Coficab consolida liderança na Guarda e na Beira Interior

A Coficab Portugal continua inalcançável no topo do ranking das 50 maiores empresas do distrito da Guarda.

in O Interior, 27-02-2021


Em 2019, ano a que reporta esta lista, a produtora de cabos e fios para a indústria automóvel sediada na sede do distrito registou um volume de negócios da ordem dos 230,9 milhões de euros, valor gerado quase exclusivamente em exportações. Contudo, a Coficab sofreu uma quebra de cerca de três milhões de euros relativamente ao ano anterior. Apesar disso, a multinacional aumentou em mais de 1,4 milhões de euros o seu resultado líquido face a 2018. A empresa lidera destacadamente no distrito guardense pelo terceiro ano consecutivo e deverá reforçar o seu protagonismo com os novos investimentos anunciados recentemente, com destaque para o futuro centro tecnológico do grupo que criará mais 250 postos de trabalho em 2021.

O pódio do ranking guardense não sofreu alterações, com a EST – Empresa Senense de Tabacos a permanecer na segunda posição e a aumentar em 10 milhões de euros o seu volume de negócios comparativamente a 2018. A distribuidora de tabaco viu também subir o seu resultado líquido, o que não foi o caso da terceira classificada. Em contrapartida, a Águas do Vale do Tejo viu crescer o seu volume de negócios para mais de 103 milhões de euros. Coficab, EST e Águas do Vale do Tejo são as únicas empresas do distrito com faturações acima dos 100 milhões de euros. Já a Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda saiu da lista por não ter apresentado atempadamente as contas do ano em apreço e foi substituída na quarta posição pela Dura Automotive, cujo volume de negócios sobe mas regista um agravamento do resultado líquido – é uma das cinco empresas a reportarem prejuízos em 2019.

A ACI, outra empresa de componentes para automóveis da Guarda, é quinta classificada e a última do distrito com volume de negócios acima dos 50 milhões de euros. Todas as restantes estão abaixo dos 40 milhões, a começar pela Floponor, de Trancoso, que se ficou pelos 38,8 milhões e ocupa o sexto lugar. O ranking de 2019 regista a entrada de sete empresas, com destaque para a Douro Legend, de Figueira de Castelo Rodrigo, que se dedica à animação turística e acedeu diretamente ao 26º lugar com um volume de negócios superior a 8,6 milhões de euros e um resultado líquido de cerca de 1,2 milhões de euros. Por sua vez, a MRG Construction e a Floresta Bem Cuidada protagonizaram as maiores subidas do volume de negócios face ao ano anterior, tendo ambas galgado 19 posições para o 20º e 29º lugares, respetivamente.

Pelo contrário, a Avys Wholesales e a HEN – Serviços Energéticos tiveram as maiores quedas do volume de negócios, caindo dez e oito lugares na lista, respetivamente. 24 das 50 maiores empresas do distrito estão localizadas no concelho da Guarda, seis têm sede no município de Seia, cinco situam-se em Trancoso e três operam a partir do Sabugal. As dez maiores empresas de 2019 empregavam 2.208 pessoas, duas quais 1.324 trabalham nas unidade do “cluster” dos componentes para automóveis (Coficab, Dura, ACI e Sodecia).

50 maiores empresas do distrito da Guarda (2019)

 

 

Volkswagen Group closes 2020 stronger than expected and accelerates transformation

  • Effects of Covid-19 successfully contained: effective crisis management, rapid recovery in core Chinese market and particularly robust premium and financial services business key to strong performance
  • Sales revenue of EUR 222.9 billion (–11.8 percent) outperforming sales volumes (–16.4 percent)
  • Operating profit before special items achieves solid level of EUR 10.6 billion (–45.0 percent) despite unprecedented pandemic, including EUR 0.5 billion for restructuring measures
  • Automotive Division: robust business model and rigorous working capital management yield strong net cash flow of EUR 6.4 (10.8) billion; net liquidity develops very positively and climbs to EUR 26.8 (21.3) billion
  • Board of Management and Supervisory Board propose unchanged dividend of EUR 4.80 per ordinary share and EUR 4.86 per preferred share, which would give a payout ratio of 29.0 percent
  • Outlook for 2021: marked rise in deliveries expected with a significant increase in sales revenue year-on-year; operating return on sales probably between 5.0 and 6.5 percent, striving for higher end of the range

in Volkswagen Group, 26-02-2021


The Volkswagen Group closed fiscal year 2020 stronger than expected despite the Covid-19 pandemic. Important strategic steps accelerated the Group’s transformation into a tech company at the same time. The Group’s effective crisis management, the rapid recovery of its largest single market China and particularly the more stable premium and financial services business were key to the strong performance and successful containment of the pandemic effects. Sales revenue amounted to EUR 222.9 billion (–11.8 percent), outperforming sales volumes (–16.4 percent). Operating profit before special items (diesel) reached a solid level of EUR 10.6 billion (–45.0 percent) despite the pandemic. The operating return on sales before special items stood at 4.8 (7.6) percent. The robust business model and rigorous working capital management produced a strong net cash flow of EUR 6.4 billion (–41.3 percent) in the Automotive Division. The net liquidity of the Automotive Division could be lifted by 25.9 percent to a very solid EUR 26.8 billion. The Board of Management and Supervisory Board are proposing an unchanged dividend of EUR 4.80 per ordinary share and EUR 4.86 per preferred share. This would take the payout ratio of 29.0 percent close to the strategic target level of 30 percent. Earnings per ordinary share were EUR 16.60 (26.60) and earnings per preferred share were EUR 16.66 (26.66).

Frank Witter, member of the Group Board of Management responsible for Finance and IT, said: “Covid-19 is posing unprecedented challenges for us all. Last year, the Volkswagen Group suc-ceeded in containing the effects of the pandemic on its business and laying important strategic foundations for its transformation at the same time. The financial results now available are far better than originally expected and show what our company is capable of achieving, especially in a crisis. We intend to carry over the strong momentum from the significantly better second half into the current year, and the programs for reducing our fixed costs and in procurement will make us more robust in the long term. We are thus more optimistic and are striving to hit the higher end of the range targeted for the Group’s operating return on sales.”

In fiscal year 2020, the Volkswagen Group sold 9.2 million vehicles (–16.4 percent) and slightly increased its share of the global passenger car market to 13.0 (12.9) percent. As part of the global e-offensive, 422,000 electric vehicles were delivered to customers, three times as many as in the preceding year. Sales revenue amounted to EUR 222.9 billion. The 11.8 decrease year-on-year was mainly attributable to falling volumes as a result of the Covid-19 pandemic. Operating profit before special items nevertheless came in at a solid EUR 10.6 (19.3) billion, which amounts to an operating return on sales before special items of 4.8 (7.6) percent. In addition to the decline in the sales volume, negative exchange rate effects constituted adverse factors, and one-off expenses for restructuring measures of EUR 0.5 billion also contributed to the reduction in profit. Positive factors were lower fixed costs. The Volkswagen Group’s profit before tax amounted to EUR 11.7 (18.4) billion. The return on sales before tax fell to 5.2 (7.3) percent. The share of operating profit attributable to the Chinese joint ventures amounted to EUR 3.6 (4.4) billion.

At EUR 6.4 (10.8) billion, net cash flow in the Automotive Division came in clearly positive despite the Covid-19 pandemic; the year-on-year decline was particularly due to the lower profits and higher cash outflows attributable to diesel. Successful inventory management was an especially positive factor here. Net liquidity improved to EUR 26.8 (21.3) billion, partly due to the successful placement of hybrid bonds. In spite of the decrease in absolute terms in research and development costs in the Automotive Division, the R&D ratio was, at 7.6 (6.7) percent, higher than in the previous year owing to the substantial pandemic related decline in sales revenue. As a consequence of a significant fall in capex, the Automotive Division’s ratio of capex to sales revenue even declined to 6.1 (6.6) percent.

Outlook

The Volkswagen Group anticipates that – assuming successful containment of the Covid-19 pandemic – deliveries to customers in 2021 will be significantly up on the previous year amid continued challenging market conditions. Challenges will arise in particular from the economic situation, increasing intensity of competition, volatile commodity and foreign exchange markets, securing supply chains and more stringent emissions-related requirements. We expect the sales revenues of the Volkswagen Group and the Passenger Cars Business Area in 2021 to be significantly higher than the prior-year figure. In terms of operating profit for the Group and the Passenger Cars Business Area, we forecast an operating return on sales in the range of 5.0–6.5 percent in 2021. For the Commercial Vehicles Business Area, we anticipate an operating return on sales of 4.0–5.5 percent before restructuring measures amid a significant year-on-year increase in sales revenue. We expect the Power Engineering Business Area to reach the break-even point amid a noticeable decline in sales revenue compared with the previous year. For the Financial Services Division, we forecast that sales revenue will be noticeably higher than the prior-year figure and that the operating result will be in line with the previous year.

In the Automotive Division, we expect the R&D ratio to come in at around 7 percent in 2021 and the ratio of capex to sales revenue at around 6 percent. For 2021, we expect cash outflows resulting from diesel to remain more or less the same and effects from mergers & acquisitions to be significantly higher. Consequently, we estimate that the net cash flow will be in line with the previous year. Net liquidity in the Automotive Division will probably see a moderate increase in 2021. We expect the return on investment (ROI) to be perceptibly higher than our minimum required rate of return.

 

Borgstena homenageada pela Assembleia Municipal de Nelas

A Assembleia Municipal de Nelas, reunida hoje, 26 de Fevereiro, acaba de aprovar por unanimidade de todos os seus eleitos, um voto de louvor a toda a administração e trabalhadores da Borgstena Textile Portugal, sedeada em Nelas, por todo o contributo prestado por esta enorme empresa (da qual me orgulho de fazer parte), no combate a esta pandemia, nomeadamente, desde logo, a distribuição de 1,5 milhões de máscaras pelos 24 municípios do Distrito de Viseu, bem como a doação de 15 milhões de máscaras ao SNS.

“O reconhecimento é a forma mais sutil de gratidão”.

in Borgstena Textile Portugal, 26-02-2021

http://www.borgstena.com/

European steel users call on Commission to terminate safeguard measures on 30 June 2021

In response to today’s announcement by the European Commission that it will review the safeguard measures on steel, in place since 2018, a coalition of downstream users of steel is urging the Commission not to extend the measures beyond their expiry date this June.

in CLEPA, 26-02-2021


While the COVID-19 pandemic has severely impacted manufacturing activity across all sectors in Europe during 2020, production levels are now increasing and are expected to continue to do so as the economy recovers during 2021.

As a consequence, and since the second half of 2020, companies are facing surging prices for steel products and long delivery times because of an insufficient domestic supply. Due to the safeguard measures currently in place, reduced competition from third countries means that import alternatives aimed at easing cost and lead-time pressures on European manufacturers have been limited.

The possibility of extending the safeguard measures beyond June 2021 adds to the uncertainty and adverse market conditions that steel users are currently facing.

It is in the interest of downstream users to rely on a strong and competitive EU domestic steel industry. Excessive protection will only result in an uncompetitive European steel industry, to the detriment of downstream users and final consumers. Therefore, the steel safeguard measures should expire on 30 June 2021 as foreseen.

 

The coalition of EU trade associations representing the interests of downstream users of steel consists of ACEA, APPLiA, CECE, CEMA, CEMEP, CLEPA, Orgalim, and WindEurope.

 

2021.02.10 Joint PR-Review of Steel Safeguard Measures_vF

 

 

Transporte urbano do futuro será modular e está a nascer em Portugal com ajuda do INEGI

O INEGI está a colaborar na criação de um novo conceito de transporte aéreo modular, no âmbito de um projeto que pretende mobilizar a indústria aeronáutica nacional para a disrupção no transporte urbano do futuro.

in INEGI, 24-02-2021


FLY.PT, assim se chama o projeto que iniciou no final do ano passado e, como explica Rui Mendes, responsável pelo projeto no INEGI, ambiciona “criar a base tecnológica e de conhecimento necessária para abordar a revolução em curso no transporte aéreo, em termos de conceitos de uso e de multimodalidade, e de tecnologias”.

O carro que troca a estrada pelo céu há muito que habita na nossa imaginação coletiva, e é um conceito que estará agora mais próximo de se tornar realidade, e com ADN português. O objetivo é construir o protótipo de um sistema de transporte modular. Será composto por um skate e um drone, ambos autónomos, e uma cabine acoplável a cada um dos veículos, criando um sistema intermodal.

Durante o projeto vão ser exploradas tecnologias relacionadas com a eletrificação das aeronaves, sistemas autónomos, e novos materiais e processos, uma vez que são estes os desafios tecnológicos da disrupção que se antevê neste sector.

Liderado pela Caetano Aeronautic, o projeto conta com a participação do INEGI, que passará pelo desenvolvimento de componentes em materiais compósitos, nomeadamente para integrar em soluções de propulsão no drone, soluções estruturais na cabine, e nos sistemas de acoplamento.

A equipa do Instituto irá também desenvolver baterias estruturais e multifuncionais, capazes de suportar solicitações e armazenar energia eletroquímica, e irá ainda participar na construção do protótipo de veículo à escala através do fabrico de alguns componentes.

Além do INEGI, o projeto conta também com a AED Portugal (Cluster Português para as Indústrias da Aeronáutica, Espaço e Defesa), SETSA, Optimal Structural Solutions, CONTROLAR, Almadesign, TEKEVER II, CEIIA, ISQ, INESC TEC, IPL, ISEP, PIEP, EMPORDEF, Universidade de Évora, CODI, FHP e Critical Materials.

O projeto “FLY.PT – Mobilizar a indústria aeronáutica nacional para a disrupção no transporte aéreo urbano do futuro” está inserido nos Programas Mobilizadores, que visam a promover o crescimento das atividades económicas intensivas em conhecimento e a criação de valor baseada na inovação. Este projeto é cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), através do Portugal 2020.

 

Definindo a mobilidade de amanhã

Artigo de opinião de Adão Ferreira | Secretário-Geral da AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel

in Green Future – Auto Magazine, 25-02-2021


Como será o futuro da mobilidade? As pessoas e os bens precisam de passar do ponto A para B de uma forma segura, limpa e acessível. Os hábitos das pessoas estão a mudar, mas mesmo daqui a 10, 20, 30 ou mais anos a mobilidade pessoal continuará a ser um dos alicerces das sociedades e da economia. Haverá mais opções para a mobilidade individual do que hoje, quer sejam a posse de automóvel, a partilha de automóveis ou toda uma nova gama de ofertas de transportes públicos.

Multimodal e tecnologicamente diversificado serão as características que definirão o ecossistema da mobilidade de amanhã. Os construtores e seus fornecedores de automóveis, estão a adaptar-se para ajudar a realizar a maior transformação da indústria em mais de cem anos. A mobilidade tornar-se-á mais eficiente e os fabricantes de componentes para a indústria automóvel ajustar-se-ão para fornecer a tecnologia necessária para as novas motorizações. Os veículos tornar-se-ão mais automatizados e os fornecedores fabricarão sistemas de segurança e assistência com sensores e inteligência artificial que estejam à altura do desafio. E, à medida que a indústria automóvel avança para novos modelos de negócio partilhados, a indústria de componentes para automóveis desempenhará um papel de liderança no desenvolvimento de novos conceitos para este novo e excitante campo.

Todavia uma transição controlável, para o clima, indústria e emprego, assenta em tecnologias competitivas tais como o motor de combustão interna, híbridos plug-in, células de combustível e veículos elétricos. Só uma transformação que seja industrialmente bem-sucedida e socialmente aceite pode ser politicamente sustentável e alcançar o objetivo da neutralidade climática.

Os fabricantes de componentes para automóveis estão comprometidos com as metas de Paris para mitigar os efeitos das alterações climáticas, e pretendem cumpri-las fazendo uso de todo o seu conhecimento e das suas próprias inovações.

A indústria automóvel está a passar um momento crucial com o processo de reindustrialização, para fazer face aos desafios da descarbonização e digitalização que surgem para fazer face à nova indústria da mobilidade. Tudo isto, no contexto do forte impacto económico e industrial da crise COVID-19 no setor, o qual veio estabelecer novos objetivos, a curto prazo, de recuperação da procura e da produção. Por conseguinte, é necessário um trabalho conjunto e o compromisso do Governo com o setor, para restabelecer os níveis pré-crise e liderar esta transformação, garantindo que o setor automóvel possa manter a sua relevância e liderança no futuro.

Tendo em conta o próximo Plano Europeu de Recuperação e Resiliência, o setor automóvel necessita de uma dotação financeira significativa para garantir não só a recuperação aos níveis pré-crise, mas também um maior crescimento sustentável para reforçar o seu papel como motor para os outros setores da nossa economia.

A indústria automóvel tem uma relevância importante para a economia de Portugal, devido à sua capacidade de exportação, à criação de empregos qualificados, ao valor acrescentado e ao efeito catalisador noutros setores, nomeadamente enquanto motor da capacidade competitiva do ecossistema científico. Por isso, é fundamental estabelecer um quadro que garanta uma transformação cuidadosamente gerida para alcançar com sucesso a descarbonização e a digitalização da economia.

 

Nota: Este artigo não implica nem reflete necessariamente a opinião da AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel, mas apenas a do autor.

 

 

Início de carros autónomos em Portugal em 2025 e pico em 2050, estima Bosch

Em Braga, a Bosch está a desenvolver “o projeto ‘Easy Ride’, que é um projeto para a mobilidade do futuro” com um “elevado foco” na “tecnologia 5G”, revela João Santos, da Bosch.

in ECO / Lusa, 25-02-2021


início dos carros autónomos em Portugal deverá acontecer a partir de 2025, atingindo o seu pico em 2050, estima, em entrevista à Lusa, João Santos, cocoordenador do projeto V2X da ‘Bosch Car Multimedia’ em Braga.

“Falando no caso específico de Portugal, que é o que as pessoas querem saber, quando vai ser uma realidade em Portugal”, é preciso primeiro ter em conta que é necessário haver uma infraestrutura de quinta geração (5G) montada, salienta.

O 5G arranca este ano e está previsto, “em 2023, 70% da área de Portugal estar coberta” com a rede de quinta geração e, em 2025, 90%.

“Se juntarmos a isso certas iniciativas de países da União Europeia (UE), o projeto Vision Zero da Finlândia por exemplo, que permite reduzir para quase zero o número de acidentes ou feridos graves nas estradas, podemos dizer que devemos começar a ver o início dos carros autónomos a partir de 2025 e atingir o seu pico em 2050”, prevê João Santos.

“A Bosch tem inúmeros projetos sobre o 5G” e estes “estão espalhados pelas mais diversas localizações do mundo”. No caso, em Braga, “está a decorrer o projeto ‘Easy Ride’, que é um projeto para a mobilidade do futuro, realizado em parceria com a Universidade do Minho e que tem um elevado foco com a tecnologia 5G”, sublinha.

O projeto ‘Easy Ride’ contempla cinco subprojetos, onde se inclui o ‘Vehicle to X Communication’ (V2X), que representa toda a conectividade necessária para atingir a condução autónoma e reduzir quase para zero o número de fatalidades e feridos em acidentes rodoviários.

O projeto é focado nas várias vertentes autónomas, em que o veículo terá um ‘cockpit’ inteligente de maneira a proporcionar uma viagem personalizada ao ocupante, tendo ao mesmo tempo noção do estado do próprio automóvel e do que o rodeia – ambiente, outros veículos autónomos, veículos de duas rodas, peões, entre outros – informação que é obtida através de sensores.

Todos estes sensores geram uma quantidade de dados enorme, terá que haver uma comunicação rápida e fiável” para que se consiga “transmitir esta informação”, e “é aí que entra o 5G”, salienta o responsável.

“Neste momento já temos várias demonstrações para tecnologia, estamos a aplicar já 5G com 4G e ‘wifi’ [rede sem fios]”, precisa.

João Santos aponta como exemplo os alertas que o veículo faz ao condutor, quando num cruzamento onde não se consegue ver se vêm veículos do lado esquerdo, os sensores do carro autónomo dão a indicação de avançar ou não.

Numa primeira fase, o veículo dá “alertas ao condutor”, ou seja, “ainda não há atuação ativa” do carro. Mas em aplicações mais avançadas já é possível ver além de objetos, o que parece ser “muita ficção científica”, mas não é, explica.

No caso de um veículo que tem à sua frente um camião e não sabe se pode ultrapassá-lo, a aplicação já permite ao carro ter acesso a uma câmara que eventualmente o camião tenha ou infraestruturas que tenham câmaras na zona e transmitir “a imagem em tempo real” para os ‘displays’ e, assim, o condutor “saber, até mesmo com algoritmos de machine learning [aprendizagem automática]” se a ultrapassagem pode ser feita em segurança.

O estado atual do ‘Easy Ride’ já permite manobras cooperativas, em que carros têm uma condução semiautónoma, coordenada com outros veículos.

“Por exemplo, quando estamos numa autoestrada e estamos na fase de aceleração e queremos ir para a estrada principal, o carro consegue fazer e receber a informação de outros veículos e consegue regular a sua velocidade para que toda esta manobra seja feita com total segurança”, aponta João Santos.

Mas também há soluções para a área industrial: um comboio de camiões (também denominado de platooning) em que todos, exceto o líder, seguem o que está na frente e os condutores “não necessitam de estar constantemente no ato de condução”.

Tal permite “o melhor descanso para os camionistas, sem contar com a eficiência energética” e a diminuição da pegada ecológica, explica o cocoordenador do projeto V2X.

“O ‘Easy Ride’ é o terceiro projeto de inovação aqui presente na Bosch”, refere, dando ainda o exemplo de que, com outros elementos da equipa na Alemanha, já se consegue “ter estacionamentos autónomos”, em que a pessoa chega ao aeroporto e “só tem que largar o carro” e este “vai sozinho encontrar um estacionamento”.

E como é que se aplica estas soluções nos veículos atuais? “É como todas as tecnologias dos veículos. Por exemplo, os primeiros carros não tinham cinco de segurança e depois passaram a ter” ou “não tinham sensores de estacionamento” e “agora têm”.

“Estamos a desenvolver uma placa eletrónica que vai estar embutida nos carros”, que “vai fazer parte do ‘standard’ do pacote” da compra do veículo e que “vai facilitar esta comunicação com o 5G”.

Os testes decorrem nas “chamadas zonas tecnológicas portuguesas” que foram criadas “especificamente para testar este tipo de tecnologias, não só 5G, mas tudo o que sejam tecnologias revolucionárias”.

Em Braga, a Bosch conta com três veículos de teste, que são descaracterizados e têm “o propósito” de estarem autorizados para que a empresa faça modificações e implemente tecnologia.

Questionado sobre qual o impacto dos veículos autónomos no setor, João Santos é perentório: “Vai ser uma mudança de paradigma da condução, porque o condutor não vai ter que se ocupar com o ato de conduzir”.

“De repente cria-se ali um espaço livre. Temos o primeiro espaço que é a nossa casa, temos o segundo espaço que é o nosso trabalho e agora vamos ter um terceiro espaço em que condutor – ou neste caso o ocupante, que a palavra condutor já não se aplica -” utilizará “para lazer, para ver conteúdos multimédia ou até pode ser para trabalhar”, explica. “Acho que é aí que vai ser a maior disrupção no setor automóvel“, sublinha.

Em vez de tirar o carro da garagem para ir do ponto A ao ponto B, a mentalidade passará por “pedir um serviço de mobilidade para nos transportar da nossa casa para o ponto B”, antevê João Santos, que gostaria que os carros autónomos fossem já uma realidade.

E em relação ao 6G (sexta geração)? “Uma previsão a 10 anos, eu diria, em 2030 certamente iremos ter 6G com novas tecnologias e novas velocidades”.

 

REGIÃO NORTE | Cerveira é segundo maior exportador automóvel

Estudo da CCDRN coloca o concelho de Vila Nova de Cerveira em posição de destaque no que respeita às exportações do ramo automóvel.

in Correio do Minho, 24-02-2021


Vila Nova de Cerveira exporta 23,1% de bens de indústrias de média tecnologia, posicionando-se como o segundo concelho mais exportador do ramo automóvel na região Norte, revela um estudo da Comissão de coordenação e Desenvolvimento Regional Norte (CCDR-N).

O estudo, que acompanha a Estratégia de Desenvolvimento do Norte para período de programação 2021-27, reforça ainda que a localização das indústrias de média tecnologia do ramo automóvel em Vila Nova de Cerveira explica-se, em parte, pela integração das suas empresas em cadeias de valor transfronteiriças.

Para o presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, Fernando Nogueira, estes dados comprovam a importância e o impacto da dinâmica empresarial transfronteiriça Galiza-Norte de Portugal, “numa altura em que ambos os governos teimam em castigar os trabalhadores transfronteiriços e os empresários desta região, afunilando a sua circulação diária por um único ponto de passagem autorizado, o de Valença-Tui”.

Segundo o autarca, “temos testemunhos pessoais e empresariais, temos estudos e estatísticas que corroboram esta intensa, permanente e produtiva realidade empresarial transfronteiriça, só falta os governos de Portugal e de Espanha valorizarem realmente a produtividade que se vive nesta região”. Fernando Nogueira salienta que Vila Nova de Cerveira dispõe de um parque de acolhimento empresarial com dezenas de empresas “que dão trabalho a mais de 4 300 trabalhadores, dos quais várias centenas oriundos da Galiza”.

 

imagem | Zona industrial de Vila Nova de Cerveira

 

Huf apresenta Phone as a Key

Chave digital para novos modelos de negócio: funções de segurança e conforto através do “Huf Phone as a Key”

in Huf, 24-02-2021


Os condutores podem agora usar uma chave digital para abrir e fechar as portas do carro e até mesmo ligar o motor. O que há de especial no “Huf Phone as a Key” é que os utilizadores não precisam mais ter o smartphone nas mãos. O pacote completo de soluções de hardware e software reconhece automaticamente a chave digital existente num smartphone, permitindo o acesso passivo ao veículo. O smartphone fica ainda mais em destaque, pois os condutores podem usá-lo para adicionar várias opções através de uma aplicação. Essas “Funções on demand” são integradas no telefone como uma chave e permitem que os fabricantes de automóveis acedam a novos modelos de negócio. Além disso, o sistema de telefone como chave pode ser adaptado para responder às necessidades individuais do cliente e, graças a uma unidade de controlo eletrónico compatível com o AUTOSAR, pode ser integrado virtualmente em qualquer arquitetura de veículos.

“Os fabricantes de automóveis têm requisitos muito particulares em relação ao sistema de autorização e acesso ao veículo. Isso não é surpreendente, dado o fato de que a experiência automóvel começa quando o condutor se aproxima do veículo”, disse Claus Vollmer, Head of the Business Unit Locking & Authorization da Huf. “A Huf é a especialista, quando se trata em proporcionar a referida experiência, mas também está a oferecer uma solução preparada para o futuro: “Phone as a Key”. O nosso sistema já permite a autorização passiva, a forma mais sofisticada de abrir, arrancar ou travar um veículo. Mas não é apenas em termos de autorização do condutor que o telefone como uma chave está a abrir novas oportunidades; os sensores extremamente precisos no sistema permitem recursos de conforto adicionais que os fabricantes de automóveis podem oferecer aos seus clientes, como por exemplo as “Funções on demand”. O “Phone as a Key” da Huf está a abrir caminho para modelos de negócio lucrativos para a mobilidade do futuro. ”

Telefone como chave oferece “Funções on demand” com base nas tecnologias sem fios BLE e UWB

No coração do “Phone as a Key” está um software inteligente que reúne dados do sensor e processa chaves digitais. A Huf também oferece uma unidade de controlo eletrónico que foi desenvolvida de acordo com o padrão AUTOSAR global, podendo ser integrada em qualquer arquitetura de veículos. Os vários sensores transformam o Phone as a Key num pacote completo e garantem uma comunicação fiável entre o carro e o smartphone. A opção por um pacote de sensores que inclui Bluetooth Low Energy (BLE) e Ultra Wide Band (UWB) abre novas áreas de negócio para os fabricantes de automóveis com as chamadas “Funções on demand”. A Huf usa os sensores UWB e BLE integrados no veículo não apenas para localizar o smartphone com precisão ao centímetro. Os sensores também podem reconhecer objetos, bem como pessoas e gestos. A Huf está a criar várias funções adicionais relacionadas com o conforto e personalização que os fabricantes de automóveis podem integrar nas suas opções de equipamentos ou disponibilizar aos seus clientes “Funções on demand” que podem ser adquiridas na aplicação.

O UWB também desempenha um papel na segurança: a partir de 2022, a deteção de crianças no interior do veículo (Child Presence Detection) será incluída no quadro de avaliação do teste de colisão Euro NCAP. A NHTSA, a agência federal americana para segurança rodoviária, também leva essa tecnologia em consideração ao conceder as suas cobiçadas estrelas de classificação de segurança. A deteção da presença de crianças pode ser realizada pelos sensores existentes no Phone as a Key da Huf. Ao contrário das “Funções on demand”, esta funcionalidade está incluída como padrão.

“O UWB permite um posicionamento extremamente preciso e aumenta consideravelmente o nível de proteção contra roubos. Com o UWB, os ataques aos sistema de acesso, em que os ladrões ampliam os sinais wireless para que possam abrir veículos, são coisa do passado”, afirma Jürgen Stadler, Head of Development na Business Unit Locking & Authorization da Huf. “Estamos empenhados a tornar o UWB num padrão, trabalhando com fabricantes de automóveis e gigantes da tecnologia como a Apple, a Samsung e a Google como membros do Car Connectivity Consortium. Já estamos a observar um excelente desempenho dos sensores compactos UWB nos nossos testes de avaliação em automóveis, disponíveis para clientes em todo o mundo. Atualmente, apenas os smartphones de última geração contam com UWB. O NFC, por outro lado, está amplamente disponível. É por isso que os fabricantes de automóveis estão a concentrar-se, para já, nesta tecnologia. Isso também significa que os cartões NFC ou chaves sem fios que são necessários para registar smartphones e smartwatches em veículos ainda estão “on demand”. Como especialistas em chaves sem fios e tecnologias NFC, também oferecemos excelentes soluções nesta área”, continua Stadler.

Liberkee: a chave digital não abre apenas as portas do carro

Em 1989, a Huf foi o primeiro fornecedor automóvel a introduzir uma chave sem fios num veículo de produção em série. Esta tecnologia inovadora fez a sua estreia no Mercedes SL (R129). No final da década de 90, a Huf aplicou o mesmo espírito pioneiro à autorização passiva do condutor e à tecnologia NFC, que foi instalada no puxador da Mercedes E-Class em 2016, permitindo que a porta do condutor fosse aberta através de um smartphone.
Desde 2013, a Huf oferece chaves digitais como solução para o aluguer de carros e veículos de frota. Com a sua mais recente inovação, a Liberkee, empresa subsidiária com o mesmo nome, está a dar um passo à frente. A equipa está atualmente a trabalhar para permitir que os utilizadores de smartphones façam a gestão das chaves digitais dos seus veículos, casas e até mesmo edifícios ou escritórios numa única aplicação. O sistema digital de autorização e acesso é baseado em métodos de criptografia assimétricos e pode ser combinado com praticamente todas as soluções de acessos comuns. As chaves digitais também podem ser partilhadas fora da aplicação, por Email, SMS ou WhatsApp. A função é então executada por meio de um link, sem a necessidade de instalar a aplicação Liberkee. O Liberkee funciona em todos os fabricantes e é a solução ideal para a mobilidade em rede do amanhã.

https://www.huf-group.com/en

 

 

Motor da Autoeuropa escapa à falta de chips no mundo

Fabricantes de automóveis de todo o mundo estão a ser penalizada pela falta de chips no mercado. Autoeuropa garante produção “sem interrupções” em Palmela.

in ECO, por Paulo Moutinho, 24-02-2021


Fabricantes automóveis de todo o mundo estão viver tempos de agonia. Depois da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, e agora que a procura por veículos novos começa a ganhar ritmo, estão a enfrentar um crash no mercado dos chips. Uma ameaça à retoma do setor a que a Autoeuropa está a conseguir passar incólume.

Com as restrições à circulação um pouco por todo o mundo, as fabricantes de automóveis ajustaram a produção para adequarem a oferta à franca procura. Deixaram os fornecedores de chips em stand by, forçando-os a procurarem outros mercados. Com os consumidores em casa, para estas empresas, o consumo de bens eletrónicos acabou por ser a solução.

Porém, numa altura em que começam a surgir vislumbres de regresso à normalidade, com a vacinação de cada vez mais pessoas contra a Covid-19, a indústria automóvel começa a ligar as máquinas. Mas estão a faltar os chips para conseguirem fazer rolar os automóveis novos das linhas de montagem.

Esta é a realidade de grandes fabricantes mundiais, desde gigantes norte-americanas como a Ford, General Motors, até às nipónicas Nissan ou Mazda, mas também há constrangimentos na Europa. A Fiat e Peugeot, que agora pertencem ao mesmo grupo, liderado por Carlos Tavares, estão a sentir o impacto. A VW, em Portugal, não.

“O volume planeado e produzido pela Volkswagen Autoeuropa está a correr sem qualquer interrupção na cadeia de fornecimento”, diz fonte oficial da fábrica de Palmela ao ECO.

A unidade portuguesa está a escapar a um travão tecnológico que tem levado muitas concorrentes a reverem em baixa o número de carros que poderão ser produzidos e, em casos extremos, a parar mesmo a produção até que o ritmo de fornecimento de chips possa ser reestabelecido.

É uma “areia” que não está a travar a engrenagem da Autoeuropa, o motor da economia portuguesa. E permite à fábrica portuguesa da gigante alemã não perder o “comboio” na produção, isto depois dos percalços sentidos no final de janeiro, altura em que a unidade teve de se ajustar à falta de trabalhadores por causa do novo confinamento.

“O volume planeado e produzido pela Volkswagen Autoeuropa está a correr sem qualquer interrupção na cadeia de fornecimento.”

Fonte oficial da Autoeuropa

encerramento das escolas obrigou a Autoeuropa a parar alguns dias para enfrentar a nova realidade. Com apenas 15 turnos por semana, houve uma “perda semanal de 1.200 veículos em relação ao programa de produção”, disse o diretor geral da fábrica, Miguel Sanches, ao ECO. Retomou, entretanto, a produção a 100% com recurso a trabalhadores temporários que substituíram os país que ficaram em casa a dar apoio aos filhos.

Em janeiro, a produção automóvel em Portugal encolheu em 12,5%. Segundo a ACAP, foram produzidos 20.588 automóveis ligeiros de passageiros e 5.111 de mercadorias, o que representa um decréscimo de 12,1% e 12,6%, respetivamente, face a janeiro de 2020. Já no que diz respeito aos veículos pesados, a queda foi ainda maior. Em janeiro de 2021 foram produzidos 244, menos 37,5% em comparação com o período homólogo.