COMPETE 2020 alavanca investimento da CaetanoBus sobre o desenvolvimento de uma inovadora carroçaria para autocarros de aeroporto, denominada CobusLightWeight, mais leve e eco eficiente.

in Compete, por Cátia Silva Pinto, 18-02-2021


Âmbito
O projeto CobusLightWeight, desenvolvido em consórcio pela CaetanoBus e pelo INEGI,visou o desenvolvimento de uma inovadora carroçaria para autocarros de aeroporto, mais leve e desenvolvida segundo princípios pró-sustentabilidade, como resultado da investigação e desenvolvimento (I&D) de novas soluções estruturais e da incorporação de materiais avançados ao nível dos quatro principais componentes da carroçaria:
(i) elementos estruturais associados a perfis metálicos e respetivas ligações;
(ii) painéis/tampas de revestimento exterior da carroçaria,
(iii) estruturas soalho/estrado,
(iv) tejadilho.
Atualmente, a solução estrutural da carroçaria (perfis metálicos e respetivas ligações estruturais) é adquirida a um fornecedor estrangeiro não comunitário, que detém os direitos de patente da solução, sendo intenção da empresa desenvolver uma solução proprietária da CBUS, passando o seu fabrico a ser efetuado por fornecedores nacionais, caso possuam as condições técnicas para a sua produção.
Será assim desenvolvida uma inovadora carroçaria, mais leve e mais eco eficiente, capaz de gerar ganhos tanto a nível económico (redução dos consumos energéticos) como a nível ambiental (redução das emissões de CO2), consubstanciando inequivocamente a “construção de veículos limpos” e o alcance de um veículo de transporte de passageiros de mais baixo carbono e verde.
Apoio
O projeto promovido pela CaetanoBus foi cofinanciado pelo COMPETE 2020 no âmbito do Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico, na vertente em copromoção, envolvendo um investimento elegível de 1.074 mil euros, o que resultou num incentivo FEDER de 656 mil euros.
Resultados 
Para além da maior autonomia face a fornecedores externos, o projeto permitirá alcançar significativos avanços técnico-científicos e inovações tecnológicas, em diferentes temas como:
(i) desenvolvimento e adoção das mais avançadas práticas de geração e gestão de novos produtos, através de projeto multi-dimensional (Design-for-X) incluindo nomeadamente Modular Design, Comunalidade de Componentes, Otimização Topológica, Life-Cycle Assessment, Design for Manufacturing, Assembly, Cost;
(ii) desenvolvimento de novas soluções estruturais para perfis (geometrias e ligações);
(iii) novos painéis/tampas de revestimento exterior mais leves;
(iv) desenvolvimento de soluções inovadoras com a adoção de materiais compósitos estruturais nos componentes soalho/estrado e tejadilho da carroçaria, de modo a reduzir o peso do veículo.
Links
CaetanoBus, Fabricação de Carroçarias, S.A.
INEGI – Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial

 

 

Renault. La production de véhicules en baisse de 26,1 % dans le monde

La production mondiale de véhicules du groupe Renault a chuté de 26,1 % en 2020, à 2,7 millions d’unités. Du fait de la pénurie de puces électroniques, le groupe anticipe un risque de l’ordre de 100 000 véhicules sur l’année 2021

in L’Argus, par Benoît Landré,  19-02-2021


Le groupe Renault a dévoilé le 19 février 2021 ses résultats financiers pour l’exercice 2020. Les principaux indicateurs sont orientés à la baisse. Ses ventes mondiales ont reculé de 21,3 %, totalisant 2 951 971 d’unités, tandis que la production d’automobiles (voitures particulières et utilitaires) a chuté de 26,1 %, à 2 708 449 véhicules (chiffres provisoires). La perte de production du groupe français s’élève à 657 300 unités par rapport à 2019.

Selon les données du cabinet IHS Markit, l’alliance Renault-Nissan-Mitsubishi a représenté un volume de production de 1 459 976 unités en Europe en 2020.

Forte baisse de la production pour les partenaires

Selon les données publiées dans son rapport d’activité, le groupe Renault a notamment fabriqué 156 653 véhicules pour ses partenaires, soit un volume divisé par deux par rapport à 2019 (312 058 unités, – 49,8 %). En 2021, l’usine de Maubeuge va démarrer la production des nouveaux Mercedes-Benz Citan et Nissan NV250, qui sont des cousins du Renault Kangoo. En revanche, le constructeur français a indiqué fin 2020 qu’il allait arrêter la production du fourgon Fiat Talento dans son site normand de Sandouville, où sont également fabriqués les Nissan NV300 et Mitsubishi Express.

Par ailleurs, Nissan a produit plus de 89 000 véhicules (– 12,3 %) pour le compte de Renault et les partenaires chinois, 30 844 unités (– 43 %). Le groupe français a créé ces dernières années des coentreprises en Chine pour la fabrication de véhicules électriques (avec Jiangling Motors Corporation Group) et d’utilitaires (Brilliance).

Puces électroniques : un pic de pénurie au deuxième trimestre

Lors de la présentation de ses résultats, le groupe a souligné qu’il n’était pas épargné par la pénurie de composants électroniques qui touche toute l’industrie automobile. « Le pic de la pénurie devrait être atteint au deuxième trimestre. Notre estimation la plus récente, prenant en compte un rattrapage de production au second semestre, donne un risque de l’ordre de 100 000 véhicules sur l’année 2021 », a-t-il annoncé.

 

Le groupe Renault s’appuie sur 40 sites de production dans le monde (le site de Maubeuge en photo).