Apcoa, Bosch, and Mercedes-Benz are working to provide the world’s first commercial automated valet parking (AVP) service at Stuttgart airport

  • In the future, a command from a smartphone will tell cars where to park in Stuttgart Airport’s P6 parking garage.
  • The new Mercedes-Benz S-Class is equipped with the technology to enable driverless, fully automated parking (SAE Level 4 1 ).
  • For AVP, Bosch is using camera-based infrastructure for the first time to detect lanes and obstacles.
  • The parking garage operator Apcoa is testing barrier and payment functions as the basis for automated valet parking, enabled by its APCOA FLOW digital mobility platform.

in Bosch, 12-10-2020


Automated parking to drive down the airport stress: Bosch, Mercedes-Benz, and the parking garage operator Apcoa want to introduce driverless and fully automated parking at Stuttgart airport in the future. To this end, the automated valet parking (AVP) system co-developed by Bosch and Mercedes-Benz is to be made ready for commercial operation. The new Mercedes-Benz S-Class is already geared up to accommodate it as the world’s first production vehicle to feature the technology required for future infrastructure-based AVP. As an option, customers can buy the appropriate pre-installation for what the company calls the INTELLIGENT PARK PILOT, which makes the S-Class capable of receiving a smartphone command to drive itself to a reserved parking space. “With the new S-Class, it’s not just driving that’s a luxury, but parking as well,” says Dr. Michael Hafner, head of automated driving at Mercedes-Benz AG. The P6 parking garage at Stuttgart airport will serve as the pilot for the planned commercial automated parking service. Here, the companies will test how the vehicle technology onboard the S-Class interacts with the intelligent Bosch infrastructure and APCOA FLOW, the digital platform provided by the parking garage operator Apcoa. This platform makes the whole parking process ticketless and cashless. “Apcoa, Bosch, Mercedes-Benz, and Stuttgart airport want to work together to make parking fully automatic,” says Christoph Hartung, member of the executive management of Connected Mobility Solutions at Bosch. In the airport parking garage, preparations are currently underway to begin piloting the planned automated valet parking service. The aim of this trial with new S-Class vehicles at Stuttgart airport is to ensure that interactions between the vehicle, infrastructure technology, and parking garage operator run smoothly and are optimized for the customer.

„With the new S-Class, it’s not just driving that’s a luxury, but parking as well.“
Dr. Michael Hafner, head of automated driving at Mercedes-Benz AG

„Apcoa, Bosch, Mercedes-Benz, and Stuttgart airport want to work together to make parking fully automatic.“
Christoph Hartung, member of the executive management of Connected Mobility Solutions at Bosch

World’s first Level 4 park function in a production vehicle

In July 2019, Bosch and Mercedes-Benz received the world’s first special permit to operate AVP for selected E-Class vehicles without a safety driver in real-life, mixed parking garage traffic at the Mercedes-Benz Museum in Stuttgart. Equipped with the appropriate pre-installation for the INTELLIGENT PARK PILOT, the new Mercedes-Benz S-Class is now the first production vehicle to feature AVP technology, which enables it to park without a driver. However, this is conditional on the future availability of parking garages with the appropriate infrastructure, as well as on national legislators giving AVP the green light. This makes the Mercedes-Benz S-Class the world’s first vehicle to feature a pre-installation for an SAE Level 4 automated driving function, the second-highest level of automation. “With automated valet parking, Mercedes-Benz is demonstrating that driverless parking will soon be possible,” Hafner says.

To facilitate this new one-touch parking function, a spacious drop-off and pick-up area will be set up directly behind the entrance to the P6 parking garage, giving AVP users a convenient place to leave their vehicles. As they comfortably make their way to the terminal and check in, their S-Class will park itself in the basement, guided by information from the infrastructure technology. In other words, users no longer need to worry about maneuvering or having to squeeze out of their cars when the space they have finally found proves to be too narrow. “Automated valet parking really enhances our passengers’ comfort and convenience and saves them time, especially when they’re in a hurry and just want to drop their car off quickly at the airport”, says Walter Schoefer, management spokesman for Flughafen Stuttgart GmbH. For the test phase that is about to start, P6 will initially have two spaces available for self-parking vehicles. More spaces will be added when driverless parking becomes standard as planned in the future and as demand increases.

Intelligent infrastructure and digital platforms

The pilot parking garage at Stuttgart airport will be a premiere for new Bosch video cameras that can identify vacant parking spaces, monitor the driving aisle and its surroundings, and detect obstacles or people in the aisle. Until now, lidar sensors have been used for this purpose. A dedicated control center in the parking garage then calculates the route the vehicles need to take to reach an available space. “Our intelligent parking garage infrastructure forms the basis for the future of driverless parking,” Hartung says. Thanks to the information that the cameras provide, it is also possible for cars to drive themselves around the parking garage – even on narrow ramps, enabling them to move between different stories. The in-vehicle technology autonomously converts the information from the infrastructure into driving maneuvers. If the cameras detect an unexpected obstacle, for example, the vehicle safely performs an emergency stop.

APCOA FLOW, the parking garage operator Apcoa’s digital platform, will also play a key role in driverless parking at Stuttgart airport. Drivers are already using the platform to help lighten the burden of parking. This ranges from making firm reservations for a parking space, to contactless entry into the parking garage, and to fully automated payment, invoicing, and contactless exit. The system recognizes the customer’s vehicle and the barriers open automatically, making a ticket and trip to the ticket machine redundant. “We want to be the first parking garage operator to fully support and enable automated parking services based on AVP technology in one of our parking garages,” says Frank van der Sant, chief commercial officer at Apcoa Parking Holdings GmbH.

„Our intelligent parking garage infrastructure forms the basis for the future of driverless parking.“
Christoph Hartung, member of the executive management of Connected Mobility Solutions at Bosch

„We want to be the first parking garage operator to fully support and enable automated parking services based on AVP technology in one of our parking garages.“
Frank van der Sant, chief commercial officer at Apcoa Parking Holdings GmbH

More vehicles, more parking garages

A vehicle drop-off and collection service saves time and avoids long walks to the car: once parking garages are equipped with the appropriate infrastructure and national laws permit AVP, customers will be able to enjoy driverless parking services. Bosch and Mercedes-Benz are paving the way for this with the world’s first infrastructure-based solution for SAE Level 4 automated valet parking in real-life, mixed parking garage traffic. Uniform standards and interfaces ensure smooth communication between the vehicles and infrastructure technology. In the future, Bosch’s aim is to equip more and more parking garages with AVP infrastructure technology. As Europe’s largest parking garage operator, Apcoa also has a strategic interest in offering innovative premium services like AVP in more of its parking garages. “Looking ahead, we want to open up AVP to more customers at selected Apcoa locations,” van der Sant says. The company manages approximately 1.5 million individual parking spaces at over 9,500 locations in 13 European countries. By increasing the availability of driverless and fully automated parking services, the same amount of space could accommodate up to 20 percent more vehicles. In addition, driverless parking is especially suitable for narrow, remote, and therefore unattractive parking areas that people would otherwise avoid.

1 SAE-Level 4: The car can autonomously handle all traffic situations under certain conditions (e.g. on selected roads, not in all types of weather). No driver is required.

 

El presidente del comité de empresa de PSA en Figueruelas destaca la rápida recuperación de la producción

El presidente del comité de empresa de la planta de PSA en Figueruelas (Zaragoza), Rubén Alonso, ha señalado que “nada hacía pensar” que la capacidad productiva de la factoría se recuperaría “tan pronto”, después de que las líneas tuviesen que estar dos meses paradas por la crisis sanitaria.

in Expansión, 10-10-2020


La fábrica volvió a iniciar su actividad el 11 de mayo de forma progresiva. Este proceso terminaba el 4 de octubre, cuando la planta ponía en marcha un equipo en el turno de noche en la línea 1, para producir el Opel Crossland X y Citroën C3 Aircross. De esta forma, la factoría volvía a las cifras de producción de antes de la pandemia.

“En estos momentos nada hacía pensar que íbamos a recuperar tan pronto la capacidad productiva, pero el mercado está respondiendo muy bien, incluso con la pandemia del COVID”. Así, Alonso ha recordado que esto ha llevado a que se contraten a unas 150 personas e incluso que se haya renovado el contrato de otros compañeros que estaban con contratos temporales: “Es una noticia muy positiva para la planta”.

Alfonso ha hecho hincapié en la importancia de trabajar en la generación y mantenimiento del empleo, al tiempo que ha recordado que, en estos momentos de crisis sanitaria, el mercado es “muy volátil”.

De esta forma, ha remarcado que “aunque hoy hay un incremento de ventas, no se sabe si mañana tendremos que paralizar la producción, como en marzo, porque hayan confinado más países por rebrotes, o por lo que sea”. Por ello, ha deseado que “ojalá salga pronto una vacuna que haga que se estabilice toda esta situación y la economía”.

Para volver a iniciar la producción, la planta de PSA en Figueruelas puso en marcha una gran cantidad de protocolos que evitasen los rebrotes dentro de sus instalaciones. Alonso ha remarcado que están funcionando “perfectamente”.

“El riesgo cero no existe, pero todo el mundo usa la mascarilla, los geles hidroalcóholicos, hay medida de temperatura al entrar a trabajar, la verdad es que todo el mundo está respondiendo al cien por cien cumpliendo los protocolos de seguridad en la planta”.

Rubén Alonso ha sido nombrado presidente del comité de empresa en la planta de PSA en Figueruelas, en sustitución de Sara Martín que deja en el puesto tras haber sido elegida nueva secretaria general de la Federación de Industria, Construcción y Afines (FICA) de UGT en la citada factoría zaragozana.

 

Exportações de componentes automóveis aumenta pelo segundo mês consecutivo

Depois de 4 meses em queda as exportações registam agora uma subida pelo segundo mês consecutivo. No entanto, o ambiente de incerteza mantém-se para os próximos tempos

in AFIA, 09-10-2020


De acordo com a AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel – o valor das exportações de componentes automóveis registou novo aumento durante o mês de agosto, registando uma subida de 3,1% face ao mesmo período de 2019. Esta subida acontece pelo segundo mês consecutivo, chegando agora aos 582 milhões de euros.

Já no que se refere ao acumulado até ao mês de agosto, as exportações de componentes automóveis ficaram-se pelos 5,1 mil milhões de euros, representando uma diminuição de -19,8% em relação ao período homólogo de 2019. Ou seja, entre janeiro e agosto de 2020 as vendas ao exterior registaram uma diminuição de 1,3 mil milhões de euros em relação a 2019.

Em termos de países destino das exportações de janeiro a agosto de 2020, e face ao mesmo período de 2019, Espanha continua na primeira posição com vendas de 1.514 milhões de euros (-9,9%), seguida da Alemanha com 1120 milhões de euros (-17,3%) e em 3º lugar surge a França com um registo de 606 milhões de euros (-34,1%). No que se refere às exportações para o Reino Unido totalizaram 352 milhões de euros (-36,1%). No total, estes 4 países concentram 70% das exportações portuguesas de componentes automóveis.

Apesar deste aumento pelo segundo mês consecutivo, os empresários continuam a manifestar a sua preocupação pelo impacto que esta situação de pandemia de Covid-19, está a ter em todo o mundo.

Os cálculos da AFIA têm como base as Estatísticas do Comércio Internacional de Bens divulgadas a 09 de outubro pelo INE – Instituto Nacional de Estatística.

 

Para mais informações consultar o ficheiro pdf.

 


 

Sobre a AFIA
A AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel é a associação portuguesa que congrega e representa, nacional e internacionalmente, os fornecedores de componentes para a indústria automóvel.
Esta indústria agrega 240 empresas com sede ou laboração em Portugal, com um volume de emprego directo na ordem das 59.000 pessoas. Factura 12 mil milhões de Euros por ano, com uma quota de exportação superior a 80%.
Em termos de importância na economia nacional, representa 6% do PIB, 8% do emprego da indústria transformadora e 16% das exportações nacionais de bens transacionáveis.

 

A indústria automóvel ibérica reclama a sua posição como sector estratégico da economia, na XXXI Cimeira Ibérica

  • O sector automóvel em Portugal e Espanha destacou-se como um sector importante para o relançamento da economia, assim como um instrumento fundamental para a manutenção de emprego seguro e de qualidade.
  • As metas de descarbonização e digitalização são definidas como prioridades de médio prazo para o sector automóvel na transição para a nova mobilidade.
  • É necessário um compromisso e uma estratégia, de ambos os países, para fazer face à recuperação da produção e da procura, afetadas pela COVID-19.

in ACAP, AFIA, ANFAC, SERNAUTO, 08-10-2020


As principais Associações de Construtores de Automóveis e de Componentes em Espanha, ANFAC (Asociación Española de Fabricantes de Automóviles y Camiones) e SERNAUTO (Asociación Española de Proveedores de Automoción), e em Portugal, ACAP (Associação Automóvel de Portugal) e AFIA (Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel), aproveitaram a oportunidade da realização da XXXI Cimeira Ibérica, que irá decorrer na Guarda (Portugal) a 10 de outubro, para destacar o valor do setor automóvel como instrumento estratégico de Espanha e Portugal, no sentido de alcançar os objetivos de recuperação económica dos dois países. Solicitam, assim, um maior compromisso, por parte dos governos de ambos os países, para definir uma estratégia que garanta a viabilidade sustentável da indústria automóvel na sua transformação para uma mobilidade sustentável, livre de emissões.

Na declaração conjunta assinada pelos presidentes de cada uma das associações automóveis luso-espanholas destaca-se o momento crucial que o setor está a passar, com o processo de reindustrialização, para fazer face aos desafios da descarbonização e digitalização que surgem para fazer face à nova indústria da mobilidade. Tudo isto, no contexto do forte impacto económico e industrial da crise COVID-19 no sector, o qual veio estabelecer novos objetivos, a curto prazo, de recuperação da procura e da produção. Por conseguinte, as Associações consideram necessário o trabalho conjunto e o compromisso das administrações e governos, com os principais representantes do sector, para restabelecer os níveis pré-crise e liderar esta transformação, garantindo que o sector automóvel ibérico possa manter a sua relevância e liderança no futuro.

A indústria automóvel é um importante setor estratégico para a economia e o emprego na região ibérica, responsável por 11% do PIB espanhol e 6% do PIB português e representando 9% de emprego em relação à população ativa em Espanha e 12% em Portugal. Tendo em conta o próximo Plano Europeu de Recuperação, o sector automóvel necessita de uma dotação financeira significativa para garantir não só a recuperação aos níveis pré-crise, mas também um maior crescimento sustentável para reforçar o seu papel como motor para os outros sectores da nossa economia.

Por esta razão, as Associações do sector solicitam aos governos português e espanhol para criarem um quadro, mais estreito, de cooperação e colaboração face às políticas europeias relacionadas com o automóvel para, assim, impulsionar a competitividade da indústria. Além disso, solicitam que sejam tomadas ações bilaterais, para responder às necessidades do sector e promover uma estratégia com instrumentos específicos em matérias económicas, laborais, regulamentares e de investimento que deem um forte apoio à indústria automóvel, em linha com a sua importância para a economia ibérica e o seu papel de importante motor da recuperação económica.

Como salienta a declaração conjunta, o sector automóvel está imerso num processo de transformação para uma nova mobilidade que deve ser mais eficiente, sustentável e acessível. Por conseguinte, é necessário estabelecer as bases para a construção de uma estratégia e de um plano de ação que responda à transição para a mobilidade de emissões zero através de incentivos financeiros e não financeiros, renovação do parque circulante com a criação de um Plano de Incentivos ao Abate, desenvolvimento de uma poderosa infraestrutura de recarga, apoio ao desenvolvimento e implementação de condução autónoma e conectada, um roteiro coerente para o desenvolvimento de futuras normas de emissões de CO2 e um quadro regulamentar homogéneo para o transporte de bens entre os dois países. Isto, em consonância com os objetivos de transformação ambiental e digital da União Europeia, permitindo que a indústria automóvel em Espanha e Portugal se mantenha na vanguarda desta transformação.

José Vicente de los Mozos, Presidente da ANFAC, destacou que “estamos num momento crucial da história do automóvel. Perante os novos desafios, marcados pela pandemia, mas também pela nova mobilidade do futuro, temos de aproveitar a recuperação para impulsionar a indústria em Espanha e Portugal, aumentar a nossa competitividade. O polo ibérico deve ser posicionado como um destino atrativo para os investimentos industriais, mas só o conseguiremos com o compromisso de todos: governos, administrações, câmaras municipais, agentes sociais e sociedade. É por isso que pedimos, em conjunto enquanto sector, este trabalho conjunto para a competitividade e o futuro da indústria automóvel ibérica, tanto a nível bilateral como nas políticas europeias.”

María Helena Antolín, Presidente da SERNAUTO, sublinhou que “Espanha tem um ecossistema altamente inovador e competitivo, composto por mais de 1.000 fornecedores de automóveis e centros tecnológicos de classe mundial. A sua capacidade tecnológica permitiu-nos atrair todo o tipo de projetos. Entre todos, temos de garantir as melhores condições de trabalho, fiscal, energética e logística para continuar a atrair investimentos para o nosso país. Uma vez que a concorrência é global, posicionarmo-nos como líderes é uma necessidade imperativa para o mercado ibérico”.

José Ramos, Presidente da ACAP, afirmou que “é de importância crucial, para o nosso setor, que o governo português implemente um plano de incentivo ao abate de veículos antigos. O nosso parque circulante é um dos mais velhos da Europa, e este plano é muito importante para se alcançar a redução das emissões de CO2, contribuindo assim para a descarbonização da economia”

José Couto, Presidente da AFIA, destacou que “a indústria automóvel tem uma relevância importante tanto para as economias de Portugal como para Espanha, devido à sua capacidade de exportação, à criação de empregos qualificados, ao valor acrescentado e ao efeito catalisador noutros setores, nomeadamente enquanto motor da capacidade competitiva do ecossistema científico. Por isso, é fundamental estabelecer um quadro que garanta uma transformação cuidadosamente gerida para alcançar com sucesso a descarbonização e a digitalização da economia.”

 

A Eni, através da Sintética, junta-se à AFIA

A Direção da AFIA aprovou a adesão da Eni, através da Sintética, à AFIA.

in AFIA, 08-10-2020


A Eni empenha-se ativamente na investigação, fabrico, transporte, transformação e comercialização de petróleo e gás.

A Eni é uma empresa integrada que opera em toda a cadeia de energia, empregando mais de 33.000 pessoas em 69 países ao redor do mundo. A forma de promover negócios tem como base a excelência operacional, focalizada na saúde, segurança e meio ambiente, estando inteiramente interligada com a prevenção e minimização dos riscos operacionais.

A Eni Refining & Marketing desde sempre se empenhou pela pesquisa e produção de lubrificantes de elevadíssima performance. Opera no mercado industrial da Itália, Espanha, Portugal e outros países.

A gama de lubrificantes Eni para a Indústria é capaz de satisfazer todas as necessidades de lubrificação de qualquer tipo de instalação industrial, com um nível de qualidade superior.

A Eni Refining & Marketing mantém e reforça a sua liderança técnica e comercial nas áreas da tecnologia, qualidade, proteção ambiental e apoio técnico aos seus clientes.

O Centro de Investigação Eni em San Donato Milanese possui laboratórios de última geração, com equipamentos avançados para o estudo, desenvolvimento e identificação das matérias-primas para lubrificantes de alta performance. Simultaneamente, com as estratégias de marketing da empresa, a Eni Research promove a realização de importantes atividades técnicas em colaboração com importantes fabricantes de equipamentos, autoridades reguladoras e prestigiadas universidades italianas. O Eni Research Center cumpre a norma UNI EN ISO 9001 no âmbito das suas atividades de “Investigação aplicada, apoio técnico e análises laboratoriais no setor energético: lubrificantes, aditivos, betumes, produtos especiais para veículos automóveis e para uso industrial” e “Produção em sistemas piloto de lubrificantes, propulsores e combustíveis” (setor E4 34,35 – certificado nº 676).

A Eni Refining & Marketing oferece todo o apoio aos seus clientes para responder a qualquer necessidade relacionada com lubrificantes e consolida uma relação de confiança baseada nos serviços de apoio técnico integrados.

A rede de vendas da Eni fornece informações sobre a sua gama de lubrificantes e auxilia os clientes em todas as fases de aquisição dos produtos.

Os técnicos da Eni estão disponíveis para ajudar a resolver qualquer problema operacional, elaborar planos de lubrificação, fornecer software da gestão da lubrificação e cursos certificados pela DGERT sobre os lubrificantes e a lubrificação.

Os laboratórios Eni prestam todo o apoio aos seus clientes para o controlo do óleo através de análises periódicas, a fim de garantirem a melhor eficiência operacional dos equipamentos lubrificados.

Para mais informações, consulte o site https://www.sintetica.enilubes.com/

 

 

 

SIMOLDES PLÁSTICOS | Mercado alemão é chave para o sucesso do negócio

Fundada em 1980 e parte integrante do Grupo Simoldes, a Simoldes Plásticos é um TIER 1 para os principais OEM – Original Equipment Manufacturer e um importante player a nível internacional no desenvolvimento e produção de módulos e componentes para a indústria automóvel.

in Portugalglobal, Outubro 2020


Com Centros de Inovação e Desenvolvimento em Portugal, a Simoldes Plásticos conta atualmente com mais de seis mil colaboradores espalhados por três continentes. Com nove unidades de produção em Portugal, França, Polónia, República Checa, Marrocos e Brasil, e diferentes armazéns avançados estrategicamente localizados para serviço Just- in-Time/Just-in-Sequence, a empresa conta ainda com quatro escritórios comerciais localizados junto dos seus principais clientes na Alemanha, França e Espanha.

Com base numa estratégia de crescimento claramente definida, a proximidade ao cliente foi, desde sempre, identificada como fator determinante. A presença direta na Alemanha, com a criação de uma unidade comercial e de engenharia avançada em Wolfsburgo, em 2002, junto à sede do Grupo Volkswagen surge, naturalmente, como elemento estratégico na proximidade aos clientes alemães. Mais recentemente, em 2016, a Simoldes Plásticos ampliou a sua presença no mercado com a abertura de um novo escritório comercial em Munique, neste caso em proximidade da BMW, Audi e Porsche.

Mas a abordagem a um novo mercado, e em especial ao mercado alemão, não foi isenta de desafios. Aspetos como o entendimento e adequação à cultura local e à cultura de empresa, passando pela barreira linguística até às diferentes formas de trabalhar, foram alguns dos exemplos. Por outro lado, também a distância física, o recrutamento de talento com as competências necessárias e em alguns casos altamente especializadas, a capacidade de implementação à distância de processos estabelecidos e com equipas reduzidas, bem como a sua adaptação à legislação local, foram também alguns dos desafios operacionais encontrados.

De forma a minimizar o impacto de algumas destas dificuldades, foi importante para a Simoldes Plásticos manter-se fiel ao seu objetivo e forma de trabalhar, proximidade ao cliente, foco na equipa, nos seus valores e nos seus processos.

Numa indústria altamente complexa e num entorno altamente volátil, a presença junto ao cliente torna-se cada vez importante. Para a Simoldes Plásticos, já não se trata apenas de desenvolver a proximidade cultural e o relacionamento comercial com os clientes, mas colher cada vez mais insights, entender tendências e a sua estratégia, antecipando necessidades e a partir dai acrescentar valor de uma forma ágil, flexível e eficiente.

Para tal, contribuiu a criação de uma equipa local lean, totalmente focada no cliente e apoiada na retaguarda pelas equipas em Portugal. Também uma combinação de pessoas contratadas localmente e recolocadas de outras áreas da empresa, permitiu reforçar o network interno, a transferência de conhecimento e um equilíbrio saudável de culturas. Por último, o alicerçar nos seus valores, “Trust on each other” e “Deliver our commitments”, permitiu a descentralização de poder e um equilíbrio entre controlo, delegação e velocidade.

Quando se fala de expansão internacional, não existem segredos ou soluções pré-definidas. Para a Simoldes Plásticos não foi exceção, hoje com 18 anos de presença no mercado alemão, enfrentou diferentes desafios culturais e operacionais que foi ultrapassando num processo de melhoria continua. Mas, sem dúvida, a aposta na proximidade ao cliente e na presença num dos principais mercados na indústria foi uma aposta-chave para o sucesso do negócio e um elemento determinante no forte crescimento da empresa.

http://www.simoldes.com/

 

http://portugalglobal.pt/PT/RevistaPortugalglobal/2020/Documents/revista-135-outubro.pdf

 

A ECONOMIA EUROPEIA PÓS-COVID: A TENDÊNCIA DA “DESGLOBALIZAÇÃO”

A pandemia COVID-19 está a causar a maior crise pós Segunda Guerra Mundial. O impacto é de uma magnitude sem precedentes, agravada pela impossibilidade de percecionar o seu fim. Atualmente estamos a aprender a viver com esta nova realidade. Esta crise monopoliza as notícias, as nossas mentes e as nossas vidas com toda a sua carga negativa. O seu impacto económico e financeiro, cujo desfecho se mantém imprevisível, afeta a indústria, o comercio e a sociedade em geral, mas acentua-se muito mais na saúde das pessoas, com graves consequências para a envolvente familiar e emprego.

 

in Portugalglobal, Outubro 2020

por Carlos Ribas, Representante da Bosch em Portugal e Administrador Técnico da Bosch Car Multimedia Portugal, S.A.


Por norma, as crises provocam dor e dificuldades, mas a história mostra–nos que é nestes momentos que o ser humano revela o seu melhor em solidariedade, criatividade e capacidade de ultrapassar limites.

Este é o momento para quebrar paradigmas (sair da caixa), atuar de forma arrojada e corajosa, sabendo que riscos, falhas, angústias e desilusões fazem parte deste percurso. Porém, esta pode ser a última oportunidade para repensar o modelo económico europeu e apostar numa política mais orientada para uma sociedade/pessoas, mais ampla e mais equitativa, mais europeia.

Empresas de cariz inovador, tais como a Bosch, centros de competência, universidades e outros, estão a colocar os seus recursos, criatividade, inovação e capacidade de desenvolvimento serviço da sociedade, dando desta forma o seu contributo para a descoberta de uma solução que erradique esta e outras pandemias.

Esta crise está a acelerar mudanças anteriormente manifestadas, relacionadas com a tecnologia, com mercados, clientes ou regulamentações legais, mas também com a desaceleração do crescimento global e o aumento das restrições comerciais. Percecionamos défices na área da proteção à saúde e na vulnerabilidade das cadeias de abastecimentos globais.

Todavia, acontecimentos impactantes trazem grandes oportunidades para a sociedade e empresas. Atualmente é possível afirmar que esta pandemia teve como “consequência positiva”: a aceleração da digitalização e da inteligência artificial, da transição para os motores elétricos, uma ampla gama de produtos amigos do ambiente, o crescimento significativo do comércio online e ainda uma maior competitividade na procura de soluções mais sustentáveis.

A Bosch, desde sempre grande defensora da preservação do meio ambiente,vai continuar a investir numa economia mais verde, combater as alterações climáticas, proteger a biodiversidade e, na sua vertente tecnológica, acelerar a transição para a energia verde através da mobilidade elétrica, células de combustível (hidrogénio) ou tecnologia híbrida.

As repercussões da pandemia, a par com a transformação tecnológica da indústria automóvel, estão a exercer uma enorme pressão nos negócios do Grupo Bosch em Portugal. No segundo trimestre, a receita de vendas caiu consideravelmente, no entanto, desde junho assistimos a uma recuperação significativa que esperamos manter.

Todavia, as incertezas permanecem e a pandemia está longe de terminar. As empresas têm que estar preparadas para eventuais contratempos e continuar a agir de forma prudente, otimizando os recursos e controlando a despesa até ao limite aceitável. Neste momento, a Bosch em Portugal prevê terminar o ano com perdas, mas para reduzir o seu impacto implementamos medidas restritivas de contenção de custos. No entanto, fazemos a nossa gestão, cientes que não podemos correr riscos que comprometam projetos, o garante do nosso futuro.

A nossa organização é constituída pelas pessoas que nela trabalham e que, dia após dia, contribuem com a sua competência e dedicação, também por isso, a sua saúde é a nossa prioridade. Aproveito este momento para agradecer a todos os colaboradores da Bosch em Portugal pela sua resiliência e incrível profissionalismo, especialmente nestes últimos meses. Juntos temos conseguido manter a nossa organização em funcionamento e responder a todas as solicitações dos nossos clientes.

COVID-10, porta aberta para a “desglobalização”?

À globalização são atribuídos muitos benefícios, desde maior crescimento económico à redução da pobreza e até mesmo menor inflação. Como exemplo podemos referir a redução da pobreza na China, após a abertura da sua economia. O processo de globalização ajuda a reduzir o risco de reversão do fluxo livre de fatores de produção que, de outra forma, reintroduziria a pressão sobre os preços. Também aumenta o rendimento dos empregadores locais, uma vez que o mercado está aberto ao exterior. A globalização da economia tem os seus prós e contras.

Se, por um lado, criaram emprego, não é menos verdade que os maiores beneficiários foram aqueles que investiram nesses países normalmente designados de low-cost. Estes países criaram riqueza para terceiros, mas ao mesmo tempo desenvolveram-se em conhecimento, competências e iniciaram o seu próprio crescimento económico, tornando-se alguns deles potencias mundiais altamente tecnológicas. A pandemia COVID-19, que ao que tudo indica surgiu na China, mostrou como este país, ao aplicar políticas eficazes de controlo e gestão das pessoas (nem sempre consensuais), conseguiu manter sob controlo cadeias de transmissão, reduzir os contágios e minimizar o impacto nas suas cadeias de abastecimento globais.

Já nos países europeus a cadeia de abastecimento de componentes para a indústria continua a estar sujeita a perturbações por não sermos capazes de aplicar políticas robustas para a neutralização da pandemia.

A “desglobalização” pode não ser a solução para a globalização. Uma política mais equilibrada na regulamentação
dos mercados a nível global, através de negociações entre todos os stakeholder envolvidos, pode ser o caminho a seguir e que esta pandemia vai acabar por nos ensinar.

 

Carlos Ribas, Representante da Bosch em Portugal e Administrador Técnico da Bosch Car Multimedia Portugal, S.A.

 

http://portugalglobal.pt/PT/RevistaPortugalglobal/2020/Documents/revista-135-outubro.pdf

 

 

AGI – Augusto Guimarães & Irmão, Lda. |1915 – 2020 | 105 anos de história

Fundada a 26 de outubro de 1915, a AGI – Augusto Guimarães & Irmão, Lda., conseguiu sempre acompanhar as evoluções do mercado que foram surgindo ao longo dos anos, mantendo uma oferta diversificada, ganhando a confiança dos seus parceiros e clientes e tornar-se líder na distribuição de matérias-primas plásticas e equipamentos para a indústria de plásticos.

in AGI – Augusto Guimarães & Irmão, Lda., 07-10-2020


Em 1992, alargou a sua área de atuação ao sector da construção, oferecendo uma vasta gama de materiais com aplicação em interiores e exteriores.

Em 2019, a AGI torna-se na 1.ª Empresa de distribuição de polímeros em Portugal a comercializar equipamentos e filamentos para a impressão 3D, e a 1.ª empresa de distribuição de polímeros em Portugal a obter a certificação ISCC Plus, marcando mais uma vez a diferença sendo pioneira.

Em 2020, passa a ser membro do Grupo Hromatka que passa a estar presente em 16 países europeus, distribuindo matérias primas nessas geografias, sendo que no mês de outubro iniciamos a celebração do 105.º aniversário da AGI e lançamos o logotipo que assinala esta data.

https://www.agi.pt/

 

MCG mind for metal | 70 Anos de História

A MCG assinala 70 anos de existência em 2020: foi a 30 de Março de 1950 que Manuel da Conceição Graça, o fundador da empresa, deu início à atividade da MCG – Manuel da Conceição Graça, Lda, no Carregado.

in MCG mind for metal, 07-10-2020


Este foi apenas o começo de uma longa e bem-sucedida vida de uma das mais prestigiadas indústrias portuguesas de componentes para automóveis, que mais recentemente alargou a sua atividade a outras áreas de produção.

Convidamo-lo a ver o vídeo e a percorrer as várias etapas que compõem estes 70 Anos de História da MCG.

https://www.mcg.pt/historia-mcg/

INEGI e Bosch juntos em projeto de inovação na área dos adesivos para equipamentos eletrónicos

As juntas adesivas são cada vez mais utilizadas na indústria dos componentes eletrónicos, com benefícios ao nível dos materiais compósitos e durabilidade das ligações. É, por isso, fundamental tornar esta tecnologia mais fiável e mapear o seu comportamento neste contexto.

in INEGI, 07-10-2020


E é precisamente esse o objetivo do projeto que junta o INEGI e a multinacional Bosch, que se propõem a responder e antecipar os desafios desta indústria.

Como explica Lucas da Silva, responsável pelo projeto no INEGI, “as placas de circuitos eletrónicos são elementos essenciais para funcionamento de qualquer equipamento eletrónico, e o seu revestimento quer-se duradouro e resistente de modo a proteger os componentes no seu interior”.

Neste plano, os adesivos têm um papel essencial, já que cumprem a função de garantir o isolamento do invólucro. “A exposição das placas a fatores externos gera corrosão nos circuitos, diminuindo a sua vida útil”, acrescenta Catarina Borges, investigadora do projeto.

Simplificar a previsão da falha de juntas adesivas é prioridade do projeto

No entanto, a própria junta adesiva, que tem como missão proteger os circuitos eletrónicos, pode também deteriorar-se com a exposição a ambientes severos, nomeadamente quando sujeita à humidade e agentes contaminantes.

A contaminação com água ou outros resíduos “altera as propriedades mecânicas da junta adesiva, enfraquece a ligação, e resulta em áreas descoladas entre adesivo e aderente. Efeitos que tendem a resultar na rotura total da junta adesiva, muitas vezes de forma imprevisível”, afirma Catarina Borges.

Compreender a mecânica de juntas adesivas e prever o seu comportamento nestes contextos é, porém, de alta importância para os fabricantes. Quanto mais fiáveis e precisas forem as técnicas preditivas, mais fácil será para os fabricantes projetar a solução ideal para uma aplicação específica.

Para responder a este desafio, a equipa de especialistas do INEGI, em parceria com a alemã Bosch, está a desenvolver um método numérico para simular o efeito da humidade e contaminação em juntas adesivas. Em mira têm a criação de “processos de simples aplicação em contexto industrial, para determinar se uma junta tem um comportamento satisfatório quando exposta a condições exigentes”.

 

https://www.inegi.pt/pt/noticias/inegi-e-bosch-juntos-em-projeto-de-inovacao-na-area-dos-adesivos-para-equipamentos-eletronicos/