Bosch Car Multimedia | No centro do futuro

Bosch Car Multimedia, em Braga, é um caso exemplar de sucesso em Portugal. Um sucesso apoiado na competência ao nível da produção mas também na Investigação e Desenvolvimento. E que se traduziu, em 2017, num crescimento de 49% nas vendas. Este resultado, tal como a empresa, não é de agora. Tem por trás toda uma história, também ela exemplar, contada aqui, em discurso directo, por Carlos Ribas, Representante da Bosch em Portugal e Administrador Técnico da Bosch em Braga.

in Revista Industrial Portugal Forum nº 2, 18-02-2019


Dos auto-rádios à Bosch Car Multimedia

É estratégica a presença da Bosch em Braga, para a região e também para o país. Portugal tem vindo a conquistar espaço no panorama da inovação e na área da tecnologia, muito devido ao trabalho desenvolvido pelas equipas desta unidade, que dão o seu contributo para projetos estratégicos e que definem de forma muito particular o futuro da mobilidade autónoma, segura, conectada e elétrica, a nível global.

Neste sentido, é preciso perceber a evolução desta unidade que começou por ser apenas de produção, aquando da sua inauguração em 1990 e ainda sob a designação de Blaupunkt. Nessa época, a atividade da empresa limitava- se à montagem de auto-rádios, mas já com um importante peso económico e social em toda a região bem como no país. A evolução do mercado automóvel e as exigências das construtoras a nível mundial obrigaram-nos a um primeiro realinhamento estratégico, tendo sido a empresa, outrora Blaupunkt, rebaptizada em 2009 como Bosch Car Multimedia Portugal, S.A.»

Uma empresa sempre em transformação e sempre mais tecnológica

Desde então, a empresa tem vindo a atravessar uma transformação permanente na aquisição de conhecimentos e competências específicas em domínios mais tecnológicos. Também os fabricantes automóveis, cada vez mais exigentes, começavam a procurar equipamentos de infotainment que dessem aos seus utilizadores mais do que meras funções básicas de um rádio e navegação.

Para além da necessidade de produção e apoio ao desenvolvimento deste tipo de sistemas, a Bosch Car Multimedia Portugal começou também a produzir e a desenvolver sensores da área de segurança, nomeadamente sensores de ângulo de direção que fornecem a informação necessária para atuação do ESP, que é o sistema de segurança que mais vidas salva a seguir ao cinto de segurança.

Outros produtos de grande sucesso produzido Bosch em Braga são os sistemas de instrumentação, razão pela qual as instalações têm vindo a ser ampliadas e a equipa continua a crescer de uma forma sustentada.»

3700 colaboradores e 84 milhões de investimento em 2018

O crescimento da empresa e as provas dadas da competência tanto a nível de produção como ao nível da Investigação e Desenvolvimento de novas soluções, tecnologias e produtos, permitiram um crescimento das vendas de 49% em 2017. A Bosch está no pódio das empresas portuguesas que mais exporta no país e é uma das maiores empregadoras, confirmando mais uma vez o papel estratégico que assume, sendo cada vez mais um parceiro estratégico para Portugal.

O sucesso desta unidade permitiu que fossem investidos 84 milhões de euros em 2018, nomeadamente na expansão das instalações. A par da expansão das suas instalações, a Bosch Car Multimedia Portugal inaugurou, em 2018, um novo Centro de Desenvolvimento e Tecnologia que consolida Portugal, e mais concretamente Braga, como um “coração para a condução autónoma e mobilidade do futuro”.Mas não é só no investimento que a Bosch em Braga se destaca. No que diz respeito ao número de colaboradores o registo é também relevante, contando já com mais de 3700 colaboradores, dos quais mais de 450 engenheiros que se dedicam ao desenvolvimento de soluções que contribuem para uma mobilidade mais segura, eficiente e confortável, a partir de Braga para o mundo.»

A maior parceria de inovação em Portugal

O trabalho realizado pelas várias equipas beneficia de um suporte que ultrapassa as instalações desta unidade e, nesse sentido, a Bosch Car Multimedia Portugal foi também pioneira. Em 2012, fruto da exigência para tecnologias cada vez mais avançadas, a Bosch e a Universidade do Minho assinaram aquela que viria a tornar-se na maior parceria de inovação em Portugal e uma das maiores parcerias entre indústria e academia da Europa.

Esta aposta no aproveitamento e rentabilização do conhecimento produzido pelas instituições académicas serviu posteriormente como exemplo e como mote para que outras empresas e outras instituições de ensino se associassem e estabelecessem sinergias que permitem hoje que Portugal seja uma referência na área da investigação e as suas universidades procuradas pela sua qualidade.

No que toca ao projeto propriamente dito entre Bosch e a Universidade do Minho, o mesmo conta já com duas fases concluídas e resultados reconhecidamente muito positivos. No total estiveram envolvidas mais de 800 pessoas, mais de 360 das quais novas contratações; e foram submetidas várias patentes, colocando, inclusivamente, a Bosch Car Multimedia Portugal na entidade que mais submissões de patentes fez em 2018, totalizando-se em 26.

Os sucessos alcançados nesta parceria motiva-nos a estabelecer desafios ainda mais ambiciosos. Novos projetos entre as duas instituições já se encontram em fase de candidatura e aprovação, e espera-se um investimento de 108 milhões de euros, que vai permitir a submissão de pelo menos 33 patentes para além da criação de um elevado número de novos produtos, através do envolvimento de mais de 950 pessoas, cerca de 450 das quais serão novas contratações.»

Sistemas para o futuro com ambição global

Por todas estas razões a Bosch Car Multimedia Portugal tem conquistado projetos de relevo a nível global e consolidado as suas competências no domínio da inovação, investigação e desenvolvimento. Prova disso é o envolvimento em projetos estratégicos para a mobilidade do futuro e a condução autónoma como o amplamente falado V2X, que permite a comunicação entre veículos e infraestruturas; e o sensor de movimento e posicionamento do veículo, que permite ultrapassar a falta de precisão dos sistemas de localização atuais. Equipas de engenheiros portugueses estiveram na criação destas soluções inovadoras.

Além disso, o sistema Mirror Cam, que irá substituir os atuais retrovisores exteriores dos camiões, também ele foi desenvolvido com o contributo da equipa da Bosch em Braga, e vai aumentar o nível de visibilidade de todo o veículo, a segurança e capacidade de manobra de quem conduz.

Por fim, o conhecimento e a experiência adquirida ao longo dos anos na produção de clusters para automóveis e outros veículos de quatro rodas permitiram que esta unidade conquistasse competências para o desenvolvimento das soluções mais inovadoras para os veículos de duas rodas.

A Bosch em Braga é, por isso, um verdadeiro centro tecnológico, capacitado para as exigências do futuro e responsável por traçar algumas das mais importantes linhas orientadoras para a mobilidade do futuro.»

 

 

Ampliação de 4,5 ME em fábrica de plásticos pronta dentro de cinco meses

Atualmente, a Vianaplásticos tem 30 trabalhadores.

in Diário do Minho, 18-02-2019


 

A empresa Vianaplásticos, que produz peças plásticas para a indústria automóvel e ferramentas, está a investir 4,5 milhões de euros na ampliação da unidade situada na zona Industrial de Neiva, em Viana do Castelo, informou hoje a câmara local.

Contactada pela Lusa, fonte autárquica afirmou que a ampliação, que estará concluída dentro de cinco meses, criará uma nave industrial, com dois mil metros quadrados de área, e cinco novos postos de trabalho.

Segundo a Câmara de Viana do Castelo, a empresa “iniciou, em 2014, um plano de investimentos com a aquisição de novos equipamentos, aumentando assim o seu parque de máquinas e capacidade produtiva”.

Com aquele aumento, “surgiu a necessidade de ampliar as instalações existentes com a construção de uma nova nave de dois mil metros quadrados”.

O contrato de investimento foi assinado, entre o presidente José Maria Costa e os responsáveis da fábrica, ao abrigo do Regime de Incentivos ao Acolhimento Empresarial e Turístico e à Regeneração Urbana.

A Vianaplásticos foi fundada em 1992, como sucursal da empresa brasileira Ferplast. Atualmente, de acordo com informação que consta no sítio da empresa na Internet, “a principal área de negócio é a produção de peças plásticas técnicas para a indústria automóvel”.

 

 

PSA, Fiat Chrysler extend partnership for large vans

PSA Group and Fiat Chrysler Automobiles have extended their agreement to build large vans at the Sevelsud factory in Italy through 2023.

in Automotive News Europe, by Peter Sigal, 15-02-2019


 

The factory in Val di Sangro, in southern Italy, produces the Fiat Ducato, Peugeot Boxer and Citroen Jumper. Opel and Vauxhall versions will be added as PSA integrates Opel/Vauxhall vans into its lineup.

Production capacity could be increased through added shifts, the companies said.

An Italian union source said that the current 15 weekly shifts could grow to 17 or 18, raising annual production from about 300,000 units per year to about 350,000.

The Sevelsud partnership dates to the late 1970s, with the plant in Italy inaugurated in 1981. It now employs 6,200 people.

In addition, PSA said large vans could also be built at other group production sites. The current Opel Movano large van is now built by Renault at its factory in Batilly, France.

“We are currently investigating different scenarios to satisfy commercial demand,” a PSA spokeswoman said, adding that no further details were available.

PSA Group currently produces midsize vans at Luton, England, and Hordain, northern France. The Hordain plant was part of the original Sevel agreement, but the PSA-Fiat partnership at the plant dissolved in 2012, with PSA taking over 100 percent of operations.

PSA is counting on higher light-commercial vehicle sales and profits as part of its Push to Pass 2021 strategic plan.

Last year the group introduced new small vans, including Opel and Vauxhall Combo variants, and started production of midsize Peugeot and Citroen vans at its factory in Kaluga, Russia.

PSA is also benefiting as Opel/Vauxhall vans are moving to its platforms. In addition to the large Vivaro and small Combo, formerly built with Fiat Chrysler in Turkey, the midsize Vivaro will move from a Renault platform.

In 2018 PSA sold 564,147 light-commercial vehicles, an increase of 18 percent year over year, but that figure includes full-year Opel/Vauxhall sales for the first time.

Andrea Malan contributed to this report

 

 

Carros portugueses conquistam novos países. Alemanha (ainda) lidera exportações nacionais

Portugal produz cada vez mais carros à boleia do T-Roc. Alguns ficam nas estradas nacionais, mas a larga maioria é exportada. Alemanha é o principal destino, mas há novas geografias.

in ECO economia online, por Paulo Moutinho, 17-02-2018


 

Portugal produz cada vez mais automóveis. Com o sucesso do T-Roc, saíram das fábricas nacionais quase 300 mil veículos no ano passado, um número bem superior ao dos veículos vendidos no mercado português. A grande maioria destes carros não fica nas estradas lusas, rumando a muitos países, nomeadamente europeus. A Alemanha continua a ser o destino primordial, mas França e Itália estão a aproximar-se. E há novos destinos.

Dos 294 mil veículos produzidos no ano passado em Portugal — um aumento de 68% face a 2017 –, 97%, ou seja, 285.673 automóveis acabaram por ter como destino a exportação. Tem sido uma constante, levando o setor automóvel, mais propriamente a Autoeuropa (onde é produzido o T-Roc), a ser um importante motor para a dinamização da economia nacional.

A maioria dos automóveis produzidos acaba por rumar para os parceiros europeus. A Alemanha é, sem surpresa, o destino primordial dos veículos que saem das fábricas nacionais, mas o peso deste mercado para os veículos portugueses encolheu no ano passado. Passou de 23,1% do total para 21,4%.

Maior trambolhão deu Espanha, que ficava com 15,4% dos carros nacionais, mas saiu do pódio das exportações de veículos portugueses ao encolher para 9,7% do total. O mesmo aconteceu com o Reino Unido, que deixou de ser o terceiro destino, sendo ultrapassado por França e Itália. A menor dependência do Reino Unido acaba por ser vista como positiva numa altura em que se aproxima o Brexit.

França e Itália aumentaram expressivamente o peso nas exportações de automóveis de Portugal. França representava 10%, mas subiu para os 15,4%, isto ao mesmo tempo que as exportações para Itália mais do que triplicaram, passando de apenas 3,7% em 2017 para 12,2% em 2018.

O ano passado ficou marcado também pelo surgimento de novas geografias nos destinos dos veículos produzidos no mercado nacional, ao mesmo tempo que desapareceram outros. Dinamarca, República Checa, Irlanda e Eslovénia foram as novidades nas exportações portuguesas, sendo que Dinamarca e República Checa contaram para 1,1%, cada, das exportações totais de veículos nacionais.

 

 

Participação portuguesa nos Automotive Meetings Tangier-Med

Numa iniciativa conjunta da AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel e da CEFAMOL – Associação Nacional da Indústria de Moldes, e que contou com o apoio da Delegação da AICEP em Marrocos, decorreu entre os dias 6 e 8 a participação portuguesa nos Automotive Meetings Tangier-Med, Marrocos.

in AFIA, 15-02-2019


Esta foi a sexta edição deste certame organizado pela AMICA (associação marroquina para a indústria e construção automóvel) evento focado em reuniões bilaterais entre as empresas participantes. No total estiverem representadas 150 empresas, entre construtores de automóveis, fabricantes de componentes, indústria de moldes e prestadores de serviços. Além de empresas marroquinas, participaram empresas de outros países tais como França, Espanha, Alemanha, Coreia do Sul e Japão.

A delegação portuguesa foi constituída por 8 empresas (Batista Moldes, CR Moldes, Gotec, KLC, MD Moldes, Moldit, Prifer e Toolpresse-TJ Moldes) que mostraram a sua capacidade para responder às necessidades do mercado automóvel marroquino. A promoção da oferta nacional e a identificação de novas oportunidades assume maior relevo quanto mais se atenta no significativo desenvolvimento da indústria automóvel naquele país. Um crescimento acelerado do número de viaturas montadas que passou de 40 mil em 2010 para mais de 400 mil carros produzidos no ano de 2018. Alavancado no plano de aceleração industrial 2014-2020, Marrocos pretende chegar até 2022 com uma capacidade de produção anual de um milhão de veículos, para tanto contribuindo os planos de crescimento industrial da Renault (2 fábricas), da PSA – Peugeot Citroën e do recente anúncio da construção de uma fábrica do construtor chinês BYD.

Marrocos já é um parceiro de negócio significativo para as empresas nacionais de fabricação de componentes que em 2018 para lá exportaram 71 milhões de euros, sendo por isso Marrocos o 16º destino das exportações de componentes portugueses.

Esta participação teve um saldo extremamente positivo pelos múltiplos contactos e visitas recebidas, sendo de salientar o encontro com o Ministro da Indústria de Marrocos, que afirmou a importância da indústria automóvel portuguesa para a consolidação da indústria automóvel daquele país do Magreb. Relembre-se que em Dezembro de 2017 a AFIA assinou um protocolo de colaboração com a AMICA que visa o reforço da cooperação técnica e comercial; e a coordenação de acções entre as duas entidades.

 


 

Da esquerda para a direita: Rui Cordovil (Delegado da AICEP Marrocos), Moulay Hafid El Alamy (Ministro da Indústria de Marrocos), Adão Ferreira (Secretário-Geral da AFIA) e Manuel Oliveira (Secretário-Geral da CEFAMOL).
Visita do Ministro da Indústria ao stand da AFIA / CEFAMOL

 

 

Autoeuropa vai produzir versão mais desportiva do T-Roc

Versão ‘vitaminada’ do veículo utilitário desportivo será oficialmente apresentada dia 7 de março, no Salão Automóvel de Genebra.

in Dinheiro Vivo, 14-02-2019


 

A Autoeuropa prepara-se para produzir mais T-Roc. A Volkswagen vai apresentar no dia 7 de março, no Salão Automóvel de Genebra, o T-Roc R, a versão mais desportiva do veículo utilitário desportivo e que também será montada na unidade portuguesa do gigante automóvel alemão a partir dos próximos meses.

Nesta versão, será montado um motor a gasolina 2.0 turbo, com 296 cv, semelhante ao que está debaixo do capot do Volkswagen Golf R e do Seat Leon Cupra, as versões mais dinâmicas do grupo Volkswagen.

O T-Roc R tem sido testado pela unidade de negócio Volkswagen R na versão antiga do circuito de Nürburgring e tem contado com o contributo dos pilotos Petter Solberg e Benjamin Leuchter, segundo informação enviada à imprensa esta quinta-feira.

O Volkswagen T-Roc começou a ser produzido em série no final de julho de 2017 na fábrica da Autoeuropa. O grupo automóvel alemão diz que desde novembro de 2017 já foram vendidas perto de 200 000 unidades deste veículo, o primeiro modelo de larga escala da unidade de Palmela

 

 

Nissan to open plant in Algeria

Nissan has signed a joint-venture agreement with an Algerian private partner to build a car plant at a cost of $160 million, the company said on Wednesday.

in Automotive News Europe, by Hamid Ould Ahmed | Reuters, 13-02-2019


The plant, near the western city of Oran, is due to start production in the first half of 2020 with a capacity of 63,500 cars and light commercial vehicles annually, Peyman Kargar, Nissan’s senior vice president and chairman of operations in Africa, Middle East and India, said at a signing ceremony in Algiers.

The plant will produce several models, Nissan said. Details of which vehicles will be built in Algeria will be announced at a later date, the company said.

Nissan’s partner, Hasnaoui Group, will hold a majority stake in the project, which is expected to create 1,800 jobs.

Algeria has banned car imports as part of an attempt to cut spending due to lower oil and gas earnings, the main source of state finances.

“We want to help diversify our economy,” said Hasnaoui Group’s owner Sofiane Hasnaoui.

The North African country, an OPEC member, has been trying to attract foreign investment and develop the non-energy sector, which accounts for just 6 percent of total export revenues.

“Algeria is a big country for us. Thanks to government’s support, we managed to conclude this deal,” said Kargar.

“Our top priority is to meet local demand, but we will think about exporting our product later,” he added.

The deal also includes training of the plant’s employees by Nissan staff, Hasnaoui said.

 

 

Stable EU auto market in view for 2019, with CO2 and trade challenges ahead

In 2019, EU car sales will stagnate at 2018 levels in terms of units sold, staying close to the 15 million new registrations mark recorded last year, according to new forecasts by the European Automobile Manufacturers’ Association (ACEA).

in ACAP, 13-02-2019


Although 2018 was the fifth consecutive year of growth, the pace of growth has slowed down significantly over the last few years, amounting to a slight increase of just 0.1% in 2018 (compared to +9.3% in 2015). For 2019, ACEA expects at best a stable EU car market, with a growth rate of under 1%.

“Given this rather shaky growth forecast, we will need to take every effort to safeguard our industry’s competitiveness, bearing in mind some of the major challenges ahead,” stated ACEA President Carlos Tavares during a press conference in Paris this afternoon. “These include meeting stringent car and van CO2 targets – both for 2020 and the recently-agreed post-2020 targets – the looming prospect of a no-deal Brexit, and the ever-present threat of tariffs on US car imports.”

Largely due to the continuing decline in diesel sales – which are being offset primarily by an increase in sales of petrol cars (up by almost six and a half percentage points last year) – first indications suggest that 2018 was the second year in a row where CO2 emissions from new cars increased. In this context, meeting future CO2 targets will require a significantly stronger market uptake of electric cars and other alternatively-powered vehicles than is currently proving possible. Consumers however remain sceptical.

Indeed, the latest full-year figures show that just 2% of all new cars sold in 2018 were electrically-chargeable. This is largely due to the limited affordability of these cars, as well as the lack of charging and refuelling infrastructure. “In an effort to make these extremely ambitious CO2 reductions achievable in practice, we are urging policy makers to ensure that all the right enabling conditions are in place, particularly by making the much-needed investments in infrastructure,” urged Mr Tavares.

“The prospect of a no-deal Brexit still has not been ruled out. On the contrary, this scenario looks more likely than ever before,” Tavares warned. Hence, auto manufacturers are being forced to take drastic contingency measures – with some seeking warehouse space to stockpile parts, others planning a temporary post-Brexit production shutdown, and several companies even cutting back their investments in the UK.

Tavares: “The harsh fact, however, remains that none of this can realistically cover all the gaps left by the UK’s withdrawal from the EU on WTO terms. That is why we are urging both sides to redouble their efforts to successfully conclude a withdrawal deal in these crucial final weeks.”

 

 

 

 

O Centro de Mangualde irá produzir o novo Opel Combo, integrando toda a nova geração de pequenos furgões do Groupe PSA

Após o lançamento industrial da terceira geração dos veículos comerciais das marcas Citroën e Peugeot, o Centro de Mangualde produzirá, pela primeira vez, veículos da marca Opel.

in PSA Mangualde, 08-02-2019


Em 2018, a fábrica de Mangualde iniciou a produção dos novos Peugeot Partner/Rifter e Citroën Berlingo/ Berlingo Van. Para receber a produção destes veículos com os melhores níveis de eficiência, o Centro realizou um profundo processo de modernização e uma das mais importantes transformações industriais da sua história.

No desenvolvimento deste projeto e com a integração da Opel no dispositivo industrial do Groupe PSA, o Centro de Mangualde irá incluir, a partir do segundo semestre de 2019, a produção do novo Opel Combo, em duas variantes – comercial e de passageiros.

Este novo modelo vai possibilitar uma maior estabilidade e flexibilidade dos volumes de produção, permitindo que a fábrica se torne mais competitiva para responder a um mercado automóvel cada vez mais exigente.

A fabricação do Combo será partilhada com a fábrica de Vigo (Espanha), que já produz a marca Opel desde julho de 2018. Esta nova geração de veículos comerciais ligeiros do Groupe PSA está a ser produzida sobre a plataforma EMP2 e em exclusivo mundial nas duas fábricas ibéricas – Mangualde e Vigo.

Os modelos Peugeot Partner, Citroën Berlingo e Opel/Vauxhall Combo foram eleitos recentemente “Furgão Internacional do Ano 2019” e “Best Buy Car of Europe de 2019”, galardões internacionais que reconheceram as múltiplas qualidades dos pequenos furgões do Groupe PSA.

Os principais mercados de destino dos modelos Opel Combo produzidos na fábrica de Mangualde serão Portugal, Espanha, França e Itália.

 

 

 

Skoda inicia la producción del Scala en la República Checa

Skoda ha iniciado la producción de su nuevo modelo compacto, el Scala, en su factoría de Mladá Boleslav (República Checa).

in AutoRevista, 12-02-2019


Se trata del primer vehículo de la marca basado en la plataforma MQB-A0del Grupo Volkswagen. Michael Oeljeklaus, responsable de Producción y Logística del Comité Ejecutivo de Skoda ha manifestado que “el inicio de la producción del nuevo ŠKODA SCALA es un momento muy especial para el conjunto de la compañía, especialmente para nuestra plantilla. El modelo fue diseñado y desarrollado en Mladá Boleslav – y aquí se fabricará a partir de hoy”.

La fabricación sobre plataforma MQB-A0 del Grupo Volkswagen permite emplear sistemas de asistencia innovadores de segmentos superiores, y proporciona una seguridad y un confort aún mayores en el segmento de los coches compactos. Junto con el sistema de asistencia de carril, el Scala incorpora detector de ángulo muerto, asistente lateral con alerta de tráfico posterior y control de crucero adaptativo. También están disponibles faros delanteros y traseros full-LED.

Actualmente, los clientes pueden elegir entre cuatro variantes de motor: tres de gasolina y una versión TDI. Una quinta variante, una versión GNC propulsada por gas natural, se incorporará a la oferta a lo largo de este año. La potencia de estos motores va de 66 kW (90 CV) a 110 kW (150 CV). Todos ellos cuentan con turboalimentación así como con inyección directa, y cumplen con la normativa de emisiones Euro 6d-TEMP. También están equipados con sistema Stop/Start y tecnología de recuperación de la energía de frenada. El Scala es el primer modelo europeo de la marca que incorpora la palabra Skoda en el portón trasero.